Medalhão do Imperador Septímio Severo

Medalhão do Imperador Septímio Severo


Septimus Severus

Lucius Septimius Severus nasceu em 1 ° de abril de 145 DC em Lepcis Magna, na Tripolitânia. Sua família era de ascendência africana. Seu bisavô paterno, que se mudara de Lepcis Magna para a Itália e se tornara equestre, era provavelmente de origem púnica e sua mãe, Fúlvia Pia, era de uma família que havia se mudado da África para a Itália.

Pouco se sabe sobre o pai de Severo & # 8217, Publius Septimius Geta, além de que ele tinha dois primos que se tornaram cônsules.

Severus era um homem pequeno, mas de constituição poderosa. Embora na velhice ele se tornasse muito fraco e atacado de gota. Ele não era muito educado, falava pouco em público. E também, ele é conhecido por sua crueldade e crueldade. O historiador Cássio Dio fala dele, & # 8216Sévio foi cuidadoso com tudo o que desejava realizar, mas sem se importar com o que se dizia dele.

Pouco depois de seu décimo oitavo aniversário, Severo chegou a Roma e foi nomeado senador por Marco Aurélio por volta de 175 DC. Depois disso, ele se tornou governador da Gallia Lugdunensis e da Sicília e, no final do reinado de Commodus & # 8216, foi nomeado cônsul em 190 DC.

Então, à medida que a trama se complicava para matar Commodus, um amigo africano de Severus & # 8217, o prefeito pretoriano Laetus, colocou pessoas em quem podia confiar em posições-chave no império. E então seu amigo Severus foi nomeado governador da Alta Panônia.

A trama teve sucesso e trouxe Pertinax ao poder. Mas logo depois que Pertinax foi assassinado e Dídio Juliano comprou o trono da guarda pretoriana. Laetus foi executado por seu envolvimento com o assassinato de Commodus.

As três principais pessoas que foram colocadas em posições de poder por Laetus descobriram que era hora de agir. Os três eram Severus, Pescennius Niger e Clodius Albinus.

Severo foi aclamado imperador por suas tropas em Carnuntum em 193 DC. Pescennius Níger foi aclamado imperador por suas tropas no leste. Enquanto isso, Clodius Albinus não tinha se aclamado imperador, mas sem dúvida estava esperando nos bastidores, preparando-se para o momento certo.

Mas Clodius Albinus, comandante das legiões na Grã-Bretanha e com muito apoio no Senado, foi abordado por Severo, que lhe concedeu a posição de César (imperador júnior).

Esta posição júnior implicava claramente que Clodius Albinus foi marcado como o sucessor de Severus & # 8217, ou pelo menos Albinus foi levado a acreditar. Foi um truque político astuto para subornar Clódio, já que agora deixava Severus avançar rapidamente sobre Roma. Avançando com nada menos que 16 legiões sob seu comando, a oposição simplesmente desmoronou diante dele.

Severus ignorou todas as ameaças e apelos de Juliano e # 8217 e, pouco antes da chegada de seu exército a Roma, Juliano foi de fato condenado à morte pelo Senado e depois foi morto em seu palácio deserto.

Assim que chegou a Roma, Severus executou os envolvidos no assassinato de Pertinax. Nesse ínterim, a guarda pretoriana, que havia provado ser uma tal ameaça a qualquer imperador, foi dissolvida e seus membros banidos de Roma. Em vez disso, ele colocou em seu lugar uma força com o dobro do tamanho, composta por homens retirados de seu exército, especialmente as legiões do Danúbio.

Severus também triplicou o número de coortes da cidade (a polícia de Roma) e dobrou o corpo de bombeiros (vigiles) para aumentar a segurança da cidade.
Para elevar o moral do exército, a instituição que o havia claramente estabelecido no trono, ele aumentou seu salário de trezentos para quinhentos denários por ano.

Tendo se estabelecido firmemente em Roma e sabendo que suas fronteiras ocidentais em direção a Albinus estavam garantidas com sua concessão do cesarship, Severus estava livre para se mover para o leste e lidar com Pescennius Níger. Em 194 DC Severo Severus esmagou as forças do Níger & # 8217s em Issus, na mesma planície em que Alexandre o Grande derrotou Dario cerca de 500 anos antes.

Com seu oponente morto, Severus agora poderia estampar ainda mais sua autoridade no leste. Os apoiadores do Níger foram duramente punidos, muitos deles fugindo para os partos, que ajudaram o Níger em sua luta. Para que nenhum futuro governador da Síria assumisse a ideia de se proclamar imperador, a poderosa província foi dividida em duas Cele-Síria e Fenícia.

Para acompanhar seu sucesso e punir os partas, Severo liderou uma campanha punitiva contra os Osrhoeni da Mesopotâmia e outros vassalos partas do outro lado da fronteira.

Assegurado o domínio do leste, Severus agora voltou sua atenção para Clodius Albinus. Primeiro, ele declarou que seu filho mais velho, Caracalla, era César e, portanto, seu herdeiro no final de 195 DC. Isso foi claramente um tapa na cara de Albinus, que se considerava sucessor do trono.

Na verdade, foi um desafio velado e Albinus o aceitou. Em 196 DC, ele também foi aclamado imperador por suas tropas e então cruzou o canal para a Gália com 40 & # 8217000 homens, reunindo mais forças enquanto avançava em direção a Roma.

Severo, tendo apenas retornado brevemente a Roma em 196-7 DC, em janeiro de 197 DC partiu para sua base de poder no Danúbio. De lá, na Panônia, ele começou uma marcha para o oeste, através de Noricum, Raetia, Alta Alemanha e Gália, reunindo tropas à medida que avançava.

Os enormes exércitos se encontraram inicialmente em Tinurtium. Severus alcançou a vitória, mas não teve grande significado. A batalha completa ainda estava para acontecer em Lugdunum (Lyon) em 19 de fevereiro de 197 DC. Foi uma batalha muito acirrada. A certa altura, um avanço de uma seção das tropas de Albinus & # 8217 estava tão perto de Severus que ele foi jogado de seu cavalo e decidiu jogar fora sua capa que o marcava como imperador em uma tentativa de esconder sua identidade. Mas esse avanço acabou sendo adiado, salvando o imperador.

A batalha ainda estava em jogo por um longo tempo, mas infelizmente o lado de Severus e # 8217 venceu. Clodius Albinus fugiu para a cidade de Lugdunum (Lyons) tentando escapar. Mas descobrindo que a fuga era impossível, ele se matou (ou foi esfaqueado).

O que se seguiu foi muito revelador sobre o homem que agora era o imperador incontestado do Império Romano. Severus colocou o cadáver de Albinus no chão, para que ele pudesse cavalgá-lo e pisoteá-lo com seu cavalo. Posteriormente, a cabeça de Albinus & # 8217 foi decepada e enviada para Roma. Seu corpo, junto com os de sua esposa e filhos, foi lançado no Reno.

Albinus & # 8217 província Grã-Bretanha foi posteriormente, como Níger & # 8217s província síria, dividido em duas partes Britannia Superior e Inferior.

Se Albinus gozava de apoio no Senado, Severus agora reprimiu esses apoiadores. Ele matou impiedosamente 29 senadores e vários cavaleiros em Roma. Essa crueldade e vingança valeram a Severo o apelido de & # 8216o Púnico Sulla & # 8217, referindo-se à sua origem africana e ao notoriamente vingativo ditador da república romana.

Agora, as atenções de Severus mais uma vez se voltaram para a Parthia. Se sua expedição anterior à Pártia tivesse sido um caso breve, provavelmente porque ele sentia que deveria retornar ao oeste para cuidar de Albinus, então agora ele era um governante indiscutível e não tinha tais restrições.

Pártia, decidiu ele, agora deveria sofrer sua ira por intervir em favor de Pescennius Níger. Sem dúvida, havia também outras considerações. Severus era em essência um militar. E ele e seus generais naturalmente buscavam glórias militares.

A guerra foi breve, pois a Pártia era fraca na época. No final de 197 DC, a capital Ctesiphon foi capturada. Mais uma vez, a crueldade de Severo mostra-se no fato de que todos os homens foram mortos e as mulheres e crianças (cerca de 100 & # 8217000) foram vendidas como escravas.

Posteriormente, a Mesopotâmia foi mais uma vez anexada como uma província do Império Romano. Mas Severus não deveria ter tudo do seu jeito. A estratégica cidade-fortaleza de Hatra foi sitiada duas vezes sem sucesso, deixando claro que nem toda a Mesopotâmia estava em mãos romanas.

Os negócios do governo eram conduzidos em grande parte em nome de Severus & # 8217 por seus prefeitos pretorianos, que rapidamente se tornaram odiados pelo público. O mais famoso de tudo foi o amigo íntimo do imperador, o prefeito Gaius Fulvius Plautianus, que não demorou muito para ganhar uma reputação de abusos de poder e extrema crueldade. Houve até um boato de que para sua filha Publia Fulvia Plautilla, que se casou com o filho do imperador Caracalla, ele havia crescido castrado para serem seus eunucos-servos.

Caracalla, que havia sido feito co-imperador no início de 198 dC, ressentia-se de ser casado com a filha de Plautiano e # 8217, diz-se que talvez tenha planejado seu assassinato. As coisas não estão claras. As contas são diferentes. Ou Caracalla ordenou que três oficiais levassem uma falsa advertência a Severus de que ele e Caracalla estavam em perigo de Plautianus, ou eles realmente eram uma conspiração real. Qualquer que seja a versão verdadeira, Severus agiu rapidamente e executou seu poderoso prefeito.
Depois disso, o cadáver foi lançado na rua, onde o público descarregou sua raiva sobre a figura odiada.

Ao longo de seu reinado Severo foi um dos maiores construtores imperiais. Ele restaurou um grande número de edifícios antigos & # 8211 e inscreveu neles seu próprio nome, como se os tivesse erguido. Sua cidade natal, Lepcis Magna, foi especialmente beneficiada. Mas, acima de tudo, o famoso Arco do Triunfo de Severo no Fórum de Roma dá testemunho de seu reinado.

Com a saúde enfraquecida e fraca por causa da gota, Severus partiria pela última vez em uma campanha militar. Desta vez, foi a Grã-Bretanha que exigiu a atenção do imperador. A Muralha Antonina nunca agiu realmente como uma barreira perfeitamente bem-sucedida para os bárbaros problemáticos ao norte dela. A essa altura, ele havia sido praticamente abandonado, deixando as províncias britânicas vulneráveis ​​a ataques do norte. Em 208 DC Severo partiu para a Grã-Bretanha com seus dois filhos briguentos. Grandes campanhas militares agora se dirigiam para o fundo da Escócia, mas não conseguiram realmente criar uma solução duradoura para o problema.

Vale a pena mencionar, porém, que existe uma história em que Caracalla disse ter tentado esfaquear Severus nas costas em um ponto, quando Severus e seu filho estavam cavalgando à frente do exército. Mas Severus foi supostamente avisado por gritos dos soldados atrás.

No entanto, esta história parece ter pouca credibilidade, pois de outra forma teria parecido impossível para Caracalla ter permanecido herdeiro depois disso. Como as campanhas para conquistar os territórios da Caledônia não tiveram nenhum sucesso duradouro, a Muralha de Adriano foi reconstruída, desta vez em pedra, para defender a fronteira. Severo adoeceu em Eburacum (York), onde morreu aos sessenta e seis anos (4 de fevereiro de 211 DC).

& # 8216Mantenha-se em boas relações, & # 8217 é dito ter sido seu último conselho para seus filhos, & # 8216 seja generoso com os soldados e não dê atenção a ninguém! & # 8221

Seus filhos, Caracalla e Geta, puseram fim a todas as campanhas militares que ainda estavam em andamento na Escócia e então partiram para casa, carregando as cinzas de seu pai para Roma, onde foram sepultados no Mausoléu de Adriano. Logo depois ele foi deificado pelo Senado.


Geta era o filho mais novo de Septímio Severo com sua segunda esposa Julia Domna. Geta nasceu em Roma, numa época em que seu pai era apenas um governador provincial a serviço do imperador Commodus.

Em 198, Geta foi elevado para César. Septímio Severo deu a Geta o título de augusto em 209.

Durante a campanha contra os britânicos no início do século III dC, a propaganda imperial promoveu a imagem de uma família feliz que compartilhava as responsabilidades do governo. Caracalla atuava como o segundo em comando do imperador, e os deveres administrativos e burocráticos eram responsabilidade de Geta. Na realidade, porém, a rivalidade e a antipatia entre os irmãos não diminuíram. Com a morte do imperador Septímio Severo, Geta e seu irmão Caracalla se tornaram imperadores. [3]

Quando Septimius Severus morreu em Eboracum no início de 211, Caracalla e Geta foram proclamados imperadores conjuntos e retornaram a Roma. A mãe deles, Julia Domna, que havia servido como conselheira e confidente de seu marido, foi capaz de manter sua influência política sobre dois co-imperadores. Diz-se que, na viagem da Grã-Bretanha a Roma, os dois irmãos se mantiveram bem afastados um do outro, nem uma vez hospedados na mesma casa ou compartilhando uma refeição em comum. [4]

Seu governo conjunto foi um fracasso. O Palácio Imperial de Roma era dividido em duas seções separadas e nenhuma permitia que os servos da outra fossem seus. Eles só se encontraram na presença de sua mãe, e com uma forte guarda militar, estando em constante medo de serem assassinados. [5] A estabilidade atual de seu governo conjunto foi apenas através da mediação e liderança de sua mãe, Julia Domna, acompanhada por outros cortesãos e generais do exército. O historiador Herodiano afirmou que os irmãos decidiram dividir o império ao meio, mas com a forte oposição da mãe, a ideia foi rejeitada, quando, no final de 211, a situação se tornou insuportável. [6] Caracalla tentou sem sucesso assassinar Geta durante o festival de Saturnália (17 de dezembro). Finalmente, no dia 26 de dezembro, Caracalla fez com que sua mãe arranjasse um encontro de paz com seu irmão nos aposentos de sua mãe, privando Geta de seus guarda-costas, e então o assassinou em seus braços por centuriões. [7]

Caracalla ordenou a condenação de sua memória, o que foi feito à risca, como fica claro no registro arqueológico. [8] [9] Supostamente, Caracalla foi posteriormente atormentado pela culpa por sua ação, mas procurou expiá-la adicionando a este crime a proscrição de todos os ex-seguidores de seu irmão. [10] Cassius Dio afirmou que cerca de 20.000 homens e mulheres foram mortos ou proscritos sob esta acusação durante este tempo. [11]

Muito poucos retratos de mármore atribuíveis a Geta sobreviveram até hoje, presumivelmente devido ao muito completo damnatio memoriae o que resultou no apagamento de suas imagens. No entanto, as moedas romanas com sua imagem são abundantes e podem refletir como seu pai Sétimo Severo e sua mãe Julia Domna e mais tarde o próprio Geta queriam que ele fosse visto pelo povo romano (e especialmente pelos militares romanos).

Imagens de Geta e seu irmão mais velho Caracalla não podem ser bem distinguidas até a morte do pai. Ambos os filhos deveriam ser apresentados como herdeiros igualmente adequados ao trono, mostrando assim mais "profundidade" para a dinastia.

Em suas moedas, Caracalla, que se tornou augusto em 198, foi mostrado com uma coroa de louros, enquanto Geta permaneceu com a cabeça descoberta até que ele próprio se tornou augusto em 209. [12] Entre 209 e a morte de seu pai em fevereiro de 211, os dois irmãos foram mostrados como jovens igualmente maduros com uma barba curta e cheia, prontos para assumir o império. Entre a morte de Septimus Severus e o assassinato de Geta, os retratos de Caracalla não mudaram, enquanto Geta era representado com uma longa barba e cabelos soltos, como seu pai, uma forte indicação dos esforços de Geta para ser visto como o "verdadeiro" sucessor de seu pai. [12]

o Severan Tondo a pintura do painel retrata Septímio Severo e sua família com um rosto obliterado que se supõe ser Geta.


Septimius Severus

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Septimius Severus, na íntegra Lucius Septimius Severus Pertinax, (nascido em 11 de abril de 145/146, Leptis Magna, Tripolitânia [agora na Líbia] - falecido em 4 de fevereiro de 211, Eboracum, Grã-Bretanha [agora York, Eng.]), imperador romano de 193 a 211. Ele fundou um pessoal dinastia e converteu o governo em uma monarquia militar. Seu reinado marca um estágio crítico no desenvolvimento do despotismo absoluto que caracterizou o Império Romano posterior.

Filho de um equestre da colônia romana de Leptis Magna, Severo entrou no Senado por volta de 173 e tornou-se cônsul em 190. Na época do assassinato do imperador insano Commodus em 31 de dezembro de 192, ele era governador da Alta Panônia ( agora na Áustria e na Hungria) e comandante do maior exército no rio Danúbio. Ele permaneceu inativo enquanto a Guarda Pretoriana assassinou o sucessor de Cômodo, Publius Helvius Pertinax (março de 193) e leiloou o título imperial para Marcus Didius Julianus. Então, em 13 de abril, Severo foi proclamado imperador por suas tropas. Declarando-se o vingador de Pertinax, ele marchou sobre Roma. Juliano foi assassinado em Roma em 1º de junho, e Severo entrou na cidade sem resistência vários dias depois.

Severus substituiu a Guarda Pretoriana por uma nova guarda de 15.000 homens de suas próprias legiões do Danúbio. Ele pacificou temporariamente seu rival na Grã-Bretanha, Decimus Clodius Albinus, nomeando-o césar (imperador júnior). Em 194, ele marchou para o leste e derrotou decisivamente outro rival, Gaius Pescennius Niger, governador da Síria. Severus então se dirigiu para o oeste para confrontar Albinus, que se declarou imperador. Albinus cometeu suicídio após sua derrota esmagadora perto de Lugdunum (agora Lyon, França) em fevereiro de 197. Voltando a Roma, Severus executou cerca de 30 dos partidários senatoriais de Albinus. Para justificar sua usurpação, ele se declarou filho adotivo do imperador Marco Aurélio (governou 161–180) e reivindicou descendência do imperador Nerva (governou 96–98). Ele também nomeou Caracalla, seu filho com sua esposa síria, Julia Domna, como co-imperador e, portanto, sucessor. No final de 197, Severo marchou para o leste para impedir uma invasão da Mesopotâmia (agora no Iraque) pelos partos, e dois anos depois a Mesopotâmia foi anexada ao império.

Em 202, Severo estava de volta a Roma, onde passou os seis anos seguintes fazendo grandes mudanças na estrutura do governo imperial. Como seu poder se apoiava no poderio militar, e não na sanção constitucional, ele deu ao exército um papel dominante em seu estado. Ele ganhou o apoio dos soldados aumentando seu salário e permitindo que eles se casassem. Para evitar a ascensão de um poderoso rival militar, ele reduziu o número de legiões sob o controle de cada general. Ao mesmo tempo, Severo ignorou o Senado, que declinou rapidamente no poder, e recrutou seus funcionários da ordem equestre, em vez da senatorial. Muitos provincianos e camponeses receberam promoções, e a aristocracia italiana perdeu muito de sua influência anterior.

Severus deu atenção especial à administração da justiça. Os tribunais italianos fora de Roma foram removidos da jurisdição senatorial e colocados sob o controle do prefeito pretoriano. Após a queda (205) do favorito do imperador, o prefeito pretoriano Gaius Fulvius Plautianus, o distinto jurista papiniano tornou-se prefeito. Severus também baseou-se no conselho do renomado jurista Ulpiano para fazer extensas reformas nas leis. Apesar de suas doações para os pobres urbanos e de sua extensa campanha de construção, Severus conseguiu manter um tesouro completo.

Em 208, Severo, acompanhado por Caracala e seu filho mais novo, Geta, liderou um exército para a Grã-Bretanha para subjugar as partes da ilha que não estavam sob o domínio romano. Severus sucumbiu à doença em Eboracum. Com exceção da regra de Marcus Opellius Macrinus (217–218), os descendentes de Severus permaneceram no poder até 235.

Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Amy Tikkanen, Gerente de Correções.


Septimius Severus & # 039 Performance como Imperador Romano

Vários pôsteres parecem ter gostado de minhas conversas sobre como avaliar os famosos generais antigos, então decidi começar algumas conversas semelhantes sobre governantes.

Claro, um imperador romano ou qualquer outro governante pode ser avaliado de muitas perspectivas - alguns imperadores podem ter sido administradores habilidosos, mas generais medíocres, ou vice-versa. Outros (como o homem que escolhi aqui) podem ter sido ambas as coisas, mas não gozavam ou não gozavam de boa reputação como indivíduos.

Usei a mesma enquete que uso para meus tópicos de & quotrate the general & quot, 1 - 10 estrelas, com 1 estrela indicando um imperador horrível e 10 estrelas indicando um excelente imperador. Tente manter todas as facetas da carreira, comportamento pessoal e realizações do imperador em mente ao votar.

Septímio Severo nasceu por volta de 145 DC em Lepcis Magna, no norte da África, filho de um romano e um africano. Inteligente e ambicioso, Severus começou cedo sua carreira pública e ocupou cargos menores em todo o Império. Depois de servir como questor em Roma e na Sardenha, Severo manteve comandos legionários na África e na Síria sob Marco Aurélio e Cômodo. Durante o reinado de Commodus, ele conquistou o consulado (190 DC) e se tornou o governador de três províncias - Sicilia, Gallia Lugdunensis e Pannonia inferior. Ele também se casou com uma síria bem nascida, Julia Domna, que lhe deu dois filhos - Bassianus e Geta.

Na anarquia que se seguiu às mortes de Commodus e Pertinax, Severo marchou sobre Roma à frente das legiões do Danúbio. Em 193 DC ele entrou em Roma com seu exército - o primeiro general a fazê-lo desde o Ano dos Quatro Imperadores. Ele dissolveu os Pretorianos, substituindo-os por centuriões e veteranos de suas legiões e auxiliares do Danúbio, e também executou Dídio Iuliano, o senador que comprou o Império em um leilão realizado pelo Senado.

Severus tinha dois rivais em sua reivindicação - Decimus Clodius Albinus, governador da Britannia, e Lucius Pescennius Niger, governador da Síria. Durante sua marcha sobre a Itália Severo declarou Albinus seu César (imperador júnior), e assim foi capaz de evitar conflito com ele por enquanto. Depois de assegurar seu poder na própria Roma, ele se concentrou em trazer as províncias orientais sob seu controle. Em uma série de campanhas brutais em 194 e 195, Severus derrotou os exércitos do Níger e finalmente o matou em Antioquia. O derramamento de sangue e a carnificina foram os mais intensos a devastar o mundo romano desde as guerras civis do final da República - mas tornaram o regime de Severo seguro.

Depois de uma série de campanhas bem-sucedidas contra os partas, tribos árabes e povos mesopotâmicos, Severo marchou para o oeste e foi contra seu co-imperador Albinus. Os rivais travaram uma enorme batalha em Lugdunum em 196 - em termos do número de homens envolvidos, foi alegadamente uma das maiores batalhas já travadas na história romana. O exército de Severus foi quebrado, mas o exército de Albinus ficou gravemente - fatalmente - desorganizado enquanto os perseguia. Severus foi capaz de reunir seus homens, que se viraram e destruíram os soldados perseguidores de Albinus. Albinus suicidou-se e Severus tornou-se o senhor indiscutível do mundo romano.

Severo foi um dos imperadores mais ocupados e mais viajados de Roma, passando relativamente pouco tempo em Roma, exceto para realizar uma série de celebrações decadentes c. 203 - 207. Em 197 - 199 ele fez campanha contra o Império Parta, infligindo grandes danos aos Partas e saqueando e destruindo sua capital, Ctesiphon. Após retornar desta guerra, ele fez uma de suas novas legiões - a II Parthica - parte da guarnição da Itália. Ele foi o primeiro imperador romano a guarnecer soldados permanentemente além dos Pretorianos na Itália.

Severus viajou por toda a África, Egito e Síria, reformando os governos dessas importantes províncias e concedendo muitas honras e favores a suas cidades - particularmente sua cidade natal, anteriormente obscura, Lepcis Magna, que se tornou uma das grandes cidades da África no início do século III .

Em 207, toda a família Severan - Severus, Domna e seus filhos assassinos e ciumentos - liderou um exército contra tribos inquietas na Grã-Bretanha. Como nas guerras anteriores de Severus, um número enorme de pessoas em ambos os lados parece ter morrido durante o que se tornou quatro anos de guerra amarga e sem recompensa. A saúde de Severus começou a piorar durante sua campanha britânica, ele ficou preocupado com o Império, visto que seu filho mais velho Bassianus & quotCaracalla & quot era desequilibrado, cabeça quente e estava preparado para matar qualquer um para realizar suas ambições. Em 209 ele declarou Geta seu Augusto, mas isso só aumentou o ódio entre os irmãos.

Severus morreu em Eburacum em fevereiro de 211. Seus filhos sentaram-se em sua cama quando ele morreu, e ele supostamente disse a eles para "quothonar os soldados e desconsiderar todos os outros". Assim que ele morreu, Caracalla e Geta voltaram da Grã-Bretanha para Roma. Em um ano, Caracalla havia assassinado Geta e estava perseguindo os sonhos de seu pai de conquista oriental.

Severus deixou um legado misto. Ele era um homem brilhante, um bom organizador e administrador, e um dos melhores militares da Roma Imperial. Ele e toda a sua família eram obsessivamente amados pelos soldados, as pessoas comuns do Império e o Senado eram, na melhor das hipóteses, mais reservados em suas opiniões.

De acordo com a tradição cristã, ele reiniciou a perseguição aos cristãos (que raramente, se é que ocorrera sob os Antoninos), a famosa mártir Perpétua supostamente pereceu diante de seus olhos no Colusseum.

Severus era um homem brutal, senão sanguinário. Suas guerras e batalhas foram caracterizadas por um grande número de baixas em ambos os lados também foi notado por sua disposição de ordenar execuções em massa, matando, por exemplo, muitos senadores proeminentes após sua ascensão.

Ele parece ter sido um governante muito capaz e eficiente - embora frio. Ele fundou uma dinastia que permaneceu (relativamente) estável até a morte de Severus Alexander em 235 DC. Esta dinastia produziu alguns dos imperadores mais pitorescos de Roma, mas poucos de muito valor a longo prazo.

Então, qual é a sua avaliação do Imperator Lucius Septimius Severus Augustus?


Septimius Severus

Em 1967, o Museu de Belas Artes da Virgínia adquiriu uma estátua monumental do imperador romano Sétimo Severo. Saiba mais sobre a estátua e a pesquisa VMFA e esforço de conservação.

Saiba mais sobre Septimius Severus e a estátua VMFA.

Nascido de origem romana e púnica por volta de 145 na cidade de Lepcis Magna, no norte da África, Lúcio Septímio Severo é às vezes referido como o imperador africano. Ele serviu em cargos militares e diplomáticos, subindo na hierarquia até que seus soldados o proclamaram imperador em 193, um ano de tremenda agitação no Império Romano. Após um período de guerra civil, Severo instituiu reformas militares e administrativas que estabilizaram o império, garantiram suas fronteiras e reabasteceram seu tesouro. Severus morreu em 211 em uma parte da Grã-Bretanha romana que hoje é York, na Inglaterra. Seus dois filhos, Caracalla e Geta, o sucederam, e seus descendentes continuaram a governar o império até a morte de Alexandre Severo em 235, pondo fim à dinastia Severa.

Dezenas de retratos de Septímio Severo sobreviveram desde a antiguidade - incluindo obras de bronze, mármore e pedras preciosas - e milhares de moedas trazem sua imagem. O retrato de VMFA foi chamado de "tipo Marco Aurélio-Severo", em homenagem ao imperador Marco Aurélio, que reinou de 161 a 180 e foi extremamente popular. Severus afirmou, provavelmente falsamente, que Marco Aurélio o havia adotado. O uso desse tipo de retrato reforçou essa afirmação propagandística, concedendo legitimidade a Severus por associá-lo a seu predecessor muito amado e respeitado.

Septimius Severus
Roman, ca. 200 d.C.
Mármore
The Adolph D. and Wilkins C. Williams Fund.

A história da estátua

Vincenzo Giustiniani foi um dos colecionadores aristocráticos mais famosos e inovadores do século XVII. Sua coleção incluía arte de sua época e mais de 1.500 peças de estátuas antigas. Ele se deliciava com as exibições dramáticas de sua coleção que davam vida à antiguidade. Como parte desse esforço, Giustiniani supervisionou um exército de técnicos que fizeram grandes reparos nas obras, adicionando elementos a fragmentos antigos para criar estátuas completas. Septimius Severus da VMFA é um exemplo.

Este método de completar estátuas antigas de maneira criativa é muito diferente dos esforços atuais de conservação e restauração, que buscam preservar a integridade dos fragmentos. No entanto, Giustiniani foi uma figura importante no desenvolvimento da história da arte. Sua galeria famosa e muito visitada foi a precursora do museu moderno, e ele produziu um dos primeiros catálogos ilustrados de esculturas antigas - a Galleria Giustiniani - em que a estátua de Septímio Severo de VMFA aparece. Giustiniani também escreveu um tratado sobre conhecimento e conservação de esculturas antigas.

No início dos anos 1900, a Sra. Frederick F. Thompson, um colecionador de Nova York rico e bem relacionado, trouxe várias esculturas da coleção Giustiniani para os Estados Unidos. Muitas das estátuas sofreram danos durante a viagem e foram enviadas ao Metropolitan Museum of Art para serem reparadas e conservadas. Onze das obras permaneceram no Met e outras foram enviadas para instituições de todo o país. A estátua de Septimius Severus fazia parte da coleção de arte do Williams College em Massachusetts até que o VMFA a adquiriu em 1967.

Quebra-cabeça histórico da arte e pesquisa científica

Os historiadores da arte freqüentemente datam e autenticam obras de arte observando seu estilo e iconografia. No caso de Septímio Severo, houve divergências entre os estudiosos quanto a se a escultura era consistente com o trabalho em pedra da era Severa e se um imperador teria sido retratado neste estilo de roupa. Embora as pesquisas indiquem que a cabeça e o torso podem ser antigos, parecia que não eram da mesma estátua. As roupas incomuns levaram um estudioso a especular que a estátua pode representar Severo em trajes orientais como uma referência às suas vitórias sobre os partos, que viviam na fronteira oriental do Império Romano. Uma segunda possibilidade era que a cabeça e o torso tivessem sido esculpidos no século 17, quando as convenções do retrato imperial romano estavam apenas começando a ser estudadas seriamente por pessoas como Giustiniani. Uma outra possibilidade era que, mesmo que a cabeça e o torso não fossem da mesma estátua, um ou ambos ainda poderiam ter sido esculpidos na antiguidade.

Para ajudar a resolver essas questões, os pesquisadores do VMFA consultaram estudiosos da arte antiga e moderna, bem como outras instituições com esculturas da coleção Giustiniani, incluindo o Metropolitan Museum of Art, o Chrysler Museum of Art e o J. Paul Getty Museu. Eles também realizaram análises científicas para determinar a origem do mármore e identificar os materiais usados ​​em trabalhos de restauração anteriores. Essas informações podem mostrar como as peças da estátua foram colocadas juntas, permitindo que os conservadores as removessem com segurança e substituíssem reparos instáveis.

Raios-X foram tirados para ver quais métodos mantinham as várias partes da escultura juntas. Ao longo da sua história, a escultura foi reparada e remontada com várias peças e suportes de mármore. Os pesquisadores descobriram que hastes de ferro - típicas da prática do século 17 - foram inseridas em algumas partes da escultura, e hastes de latão - geralmente usadas no século 20 - estavam presentes em outras. Materiais adicionais foram usados ​​para preencher as rachaduras entre as seções. Esses materiais também foram analisados ​​para determinar sua composição. Essas informações, juntamente com a estrutura em camadas dos preenchimentos, forneceram uma possível linha do tempo que indicava quando as partes podem ter sido combinadas.

Os pesquisadores concluíram que a cabeça e o torso foram criados na antiguidade. Mas isso não disse a eles quando as peças foram reunidas - na antiguidade ou durante a Renascença?

In order to determine the origin of the marble, stable isotope ratio analysis was carried out on six different samples from the major fragments. Results of the analysis showed that the marble of the neck, arms, and lower legs was a type of Cararra marble that was used extensively in Italy and only available during the Renaissance. The marble of the head and torso came, respectively, from Mt. Pentilikon, near Athens, and the Aegean island of Paros. The most likely period for Pentelic and Parian marbles to be used in Rome is antiquity, when the city was the center of a thriving marble trade throughout the Mediterranean.

With this information, researchers concluded that the head and torso were created in antiquity. But this didn’t tell them when the pieces were brought together—in antiquity or during the Renaissance? Ancient statues were often made from several pieces of marble or combined different types of stone. Sometimes a block of marble proved too small for a patron’s—or artist’s— conception of the finished work. Some marbles were more prestigious than others for instance, the head might be carved from a more expensive marble than the body. It was also common to carve the head and body separately, so that a customized portrait could be inserted into a standardized body. Typically, an added head had a tenon below the neck that fit into a hole between the shoulders. The physical evidence on this sculpture does not support this theory. Instead, it seems that the head and torso belonged to separate works of art that were damaged and later combined. At some point, perhaps in Giustiniani’s time, these two fragments were joined into a single piece, and then the lower part of the legs, the arms, most of the neck and lower face, and elements of the drapery and hair were added to create a complete, monumental statue of Septimius Severus.

The remaining questions pertained to the original contexts of the torso and head. The torso shows a male body wearing clothes similar to those shown in statues and reliefs produced from the mid-2nd century and into the 3rd century (around the time of Septimius Severus). Without the original arms, legs, or head, it is impossible to determine who was originally portrayed.


What was he doing in Yorkshire?

In both 208 and 2010, Severus took around 57,000 men to try and achieve what no Roman emperor had done before: conquer Scotland. It was during the second campaign – the last major attempt by the empire to subjugate Scotland – that he fell fatally ill. He died the following year in Yorkshire.

A bust of Septimius Severus – likely posthumous – displayed in the Capitoline Museums. Credit: antmoose ( 4 June 2005 ) at https://www.flickr.com/photos/antmoose/17433741/

Severus failed his objective despite taking an enormous army to Britain to invade Scotland. Indeed, his force was so big that it must have been one of, if not a, largest campaigning army ever to arrive on British soil.

During the second campaign, he became so frustrated by the fact he couldn’t conquer the north that he gave a genocidal order. It basically said, “Kill everybody”.

Although Severus failed to conquer Scotland, dying preemptively, the ramifications of his second campaign were nevertheless huge. They are now coming to light via the medium of archeological data, which shows that there was a major depopulation event in Scotland for about eight years.


Roman Inscriptions: Important Messages Set In Stone

Recently, a team of Bulgarian researchers, including the epigraphist Nikolay Sharankov, began to examine the engraving. They reassembled the stele, and they were able to decipher the text. The stone inscription was a copy of a letter that was sent from emperor Septimus Severus (145 – 211 AD) and his two sons to the people of Nicopolis ad Istrum. Such a letter from a Roman ruler would have been regarded as something very prestigious and the citizens would have wanted to commemorate it.

In the Roman inscription the emperor expressed thanks to the citizens and people of the city for their financial support. The city had paid him a donation which was, in fact, a bribe. Archaeology.org quotes Sharankov as saying that “the emperor treated the bribe as a gift from the people.”

Archaeology in Bulgaria reports that the text “evades styling the payment a bribe.” The kickback was paid to Septimius after he became emperor sometime after 193 AD. He was born in North Africa and after the assassination of the vicious tyrant Commodus, he prevailed over his rivals and became sole ruler of the Roman Empire.


Paintings reveal hidden histories of Africans in England

Six paintings that tell fascinating, not widely known stories of people from the African diaspora in England’s history, including the Roman emperor who strengthened Hadrian’s Wall and Queen Victoria’s goddaughter, have been unveiled by English Heritage.

The heritage body commissioned six artists to paint portraits, putting them on display at forts, abbeys, historic houses and barracks where they have an association.

The project was about bringing their stories to life for a wider audience, said Anna Eavis, English Heritage’s curatorial director. “African figures from the past have played significant roles at some of the historic sites in our care but many of their stories are not very well known.”

The subjects include Septimius Severus, who was born in Leptis Magna, the present day city of Al-Khums in Libya. He travelled to Britain in AD208 and ordered the strengthening of Hadrian’s Wall and the reoccupation of the Antonine Wall, across what is now central Scotland, with a view to expanding his empire.

He has been painted by Elena Onwochei-Garcia who said she was drawn to Septimius because of her own multiheritage background, in her case Nigerian, Spanish and German. “This made me reflect on how people might imagine someone like us to look like,” she said.

“I wanted to go beyond painting Rome’s ‘African emperor’, to portray a complex individual by paying attention to his personality and how he chose to be seen in his coins, statues and architecture.

“Historically, black people have had little control over their portrayal. Septimius Severus embodied and altered the image of the Roman empire.”

The portrait goes on display from Wednesday at Corbridge Roman Town on Hadrian’s Wall.

Mikéla Henry-Lowe with her portrait of Dido Belle. Photograph: Christopher Ison/English Heritage

Another subject is Dido Belle, born in 1761, the daughter of an enslaved black woman and a British naval officer. She was raised as part of the aristocratic Murray family in Georgian London and spent much of her life at Kenwood House on the edge of Hampstead Heath.

Belle has been painted by Mikéla Henry-Lowe. She welcomed “the opportunity to paint a black woman who experienced growing up in an aristocratic family, because most depictions of black women in Georgian Britain were shown as slaves.”

Clifton Powell has painted Abbot Hadrian, an African scholar in Anglo-Saxon England and the abbot of St Augustine’s Abbey, Kent. Hadrian was from Cyrenaica, a Roman/Byzantine province in north Africa.

Powell said he had felt his subject’s presence since he started the portrait and played monastic Gregorian chants while he painted.

Hannah Uzor with her portrait of Sarah Forbes Bonetta. Photograph: Christopher Ison/English Heritage

Hannah Uzor has painted the portrait of Sarah Forbes Bonetta, the daughter of a west African ruler who was enslaved by King Gezo of Dahomey, present-day Benin. In 1850, Bonetta was presented as a “diplomatic gift” to a British naval captain, Frederick Forbes, and taken to England.

Bonetta was introduced to Queen Victoria who was evidently charmed by her, describing her as “sharp and intelligent”. Victoria became her godmother and paid for her education in Sierra Leone and Gillingham, Kent.

Chloe Cox has painted Arthur Roberts, the son of a Trinidadian man, who was born in 1897 in Bristol and grew up in Glasgow. He served in the first world war and survived the battle of Passchendaele. The painting is on display at Berwick-upon-Tweed barracks in Northumberland.

The sixth painting is of James Chappell (1648-1730), a servant at Kirby Hall, Northamptonshire, who saved the life of the hall’s owner. He has been painted by Glory Samjolly.


Military reform

Severus was the first of the great reforming emperors of the Roman military after Augustus, who ruled in the Principate (the early Roman empire). You could argue that the first Roman field army was the field army he put together for the conquest of Scotland.

If you look at the monuments in Rome, you can see the transition taking place from the Principate, to the later Dominate (the later Roman empire). If you look at the Column of Marcus Aurelius and Trajan’s Column, the Roman legionaries are largely wearing lorica segmentata (type of personal armour), and they have the classic scutum (type of shield) with pilums (type of javelin) and the gladius (type of sword).

If you look at the Arch of Septimius Severus, built not long afterwards, there are one or two figures in lorica segmentata but they also have large oval body shields and spears.

The Arch of Septimius Severus at the Forum in Rome. Credit: Jean-Christophe-BENOIST / Commons

If you look closely, you can see that a lot of the legionary figures are depicted in long, thigh-length lorica hamata chainmail coats and, again, with oval body shields and long spears.

This shows that there was a transition between the Principate legionary (Roman foot soldier) and the Dominate legionary in terms of how they were equipped.

From the time of Constantine, all legionaries and auxiliaries were then armed in the same way, with a large oval body shield, spear, lorica hamata chainmail and the spatha.

You could argue that the first Roman field army was the field army Severus put together for the conquest of Scotland.

The reason for this change was probably nothing to do with the British expedition, however, but rather Severus’ experiences in the east, fighting the Parthians.

The Parthians were predominantly cavalry-based and Severus would have been looking for weapons that had longer reach.

The other point to remember is that, shortly after Severus’ time, there was the Crisis of the Third Century, which involved a large economic crisis.

The changes Severus began were then accelerated because it was cheaper to maintain and make chainmail and oval body shields.


Assista o vídeo: Leptis Magna, la ciudad libia del emperador Septimio Severo. Antonio Alvar