O atraente Adônis que cativou muitas civilizações antigas

O atraente Adônis que cativou muitas civilizações antigas


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Na mitologia grega, Adônis é declarado um homem extremamente bonito. Este personagem é mais conhecido como um dos amantes de Afrodite. Embora a figura de Adônis e o mito que o cerca tenham se tornado parte da mitologia grega, suas origens não se encontram na própria Grécia. Em vez disso, acredita-se que esse número tenha sido importado do Oriente. Os gregos adotaram o homem mítico dos cananeus, que adorava Adônis ou, mais precisamente, Adon, como um deus. Além disso, a história de Adônis é bem conhecida entre outras civilizações antigas do Oriente Próximo, incluindo os antigos egípcios e mesopotâmicos.

Metamorfose de Ovídio

Na mitologia grega, existem várias versões da história de Adônis. Talvez a mais conhecida delas seja a versão encontrada em Ovídio Metamorfose. Neste relato da história, Adônis é descrito como o produto de uma relação incestuosa entre Cinyras, um rei de Chipre, e sua filha Myrrha. Tendo cometido incesto com seu pai, Myrrha orou aos deuses assim:

“Ó Deuses, se você ouvir a minha oração, eu não evito um castigo terrível merecido; mas agora, porque minha vida ofende os vivos, e morrendo ofendo os mortos, expulse-me de ambas as condições; mude-me e recuse a minha carne tanto a vida como a morte! ”

Página de título de uma edição de 1556 de Ovid's Metamorfose, publicado por Joannes Gryphius (borda decorativa adicionada posteriormente). Coleção de Livros Raros de Hayden White, Universidade da Califórnia, Santa Cruz.

A oração de Myrrha foi atendida e ela se transformou em uma árvore. Foi como uma árvore que Myrrha, auxiliada por sua babá Lucina, deu à luz Adônis.

  • As origens intrigantes de Afrodite
  • Teatro Grego Antigo e Anfiteatros Monumentais em Honra a Dioniso
  • Mitologia grega e origens humanas

Adônis se tornou um homem excepcionalmente bonito e conquistou o amor de Afrodite, como resultado de um acidente. De acordo com Ovídio,

“Ele ganha o amor de Vênus (a versão romana de Afrodite) e assim vinga a paixão de sua própria mãe. Pois enquanto o filho da deusa com aljava no ombro, uma vez estava beijando sua amada mãe, por acaso, sem querer, ele roçou seu seio com uma flecha projetada. Instantaneamente, a deusa ferida empurrou seu filho para longe; mas o arranhão a perfurou mais profundamente do que ela pensava e até mesmo Vênus a princípio se enganou. ”

Monumento de Ovídio por Ettore Ferrari. (CC BY-SA 3.0 RO )

Mito da beleza do bebê

Em outra versão popular do mito, Afrodite teria estado presente no nascimento de Adônis. Maravilhada com a beleza do bebê, Afrodite decidiu esconder Adônis do resto das deusas e o confiou a Perséfone, a esposa de Hades, e a deusa do Mundo Inferior.

Quando Adônis cresceu, Perséfone ficou tão atraída por sua boa aparência que se recusou a devolvê-lo a Afrodite. Uma disputa surgiu entre as duas deusas e, finalmente, Zeus teve que intervir. Ele decidiu que Adônis deveria passar um terço do ano com Perséfone, outro terço com Afrodite e o terço restante com quem quisesse. Adônis escolheu passar o resto com Afrodite.

Como resultado de sua obsessão por Adônis, Afrodite abandona tudo o mais. Como Ovídio coloca,

“Encantada com a beleza da juventude, ela não pensa em suas costas citerianas e não se preocupa com Paphos, que é cercada pelo fundo do mar, nem com Cnidos, refúgio de peixes, nem com Amathus, famosa por minérios preciosos. Vênus, negligenciando o céu, prefere Adônis ao céu, então ela se apega aos seus caminhos como sua companheira e se esquece de descansar ao meio-dia na sombra, negligenciando o cuidado com sua doce beleza. ”

Vida e Morte de Adônis

Adonis é retratado nos mitos como um grande caçador. Embora advertido por Afrodite para evitar bestas ferozes como leões e lobos, Adonis ignorou seu aviso.

Afrodite e Adonis, lekythos ático de figuras vermelhas em forma de aryballos por Aison, ca. 410 AC, Louvre.

Durante uma das viagens de caça de Adônis, ele encontrou um javali, que causaria sua morte. Em alguns relatos, o javali teria sido Ares, que era outro dos amantes de Afrodite, com ciúmes da atenção que Adônis estava recebendo da deusa. Ovídio, no entanto, não afirmou se o javali estava ligado a Ares ou não,

“Enquanto ele (o javali) corria para fora de seu covil na floresta, Adônis o perfurou com um golpe de relance. Enfurecido, o focinho curvo do feroz javali atingiu primeiro a haste da lança com o lado que sangrava; e, enquanto o trêmulo jovem procurava onde encontrar um refúgio seguro, a besta selvagem correu atrás dele, até que finalmente ele afundou sua presa mortal na virilha de Adônis; e o estendeu morrendo na areia amarela. ”

  • Morfeu, o deus grego dos sonhos que entregou mensagens dos deuses ao mundo mortal
  • Cerberus: lendário cão do inferno do submundo
  • Crime e Castigo: Danações Eternas transmitidas pelos Deuses da Grécia Antiga

A morte de Adônis não é exatamente o fim do mito. Enquanto Adônis estava morrendo, Afrodite transformou seu sangue em flores,

“Ela borrifou seu sangue com néctar de cheiro doce, e seu sangue assim que tocado por ele começou a efervescer, assim como bolhas transparentes sempre sobem em tempo chuvoso. Tampouco houve uma pausa de mais de uma hora, quando de Adônis, sangue, exatamente da sua cor, brotou uma flor amada, como as romãs nos dão, pequenas árvores que depois escondem suas sementes sob uma casca dura. Mas a alegria que ela dá ao homem dura pouco, pois os ventos que dão à flor seu nome, Anêmona, sacudem-na de imediato, porque seu braço delgado, sempre tão fraco, faz com que ela caia de seu caule frágil ”.

Morte de Adônis, de Luca Giordano.

O Culto de Adônis

Na mitologia dos cananeus, Adonis é conhecido como Adon, que significa "O Senhor". Adonis e Adon compartilham certas semelhanças, bem como diferenças. Por exemplo, enquanto Adonis é mortal, Adon é um deus, especificamente da beleza, fertilidade e renovação.

Adônis e Adon estão ambos conectados com deusas do amor, Afrodite para a primeira e sua contraparte cananéia, Astarte, para a última. Além disso, nas versões grega e cananéia do mito, Adônis / Adon vivencia a morte. No entanto, há uma diferença no que ocorreu após sua morte. Enquanto o sangue de Adonis é transformado em flores, Adon é ressuscitado, um evento celebrado em seu culto. No A deusa síria , que é tradicionalmente atribuído a Luciano, o autor escreveu que havia testemunhado os ritos secretos do culto de Adônis em Biblos, e que

“Em memória desta calamidade (ou seja, a morte de Adônis), eles batem no peito e choram todos os anos, e realizam seu ritual secreto em meio a sinais de luto por todo o campo. Quando eles terminam seu luto e pranto, eles sacrificam em primeiro lugar a Adônis, como aquele que partiu desta vida: depois disso, eles alegam que ele está vivo novamente, e exibem sua efígie para o céu. ”

Imagem apresentada: The Death of Adonis - Museo Gregoriano Etrusco (Vaticano). Fonte da foto: ( CC BY-SA 3.0 )


Arte apreciada pelos vikings

As pessoas modernas costumam pensar nos humanos antigos como indivíduos menos inteligentes que levavam uma vida entediante. Segundo o equívoco, essas pessoas tinham estilos de vida simples e passavam a vida inteira caçando, cultivando e coletando alimentos, restando pouco tempo para recreação, entretenimento ou criatividade.

Na verdade, os vikings eram muito criativos. Joias ornamentadas feitas com metais preciosos foram encontradas em áreas onde os vikings viviam. Contar histórias também era importante para eles. Se isso não for suficiente, os navios Viking descontroladamente legais são um grande reflexo da valorização da cultura pela criatividade. A proa e a popa dos navios costumavam ter figuras de proa intrincadas, como dragões e cachos.


Algumas palavras sobre o mito e os protagonistas do # 8217s

Vênus e Adônis, Paolo Veronese, 1580, Museu do Prado

Vênus em romano ou Afrodite na mitologia grega era um dos 12 deuses do Olimpo. Ela era a deusa do amor, da beleza e da procriação. Como tal, ela era a mais bela entre os deuses e quase sempre era seguida por Cupido (Eros). Vênus nasceu dos órgãos genitais decepados do Deus Urano, depois que Cronos os jogou no mar perto de Chipre. Ela manteve uma série de romances com deuses gregos, o mais famoso dos quais foi seu casamento com Vulcano e seu caso com Marte. No entanto, nenhuma dessas histórias de amor superou a intensidade com que Vênus amava Adônis.

Adonis era filho de Myrrha e Cynyras, outra divindade cipriota. O culto de Adônis na Grécia estava firmemente ligado ao de Vênus. Parece que a verdadeira origem de Adonis & # 8217 era semítica e o nome Adonis poderia ser o título semítico adon que significa "(meu) senhor".

O deus cananeu Adon era como Adonis, um deus da beleza. Isso significa que podemos assumir com segurança que Adônis não é mais do que Adon transferido para a Grécia com um nome helenizado. Também há ligações entre Adônis e deuses de outras civilizações como Osíris no Egito, Baal em Ugarit e Tammuz na Babilônia. Civilizações da Mesopotâmia à Grécia adoravam deuses da beleza com mitos semelhantes a Adônis. Além disso, nas mitologias mesopotâmicas, Adonis apareceu como um casal com a deusa Astarte. É evidente de imediato que Astarte, neste contexto, não pode ser outro senão o equivalente a Vênus. Na verdade, as duas deusas têm muito em comum, como ser deusas da fertilidade e da renovação.


As origens pagãs da Páscoa

A Páscoa é cristã? A resposta simples é & # 8220 não. & # 8221 Apesar de toda a sua beleza e esplendor, a Páscoa é pagã em sua essência. Seus símbolos e tradições não honram a Cristo ou Seu sacrifício. Pelo contrário, eles realmente zombam disso. O apóstolo Paulo, em sua epístola aos Gálatas, emitiu uma advertência severa que todo verdadeiro cristão deve levar muito a sério.

& # 8220Não se engane, Deus não se zomba: tudo o que o homem semear, isso também ceifará. & # 8221 (Gálatas 6: 7).

O Deus da Bíblia leva muito a sério a maneira como é adorado. Aqueles que acreditam que não há problema em tomar emprestado das tradições do mundo pagão e incorporar tais coisas na adoração a Deus ou a Seu Filho devem considerar a admoestação de Jesus sobre este assunto: & # 8220 Deus é um espírito e aqueles que O adoram devem adorá-Lo em espírito e em verdade & # 8221 (Jo. 4:24). É importante entender que em nenhum lugar do Novo Testamento encontramos a Igreja de Deus celebrando a Páscoa. O povo de Deus em toda a Bíblia honrou Seus festivais.

A Igreja do Novo Testamento guardava a Páscoa e os dias dos pães ázimos (1 Coríntios 5: 7). Eles também mantinham Seus outros festivais que Deus ordenava como santas convocações (Lv 23: 1-2). Os dias santos de Deus nunca foram abandonados na cruz. Pelo contrário, eles assumem um significado maior. A tentativa do homem de substituir os festivais e dias santos de Deus por costumes que vêm diretamente do mundo pagão representa um ato de arrogância grosseira.

Todos os anos, milhões de cristãos professos em todo o mundo participam de uma celebração que eles acreditam honrar a ressurreição de Jesus Cristo. Esta celebração é chamada de Páscoa e é indiscutivelmente a observância mais importante no Cristianismo moderno.

Mas quando este dia se originou? E de onde veio isso? E quanto a seus símbolos e costumes? Eles são mencionados na Bíblia? Por que a Páscoa é comemorada ao nascer do sol? Qual é a origem do ovo de Páscoa? Que tal coelhos? O que esses símbolos têm a ver com a ressurreição de Jesus Cristo? E quanto aos alimentos tradicionais, como presunto de Páscoa ou pãezinhos quentes? Por que é chamado de & # 8220Easter & # 8221? Este termo é mencionado na Bíblia e o que significa? Existe uma história por trás desta época & # 8220 mais sagrada & # 8221 do ano? O Deus da Bíblia respeita essa observância? Este livreto examina a tradição da Páscoa à luz do registro histórico e das escrituras. O que você lê nestas páginas pode surpreendê-lo. Pode até chocar você, mas as palavras são incontestáveis. Eles expressam sem desculpas a verdade sobre a Páscoa.

Embora a maioria dos cristãos professos acredite que a Páscoa celebra a ressurreição de Jesus Cristo, suas raízes podem ser rastreadas até civilizações antigas que existiam muito antes do nascimento de Jesus, muito menos Sua morte e ressurreição. As antigas civilizações da Assíria, Babilônia, Egito e Grécia, bem como a própria Roma, abraçaram ritos religiosos que se assemelham muito ao feriado que chamamos de Páscoa.

O termo Páscoa não vem da Bíblia, mas sim do nome de uma antiga deusa da primavera. Considere as palavras da Enciclopédia Retratada de Compton:

& # 8220O nome Páscoa vem da antiga deusa anglo-saxônica da primavera. Eostre ou Ostara, em cuja homenagem um festival anual de primavera era realizado. Alguns de nossos costumes da Páscoa vieram deste e de outros festivais de primavera pré-cristãos. & # 8221 (Vol. 4, p. 140)

O famoso historiador Alexander Hislop indica claramente que o termo & # 8220Páscoa & # 8221 não é cristão, mas sim caldeu em origem:

& # 8220Não é um nome cristão. Ele carrega sua origem caldéia em sua própria testa. A Páscoa nada mais é do que Astarte, um dos títulos de Beltis, a rainha dos céus, cujo nome, conforme pronunciado pelo povo de Nínive, era evidentemente idêntico ao que agora é usado comumente neste país. Esse nome, conforme encontrado por Layard nos monumentos assírios, é Ishtar. & # 8221 (The Two Babylons, Hislop, p.103)

A ligação entre a Páscoa e a celebração da deusa da primavera é inegável. Outras obras de referência altamente credíveis reconhecem que as raízes da Páscoa estão profundamente entrelaçadas no mundo pagão. Considere as palavras da Funk e Wagnalls Standard Reference Encyclopedia:

& # 8220Easter incorpora tradições de uma época anterior ao surgimento do Cristianismo. A origem de seu nome se perdeu no passado obscuro, alguns estudiosos acreditam que provavelmente seja derivado de Eostre, o nome anglo-saxão de uma deusa teutônica da primavera e da fertilidade. & # 8221 (Vol. 8, p. 2940)

Tragicamente, apesar de ter suas raízes no paganismo, a Páscoa foi um festival que mais tarde os líderes cristãos professos vieram a abraçar como se fossem seus. De acordo com a Enciclopédia de Grolier, os líderes da igreja tornaram-se mais do que dispostos a adotar antigos costumes pagãos em sua adoração.

O nome deste feriado e a hora em que é celebrado levaram as pessoas a acreditar que existia um feriado anterior neste dia, antes da observância cristã. Pois muitas nações antigas celebravam com alegria o fim do inverno e a ressurreição do sol nesta estação do ano e algumas devotavam este festival a Eostre, a deusa germânica da primavera. Os pais da igreja transformaram esse feriado pagão na celebração cristã da ressurreição. (1966, Vol. 17)

Muitos acreditam que esses pais da Igreja & # 8220 & # 8221 abraçaram os símbolos da Páscoa por razões estratégicas. Em essência, esses líderes religiosos acreditavam que a única maneira de persuadir o mundo pagão a aceitar o cristianismo era adotando muitos dos rituais que esses novos & # 8220convertidos & # 8221 estimavam. Considere as palavras do Reader’s Digest:

& # 8220Por um golpe de gênio tático, a igreja, embora intolerante com as crenças pagãs, foi capaz de controlar as emoções poderosas geradas pela adoração pagã. Freqüentemente, as igrejas eram localizadas onde antes havia templos, e muitos festivais pagãos eram acrescentados ao calendário cristão. A Páscoa, por exemplo, uma época de sacrifício e renascimento no ano cristão, leva o nome da deusa nórdica Eostre, em cujos ritos de honra eram realizados a cada primavera. Ela, por sua vez, era simplesmente uma versão setentrional da mãe-terra fenícia Astarte, deusa da fertilidade. & # 8221 (The Last Two Million Years by the Reader’s Digest Association, 1981, p. 215)

Em essência, o cristianismo proclamou como & # 8220 santo & # 8221 aquilo que a Bíblia declara & # 8220 profano. & # 8221 Deus certa vez emitiu uma acusação contundente contra os sacerdotes de Israel porque eles fizeram exatamente a mesma coisa. Considere as palavras do profeta Ezequiel:

& # 8220Os seus sacerdotes violaram a minha lei e profanaram as minhas coisas sagradas; não fizeram diferença entre o sagrado e o profano, nem fizeram diferença entre o impuro e o puro, e esconderam os olhos dos meus sábados, e eu estou profanado entre eles. (Ezequiel 22:26)

Essas palavras devem servir de lembrete poderoso de que Deus leva muito a sério a maneira como é adorado. Quando o homem assume o direito de determinar como honrará a Deus, ele assume um direito que não possui. Somente Deus determinará o que O honra ou desonra.

Em toda a Bíblia, Deus descreve especificamente os termos e condições de Sua adoração. Ainda assim, o homem acredita que tem um caminho melhor e, como resultado, criou símbolos que definem uma fé que é abominável a Deus e é condenada nas escrituras.

Uma Celebração da Páscoa Antiga


Hoje, a Páscoa é considerada o principal feriado cristão. No entanto, é tudo menos cristão. Muitas civilizações antigas celebravam festivais em torno da morte e ressurreição de um homem-deus. Na Assíria, foram Semeramis e Ninus. Na Babilônia, foram Ishtar e Tammuz. Na Síria, foi Astarte e Baal. Na Grécia, foi Afrodite e Adônis.

O Dicionário do Intérprete fornece alguns insights muito interessantes sobre como as civilizações antigas adotaram uma crença estranhamente familiar à da Páscoa:

& # 8220A característica comum mais antiga das religiões do antigo Oriente Próximo era a adoração de uma grande deusa-mãe, a personificação da fertilidade. Associado a ela, geralmente como consorte, estava um jovem deus que morreu e voltou à vida, como a vegetação que rapidamente murcha, mas floresce novamente & # 8230 Sua ausência produziu infertilidade da terra, do homem e dos animais. Sua consorte lamentou e procurou por ele. Seu retorno trouxe fertilidade renovada e alegria. Na Mesopotâmia, o casal divino aparece como Ishtar e Tammuz, no Egito, como Ísis e Osíris. & # 8221 (Vol. 2, p. 265)

Uma Páscoa Egípcia Antiga


Considere a história da Páscoa originada no Egito. Segundo a tradição, a deusa Ísis era casada com seu irmão Osíris.Osíris foi morto e pedaços de seu corpo foram espalhados pela terra do Egito. Quando Ísis recebeu a notícia da morte de seu irmão-marido, ela partiu em uma jornada para recuperar as peças. Assim que os encontrou, Ísis começou a lançar feitiços na tentativa de trazer Osíris de volta à vida. De acordo com a lenda, ela teve sucesso em parte e apelou para uma última noite com Osíris. Durante aquela noite, ela concebeu um filho chamado Hórus. No entanto, Osíris partiu para ocupar seu lugar nos céus junto com seu pai, Rá, o deus do sol.

A tradição afirma que Osíris ressuscitou dos mortos e ascendeu ao céu durante o equinócio vernal (primavera). Foi nessa época que a morte e a ressurreição dos deuses pagãos teriam ocorrido.

Esta é apenas uma das várias lendas a respeito da ressurreição de um homem que se juntou às fileiras dos deuses, mas permanece como um modelo que tem sido usado em todo o mundo cristão. Tragicamente, esses mitos pagãos obscurecem a história verdadeiramente milagrosa da ressurreição de Jesus Cristo, especialmente quando seus símbolos e costumes são promovidos por ministros cristãos professos e suas igrejas.

Páscoa - São Símbolos e Costumes

Os símbolos e costumes da Páscoa transmitem imagens poderosas deste feriado. Considere o ovo de Páscoa, os coelhos, os pãezinhos quentes e os serviços do nascer do sol, só para citar alguns. Esses símbolos são um lembrete constante da época da Páscoa.

Ao longo da história, as religiões usaram símbolos e tradições como um meio de perpetuar suas crenças. Os símbolos são projetados para adicionar significado e apelo às estações e eventos. Os símbolos associados à Páscoa têm um grande apelo para os celebrantes deste feriado.

No entanto, após um exame cuidadoso desses símbolos e tradições, surge uma imagem muito diferente. Por mais inacreditável que possa parecer, esses símbolos remontam ao mundo pagão e eram usados ​​extensivamente na adoração de falsos deuses. Considere as palavras da Enciclopédia de Compton:

& # 8220Muitos costumes da Páscoa vêm do Velho Mundo & # 8230 ovos e coelhos coloridos vieram da antiguidade pagã como símbolos de uma nova vida & # 8230 Nosso nome & # 8220Páscoa & # 8221 vem de Eostre, uma antiga deusa anglo-saxônica, originalmente do amanhecer . & # 8221 (Vol. 4)

Os símbolos da Páscoa, por mais atraentes que sejam, nada têm a ver com a ressurreição de Jesus Cristo, mas antes encontram suas raízes em religiões que rejeitam o Deus da Bíblia. Considere os seguintes símbolos associados à celebração da Páscoa.

Um dos símbolos mais importantes associados à Páscoa é o ovo. Todos os anos, crianças desavisadas são ensinadas a decorar este símbolo com cores e desenhos brilhantes. Às vezes, os ovos ficam escondidos e todos são incentivados a procurar esses & # 8220 tesouros & # 8221 e colocá-los em cestas. Até mesmo a Casa Branca hospeda uma caça anual aos ovos de Páscoa. Mas de onde se originou esse costume? E o que isso tem a ver com a ressurreição de Jesus Cristo? É importante entender que os ovos de Páscoa não têm absolutamente nada a ver com o cristianismo bíblico, mas sim traçar sua origem no mundo pagão. Este fato é confirmado pela Enciclopédia Britânica:

"

A Enciclopédia da Religião afirma que o ovo de Páscoa era usado com destaque em rituais de fertilidade pagãos:

& # 8220 & # 8230 o ovo é um símbolo poderoso de fertilidade, pureza e renascimento. É usado em rituais mágicos para promover a fertilidade e restaurar a virilidade para olhar para o futuro, para trazer bom tempo para encorajar o crescimento das plantações e para proteger o gado e as crianças contra o infortúnio. Em todo o mundo, ele representa a vida e a criação, a fertilidade e a ressurreição & # 8230 (e) estava relacionado com a Páscoa & # 8221 (1987, p. 37)

O ovo tem sido um símbolo sagrado para várias civilizações pagãs e foi usado prolificamente em cerimônias religiosas no Egito. Alexander Hislop, em seu livro The Two Babylons, relata uma interessante crônica de seu uso em práticas religiosas.

Do Egito, esses ovos sagrados podem ser rastreados distintamente até as margens do Eufrates. Os poetas clássicos estão cheios da fábula do ovo místico dos babilônios e assim sua história é contada por Hyginus, o egípcio, o erudito guardião da Biblioteca Palatina de Roma, na época de Augusto, que era hábil em toda a sabedoria de seu país natal: & # 8220Um ovo de tamanho maravilhoso caiu do céu no rio Eufrates. Os peixes a rolaram até a margem, onde as pombas pousaram nela, chocaram-na e saiu Vênus, que mais tarde foi chamada de Deusa Síria & # 8221 (Astarte). (p. 109)

Além de seu uso nas cerimônias religiosas no Egito, o ovo também era um poderoso símbolo religioso em toda a Ásia e Europa:

& # 8220O ovo místico da Babilônia, chocando a Vênus Ishtar, caiu do céu no Eufrates. Ovos tingidos eram oferendas sagradas de Páscoa no Egito, como ainda o são na China e na Europa. Páscoa, ou primavera, era a estação do nascimento, terrestre e celestial. & # 8221 (Crença egípcia e pensamento moderno, pp. 211-212).

Tragicamente, apesar de saber de sua origem pagã, a igreja de Roma voluntariamente adotou o ovo como seu próprio símbolo da ressurreição:

& # 8220A igreja não se opôs a isso, embora muitos costumes do ovo fossem de origem pré-cristã, porque o ovo fornecia um símbolo novo e poderoso da ressurreição e da transformação da morte em vida. & # 8221 (The Encyclopedia of Religion, 1987 , p. 37)

Hislop, em sua obra The Two Babylons, explica que era prática normal da Igreja Católica integrar o paganismo em sua liturgia. Isso foi feito para atrair convertidos pagãos:

& # 8220Para conciliar os pagãos ao cristianismo nominal, Roma, seguindo sua política usual, tomou medidas para reunir os festivais cristãos e pagãos e, por meio de um ajuste complicado, mas hábil, do calendário, não foi encontrada nenhuma questão difícil, em geral, para obter o paganismo e o cristianismo & # 8211 agora mergulhado na idolatria & # 8211 nisso como em tantas outras coisas, para apertar as mãos. & # 8221 (p. 105)

É claro que a igreja de Roma não achou difícil abraçar as práticas pagãs e integrá-las em seu próprio culto. Mas Deus avisa contra tal prática. O grande profeta Jeremias escreveu: & # 8220Não aprenda o caminho dos pagãos & # 8221 (Jer. 10: 2). Até Jesus alertou que era possível adorar a Deus em vão:

& # 8220Em vão me adoram, buscando doutrinas que são mandamentos de homens. & # 8221 (Marcos 7: 7)

Jesus continuou a dizer: & # 8220Você torna a lei de Deus sem efeito por meio de sua tradição & # 8221 (Mt. 15: 6). A questão é que Deus nunca instruiu o homem a colher ovos e decorá-los. Por mais divertida que essa atividade possa ser para as crianças e os pais, suas origens são pagãs e isso Deus odeia.


O coelho é um dos símbolos mais queridos da Páscoa. Essas criaturas fofinhos estão incluídas em inúmeras histórias de ninar e tornaram-se queridas por crianças de todo o mundo. Mas como o coelho se tornou parte integrante de um feriado projetado para celebrar a ressurreição do Salvador do mundo? Esta pergunta é respondida com relutância pela Enciclopédia Católica:

& # 8220O costume pode ter sua origem no paganismo, pois muitos costumes pagãos, celebrando o retorno da primavera (e, portanto, diretamente relacionados ao culto do SOL), gravitavam para a Páscoa. O ovo é o emblema da vida germinativa do início da primavera & # 8230 o coelho da Páscoa põe os ovos, razão pela qual eles estão escondidos em um ninho ou no jardim. O coelho é um símbolo pagão e sempre foi um emblema da fertilidade. & # 8221 (p. 227)

Outras fontes confiáveis ​​reconhecem abertamente que o coelhinho da Páscoa não tem absolutamente nada a ver com o cristianismo, mas sim com o mundo pagão. Esse mundo adorava a fertilidade e o renascimento e o coelho desempenhava um papel fundamental nesta adoração:

& # 8220O coelhinho da Páscoa teve suas origens na tradição pré-cristã da fertilidade. Lebres e coelhos eram os animais mais férteis que nossos antepassados ​​conheceram, servindo como símbolos de abundante vida nova na primavera. & # 8221 (Handbook of Christian Feasts and Customs, 1958, p. 233-6)

A Enciclopédia Britânica indica que o coelho foi associado ao início da vida e era um símbolo de fertilidade.

Como o ovo de Páscoa, a lebre da Páscoa veio para o Cristianismo desde a antiguidade. A lebre é associada à lua nas lendas do antigo Egito e de outros povos & # 8230 A lebre passou a ser associada & # 8230 ao início de uma nova vida tanto para o rapaz quanto para a moça e, portanto, é um símbolo de fertilidade e renovação de vida. (& # 8220Easter Bunny & # 8221)

De acordo com o Reader’s Digest, o coelho foi retratado na arte cristã como uma representação da fertilidade e da luxúria por serem tão prolíficos:

As histórias infantis em muitos países contam como os ovos de Páscoa são trazidos não por uma galinha, mas por lebres e coelhos. Esses mamíferos saltadores de orelhas compridas representaram fertilidade em muitas culturas porque se reproduzem muito rapidamente. Na arte cristã tradicional, a lebre representa a luxúria, e as pinturas às vezes mostram uma lebre aos pés da Virgem Maria para representar seu triunfo sobre as tentações da carne. Ainda assim, como um símbolo do renascimento da vida na primavera - freqüentemente retratado como o inocente e fofinho coelhinho da Páscoa - o coelho coexiste em muitos lugares com os solenes ritos cristãos da Páscoa. (Readers ’Digest Book of Facts, 1987, p. 122).

É interessante notar que os coelhos não põem ovos. Este fato escapa às crianças porque são enganadas por adultos mais comprometidos em perpetuar uma tradição do que em ensinar a verdade de Deus.


Os pãezinhos hot cross são uma tradição de longa data durante a época da Páscoa. Mas de onde se originou essa tradição? Segundo Alexander Hislop, essa comida tradicional também está intrinsecamente ligada ao mundo pagão:

& # 8220Os pãezinhos quentes cruzados da Sexta-feira Santa e os ovos tingidos da Páscoa ou do Domingo de Páscoa figuravam nos ritos caldeus (babilônios) exatamente como agora. Os & # 8220 álbuns & # 8221 também conhecidos por esse mesmo nome, foram usados ​​na adoração da rainha dos céus, a deusa Páscoa, já nos dias de Cecrops, o fundador de Atenas - ou seja, 1500 anos antes da era cristã . Uma espécie de pão sagrado que costumava ser oferecido aos deuses era muito antiga e era chamada de Boun. & # 8221 (Hislop, The Two Babylons, p. 108).

Hislop mais tarde explica que o sinal da cruz colocado nesses pastéis não tem nada a ver com o Cristianismo ou a ressurreição, mas era proeminente nos Mistérios Babilônicos:

& # 8220 & # 8230 o assim chamado & # 8220sinal da cruz & # 8221 e a adoração concedida a ele, nunca veio de Jesus ou de Seus apóstolos. O mesmo sinal da cruz que Roma agora adora foi usado nos Mistérios Babilônicos & # 8230. Aquilo que agora é chamado de Cruz Cristã originalmente não era nenhum emblema cristão, mas era o Tau místico dos caldeus e egípcios. & # 8221 (ibid. , p. 199-200)

O grande profeta Jeremias foi inspirado a escrever uma acusação contundente contra a nação de Judá. Nessa acusação, Deus advertiu Seu povo de que sua prática contínua de rituais pagãos não ficaria impune. Observe que essas abominações incluem fazer este pão especial para a rainha do céu:

& # 8220 Não vês o que eles fazem nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém? Os filhos ajuntam lenha, os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a massa para fazer bolos à rainha do céu e derramar libações a outros deuses, para que Me provoquem à ira. Eles me provocam à raiva? diz o Senhor: não se provocam eles à confusão dos próprios rostos? Portanto, assim diz o Senhor Deus. Eis que minha ira e minha fúria se derramarão sobre este lugar, sobre o homem e sobre os animais, e sobre as árvores do campo, e sobre o fruto da terra e arderá, e não será apagada. & # 8221 (Jeremias 7: 17-20)

Com essas palavras, Deus está declarando que leva a sério a idolatria. Não importa o quão bem intencionada essa prática possa parecer, Deus a condena.


Um dos símbolos mais importantes associados à Páscoa é o lírio. Esta bela flor adorna os altares de virtualmente milhares de igrejas cristãs a cada Páscoa. Mas o que este símbolo tem a ver com a ressurreição de Jesus Cristo e quando surgiu o costume de usar esta flor como um ornamento de fé? Por mais surpreendente que possa parecer, isso também tem suas raízes no mundo pagão. De acordo com a Enciclopédia de Grolier, o lírio da Páscoa é um símbolo da primavera, quando tudo se torna novo:

& # 8220Na Páscoa, as pessoas vão aos serviços religiosos e se deleitam com a visão das grandes massas de lírios da Páscoa que decoram os altares. Para os chineses, a peônia é o rei das flores e o símbolo da primavera. Mas para as pessoas na igreja no dia da Páscoa, o lírio perfumado com suas flores em forma de trombeta é o símbolo de pureza e o precursor da primavera. & # 8221 (1966, Vol. 17)

Mas de onde veio esse símbolo e quando foi adotado como um símbolo de adoração? O Dicionário da Bíblia de Unger fornece algumas dicas extraordinárias sobre esta questão. Caracteriza este símbolo como típico daquele que foi adotado pelos adoradores pagãos no mundo cananeu:

& # 8220Caracteristicamente cananeu, o lírio simboliza graça e sex appeal e a fecundidade da serpente. & # 8221 (p. 412).

É importante entender que esta flor não tem lugar na adoração de Cristo ressuscitado. Foi emprestado do mundo pagão. Apesar de sua beleza, é um símbolo abraçado por uma cultura que rejeita a Deus e sua imagem de sexo e fertilidade não tem lugar na adoração ao Salvador do mundo.

Uma das práticas mais comuns associadas à Páscoa é o serviço do nascer do sol. Todos os anos, milhões de cristãos professos se reúnem antes do nascer do sol e participam do que acreditam ser a adoração ao Cristo ressuscitado. Geralmente, os cultos do nascer do sol da Páscoa são repletos de grande pompa e drama. Os coros apresentam uma bela música declarando & # 8220Ele ressuscitou & # 8221 enquanto os ministros transmitem mensagens comoventes sobre o sacrifício expiatório de Jesus Cristo. Para muitos, os serviços do nascer do sol são considerados uma experiência religiosa e muitos cristãos bem-intencionados consideram a participação nesses serviços inspiradora.

A maioria acredita que o serviço do nascer do sol da Páscoa tem sua origem nas escrituras. A crença comum é que Jesus ressuscitou antes do amanhecer no & # 8220 Domingo de Páscoa & # 8221. Isso, entretanto, não é verdade, como será explicado posteriormente neste livreto. Além disso, é importante entender que em nenhum lugar das escrituras os cristãos são instruídos a adorar ao nascer do sol na celebração do Cristo ressuscitado. No entanto, a Bíblia descreve um evento em que 25 homens viraram as costas para o templo de Deus e adoraram o nascer do sol. Deus chamou esse ato de adoração ao sol de uma abominação que seria tratada em Sua fúria:

& # 8220Ele também me disse: Vira-te mais uma vez, e verás maiores abominações que eles fazem. Então ele me levou até a porta do portão da casa do Senhor que estava voltado para o norte e eis que estavam sentadas mulheres chorando por Tamuz. Então me disse: Viste, filho do homem? Vira-te mais uma vez e verás abominações maiores do que estas. E ele me levou para o átrio interno da casa do Senhor, e eis, na porta do templo do Senhor, entre o pórtico e o altar, estavam cerca de vinte e cinco homens, de costas para o templo do Senhor, e seus rostos voltados para o leste e eles adoravam o sol para o leste. Então ele me disse: Viste, filho do homem? É uma coisa leve para a casa de Judá que eles cometam as abominações que cometem aqui? Pois eles encheram a terra de violência, e voltaram para me provocar à ira; e eis que colocam o ramo no nariz. Por isso também tratarei com furor; os meus olhos não pouparão, nem terei piedade; e embora clamem aos meus ouvidos em alta voz, não os ouvirei. & # 8221 (Ezequiel 8: 13-18 )


A crença mais comum a respeito da Páscoa gira em torno do dia da crucificação de Jesus e de Sua ressurreição. A opinião popular é que Jesus foi crucificado na & # 8220Boa Sexta-feira & # 8221 e ressuscitou no & # 8220 Domingo de Páscoa & # 8221 ao amanhecer. Praticamente todas as principais denominações protestantes, bem como a Igreja Católica, abraçam essa crença. Mas é verdade? Ou esta é apenas outra fábula que não foi verificada por milhões de cristãos professos?

O evangelho de Mateus descreve um evento em que Jesus foi desafiado pelos líderes religiosos de Sua época a dar um sinal que provaria que Ele era o Messias.

Então alguns dos escribas e dos fariseus responderam, dizendo: Mestre, queremos ver um sinal seu. (Mt. 12:38)

Jesus respondeu a esses líderes religiosos fornecendo o único sinal que Ele disse que seria dado:

& # 8220Mas ele respondeu e disse-lhes: Uma geração má e adúltera pede um sinal e nenhum sinal será dado a ele, mas o sinal do profeta Jonas: Pois como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia assim estará o Filho do homem três dias e três noites no coração da terra. & # 8221 (Mt. 12: 39-40)

Observe que o próprio Jesus afirmou claramente que o único sinal que Ele daria para provar que era o Messias prometido era que Ele estaria na sepultura & # 8220 três dias e três noites. & # 8221 Com este entendimento, como Jesus poderia ter sido crucificado em & # 8220Boa sexta-feira & # 8221 e ressuscitou no & # 8220 Domingo de Páscoa & # 8221? É virtualmente impossível conseguir três dias e três noites entre a tarde de sexta-feira e o domingo de madrugada.

Além disso, como Jesus poderia ter ressuscitado ao nascer do sol quando Ele morreu perto do pôr do sol? Mais uma vez, se Jesus foi enterrado no final do dia, como praticamente todas as autoridades admitem, e Ele estava na sepultura três dias e três noites, então Ele teria ressuscitado no final do dia, 72 horas ou três dias depois . Caso contrário, Suas palavras são falsas e Ele não é o Messias.

Se as palavras de Jesus forem verdadeiras, então a grande maioria dos cristãos professos o está adorando em vão porque Ele não ressuscitou no domingo de Páscoa, como muitos acreditam.Alguns argumentam que a Bíblia diz que Jesus ressuscitou na manhã de domingo, antes do amanhecer. Isso é baseado no relato dos evangelhos de certas mulheres que visitaram o túmulo de Jesus & # 8220 logo no primeiro dia da semana & # 8221 (Marcos 16: 1-4). No entanto, quando eles chegaram, o túmulo estava vazio. Eles foram então informados por um anjo, & # 8220Ele ressuscitou & # 8221 (Marcos 16: 6). Observe, porém, que o anjo não disse quando Jesus ressuscitou, apenas que Ele havia ressuscitado. Considere por um momento: se as mulheres não tivessem visitado o túmulo até segunda ou terça-feira, a declaração do anjo não teria sido diferente: & # 8220Ele ressuscitou. & # 8221 Este ser angelical está apenas anunciando o que aconteceu, não quando aconteceu. Lembre-se de que o próprio Jesus já disse quanto tempo Ele ficaria na sepultura: & # 8220 três dias e três noites, & # 8221 exatamente 72 horas (Mt. 12:40).

Três dias e três noites não é um idioma


Há alguns que afirmam que as palavras de Jesus em Mateus 12:40 são um idioma hebraico e podem significar & # 8220 qualquer parte do dia. & # 8221 Portanto, um sepultamento na sexta-feira tardia e uma ressurreição no início do domingo seriam consistentes com as escrituras. No entanto, esse argumento simplesmente não é verdadeiro.

Embora a Bíblia contenha frases idiomáticas, esta não é uma delas. Praticamente todos os estudiosos confiáveis ​​reconhecem que quando o número de noites é incluído, bem como o número de dias, não é mais um idioma, mas uma declaração de fato. Considere as palavras de E. W. Bullinger:

& # 8220O fato de que & # 8220três dias & # 8221 é usado pelo idioma hebraico para qualquer parte de três dias e três noites não é contestado porque essa era a forma comum de cálculo & # 8230 Mas, quando o número de & # 8220noites & # 8221 é declarado, bem como o número de & # 8220 dias, & # 8221, então a expressão deixa de ser uma expressão idiomática e se torna uma declaração literal do fato. & # 8221 (The Companion Bible, Apêndice 144)

A pura verdade é que Jesus nunca foi crucificado na & # 8220Boa Sexta-feira & # 8221 e ressuscitou no & # 8220 Domingo de Páscoa. & # 8221 Essa crença não é motivada pelas escrituras, mas sim pelas tradições dos homens.

Quando Jesus foi crucificado?

Todos os anos, milhões de cristãos honram a crucificação de Jesus Cristo no que veio a ser conhecido como & # 8220Boa Sexta-feira. & # 8221 Neste dia, muitas culturas realmente reencenam a crucificação. Mas como Jesus poderia ter sido crucificado em uma sexta-feira, quando as escrituras declaram que ele ressuscitou antes que as mulheres visitassem seu túmulo na manhã de domingo? Lembre-se das próprias palavras de Jesus que afirmam por quanto tempo Ele ficaria na sepultura. & # 8220 Pois assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra & # 8221. (Mt. 12: 39-40).

Os versículos a seguir servirão para mostrar que Jesus morreu na Páscoa. Ele afirma em Marcos (15: 42-45) que na noite do dia da preparação, que é um dia antes do sábado, um conselheiro José pediu o corpo de Jesus. Assim que Pilatos determinou que Jesus estava morto, ele lhe deu o corpo.

Marcos (15:42) E agora, quando já era noite, porque era o dia da preparação, ou seja, um dia antes do sábado,

(43) José de Aarimatéia, um conselheiro honrado, que também esperava pelo reino de Deus, veio e foi com ousadia a Pilatos, e ansiava pelo corpo de Jesus.

As escrituras acima são onde o problema residia com a igreja primitiva tentando interpretar os eventos da Bíblia. Deve-se notar que o que a maioria dos cristãos modernos pratica ou segue vem diretamente da Igreja Católica Romana. Você teve pessoas não espirituais tentando decifrar eventos que eram espirituais. Visto que as escrituras afirmam que o dia da preparação era um dia antes do sábado, eles automaticamente presumiram que esse evento ocorreria em uma sexta-feira, porque sabiam que o sábado do Senhor era de sexta à noite a sábado à noite. Foi assim que surgiram com o conceito de que Jesus morreu na sexta-feira e ressuscitou na manhã de domingo.

O que eles deixaram de levar em consideração foram os Dias Santos do Senhor & # 8217s ou como também são chamados de Grandes Sábados. Há sete sábados anuais, e eles, com exceção do Pentecostes, podem cair em qualquer dia da semana.

No início desta lição, foi explicado em Levítico (23: 4) que a Páscoa, que é o 14º dia do mês, é o dia anterior à festa dos Pães Asmos, que é um Dia Santo ou um Sábado Superior. A Páscoa é às vezes referida como o dia de preparação porque eles usavam esse dia para se preparar para a festa. A Festa dos Pães Ázimos é o sábado ao qual se referia em Marcos 15:42, quando foi declarado que José ansiava pelo corpo de Jesus. Jesus foi crucificado na Páscoa e no dia seguinte era a Festa dos Pães Ázimos.

Jesus predisse quando ocorreria Sua morte.

Mateus 26: 1) E aconteceu que, acabando Jesus todas estas palavras, disse aos seus discípulos:

(2) Vós sabeis que depois de dois dias é a festa da Páscoa, e o Filho do homem é traído para ser
crucificado.

Agora lembre-se de que os dias de Deus começam à noite e terminam na noite seguinte. Lembre-se disso ao ler o próximo conjunto de escrituras. Jesus foi traído por Judas na noite da Páscoa. João 13 conta como Jesus e Seus discípulos, naquela noite, estavam compartilhando a refeição pascal. João (18: 3) mostra naquela mesma noite que Jesus foi traído e levado embora. Ainda era noite quando eles levaram Jesus, porque os homens que vieram e O levaram e amarraram tinham lanternas e tochas.

Jesus foi crucificado no dia seguinte, mas ainda era a Páscoa. Lembre-se de que os dias de Deus vão de um pôr do sol ao pôr do sol. Jesus foi levado sob custódia na noite da Páscoa e na manhã seguinte, que é o dia da Páscoa, Ele foi condenado e crucificado. Os versículos a seguir demonstram como Pilatos estava disposto a libertar Jesus na manhã depois de ele ter sido levado sob custódia. Ainda era a Páscoa. Todos nós sabemos que os judeus recusaram e Jesus foi crucificado.

(João 18:39) Mas vós tendes um costume de que eu vos solte um no páscoa: quereis, pois, que eu vos liberte o Rei dos Judeus?

(40) Então todos clamaram novamente, dizendo: Não este homem, mas Barrabás. Agora Barrabás era um ladrão.

Lembre-se de Marcos (15:42) José ansiava pelo corpo de Jesus na noite da Páscoa Judaica. Agora, pode-se ver que isso foi no final do Páscoa Judaica.


As escrituras explicam como Jesus esteve na Terra por 3 dias e 3 noites, exatamente como Ele havia predito.

Ao olhar para as escrituras anteriores, deve-se agora ter um melhor entendimento do que aconteceu. Lembre-se de que Maria não veio ao local do Túmulo até o primeiro dia da semana, que é domingo. (João 20: 1) & # 8220O primeiro dia da semana Maria Madalena chega cedo, quando ainda estava escuro, ao sepulcro & # 8221, E era de manhã cedo e ainda estava escuro. Mas Jesus já havia ressuscitado. Isso porque Jesus entrou em Seu túmulo pouco antes do final da Páscoa ou na noite de quarta-feira. A passagem da Páscoa trouxe a festa dos Pães Ázimos. Portanto, Jesus estaria no túmulo na quarta-feira à noite, quinta-feira durante o dia e quinta-feira à noite, sexta-feira durante o dia, sexta-feira à noite, sábado durante o dia e Jesus ressuscitou um pouco antes do sol se pôr no sábado. Conseqüentemente, temos os 3 dias e 3 noites que Jesus profetizou.

Sua morte na noite de quarta-feira é consistente com o comentário do profeta Daniel, afirmando que o Messias seria cortado (morto) no meio da semana:

26 E depois de sessenta e duas semanas será o Messias cortado, mas não para si mesmo: e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário e o seu fim será com um dilúvio, e até o fim da guerra as desolações estão determinadas.

27 E ele deve confirmar a aliança com muitos por uma semana: e no meio da semana (Quarta-feira é o meio da semana) ele fará com que o sacrifício e a oblação cessem (Lembre-se, Jesus é o Cordeiro pascal do sacrifício).

É inevitável que permaneçam aqueles que acham que não há nada de errado em observar a Páscoa, porque acreditam que o importante é o espírito com que se faz algo. Mais uma vez, meu objetivo não é antagonizar. É apenas para fazer com que você examine cuidadosamente a doutrina e as práticas que você está seguindo. Ao pesquisar as escrituras, pode-se ter certeza de que sua doutrina está de acordo com a palavra de Deus. Tendo dito isso, Jesus nos disse para adorar em espírito e o Senhor deu a todos instruções específicas sobre como fazer isso. Essas instruções estão contidas na Bíblia Sagrada, pois contém a palavra de Deus. Se alguém segue uma doutrina ou opera com espírito contrário às escrituras, essa doutrina e o espírito que segue são contrários a Deus.

Em I João (4: 1), diz para você experimentar os espíritos. Como se experimenta os espíritos? Pela palavra de Deus. Ao operar no chamado espírito das coisas, as pessoas adoram a Deus de maneiras que não podem ser apoiadas ou substanciadas pela Bíblia. Eles fazem isso enquanto ainda não observam os mandamentos de Deus.

Observar a Páscoa é um mandamento de Deus Levítico (23: 5). Pessoas em todo o mundo observam os chamados feriados religiosos em nome de Cristo, mas nenhum deles é apoiado pela Bíblia. Esperançosamente, esta lição mostrou que um deles, a Páscoa, não é mais do que uma tradição estabelecida pelo homem. Tente novamente os espíritos, pois se alguém pode seguir práticas não apoiadas pela Bíblia, mas não fazer o que está escrito nas escrituras, eles estão operando sob um espírito forte. E esse espírito é contrário à palavra de Deus.

Paz a todos os que buscam a verdade em nome de Jesus.

Para uma vídeo-aula sobre este tópico por uma Igreja que crê na Bíblia Verdadeira, assista:

As informações acima foram extraídas das seguintes fontes:

A verdade sobre a Páscoa, Por David Fischer e Art Braidic:

Páscoa, um feriado pagão, NÃO cristão, Pela aula de estudo bíblico do Israel de Deus:


JESUS, HOMEM DE HISTÓRIA

Os historiadores profissionais não acreditam que o relato do Novo Testamento seja apenas uma releitura de um mito antigo. Embora não endossem todos os detalhes dos registros do Evangelho (a maioria dos acadêmicos rejeita os elementos sobrenaturais por razões filosóficas), os estudiosos, tanto liberais quanto conservadores, concordam de forma esmagadora que Jesus de Nazaré foi um homem de história.

Will Durant, historiador vencedor do Prêmio Pulitzer, foi coautor com sua esposa da obra de maior sucesso da história, o 11 volume A História da Civilização. Em & ldquoCaesar and Christ & rdquo, apesar das & ldquomanias suspeitas semelhanças com as lendas dos deuses pagãos & rdquo Durant conclui:

Apesar dos preconceitos e preconceitos teológicos dos evangelistas, eles registram muitos incidentes que muitos inventores teriam escondido. Ninguém que esteja lendo essas cenas pode duvidar da realidade da figura por trás delas. Que alguns homens simples em uma geração tivessem inventado uma personalidade tão poderosa e atraente, uma ética tão elevada e uma visão tão inspiradora da fraternidade humana, seria um milagre muito mais incrível do que qualquer registrado nos Evangelhos. Após dois séculos de alta crítica, os contornos da vida, caráter e ensinamentos de Cristo permanecem razoavelmente claros e constituem a característica mais fascinante da história do homem ocidental. xv

O desafio em Zeitgeist é por isso que devemos considerar as histórias de Mitras, Hórus, Átis e os outros salvadores de mistério pagãos como fábulas, mas tratar como factual uma história semelhante contada de um carpinteiro judeu.

A resposta é simples: não há boas evidências da autenticidade de quaisquer personagens mitológicos antigos e seus feitos, mas há uma abundância de tais evidências para Jesus. E se a documentação histórica do homem de Nazaré é convincente, então não importa quantos mitos antigos compartilham semelhanças.

O apóstolo Paulo prontamente reconheceu que se a ressurreição de Jesus fosse um mito e as testemunhas estivessem negociando em mentiras, então os cristãos eram um bando lamentável (1 Coríntios 15:19). E tolos também, devo acrescentar, porque custou a vida de muitos deles. Nada no Zeitgeist a teoria do redentor reciclado, no entanto, sugere que os cristãos perderam sua confiança. Os fatos dos céticos não são confiáveis ​​e seu pensamento é incorreto, então seu desafio está duplamente morto.

De acordo com seu próprio testemunho, os escritores do Novo Testamento não estavam seguindo contos & ldquoclicamente inventados quando vos revelamos o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas fomos testemunhas oculares de Sua majestade & rdquo (2 Pedro 1:16). Eles estavam testemunhando não sobre mitos, mas para & ldquosober a verdade & rdquo sobre eventos que & ldquonot foram feitos em um canto & rdquo (Atos 26: 25-26):

O que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que olhamos e tocamos com nossas mãos, concernente à Palavra de Vida & ndash e a vida foi manifestada, e nós vimos, testificamos e proclamamos a vocês a vida eterna, que estava com o Pai e foi manifestado a nós & ndash o que vimos e ouvimos, proclamamos a vocês também (1 João 1: -3).

Este artigo foi usado com permissão. Greg Koukl, & quotJesus, the Recycled Redemer, & quot Terra firme (Stand to Reason, setembro / outubro de 2009): 1-5. Visite Stand no site da Reason

eu. Lee Strobel, O caso do verdadeiro Jesus (Grand Rapids, Zondervan: 2007), 163, 177-8.

ii. Ronald Nash, O Evangelho e os Gregos & ndash O Novo Testamento Partiu do Pensamento Pagão?, 2ª ed. (Phillipsburg, N.J .: P & ampR Publishing, 2003), 134, 137.

XI. Tryggve Mettinger, O enigma da ressurreição & ndash & ldquoDying and Rising Gods & rdquo no antigo Oriente Próximo (Estocolmo: Almqvist & amp Wiksell International: 2001), 221.

xiv. C.S. Lewis, Deus no cais (Grand Rapids: Eerdmans, 1970), 272-3.

xv. Will Durant, César e cristo, vol. 3 de A História da Civilização (Nova York: Simon & amp Schuster, 1972), 557.

Este artigo é fornecido por uma fonte terceirizada. Fornecer um artigo de terceiros em amazingdiscoveries.org indica que apoiamos o conteúdo desse artigo em particular, mas não é um endosso por Amazing Discoveries da opinião do autor, estilo de vida ou trabalho publicado em outro lugar.

O conteúdo deste artigo e do site não se destina a acusar indivíduos. Existem muitos sacerdotes e crentes fiéis no catolicismo romano que servem a Deus da melhor maneira que podem e são vistos por Deus como Seus filhos. As informações aqui contidas são direcionadas apenas ao sistema político-religioso católico romano, que reinou em vários graus de poder por quase dois milênios. É nosso sincero desejo expor a clara Palavra de Deus diante de você, o leitor que busca a verdade, para que possa decidir por si mesmo o que é verdade e o que é erro. Se você encontrar aqui algo contrário à Palavra de Deus, não precisa aceitar. Mas se você deseja buscar a Verdade como um tesouro escondido, e encontrar aqui algo dessa qualidade, nós o encorajamos a se apressar em aceitar aquela Verdade que é revelada a você pelo Espírito Santo.


Loeb Classical Library

& ldquoAqui estão 1.400 anos de cultura humana, todos os textos que sobreviveram de uma das maiores civilizações que os seres humanos já construíram & mdasand podem caber em uma ou duas estantes. Capturar todos os textos fugitivos do mundo antigo, alguns dos quais sobreviveram à Idade das Trevas em apenas uma única cópia mofada em alguma biblioteca monástica, e transformá-los em livros precisos, robustos e claros a preços acessíveis, é uma das maiores conquistas da erudição moderna. um dos mais democráticos. & rdquo & mdashAdam Kirsch

A Loeb Classical Library & reg é a única série de livros existente que, por meio do texto original e da tradução para o inglês, dá acesso a tudo o que é importante na literatura grega e latina. Poesia épica e lírica, tragédia e comédia, história, viagens, filosofia e oratória os grandes escritores médicos e matemáticos aqueles pais da Igreja que fizeram uso particular da cultura pagã - resumindo, toda a nossa herança clássica é representada aqui em volumes de bolso convenientes e bem impressos nos quais um texto atualizado e uma tradução precisa e alfabetizada em inglês, página a página. Os editores fornecem introduções substantivas, bem como notas críticas e explicativas essenciais e bibliografias seletivas.

Em homenagem ao 100º aniversário da Loeb Classical Library, celebrado em 2011, Adam Kirsch escreveu um ensaio de três partes na Barnes & amp Noble Review. Leia as partes um, dois e três.

E, nas páginas de Buried History, GHR Horsley, professor de clássicos da University of New England em New South Wales, Austrália, e um tradutor da Loeb Classical Library, avaliou as realizações, inovações e mudanças de ênfase da biblioteca e rsquos em seus primeiros cem anos. Baixe o artigo [PDF, 4 MB].

Agora disponível: A Loeb Classical Library digital (loebclassics.com) estende a missão de fundação de James Loeb com uma biblioteca virtual interconectada, totalmente pesquisável e em crescimento perpétuo de tudo o que é importante na literatura grega e latina. Leia mais sobre os recursos do site & rsquos & raquo

The Loeb Classical Library & reg é publicado e distribuído pela Harvard University Press. É uma marca registrada do Presidente e Fellows do Harvard College. Todos os direitos reservados.

Abaixo está uma lista de trabalhos impressos nesta coleção, apresentados em ordem de série ou ordem de publicação, conforme aplicável.

Esta seleção de pepitas lapidares extraídas de 33 dos principais autores da antiguidade e rsquos inclui poesia, diálogo, escrita filosófica, história, reportagem descritiva, sátira e ficção e dando um vislumbre da ampla gama de artes e ciências, pensamento e estilos da cultura greco-romana.

A moderna e elegante interface digital Loeb Classical Library permite aos leitores navegar, pesquisar, marcar, anotar e compartilhar conteúdo em mais de 530 volumes de textos em latim, grego e inglês, em qualquer lugar do mundo. Toda a herança do grego clássico e do latim é representada aqui com textos atualizados e traduções precisas para o inglês.

Apolônio Ródio
Race, William H.

Apolônio Ródio& rsquo Argonautica, composta no terceiro século aC, é uma releitura épica da busca de Jason e rsquos pelo velo de ouro.Ele influenciou muito autores romanos como Catulo, Virgílio e Ovídio, e foi imitado por Valerius Flaccus.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é uma fonte principal para a história da República Romana. Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é uma fonte principal para a história da República Romana. Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é a principal fonte para a história da República Romana. Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é a principal fonte para a história da República Romana. Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Catullus
Tibullus
Cornish, F. W.
Postgate, J. P.
Mackail, J. W.

Catullus (84 e ndash54 aC) casais consumam arte poética com intensidade de sentimento. Tibullus (c. 54 & ndash19 AC) proclama amor por Delia e Nemesis em elegia. O belo verso do Pervigilium Veneris (século IV dC?) celebra um festival de primavera em homenagem à deusa do amor.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Em cartas a seu amigo Atticus, Cicero (106 & ndash43 aC) se revela como a nenhum outro de seus correspondentes, exceto, talvez, seu irmão, e descreve vividamente um período importante na história romana, marcado pela ascensão de Júlio César e a queda da República.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Em cartas a seu amigo Atticus, Cicero (106 & ndash43 aC) se revela como a nenhum outro de seus correspondentes, exceto, talvez, seu irmão, e descreve vividamente um período importante na história romana, marcado pela ascensão de Júlio César e a queda da República.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas cerca de noventa peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas cerca de noventa peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

As obras sobreviventes do imperador romano Julian & ldquothe Apostate & rdquo (331 ou 332 & ndash363 CE) inclui oito Orações Misopogon (Beard-Hater), atacando a moral do povo de Antioquia, mais de oitenta Cartas e fragmentos de Contra os galileus, escrito principalmente para mostrar que o Antigo Testamento carece de evidências para a ideia do cristianismo.

Lucian (c. 120 & ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Petronius
Sêneca
Schmeling, Gareth

o Satyrica, tradicionalmente atribuído ao cortesão neroniano Petronius, é uma ficção cômico-picaresca que relembra as aventuras do narrador e rsquos no antigo demimonde imperial, incluindo Trimalchio e banquete rsquos. Apocolocintose (Abóbora) é um panfleto satírico satírico que satiriza a morte e a divinização do imperador Cláudio.

Filóstrato
Jones, Christopher P.

No dele Vida de Apolônio, Filóstrato (segundo ao terceiro século EC) retrata um mestre do primeiro século EC, reformador religioso e considerado rival de Jesus. Cartas de Apolônio e rsquos, relatórios antigos sobre ele e uma carta de Eusébio (século IV dC) que agora é central para a história do trabalho de Filóstrato e rsquos adicionam ao retrato.

Filóstrato
Jones, Christopher P.

No dele Vida de Apolônio, Filóstrato (segundo ao terceiro século EC) retrata um mestre do primeiro século EC, reformador religioso e considerado rival de Jesus. Cartas de Apolônio e rsquos, relatórios antigos sobre ele e uma carta de Eusébio (século IV dC) que agora é central para a história do trabalho de Filóstrato e rsquos adicionam ao retrato.

As elegias apaixonadas e dramáticas de Propércio (c. 50 & ndashsoon depois de 16 AC) ganhou-lhe a reputação de um dos melhores poetas do amor de Roma. Ele retrata o curso desigual de seu caso de amor com Cynthia e também nos conta muito sobre a sociedade de sua época; em poemas posteriores, volta-se para as lendas da Roma antiga.

Quintus Smyrnaeus
Hopkinson, Neil

Quintus Smyrnaeus& rsquo Posthomerica, composta entre o final do segundo e meados do quarto século DC, corajosamente adapta a dicção e o estilo homéricos para preencher a história da expedição troiana entre o final da Ilíada e o início da Odisséia. Esta edição substitui a edição anterior da Loeb Classical Library, de A. S. Way (1913).

Sófocles
Lloyd-Jones, Hugh

Sófocles (497/6 e ndash406 aC), considerado um dos maiores poetas do mundo, forjou a tragédia do excesso heróico de mito e lenda. Sete peças completas ainda existem, incluindo Édipo Tirano, Ajax, Antígona, e Filoctetes. Entre muitos fragmentos que também sobreviveram está uma parte substancial do drama sátiro Os pesquisadores.

Sófocles
Lloyd-Jones, Hugh

Sófocles (497/6 e ndash406 aC), considerado um dos maiores poetas do mundo, forjou a tragédia do excesso heróico de mito e lenda. Sete peças completas ainda existem, incluindo Édipo Tirano, Ajax, Antígona, e Filoctetes. Entre muitos fragmentos que também sobreviveram está uma parte substancial do drama sátiro Os pesquisadores.

As seis jogadas por Terence (falecido em 159 aC), todos existentes, reformulam imaginativamente a nova comédia grega em cenas realistas e latim refinado. Eles incluem Phormio, uma comédia de intriga e malandragem Os irmãos, que explora a educação parental de filhos e O eunuco, que apresenta a cortesã mais simpática da comédia romana.

As seis jogadas por Terence (falecido em 159 aC), todos existentes, reformulam imaginativamente a nova comédia grega em cenas realistas e latim refinado. Eles incluem Phormio, uma comédia de intriga e malandragem Os irmãos, que explora a educação parental de filhos e O eunuco, que apresenta a cortesã mais simpática da comédia romana.

Os escritos dos Padres Apostólicos (primeiro e segundo séculos EC) fornecem um quadro rico e diversificado da vida e do pensamento cristão no período imediatamente posterior aos tempos do Novo Testamento. Alguns receberam autoridade quase bíblica na Igreja primitiva.

Os escritos dos Padres Apostólicos (primeiro e segundo séculos EC) fornecem um quadro rico e diversificado da vida e do pensamento cristão no período imediatamente após os tempos do Novo Testamento. Alguns receberam autoridade quase bíblica na Igreja primitiva.

Agostinho
Hammond, Carolyn J.-B.

Confissões é uma autobiografia espiritual de Agostinho& rsquos juventude, família, associações e explorações de pontos de vista religiosos e teológicos alternativos enquanto ele se encaminhava para sua conversão. Elenco como uma oração dirigida a Deus, oferece uma história pessoal emocionante e uma exploração filosófica destinada a ter um impacto amplo e duradouro.

Agostinho
Hammond, Carolyn J.-B.

Confissões é uma autobiografia espiritual de Agostinho& rsquos juventude, família, associações e explorações de pontos de vista religiosos e teológicos alternativos enquanto ele caminhava em direção à sua conversão. Elenco como uma oração dirigida a Deus, oferece uma história pessoal emocionante e uma exploração filosófica destinada a ter um impacto amplo e duradouro.

Teócrito
Moschus
Bion
Hopkinson, Neil

Teócrito (início do terceiro século AEC) foi o inventor do gênero bucólico, também conhecido como pastoral. A presente edição de sua obra, junto com a de seus sucessores Moschus (fl. meados do segundo século AEC) e Bion (fl. por volta de 100 aC), substitui o volume anterior da Loeb Classical Library de Poetas Bucólicos Gregos por J. M. Edmonds (1912).

As obras sobreviventes do imperador romano Julian & ldquothe Apostate & rdquo (331 ou 332 & ndash363 CE) inclui oito Orações Misopogon (Beard-Hater), atacando a moral do povo de Antioquia, mais de oitenta Cartas e fragmentos de Contra os galileus, escrito principalmente para mostrar que o Antigo Testamento carece de evidências para a ideia do cristianismo.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 AC), advogado, orador, político e filósofo, do que de qualquer outro romano. Além de muito mais, sua obra transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Enriquecido por anedotas, fofocas e detalhes de caráter e aparência pessoal, Vidas dos césares por Suetônio (nascido em 70 dC) é uma fonte valiosa e colorida de informações sobre os primeiros doze imperadores romanos, a política imperial romana e a sociedade imperial romana. Parte de Suetônio e rsquos Vidas de Homens Ilustres (de letras) também sobrevive.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

A poesia de Horace (nascido em 65 aC) é ricamente variado, seu foco movendo-se entre interesses públicos e privados, cenários urbanos e rurais, pensamento estóico e epicurista. Seu Odes cobrem uma ampla gama de temperamentos e tópicos. Amor e preocupações políticas são temas frequentes do Epodes.

João damasceno
Woodward, G. R.
Mattingly, Harold

Barlaam e Ioasaph, um romance hagiográfico em que um príncipe indiano toma conhecimento das misérias mundiais e é convertido ao cristianismo por um monge, é uma versão cristianizada da lenda do Buda. Embora muitas vezes atribuído a João damasceno (c. 676 e ndash749 EC), provavelmente foi traduzido do georgiano para o grego no século onze EC.

Tácito
Hutton, M.
Peterson, W.

Tácito (c. 55 & ndashc. 120 DC), conhecido pela concisão e psicologia, é fundamental como um historiador do início do Império Romano. Agrícola inclui a carreira de Agricola & rsquos na Grã-Bretanha. Germânia é uma descrição das tribos alemãs conhecidas pelos romanos. Dialogus diz respeito ao declínio da oratória e da educação.

Platão
Emlyn-Jones, Christopher
Preddy, William

As obras neste volume relatam as circunstâncias do julgamento e execução de Sócrates & rsquo em 399 aC. Eutífron tentativas de definir santidade Desculpa é o discurso de defesa de Sócrates em Crito ele discute justiça e defende sua recusa em ser resgatado da prisão Fédon oferece argumentos para a imortalidade da alma.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Enriquecido por anedotas, fofocas e detalhes de caráter e aparência pessoal, Vidas dos césares por Suetônio (nascido em 70 dC) é uma fonte valiosa e colorida de informações sobre os primeiros doze imperadores romanos, a política imperial romana e a sociedade imperial romana. Parte de Suetônio e rsquos Vidas de Homens Ilustres (de letras) também sobrevive.

Guerra civil fornece um relato vigoroso, direto, claro, terceiro-pessoal e apaixonado de César& rsquos campanhas durante a guerra civil de 49 & tímido & ndash48 aC, extraídas de seus três livros de commentarii.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

No Heroides, Ovid (43 aC e 17 dC) permite que mulheres lendárias narrem suas memórias e expressem suas emoções em versos para maridos e amantes ausentes. Ovid & rsquos Amores são três livros de elegias ostensivamente sobre o caso de amor do poeta e rsquos com sua amante Corinna.

Em seu trabalho mais influente, o Metamorfoses, Ovid (43 aC & ndash17 dC) tece um todo hexamétrico de uma vasta gama de mitos, que são conectados pelo tema da mudança e engenhosamente ligados à medida que a narrativa prossegue desde a criação inicial até a transformação na própria época de Ovídio.

Em seu trabalho mais influente, o Metamorfoses, Ovid (43 aC & ndash17 dC) tece um todo hexamétrico de uma vasta gama de mitos, que são conectados pelo tema da mudança e engenhosamente ligados à medida que a narrativa prossegue desde a criação inicial até a transformação na própria época de Ovídio.

o Metamorfoses (O asno de ouro) do Apuleio (nascido em 125 DC) é um romance que combina realismo e magia. Lucius quer as sensações de um pássaro, mas por acidente farmacêutico se torna um asno. A maior parte do romance narra suas aventuras como um animal, mas Lúcio também conta muitas histórias que ele ouve, incluindo a de Cupido e Psiquê.

Achilles Tatius
Gaselee, S.

Leucippe e Clitofonte, escrito no segundo século EC, é excepcional entre os romances antigos por ser uma narrativa em primeira pessoa: as aventuras do jovem casal são contadas pelo próprio herói. Achilles TatiusO estilo & rsquos é notável pelos detalhes descritivos e por suas digressões envolventes.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

História das Guerras pelo historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) consiste em grande parte na história militar do século VI EC, com muitas informações sobre povos, lugares e eventos especiais. A descrição poderosa complementa a narração cuidadosa. Procópio é apenas para os inimigos do império e corajosamente critica o imperador Justiniano.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Ciropédia, por Xenofonte (c. 430 e ndashc. 354 AEC), é um romance histórico sobre a educação do rei persa do século VI AEC, Ciro, o Velho, que reflete as idéias de Xenofonte sobre governantes e governo.

Ciropédia, por Xenofonte (c. 430 e ndashc. 354 AEC), é um romance histórico sobre a educação do rei persa do século VI AEC, Ciro, o Velho, que reflete as idéias de Xenofonte sobre governantes e governo.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Lucian (c. 120 e ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Plínio, o Jovem
Radice, Betty

o Cartas do Plínio, o Jovem (c. 61 & ndashc.112 EC), um documento social polido de sua época, inclui descrições da erupção do Vesúvio em 79 EC e os primeiros relatos pagãos de cristãos. o Panegyricus é uma versão expandida e publicada da oração de Plínio e rsquos de agradecimento ao imperador Trajano em 100 dC.

Píndaro (c. 518 e ndash438 aC), altamente estimado como poeta lírico pelos antigos, comemora em versos complexos as conquistas de atletas e governantes poderosos nos quatro grandes festivais pan-helênicos & mdash os jogos olímpicos, de Pítia, da Neméia e ístmicos & mdas contra um cenário de favor divino, o fracasso humano , lenda heróica e ethos grego aristocrático.

Os dois poemas existentes de Hesíodo (oitavo ou sétimo século aC) são Teogonia, em que ele traça a história do mundo divino, e Trabalhos e Dias, em que ele entrega preceitos morais e conselhos práticos para o mundo dos homens.

Marco Aurélio
Haines, C. R.

Marco Aurélio (121 & ndash180 DC), filósofo-imperador, escreveu o Meditações (seu título era & ldquoOs assuntos dirigidos a ele mesmo & rdquo) em períodos de solidão durante as campanhas militares. Suas reflexões éticas, religiosas e existenciais perduram como uma expressão do estoicismo, um texto para estudantes dessa filosofia e um guia para a vida moral.

Plínio, o Jovem
Radice, Betty

o Cartas do Plínio, o Jovem (c. 61 & ndashc. 112 EC), um documento social polido de sua época, inclui descrições da erupção do Vesúvio em 79 EC e os primeiros relatos pagãos dos cristãos. o Panegyricus é uma versão expandida e publicada da oração de Plínio e rsquos de agradecimento ao imperador Trajano em 100 dC.

As comédias de Plauto, que adaptou brilhantemente peças gregas para o público romano c. 205 & ndash184 aC, são as primeiras obras latinas a sobreviverem completas e como os alicerces da tradição teatral europeia de Shakespeare e Moli & egravere aos tempos modernos. Vinte e uma de suas peças ainda existem.

As comédias de Plauto, que adaptou brilhantemente peças gregas para o público romano c. 205 & ndash184 aC, são as primeiras obras latinas a sobreviverem completas e como os alicerces da tradição teatral europeia de Shakespeare e Moli & egravere aos tempos modernos. Vinte e uma de suas peças ainda existem.

Sêneca (ca. 4 DC & ndash65) escreveu tragédias em versos que influenciaram fortemente Shakespeare e outros dramaturgos da Renascença. Os enredos são baseados em mitos, mas os temas refletem a política imperial romana. John G. Fitch revisou completamente sua edição de dois volumes para levar em conta a bolsa de estudos que apareceu desde sua publicação inicial.

Virgil
Fairclough, H. Rushton

Virgil (70 & ndash19 AC) foi um poeta de imenso virtuosismo e influência. Seu Eclogues lidar com vida bucólica e amor, seu Georgics com lavoura, árvores, gado e abelhas. Seu Eneida é um épico sobre o tema das origens de Roma e Rsquos. Poemas do Apêndice Vergiliana são tradicionalmente, mas na maioria dos casos provavelmente errados, atribuídos a Virgílio.

Virgil
Fairclough, H. Rushton

Virgil (70 & ndash19 AC) foi um poeta de imenso virtuosismo e influência. Seu Eclogues lidar com vida bucólica e amor, seu Georgics com lavoura, árvores, gado e abelhas. Seu Eneida é um épico sobre o tema das origens de Roma e Rsquos. Poemas do Apêndice Vergiliana são tradicionalmente, mas na maioria dos casos provavelmente errados, atribuídos a Virgílio.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

A Antologia Grega contém cerca de 4.500 poemas gregos no gênero espumante diversificado de epigrama, escrito por mais de uma centena de compositores, coletados ao longo dos séculos e organizados por assunto. Esta edição Loeb substitui a edição anterior por W. R. Paton, com um texto grego e notas amplas que refletem a erudição atual.

A Antologia Grega (Coleta de flores) é uma coleção ao longo dos séculos de cerca de 4.500 poemas gregos curtos (chamados de epigramas, mas raramente epigramáticos) de cerca de 300 compositores. Meleagro de Gadara (primeiro século AEC), um contribuinte notável, também reuniu o Stephanus (Festão), uma compilação fundamental para a Antologia.

Longus
Xenofonte de Éfeso
Henderson, Jeffrey

Longus& rsquos Daphnis e Chloe (segundo ou início do terceiro século EC), em que um ambiente pastoral idealizado fornece o cenário quando um menino e uma menina descobrem sua sexualidade, é uma das grandes obras da literatura mundial. Xenofonte& rsquos Anthia e Habrocomes (primeiro século EC) é talvez o romance mais antigo existente.

Teofrasto
Hort, Arthur F.

Investigação sobre as plantas e De Causis Plantarum por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 AC) são uma contrapartida ao trabalho zoológico de Aristóteles e rsquos e o trabalho botânico mais importante da antiguidade agora existente. No primeiro, Theophrastus classifica e descreve variedades & mdashcovering árvores, plantas de regiões específicas, arbustos, plantas herbáceas e cereais. No último dos nove livros ele se concentra em sucos de plantas e propriedades medicinais de ervas. Seu Em odores e Sinais de tempo são tratados menores.

Galen (129 & ndash199 DC) cristalizou todos os melhores trabalhos das escolas médicas gregas que precederam seu próprio tempo, incluindo Hipócrates & rsquos trabalho fundamental seiscentos anos antes. Foi na forma de galenismo que a medicina grega foi transmitida para épocas posteriores.

No dele Guerra gaulesa e Guerras civis, César (100 & ndash44 aC) fornece registros vigorosos, diretos, claros, de terceira pessoa e amplamente sem emoção de suas próprias campanhas.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Boécio
Stewart, H. F.
Rand, E. K.
Tester, S. J.

Os mundos clássico e cristão se encontram em Boécio (c. 480 e ndash524 dC), o último escritor do latim puramente literário da antiguidade. Seu Tratados examine a Trindade e a encarnação em termos aristotélicos. Seu Consolação da Filosofia, um diálogo entre ele e a filosofia, tem um tom teísta, mas baseia-se em fontes gregas, especialmente neoplatônicas.

Em 124 epístolas Sêneca (c. 4 & ndash65 DC) escreve a Lucílio, ocasionalmente sobre problemas técnicos de filosofia, mas mais frequentemente em um estilo relaxado sobre questões morais e éticas, relacionando-as com experiências pessoais. Ele, portanto, apresenta a um filósofo estóico pensamentos sobre a vida boa em um contexto contemporâneo.

Em 124 epístolas Sêneca (c. 4 & ndash65 DC) escreve a Lucílio, ocasionalmente sobre problemas técnicos de filosofia, mas mais frequentemente em um estilo relaxado sobre questões morais e éticas, relacionando-as com experiências pessoais. Ele, portanto, apresenta a um filósofo estóico pensamentos sobre a vida boa em um contexto contemporâneo.

Em 124 epístolas Sêneca (c. 4 & ndash65 DC) escreve a Lucílio, ocasionalmente sobre problemas técnicos de filosofia, mas mais frequentemente em um estilo relaxado sobre questões morais e éticas, relacionando-as com experiências pessoais. Ele, portanto, apresenta a um filósofo estóico pensamentos sobre a vida boa em um contexto contemporâneo.

Sêneca (ca. 4 DC & ndash65) escreveu tragédias em versos que influenciaram fortemente Shakespeare e outros dramaturgos da Renascença. Os enredos são baseados em mitos, mas os temas refletem a política imperial romana. John G. Fitch revisou completamente sua edição de dois volumes para levar em conta a bolsa de estudos que apareceu desde sua publicação inicial.

Teofrasto
Hort, Arthur F.

Investigação sobre as plantas e De Causis Plantarum por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 AC) são uma contrapartida ao trabalho zoológico de Aristóteles e rsquos e o trabalho botânico mais importante da antiguidade agora existente. No primeiro, Theophrastus classifica e descreve variedades & mdashcovering árvores, plantas de regiões específicas, arbustos, plantas herbáceas e cereais. No último dos nove livros ele se concentra em sucos de plantas e propriedades medicinais de ervas. Seu Em odores e Sinais de tempo são tratados menores.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

História das Guerras pelo historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) consiste em grande parte na história militar do século VI EC, com muitas informações sobre povos, lugares e eventos especiais. A descrição poderosa complementa a narração cuidadosa. Procópio é apenas para os inimigos do império e corajosamente critica o imperador Justiniano.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

A Antologia Grega (Coleta de flores) é uma coleção ao longo dos séculos de cerca de 4.500 poemas gregos curtos (chamados de epigramas, mas raramente epigramáticos) de cerca de 300 compositores. Meleagro de Gadara (primeiro século AEC), um contribuinte notável, também reuniu o Stephanus (Festão), uma compilação fundamental para a Antologia.

A Antologia Grega (Coleta de flores) é uma coleção ao longo dos séculos de cerca de 4.500 poemas gregos curtos (chamados de epigramas, mas raramente epigramáticos) de cerca de 300 compositores. Meleagro de Gadara (primeiro século AEC), um contribuinte notável, também reuniu o Stephanus (Festão), uma compilação fundamental para a Antologia.

A Antologia Grega (Coleta de flores) é uma coleção ao longo dos séculos de cerca de 4.500 poemas gregos curtos (chamados de epigramas, mas raramente epigramáticos) de cerca de 300 compositores. Meleagro de Gadara (primeiro século AEC), um contribuinte notável, também reuniu o Stephanus (Festão), uma compilação fundamental para a Antologia.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Xenofonte
Brownson, Carleton L.

Hellenica por Xenofonte (c. 430 e ndashc. 354 aC) é uma história dos assuntos gregos de 411 e 362 aC que começa como uma continuação do relato de Tucídides e rsquos.

Xenofonte
Brownson, Carleton L.

Hellenica por Xenofonte (c. 430 e ndashc. 354 aC) é uma história dos assuntos gregos de 411 e 362 aC que começa como uma continuação do relato de Tucídides e rsquos.

Xenofonte
Brownson, Carleton L.

o Anabasis por Xenofonte (c. 430 & ndashc. 354 AC) é um relato de testemunha ocular de mercenários gregos & rsquo desafiando & ldquoMarch Up-Country & rdquo da Babilônia de volta à costa da Ásia Menor sob a orientação de Xenofonte & rsquos em 401 aC, depois que seu líder Ciro, o Jovem, caiu em uma campanha fracassada contra seu irmão .

Juvenal
Persius
Braund, Susanna Morton

Mordida e sagacidade caracterizam dois autores seminais e estelares na história da escrita satírica, Persius (34 e ndash62 CE) e Juvenal (escrevendo cerca de sessenta anos depois). Este último teve uma influência duradoura especialmente sobre os escritores ingleses da Renascença e dos séculos subseqüentes.

Clemente de Alexandria
Butterworth, G. W.

Nascido provavelmente em 150 dC em Atenas, Clemente foi uma figura chave no início do Cristianismo com amplo conhecimento da literatura e cultura grega. Seu Exortação aos gregos abandonar seus deuses e voltar-se para Cristo mostra familiaridade com os cultos dos mistérios. A Salvação do Homem Rico é uma homilia que oferece um vislumbre do ensino público de Clemente.

Pausanias (fl. 150 dC), um dos grandes viajantes do mundo romano, esboços em Descrição da Grécia a história, geografia, marcos históricos, lendas e cultos religiosos de todas as importantes cidades gregas. Ele compartilha seu entusiasmo por grandes locais, descrevendo-os com cuidado e uma precisão confirmada pela comparação com monumentos que ainda existem hoje.

Marcial
Shackleton Bailey, D. R.

Em seus epigramas, Marcial (c. 40 & ndashc. 103 dC) é um observador perspicaz e perspicaz das cenas e eventos romanos, incluindo o novo Coliseu, a vida no campo, um banquete libertino e a erupção do Vesúvio. Seus poemas são ora obscenos, na tradição do gênero, ora afetuosos ou divertidos, e sempre pontiagudos.

Marcial
Shackleton Bailey, D. R.

Em seus epigramas, Marcial (c. 40 & ndashc. 103 dC) é um observador perspicaz e perspicaz das cenas e eventos romanos, incluindo o novo Coliseu, a vida no campo, um banquete libertino e a erupção do Vesúvio. Seus poemas são ora obscenos, na tradição do gênero, ora afetuosos ou divertidos, e sempre pontiagudos.

Ausonius
Evelyn-White, Hugh Gerard

As obras sobreviventes de Ausonius (c. 310 ” Eucaristico por Paulinus Pellaeus (376 e 459 DC) é dar graças pela orientação da providência na vida de seu autor.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Em cartas a seu amigo Atticus, Cicero (106 & ndash43 aC) se revela como a nenhum outro de seus correspondentes, exceto, talvez, seu irmão, e descreve vividamente um período importante na história romana, marcado pela ascensão de Júlio César e a queda da República.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

Plutarco
Perrin, Bernadotte

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus quarenta e seis Vidas são biografias planejadas para serem exemplos éticos em pares, uma figura grega e uma romana semelhante, embora as últimas quatro vidas sejam solteiras. Eles não apenas registram carreiras e feitos ilustres, mas também oferecem retratos redondos de estadistas, oradores e líderes militares.

A Ilíada e o Odisséia do Homer (oitavo século AC) são os dois poemas épicos europeus mais antigos. Este último conta sobre a jornada de Odisseu e rsquos para casa após a Guerra de Tróia e as tentações, atrasos e perigos que ele enfrentou em cada esquina.

A Ilíada e o Odisséia do Homer (oitavo século AC) são os dois poemas épicos europeus mais antigos. Este último conta sobre a jornada de Odisseu e rsquos para casa após a Guerra de Tróia e as tentações, atrasos e perigos que ele enfrentou a cada passo.

Como exemplos da oratória grega, os discursos de Aeschines (390 ou 389 & ndash314 aC) estão próximos aos de Demóstenes e são documentos importantes para o estudo da diplomacia ateniense e da política interna. Os discursos poderosos de Aeschines e rsquos incluem Contra Timarchus, Na Falsa Embaixada, e Contra Ctesiphon.

História das Guerras pelo historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) consiste em grande parte na história militar do século VI EC, com muitas informações sobre povos, lugares e eventos especiais. A descrição poderosa complementa a narração cuidadosa.Procópio é apenas para os inimigos do império e corajosamente critica o imperador Justiniano.

A Guerra do Peloponeso foi realmente três conflitos (431 & ndash421, 415 & ndash413 e 413 & ndash404 AC) que Tucídides ainda estava se unificando em um único relato quando morreu algum tempo antes de 396 AEC. Embora inacabada e como um todo não revisada, em esplendor de descrição e profundidade de percepção esta história não tem superior.

A Guerra do Peloponeso foi realmente três conflitos (431 & ndash421, 415 & ndash413 e 413 & ndash404 AC) que Tucídides ainda estava se unificando em um único relato quando morreu algum tempo antes de 396 AEC. Embora inacabada e como um todo não revisada, em esplendor de descrição e profundidade de percepção esta história não tem superior.

A Guerra do Peloponeso foi realmente três conflitos (431 & ndash421, 415 & ndash413 e 413 & ndash404 AC) que Tucídides ainda estava se unificando em um único relato quando morreu algum tempo antes de 396 AEC. Embora inacabada e como um todo não revisada, em brilho de descrição e profundidade de percepção esta história não tem superior.

Tácito (c. 55 & ndashc. 120 DC), conhecido pela concisão e psicologia, é fundamental como um historiador do início do Império Romano. O que sobrevive de Histórias cobre os dramáticos anos 69 e ndash70. O que sobrevive de Anuais conta uma história frequentemente terrível de 14 & ndash28, 31 & ndash37 e, parcialmente, 47 & ndash66.

Fronto (c. 100 & ndash176 DC), um orador e retórico muito admirado, fez amizade com o imperador Antonino Pio e ensinou seus filhos adotivos Marco Aurélio e Lúcio Vero. Sua correspondência oferece uma imagem inestimável da vida aristocrática e da cultura literária no século II.

Fronto (c. 100 & ndash176 DC), um orador e retórico muito admirado, fez amizade com o imperador Antonino Pio e professor de seus filhos adotivos Marco Aurélio e Lúcio Vero. Sua correspondência oferece uma imagem inestimável da vida aristocrática e da cultura literária no século II.

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

Ausonius
Evelyn-White, Hugh Gerard
Paulinus Pellaeus

As obras sobreviventes de Ausonius (c. 310 ” Eucaristico por Paulinus Pellaeus (376 e 459 DC) é dar graças pela orientação da providência na vida de seu autor.

SallustDuas monografias existentes têm como tema o declínio moral e político de Roma, uma sobre a conspiração de Catilina e a outra sobre a guerra com Jugurtha. Embora Sallust seja decididamente pouco sutil e partidário na análise de pessoas e eventos, suas obras são importantes e influenciaram significativamente historiadores posteriores, notadamente Tácito.

Após investigação pessoal e estudo de boatos e outras evidências, Heródoto (nascido em c. 484 AEC) nos dá em sua famosa história de guerras entre gregos e persas uma estimativa crítica do melhor que ele pôde encontrar.

Após investigação pessoal e estudo de boatos e outras evidências, Heródoto (nascido em c. 484 AEC) nos dá em sua famosa história de guerras entre gregos e persas uma estimativa crítica do melhor que ele pôde encontrar.

Após investigação pessoal e estudo de boatos e outras evidências, Heródoto (nascido em c. 484 AEC) nos dá em sua famosa história de guerras entre gregos e persas uma estimativa crítica do melhor que ele pôde encontrar.

Após investigação pessoal e estudo de boatos e outras evidências, Heródoto (nascido em c. 484 AEC) nos dá em sua famosa história de guerras entre gregos e persas uma estimativa crítica do melhor que ele pôde encontrar.

Apolodoro
Frazer, James G.

Atribuído a Apolodoro de Atenas (nascido em 180 aC), mas provavelmente composto no primeiro ou segundo século aC, A biblioteca fornece um grande resumo dos mitos gregos e lendas heróicas sobre a origem e a história inicial do mundo e do povo helênico.

Apolodoro
Frazer, James G.

Atribuído a Apolodoro de Atenas (nascido em 180 aC), mas provavelmente composto no primeiro ou segundo século aC, A biblioteca fornece um grande resumo dos mitos gregos e lendas heróicas sobre a origem e a história inicial do mundo e do povo helênico.

Platão
Fowler, Harold North

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Quintiliano
Russell, Donald A.

Quintiliano, nascido na Espanha por volta de 35 EC, tornou-se um renomado e bem-sucedido professor de retórica em Roma. No The Orator & rsquos Education (Institutio Oratoria), um programa de treinamento abrangente em doze livros, ele se baseia em sua própria rica experiência. Ele fornece não apenas percepções sobre oratória, mas também uma imagem da educação romana e das atitudes sociais.

Quintiliano
Russell, Donald A.

Quintiliano, nascido na Espanha por volta de 35 EC, tornou-se um renomado e bem-sucedido professor de retórica em Roma. No The Orator & rsquos Education (Institutio Oratoria), um programa de treinamento abrangente em doze livros, ele se baseia em sua própria rica experiência. Ele fornece não apenas percepções sobre oratória, mas também uma imagem da educação romana e das atitudes sociais.

Quintiliano
Russell, Donald A.

Quintiliano, nascido na Espanha por volta de 35 EC, tornou-se um renomado e bem-sucedido professor de retórica em Roma. No The Orator & rsquos Education (Institutio Oratoria), um programa de treinamento abrangente em doze livros, ele se baseia em sua própria rica experiência. Ele fornece não apenas percepções sobre oratória, mas também uma imagem da educação romana e das atitudes sociais.

Quintiliano
Russell, Donald A.

Quintiliano, nascido na Espanha por volta de 35 EC, tornou-se um renomado e bem-sucedido professor de retórica em Roma. No The Orator & rsquos Education (Institutio Oratoria), um programa de treinamento abrangente em doze livros, ele se baseia em sua própria rica experiência. Ele fornece não apenas percepções sobre oratória, mas também uma imagem da educação romana e das atitudes sociais.

Em sua história, Políbio (c. 200 & ndash118 AEC) está centralmente preocupado com como e por que o poder romano se espalhou. A parte principal da obra, uma conquista vital apesar do estado incompleto em que todos, exceto os primeiros cinco livros de um quarenta original, sobrevivem, descreve a ascensão de Roma, sua destruição de Cartago e seu eventual domínio do mundo grego.

Callimachus
Licofron
Aratus
Mair, A. W.
Mair, G. R.

Callimachus (terceiro século AEC) escreveu hinos e epigramas. O monodrama Alexandra é atribuído ao seu contemporâneo, Licofron. Phaenomena, um poema sobre constelações de estrelas e signos meteorológicos de Aratus (c. 315 e ndash245 aC), estava entre os mais lidos na antiguidade e um dos poucos poemas gregos traduzidos para o árabe.

Lucian (c. 120 e ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Ao contrário de seus antecessores, Epicteto (c. 50 & ndash120 EC), que cresceu como escravo, ensinou estoicismo não para uns poucos escolhidos, mas para muitos. Um estudante, o historiador Arrian, gravou palestras de Epictetus e rsquos e, no Encheiridion, um manual, resumiu seu pensamento.

Menandro
Arnott, William Geoffrey

Menandro (? 344/3 & ndash292 / 1 AC), a figura dominante na Nova Comédia, escreveu mais de 100 peças, das quais uma peça completa, partes substanciais de seis outras e fragmentos menores, mas interessantes, foram recuperados. A peça completa, Dyskolos (The Peevish Fellow), ganhou o primeiro prêmio em Atenas em 317 AEC.

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

Filóstrato
Eunápio
Wright, Wilmer C.

No Vidas dos sofistas, Filóstrato (segundo ao terceiro século EC) descreve a ampla influência da sofística nos séculos II e III EC. Vidas de filósofos e sofistas por Eunápio (nascido em 347 EC) é a nossa única fonte sobre o Neo-Platonismo na última parte do quarto século EC.

Claudius Claudianus (c. 370 e ndashc. 410 DC) nos dá um conhecimento importante da época de Honório e mostra habilidade poética e retórica, domínio da linguagem e diversidade. Um panegírico sobre os irmãos Probinus e Olybrius (cônsules juntos em 395 EC) foi seguido principalmente por epopeias em hexâmetros, mas também por elegíacos, epístolas, epigramas e idílios.

Claudius Claudianus (c. 370 e ndashc. 410 DC) nos dá um conhecimento importante da época de Honório e mostra habilidade poética e retórica, domínio da linguagem e diversidade. Um panegírico sobre os irmãos Probinus e Olybrius (cônsules juntos em 395 EC) foi seguido principalmente por epopeias em hexâmetros, mas também por elegíacos, epístolas, epigramas e idílios.

Em sua história, Políbio (c. 200 & ndash118 AEC) está centralmente preocupado com como e por que o poder romano se espalhou. A parte principal da obra, uma conquista vital apesar do estado incompleto em que todos, exceto os primeiros cinco livros de um quarenta original, sobrevivem, descreve a ascensão de Roma, sua destruição de Cartago e seu eventual domínio do mundo grego.

Em sua história, Políbio (c. 200 & ndash118 AEC) está centralmente preocupado com como e por que o poder romano se espalhou. A parte principal da obra, uma conquista vital apesar do estado incompleto em que todos, exceto os primeiros cinco livros de um quarenta original sobrevivem, descreve a ascensão de Roma, sua destruição de Cartago e seu eventual domínio do mundo grego.

o Historia Augusta (ou Scriptores Historiae Augustae) é uma série de biografias de imperadores romanos, herdeiros e pretendentes de Adriano a Numerianus (117 & ndash284 EC) modelados em Suetônio & rsquos Vidas dos Césares (segundo século EC). De confiabilidade e autoria incertas, é agora atribuído por muitas autoridades a um autor do final do século IV dC.

o Historia Augusta (ou Scriptores Historiae Augustae) é uma série de biografias de imperadores romanos, herdeiros e pretendentes de Adriano a Numerianus (117 & ndash284 DC) modelados em Suetônio & rsquos Vidas dos Césares (segundo século EC). De confiabilidade e autoria incertas, é agora atribuído por muitas autoridades a um autor do final do século IV dC.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Safo
Alcaeus
Campbell, David A.

Safo, a poetisa mais famosa da antiguidade, cujo tema principal era o amor, e Alcaeus, poeta do vinho, da guerra e da política, foram dois ilustres cantores de Lesbos do século VI aC.

Anacreon
Campbell, David A.

Anacreon (c. 570 e ndash485 aC) foi um compositor de canções solo. o Anacreonta foram compostos ao longo de vários séculos. Notáveis ​​entre os primeiros escritores de poesia coral são os espartanos do século VII aC Alcman e Terpander.

Os poetas ditirâmbicos da nova escola estiveram ativos de meados do século V a meados do quarto século AEC. Poemas anônimos incluem canções para beber, canções infantis e rsquos e hinos de culto.

Ésquilo
Sommerstein, Alan H.

Ésquilo (c. 525 e ndash456 aC) é o dramaturgo que fez da tragédia ateniense uma das grandes formas de arte do mundo. Sete de suas cerca de oitenta peças sobreviveram completas, incluindo a trilogia Oresteia e o Persas, o único drama histórico grego existente. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Ésquilo
Sommerstein, Alan H.

Ésquilo (c. 525 & ndash456 AC) é o dramaturgo que fez da tragédia ateniense uma das grandes formas de arte do mundo. Sete de suas cerca de oitenta peças sobreviveram completas, incluindo a trilogia Oresteia e o Persas, o único drama histórico grego existente. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Hipócrates
Withington, E. T.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Hipócrates
Jones, W. H. S.
Heráclito

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Nas elegias melancólicas do Tristia e a Ex Ponto, Ovid (43 aC e 17 dC) escreve do exílio em Tomis, no Mar Negro, apelando a pessoas como sua esposa e o imperador.

Velleius Paterculus
Shipley, Frederick W.

Velleius Paterculus viveu nos reinados de Augusto e Tibério (30 AEC & ndash37 dC) e escreveu um resumo da história romana desde a queda de Tróia até 29 dC. Em 13 e 14 dC, imperador Augusto escreveu um relato de sua vida pública, Res Gestae Divi Augusti, cuja cópia mais bem preservada foi gravada nas paredes de seu templo em Ancira (Ancara).

Eusébio, Bispo de Cesaréia de cerca de 315 EC, foi o escritor mais importante da época de Constantino. Sua história da igreja cristã desde o ministério de Jesus até 324 EC é um tesouro de informações, especialmente nos centros orientais.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Demóstenes
Vince, C. A.
Vince, J. H.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Aeneas Tacticus
Asclepiodotus
Onasander
Illinois Greek Club

O trabalho sobrevivente de Enéias (quarto século AEC) está em defesa contra o cerco. Asclepiodotus (primeiro século AEC) escreveu um trabalho sobre táticas como se fosse para uma sala de aula, baseado em manuais anteriores, não em experiência pessoal. Onasander& rsquos & ldquoO General & rdquo (primeiro século EC) trata das qualidades esperadas de um general.

As obras sobreviventes do imperador romano Julian & ldquothe Apostate & rdquo (331 ou 332 & ndash363 CE) inclui oito Orações Misopogon (Beard-Hater), atacando a moral do povo de Antioquia, mais de oitenta Cartas e fragmentos de Contra os galileus, escrito principalmente para mostrar que o Antigo Testamento carece de evidências para a ideia do cristianismo.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Em sua história, Políbio (c. 200 & ndash118 AEC) está centralmente preocupado com como e por que o poder romano se espalhou. A parte principal da obra, uma conquista vital apesar do estado incompleto em que todos, exceto os primeiros cinco livros de um quarenta original, sobrevivem, descreve a ascensão de Roma, sua destruição de Cartago e seu eventual domínio do mundo grego.

PolíbioO tema é como e por que os romanos espalharam seu poder daquela forma. A parte principal de sua história cobre os anos 264 e 146 aC, descrevendo a ascensão de Roma, a destruição de Cartago e o eventual domínio do mundo grego. É uma conquista vital, apesar da sobrevivência incompleta de todos, exceto os primeiros cinco dos quarenta livros.

Políbio
Paton, W. R.
Olson, S. Douglas

Para esta edição de seis volumes de As histórias, W. R. PatonA tradução de 1922 foi completamente revisada, o texto grego B & uumlttner-Wobst corrigido e notas explicativas e uma nova introdução adicionadas. Todos, exceto os primeiros cinco dos quarenta volumes, sobrevivem em um estado incompleto. O Volume VI inclui fragmentos não atribuídos a livros específicos de As histórias.

Lucian (c.120 e ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

As comédias de Plauto, que adaptou brilhantemente peças gregas para o público romano c. 205 & ndash184 aC, são as primeiras obras latinas a sobreviverem completas e como os alicerces da tradição teatral europeia de Shakespeare e Moli & egravere aos tempos modernos. Vinte e uma de suas peças ainda existem.

Platão
Fowler, Harold North
Lamb, W. R. M.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Platão
Fowler, Harold North

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Xenofonte
Marchant, E. C.
Todd, O. J.

No Memorabilia e em Oeconomicus, um diálogo sobre a gestão doméstica, vemos o filósofo Sócrates pelos olhos de seu associado, Xenofonte. No Simpósio, obtemos uma visão sobre a vida em Atenas. Xenofonte e rsquos Desculpa é um complemento interessante para o relato de Platão e rsquos da defesa de Sócrates e rsquos em seu julgamento.

A Guerra do Peloponeso foi realmente três conflitos (431 & ndash421, 415 & ndash413 e 413 & ndash404 AC) que Tucídides ainda estava se unificando em um único relato quando morreu algum tempo antes de 396 AEC. Embora inacabada e como um todo não revisada, em brilho de descrição e profundidade de percepção esta história não tem superior.

o Ilíada e a Odisséia de Homer (oitavo século AC) são os dois poemas épicos europeus mais antigos. O primeiro fala da raiva de Aquiles e rsquos por causa de um insulto à sua honra durante a Guerra de Tróia e de suas consequências para os aqueus, os troianos e o próprio Aquiles.

o Ilíada e a Odisséia de Homer (oitavo século AC) são os dois poemas épicos europeus mais antigos. O primeiro fala da raiva de Aquiles e rsquos por causa de um insulto à sua honra durante a Guerra de Tróia e de suas consequências para os aqueus, os troianos e o próprio Aquiles.

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

História das Guerras pelo historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) consiste em grande parte na história militar do século VI EC, com muitas informações sobre povos, lugares e eventos especiais. A descrição poderosa complementa a narração cuidadosa. Procópio é apenas para os inimigos do império e corajosamente critica o imperador Justiniano.

Frontinus
Bennett, Charles E.
McElwain, Mary B.

Frontinus& rsquos Estratagemas, escrito depois de 84 EC, dá exemplos de estratagemas militares e disciplina da história grega e romana, para a instrução de oficiais romanos. Os Aquedutos de Roma, escrito em 97 & ndash98, dá alguns detalhes históricos e uma descrição dos aquedutos de abastecimento de água da cidade, com as leis a eles relacionadas.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Dio Cassius (Cássio Dio), c. 150 & ndash235 CE, nasceu na Bitínia. Pouco dele História Romana sobrevive, mas as partes ausentes são parcialmente fornecidas de outro lugar e há muitos trechos. O trabalho de Dio & rsquos é uma fonte vital para os últimos anos da república romana e dos primeiros quatro imperadores romanos.

Aristófanes
Henderson, Jeffrey

Aristófanes (c. 450 e ndashc. 386 aC) é admirado desde a antiguidade por sua inteligência, fantasia, linguagem e sátira. No Acharnians um pequeno proprietário de terras, cansado da Guerra do Peloponeso, magicamente arranja um tratado de paz pessoal Cavaleiros é talvez a sátira mais mordaz de uma figura política (Cleon) já escrita.

Aristófanes
Henderson, Jeffrey

Aristófanes (c. 450 e ndashc. 386 aC) é admirado desde a antiguidade por sua inteligência, fantasia, linguagem e sátira. Os protagonistas de Pássaros criar uma contra-Atenas utópica. No Lisístrata esposas entram em greve conjugal até que seus maridos terminem a guerra. Mulheres em Mulheres na Thesmophoria punir Eurípides por retratá-los como ímpios.

Aristófanes
Henderson, Jeffrey

Aristófanes (c. 450 e ndashc. 386 aC) é admirado desde a antiguidade por sua inteligência, fantasia, linguagem e sátira. Ésquilo tradicional e Eurípides moderno competem em Rãs. No Mulheres da Assembleia, As mulheres atenienses conspiram contra o mau governo masculino. O humor e a moralidade de Fortuna a tornou a peça de Aristófanes e rsquos mais popular até o Renascimento.

Lucrécio viveu ca. 99 & ndashca. 55 aC, mas os detalhes de sua carreira são desconhecidos. Em seu poema didático De Rerum Natura (Sobre a natureza das coisas) ele expõe a filosofia epicurista de modo a dissipar o medo dos deuses e da morte, e promover a tranquilidade espiritual.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Xenofonte
Marchant, E. C.
Bowersock, G. W.

Obras menores de Xenofonte (c. 430 e ndashc. 354 AC) incluem Hiero, um diálogo sobre o governo Agesilaus, em louvor a esse rei Constituição da Lacedemônia, no sistema espartano Formas e meios, sobre as finanças de Atenas e um manual de Equitação. A constituição dos atenienses, embora não seja de Xenofonte, é um documento interessante sobre a política ateniense.

Diógenes Laércio
Hicks, R. D.

Diógenes Laércio (provavelmente no início do terceiro século AEC) compilou seu compêndio sobre as vidas e doutrinas dos antigos filósofos a partir de centenas de fontes. Ela abrange mais de três séculos, de Tales a Epicuro, retratando 45 figuras importantes, e é enriquecida por inúmeras citações.

Diógenes Laércio
Hicks, R. D.

Diógenes Laércio (provavelmente no início do terceiro século AEC) compilou seu compêndio sobre as vidas e doutrinas dos antigos filósofos a partir de centenas de fontes. Ela abrange mais de três séculos, de Tales a Epicuro, retratando 45 figuras importantes, e é enriquecida por inúmeras citações.

Josefo
Thackeray, H. St. J.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 DC) são História da Guerra Judaica, de 170 AEC até sua própria época, e Antiguidades Judaicas, desde a criação até 66 EC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Pausanias
Jones, W. H. S.
Ormerod, H. A.

Pausanias (fl. 150 dC), um dos grandes viajantes do mundo romano, esboços em Descrição da Grécia a história, geografia, marcos históricos, lendas e cultos religiosos de todas as importantes cidades gregas. Ele compartilha seu entusiasmo por grandes locais, descrevendo-os com cuidado e uma precisão confirmada pela comparação com monumentos que ainda existem hoje.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Basílio o Grande nasceu em uma família conhecida pela piedade. Cerca de 360 ​​ele fundou um convento em Ponto e em 370 sucedeu Eusébio no arcebispado de Cesaréia. Sua reforma da vida monástica no leste é a base dos modernos mosteiros gregos e eslavos.

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Aristóteles (384 e ndash322 aC), o grande pensador, pesquisador e educador grego, está entre as figuras mais importantes e influentes na história da filosofia, teologia e ciência. Retórica, provavelmente composto quando ele ainda era membro da Academia Platão e Rsquos, é a primeira abordagem sistemática para falar em público persuasivo e um clássico de seu tipo.

Horace
Fairclough, H. Rushton

A poesia de Horace (nascido em 65 aC) é ricamente variado, seu foco movendo-se entre interesses públicos e privados, cenários urbanos e rurais, pensamento estóico e epicurista. No Sátiras Horace zomba de si mesmo e do mundo. Suas epístolas em verso incluem o Arte da poesia, no qual ele famosamente expõe sua teoria literária.

Aulus Gellius (ca. 123 e ndash170 CE) ofertas em Noites no sótão (Gellius começou a escrever essas peças durante estadas em Atenas) uma coleção de capítulos curtos sobre eventos notáveis, palavras e questões de estilo literário, vidas de figuras históricas, questões jurídicas e questões filosóficas que serviram como uma leitura leve instrutiva para romanos cultos.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Plutarco
Babbitt, Frank Cole

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus trabalhos existentes, exceto as Vidas Paralelas, são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Aristóteles
Halliwell, Stephen
Longinus
Fyfe, W. Hamilton
Demetrius
Innes, Doreen C.
Rhys Roberts, W.

No Poético, Aristóteles (384 & ndash322 AEC) trata da tragédia e da epopeia gregas. O assunto de No Sublime, atribuído a um (não identificável) Longinus e provavelmente composta no primeiro século EC, é grandeza na escrita. No estilo, atribuído a um (não identificável) Demetrius e talvez composta no segundo século AEC, analisa quatro estilos literários.

Aulus Gellius (ca. 123 e ndash170 CE) ofertas em Noites no sótão (Gellius começou a escrever essas peças durante estadas em Atenas) uma coleção de capítulos curtos sobre eventos notáveis, palavras e questões de estilo literário, vidas de figuras históricas, questões jurídicas e questões filosóficas que serviram como uma leitura leve instrutiva para romanos cultos.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Isaeus (c. 420 e ndash350 aC) discursos redigidos para outros. Ele compartilha com Lysias puro ático e lucidez de estilo, mas sua apresentação mais agressiva e flexível sem dúvida influenciou Demóstenes. De pelo menos cinquenta discursos atribuídos, sobrevivem onze em casos legados e um grande fragmento tratando de uma reivindicação de cidadania.

Josefo
Thackeray, H. St. J.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

CiceroAs cartas de & rsquos a amigos abrangem o período de 62 AEC, quando sua carreira política estava no auge, a 43 AEC, quando foi executado pelos triunviros vitoriosos.

Statius
Shackleton Bailey, D. R.

Statius e rsquos Silvae, trinta e dois poemas ocasionais, foram escritos provavelmente entre 89 e 96 EC. O verso é leve ao toque, com uma qualidade pictórica distinta. D. R. Shackleton BaileyA edição & rsquos, que substituiu a edição anterior da Loeb Classical Library por J. H. Mozley, foi agora reeditada com correções por Christopher A. Parrott.

Statius
Shackleton Bailey, D. R.

A educação literária grega e a realidade política romana são evidentes na poesia de Statius (c. 50 e ndash96 CE). Seu Silvae são trinta e dois poemas ocasionais. Sua obra-prima, o épico Tebaid, relata a luta pela realeza entre os dois filhos de Édipo. A porção existente de seu Achilleid começa um relato da vida de Aquiles e rsquos.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

A importância de Isócrates (436 & ndash338 AEC) para o estudo da civilização grega do quarto século AEC é indiscutível. Vinte e um discursos de Isócrates sobreviveram, incluindo ensaios políticos, tratados sobre educação e ética e discursos para casos legais. Nove cartas, mais sobre assuntos públicos do que privados, também existem.

Josefo
Thackeray, H. St. J.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Aulus Gellius (ca. 123 e ndash170 CE) ofertas em Noites no sótão (Gellius começou a escrever essas peças durante estadas em Atenas) uma coleção de capítulos curtos sobre eventos notáveis, palavras e questões de estilo literário, vidas de figuras históricas, questões jurídicas e questões filosóficas que serviram como uma leitura leve instrutiva para romanos cultos.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

No Ensaios morais, Sêneca (c. 4 & ndash65 EC) expressa sua filosofia estóica sobre providência, firmeza, raiva, perdão, consolação, vida feliz, lazer, tranquilidade, brevidade da vida e doação de presentes.

Basílio o Grande nasceu em uma família conhecida pela piedade. Cerca de 360 ​​ele fundou um convento em Ponto e em 370 sucedeu Eusébio no arcebispado de Cesaréia. Sua reforma da vida monástica no leste é a base dos modernos mosteiros gregos e eslavos.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

CiceroAs cartas de & rsquos a amigos abrangem o período de 62 AEC, quando sua carreira política estava no auge, a 43 AEC, quando foi executado pelos triunviros vitoriosos.

História das Guerras pelo historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) consiste em grande parte na história militar do século VI EC, com muitas informações sobre povos, lugares e eventos especiais. A descrição poderosa complementa a narração cuidadosa. Procópio é apenas para os inimigos do império e corajosamente critica o imperador Justiniano.

Ao contrário de seus antecessores, Epicteto (c. 50 & ndash120 EC), que cresceu como escravo, ensinou estoicismo não para uns poucos escolhidos, mas para muitos. Um estudante, o historiador Arrian, gravou palestras de Epictetus e rsquos e, no Encheiridion, um manual, resumiu seu pensamento.

Oppian
Colluthus
Trifiodoro
Mair, A. W.

No pescaria, Oppian da Cilícia, que floresceu na segunda metade do segundo século EC, fala sobre peixes e dá instruções de pesca. A caçada, na caça, pode ser o trabalho de um imitador sírio. Colluthus e Trifiodoro (propriamente & ldquoTriphiodorus & rdquo), poetas épicos do Egito, escreveram na segunda metade do século V EC.

Em seu épico A guerra civil, Lucan (39 & ndash65 dC) nos leva da travessia fatídica de César & rsquos do Rubicão, através da Batalha de Farsalo, morte de Pompeu e liderança de Cato & rsquos na África, até César vitorioso no Egito. O poema também é chamado Pharsalia.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Plutarco
Babbitt, Frank Cole

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus trabalhos existentes, exceto as Vidas Paralelas, são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

Teofrasto
Herodas
Sophron
Rusten, Jeffrey
Cunningham, I. C.

Falhas ficcionais são o foco de Personagens por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 aC). O poeta helenístico Herodas escreveu mímicos nos quais a vida cotidiana é retratada e o personagem & mdashas se opõe ao enredo & mdashdestinhado. Mimes por Sophron (quinto século AEC) e fragmentos de mímica anônimos também representam esse gênero.

Philo
Colson, F. H.
Whitaker, G. H.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma proeminente família judia em Alexandria, foi treinado em grego e também em ensino judaico. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Philo
Colson, F. H.
Whitaker, G. H.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Aristóteles
Wicksteed, P. H.
Cornford, F. M.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

A importância de Isócrates (436 & ndash338 AEC) para o estudo da civilização grega do quarto século AEC é indiscutível. Vinte e um discursos de Isócrates sobreviveram, incluindo ensaios políticos, tratados sobre educação e ética e discursos para casos legais. Nove cartas, mais sobre assuntos públicos do que privados, também existem.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

CiceroAs cartas de & rsquos a amigos abrangem o período de 62 AEC, quando sua carreira política estava no auge, a 43 AEC, quando foi executado pelos triunviros vitoriosos.

Florus (segundo século EC) escreveu, em um estilo retórico breve e pontudo, um resumo de dois livros da história romana (especialmente militar) a fim de mostrar a grandeza e declínio da moral romana. Baseada principalmente em Tito Lívio e talvez planejada para chegar aos tempos de Florus & rsquos, a obra existente termina com o reinado de Augusto & rsquos (30 aC e 14 dC).

Na poesia didática de Medicamina Faciei Femineae (Cosméticos Faciais), Ars Amatoria (Arte do amor), e Remedia Amoris (Remédios para o amor), Ovid (43 aC e 17 dC) demonstra abstrusidade e sagacidade. Seu Íbis é um poema de maldição elegíaca. Nux (Nogueira), Halieutica (Pesca Marítima), e Consolatio ad Liviam (Poema de Consolação) são poemas agora considerados como não sendo de Ovídio.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o grande historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para manter tamanha grandeza. A terceira década (21 & ndash30) narra a Segunda Guerra Púnica de 220 & ndash205 aC. Esta edição Loeb substitui o original (1929) de B. O. Foster.

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

o Anabasis of Alexander por Arrian (ca. 95 & ndash175 aC) é o melhor relato existente da vida adulta de Alexandre, o Grande. Uma descrição da Índia e da viagem de Nearchus & rsquo dali seria um suplemento.

Platão
Emlyn-Jones, Christopher
Preddy, William

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Agostinho
Baxter, James Houston

o Cartas do Agostinho (354 e ndash430 dC) são importantes para o estudo da história eclesiástica e das relações de Agostinho com outros teólogos.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Josefo
Thackeray, H. St. J.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Basílio o Grande nasceu em uma família conhecida pela piedade. Cerca de 360 ​​ele fundou um convento em Ponto e em 370 sucedeu Eusébio no arcebispado de Cesaréia. Sua reforma da vida monástica no leste é a base dos modernos mosteiros gregos e eslavos.

Lysias (c. 458 e ndashc. 380 AC) tomou o lado da democracia contra os Trinta Tiranos em 404 AC. De um número muito maior, sobreviveram cerca de trinta discursos completos feitos por ele. Fluente, simples e elegante no estilo, mas vívido na descrição, eles sugerem um partidário apaixonado que também era um homem gentil e bem-humorado.

Plutarco
Babbitt, Frank Cole

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus trabalhos existentes, exceto as Vidas Paralelas, são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Obras históricas de Beda (672 ou 673 & ndash735 CE) incluem seu História Eclesiástica da Nação Inglesa, Vidas dos abades do mosteiro de Bede e rsquos, relatos de Cuthbert e do Carta para egbert, Bede e aluno rsquos.

Philo
Colson, F. H.
Whitaker, G. H.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Obras históricas de Beda (672 ou 673 & ndash735 CE) incluem seu História Eclesiástica da Nação Inglesa, Vidas dos abades do mosteiro de Bede e rsquos, relatos de Cuthbert e do Carta para egbert, Bede e aluno rsquos.

Tácito (c. 55 & ndashc. 120 DC), conhecido pela concisão e psicologia, é fundamental como um historiador do início do Império Romano. O que sobrevive de Histórias cobre os dramáticos anos 69 e ndash70. O que sobrevive de Anuais conta uma história frequentemente terrível de 14 & ndash28, 31 & ndash37 e, parcialmente, 47 & ndash66.

Tertuliano
Minucius Felix
Glover, T. R.
Rendall, Gerald H.

Tertuliano (c. 150 & ndash222 EC) fundou uma língua e literatura latinas cristãs, se esforçou para unir as demandas da Bíblia com a prática da Igreja, defendeu o cristianismo, atacou a heresia e ponderou sobre a moralidade. Octavius por Minucius, um dos primeiros escritores cristãos de data desconhecida, é um debate entre a crença e a descrença que retrata a religião e a sociedade romanas.

Na Arquitetura, completado por Vitruvius algum tempo antes de 27 dC e a única obra desse tipo a sobreviver à antiguidade, não atende a profissionais, mas a leitores que desejam entender a arquitetura. Os tópicos incluem planejamento urbano, materiais de construção, templos, ordens arquitetônicas, casas, pavimentos, mosaicos, abastecimento de água, medições e máquinas.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

No Fasti, Ovid (43 aC e 17 dC) apresenta explicações dos festivais e ritos sagrados que foram anotados no calendário romano e relaciona em detalhes gráficos as lendas anexadas a datas específicas. O poema é uma fonte inestimável de informações sobre práticas religiosas.

No Ensaios morais, Sêneca (c. 4 & ndash65 EC) expressa sua filosofia estóica sobre providência, firmeza, raiva, perdão, consolação, vida feliz, lazer, tranquilidade, brevidade da vida e doação de presentes.

Aristóteles
Wicksteed, P. H.
Cornford, F. M.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Filóstrato, o Velho
Filóstrato, o Jovem
Callistratus
Fairbanks, Arthur

Sessenta e cinco descrições, aparentemente de pinturas em uma galeria em Nápoles, são creditadas a um Elder Philostratus (nascido em 190 CE) para um Filóstrato Jovem, aparentemente seu neto, dezessete descrições semelhantes. Quatorze descrições de estátuas em pedra ou bronze atribuídas a Callistratus foram provavelmente escritos no quarto século EC.

Dio Crisóstomo
Cohoon, J. W.

Dio Crisóstomo (c. 40 & ndashc. 120 DC) foi um retórico hostil aos filósofos, cujo Discursos (ou Orações) refletem preocupações políticas ou morais. O que sobreviveu de suas obras o tornou proeminente no renascimento da literatura grega no final do primeiro e no início do segundo século EC.

Gerber, Douglas E.
Tyrtaeus
Solon
Theognis
Mimnermus

A poesia grega do sétimo ao quinto século AEC, que chamamos de elegia, foi composta principalmente para banquetes e reuniões de convívio. Seu assunto consiste em quase todos os tópicos, excluindo apenas os obscenos e obscenos. Mais substancial neste volume é a coleção de versos elegíacos aos quais Theogniso nome & rsquos está anexado (o Theognidea).

Gerber, Douglas E.
Arquíloco
Semonides
Hipponax

A poesia do sétimo ao quinto século AEC, que os gregos chamavam de iâmbica, parece conectada com canções de culto usadas em festivais religiosos, mas seu propósito não é claro.

As comédias de Plauto, que adaptou brilhantemente peças gregas para o público romano c. 205 & ndash184 aC, são as primeiras obras latinas a sobreviverem completas e como os alicerces da tradição teatral europeia de Shakespeare e Moli & egravere aos tempos modernos. Vinte e uma de suas peças ainda existem.

Philo
Colson, F. H.
Whitaker, G. H.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

As cartas de São Jerônimo (c. 345 & ndash420 EC) são uma fonte essencial para nosso conhecimento da vida cristã nos séculos quarto e quinto EC. Eles também fornecem uma visão sobre uma das personalidades mais impressionantes e complexas da época.

o Historia Augusta (ou Scriptores Historiae Augustae) é uma série de biografias de imperadores romanos, herdeiros e pretendentes de Adriano a Numerianus (117 & ndash284 DC) modelados em Suetônio & rsquos Vidas dos Césares (segundo século EC). De confiabilidade e autoria incertas, é agora atribuído por muitas autoridades a um autor do final do século IV dC.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Eusébio, Bispo de Cesaréia de cerca de 315 EC, foi o escritor mais importante da época de Constantino. Sua história da igreja cristã desde o ministério de Jesus até 324 EC é um tesouro de informações, especialmente nos centros orientais.

Este é o primeiro de dois volumes que apresenta uma seleção de papiros gregos relacionados a negócios públicos e privados. Eles cobrem um período de antes de 300 AEC até o século VIII EC. A maioria foi encontrada em montes de lixo ou restos de casas antigas ou em tumbas no Egito. Desses papiros, obtemos muitas informações sobre a administração e as condições sociais e econômicas do Egito, e sobre as leis nativas egípcias, gregas, romanas e bizantinas, bem como vislumbres da vida cotidiana. Este volume contém: Acordos (71 exemplos) que dizem respeito a casamento, divórcio, adoção, aprendizagem, vendas, arrendamentos, emprego de trabalhadores. Recibos (10). Testamentos (6). Escritura de renúncia. Cartas pessoais de homens e mulheres, jovens e idosos (82). Memorandos (2). Convites (5). Pedidos de pagamento (2). Agenda (2). Contas e inventários (12). Perguntas de oráculos (3). Orações cristãs (2). Um encanto gnóstico. Horóscopo (2).

Strabo
Jones, Horace Leonard

Em seu livro de dezessete Geografia, Strabo (c. 64 aC & ndashc. 25 dC) discute o método geográfico, enfatiza o valor da geografia e chama a atenção para os detalhes físicos, políticos e históricos de países separados. Geografia é uma fonte vital de geografia antiga e informativo sobre geógrafos antigos.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

o Anabasis of Alexander por Arrian (ca. 95 & ndash175 aC) é o melhor relato existente da vida adulta de Alexandre, o Grande. Uma descrição da Índia e da viagem de Nearchus & rsquos dali, deveria ser um suplemento.

Manjericão
Deferrari, Roy J.
McGuire, M. R. P.

Basílio o Grande nasceu em uma família conhecida pela piedade.Cerca de 360 ​​ele fundou um convento em Ponto e em 370 sucedeu Eusébio no arcebispado de Cesaréia. Sua reforma da vida monástica no leste é a base dos modernos mosteiros gregos e eslavos.

Aristóteles
Tredennick, Hugh

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Pausanias (fl. 150 dC), um dos grandes viajantes do mundo romano, esboços em Descrição da Grécia a história, geografia, marcos históricos, lendas e cultos religiosos de todas as importantes cidades gregas. Ele compartilha seu entusiasmo por grandes locais, descrevendo-os com cuidado e uma precisão confirmada pela comparação com monumentos que ainda existem hoje.

Sextus Empiricus
Bury, R. G.

As três obras sobreviventes de Sextus Empiricus (c. 160 e ndash210 CE) são Contornos do pirronismo, Contra dogmáticos, e Contra professores. Seu valor como uma fonte para a história do pensamento é especialmente que eles representam o desenvolvimento e a formulação de antigas doutrinas céticas.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

Philo
Colson, F. H.
Whitaker, G. H.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Platão
Emlyn-Jones, Christopher
Preddy, William

O grande filósofo ateniense Platão nasceu em 427 AEC e viveu até os oitenta anos. Obras-primas reconhecidas entre suas obras são o Simpósio, que explora o amor em seus muitos aspectos, do desejo físico à busca do belo e do bom, e o República, que se refere à retidão e também trata da educação, gênero, sociedade e escravidão.

Silius Italicus (25 & ndash101 CE) compôs um épico Punica em 17 livros sobre a Segunda Guerra Púnica (218 & ndash202 aC). O poema de Silius e rsquos se baseia amplamente na prosa de Tito Lívio para os fatos. Também ecoa poetas, especialmente Virgílio, e emprega técnicas tradicionais da epopeia latina.

Silius Italicus (25 & ndash101 CE) compôs um épico Punica em 17 livros sobre a Segunda Guerra Púnica (218 & ndash202 aC). O poema de Silius e rsquos se baseia amplamente na prosa de Tito Lívio para os fatos. Também ecoa poetas, especialmente Virgílio, e emprega técnicas tradicionais da epopeia latina.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Na Arquitetura, completado por Vitruvius algum tempo antes de 27 dC e a única obra desse tipo a sobreviver à antiguidade, não atende a profissionais, mas a leitores que desejam entender a arquitetura. Os tópicos incluem planejamento urbano, materiais de construção, templos, ordens arquitetônicas, casas, pavimentos, mosaicos, abastecimento de água, medições e máquinas.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Papiros gregos relacionados a negócios públicos e privados no Egito de antes de 300 AEC até o século VIII EC nos informam sobre as condições sociais e econômicas da administração no Egito, leis egípcias, gregas, romanas e bizantinas. Eles também oferecem vislumbres da vida cotidiana.

Cato
Varro
Hooper, W. D.
Ash, Harrison Boyd

Cato& rsquos segundo século a.C. De Agricultura é nosso primeiro texto completo em prosa latina, recomenda a agricultura para sua segurança e lucratividade e aconselha sobre gerenciamento de trabalho e recursos. Varro& rsquos Res rustica (37 AEC) não é um tratado prático, mas uma instrução, em forma de diálogo, sobre a vida agrícola destinada a prósperos cavalheiros do interior.

Duff, J. Wight
Duff, Arnold M.
Aetna
Calpurnius Siculus
Publilius Syrus
Laus Pisonis
Grattius

Obras como as do mímico Publilius Syrus, que floresceu c. 45 AC, e Rutilius Namatianus, que fez um relato gráfico de sua viagem de Roma à Gália em 416 EC, representam a grande variedade de temas que emprestam interesse à poesia latina produzida durante um período de quatro séculos e meio.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Valerius Flaccus
Mozley, J. H.

Gaius Valerius Flaccus floresceu c. 70 & ndash90 AC e compôs um épico incompleto Argonautica em oito livros, na busca pelo Velocino de Ouro. Valerius efetivamente refaz a história já contada por Apolônio Ródio, lembra a linguagem e o pensamento virgiliano, exibe aprendizado e alude à Roma contemporânea.

Aristóteles
Tredennick, Hugh
Armstrong, G. Cyril

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Aristóteles
Hett, Walter Stanley

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

No História Secreta, o historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) ataca o imperador Justiniano e a imperatriz Teodora, do século VI EC, e alega seu efeito ruinoso sobre o Império Romano. A caneta de Procopius & rsquos é particularmente afiada em retratar Theodora & rsquos lascívia, duplicidade, crueldade, rancor, vaidade e orgulho.

Sextus Empiricus
Bury, R. G.

As três obras sobreviventes de Sextus Empiricus (c. 160 e ndash210 CE) são Contornos do pirronismo, Contra dogmáticos, e Contra professores. Seu valor como uma fonte para a história do pensamento é especialmente que eles representam o desenvolvimento e a formulação de antigas doutrinas céticas.

Celso, um leigo, fornece em Na medicina mais informações sobre a condição da ciência médica até sua própria época (provavelmente primeiro século EC) do que qualquer outro autor. O Livro 1 é sobre escolas gregas de medicina e dietética. Livro 2 sobre prognóstico, diagnóstico e terapêutica geral. Livro 3 sobre doenças internas. Livro 4 sobre doenças corporais locais.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Ennius
Goldberg, Sander M.
Manuwald, Gesine

Quintus Ennius (239 & ndash169), amplamente considerado o pai da literatura romana, foi fundamental na criação de uma nova identidade literária romana, domesticando as formas gregas de épico e drama e perseguindo uma série de outras atividades literárias e intelectuais. Ele inspirou grandes desenvolvimentos na religião romana, organização social e cultura popular.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o grande historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para manter tamanha grandeza. A quarta década (31 & ndash40) enfoca a hegemonia crescente de Roma no Oriente.

Trabalhos existentes por Sidonius (nascido em 430 DC) são três longos panegíricos em verso, poemas dirigidos a ou relacionados com amigos e nove livros de cartas.

Pausanias (fl. 150 dC), um dos grandes viajantes do mundo romano, esboços em Descrição da Grécia a história, geografia, marcos históricos, lendas e cultos religiosos de todas as importantes cidades gregas. Ele compartilha seu entusiasmo por grandes locais, descrevendo-os com cuidado e uma precisão confirmada pela comparação com monumentos que ainda existem hoje.

Pausanias (fl. 150 dC), um dos grandes viajantes do mundo romano, esboços em Descrição da Grécia a história, geografia, marcos históricos, lendas e cultos religiosos de todas as importantes cidades gregas. Ele compartilha seu entusiasmo por grandes locais, descrevendo-os com cuidado e uma precisão confirmada pela comparação com monumentos que ainda existem hoje.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Ammianus Marcellinus
Rolfe, J. C.

Ammianus (c. 325 & ndashc. 395 EC), um grego de Antioquia, serviu por muitos anos como oficial do exército romano, depois se estabeleceu em Roma, onde escreveu uma história latina do Império Romano. A parte que sobreviveu cobre vinte e cinco anos da própria vida do historiador: os reinados de Constâncio, Juliano, Joviano, Valentiniano I e Valente.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes necessárias para alcançar tal grandeza. Os livros da quarta década (31 & ndash40) enfocam a hegemonia crescente de Roma no Oriente nos anos 200 & ndash180.

Lucian (c. 120 e ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Celso, um leigo, fornece em Na medicina mais informações sobre a condição da ciência médica até sua própria época (provavelmente primeiro século EC) do que qualquer outro autor. O Livro 5 é sobre o tratamento com medicamentos de doenças gerais, o Livro 6 sobre o tratamento com medicamentos para doenças locais.

Plutarco
Babbitt, Frank Cole

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco
Babbitt, Frank Cole

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus trabalhos existentes, exceto o Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Aristóteles
Hett, Walter Stanley

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Maidment, K. J.
Antiphon
Andocides

Antiphon de Atenas, nascido em c. 480 AC, não gostava de democracia e era um oligarca ardente. De suas quinze obras existentes, três dizem respeito a casos reais de assassinato. Os outros são exercícios acadêmicos. Andocides de Atenas, nascido em c. 440 AC, não gostava dos extremos da democracia e da oligarquia. Dos seus quatro discursos existentes, Contra Alcibíades é duvidoso.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

No Ensaios morais, Sêneca (c. 4 & ndash65 EC) expressa sua filosofia estóica sobre providência, firmeza, raiva, perdão, consolação, vida feliz, lazer, tranquilidade, brevidade da vida e doação de presentes.

Sextus Empiricus
Bury, R. G.

As três obras sobreviventes de Sextus Empiricus (c. 160 e ndash210 CE) são Contornos do pirronismo, Contra dogmáticos, e Contra professores. Seu valor como uma fonte para a história do pensamento é especialmente que eles representam o desenvolvimento e a formulação de antigas doutrinas céticas.

Tácito (c. 55 & ndashc. 120 DC), conhecido pela concisão e psicologia, é fundamental como um historiador do início do Império Romano. O que sobrevive de Histórias cobre os dramáticos anos 69 e ndash70. O que sobrevive de Anuais conta uma história frequentemente terrível de 14 & ndash28, 31 & ndash37 e, parcialmente, 47 & ndash66.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para mantê-las grandeza. A quarta década (31 & ndash40) enfoca a hegemonia crescente de Roma no Oriente.

Warmington, Eric Herbert
Livius Andronicus
Naevius
Pacuvius
Accius

Os primeiros escritos latinos existentes do sétimo ou sexto ao primeiro século aC incluem épico, drama, sátira, tradução e paráfrase, hinos, história e prática do palco e outras obras de Ennius, Cecílio, Livius Andronicus, Naevius, Pacuvius, Accius, Luciliuse outros autores anônimos, as Doze Tábuas do Direito Romano, inscrições arcaicas.

Ammianus Marcellinus
Rolfe, J. C.

Ammianus (c. 325 & ndashc. 395 EC), um grego de Antioquia, serviu por muitos anos como oficial no exército romano, depois se estabeleceu em Roma, onde escreveu uma história latina do Império Romano. A parte que sobreviveu cobre vinte e cinco anos da própria vida do historiador: os reinados de Constâncio, Juliano, Júpiter, Valentiniano I e Valente.

Embora Problemas é um acréscimo de autoria múltipla ao longo de vários séculos, oferece uma visão técnica fascinante do método e pensamento peripatético.

Aristóteles
Mayhew, Robert
Mirhady, David C.

Embora Problemas é um acréscimo de autoria múltipla ao longo de vários séculos, oferece uma visão técnica fascinante do método e pensamento peripatético. Retórica para Alexandre fornece conselhos práticos a oradores e provavelmente foi composta durante o período de tutela de Alexandre por Aristóteles e rsquos, talvez por Anaxímenes, outro dos tutores de Alexandre.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Plutarco
Fowler, Harold North

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Tácito (c. 55 & ndashc. 120 DC), conhecido pela concisão e psicologia, é fundamental como um historiador do início do Império Romano. O que sobrevive de Histórias cobre os dramáticos anos 69 e ndash70. O que sobrevive de Anuais conta uma história frequentemente terrível de 14 & ndash28, 31 & ndash37 e, parcialmente, 47 & ndash66.

Aristóteles
Peck, A. L.
Forster, E. S.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano.Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Aristóteles
Cooke, Harold Percy
Tredennick, Hugh

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

As comédias de Plauto, que adaptou brilhantemente peças gregas para o público romano c. 205 & ndash184 aC, são as primeiras obras latinas a sobreviverem completas e como os alicerces da tradição teatral europeia de Shakespeare e Moli & egravere aos tempos modernos. Vinte e uma de suas peças ainda existem.

Warmington, Eric Herbert
Lucilius

Os primeiros escritos latinos existentes do sétimo ou sexto ao primeiro século aC incluem épico, drama, sátira, tradução e paráfrase, hinos, história e prática do palco e outras obras de Ennius, Cecílio, Livius Andronicus, Naevius, Pacuvius, Accius, Luciliuse outros autores anônimos, as Doze Tábuas do Direito Romano, inscrições arcaicas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Ammianus Marcellinus
Rolfe, J. C.

Ammianus (c. 325 & ndashc. 395 EC), um grego de Antioquia, serviu por muitos anos como oficial no exército romano, depois se estabeleceu em Roma, onde escreveu uma história latina do Império Romano. A parte que sobreviveu cobre vinte e cinco anos da própria vida do historiador: os reinados de Constâncio, Juliano, Júpiter, Valentiniano I e Valente.

Livy
Sage, Evan T.
Schlesinger, Alfred Cary

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

De mais de setenta obras de Varro (116 & ndash27 AC), temos apenas seu tratado sobre agricultura e parte de seu De Lingua Latina (Na Língua Latina), uma obra típica de seu autor & rsquos interesse não apenas em assuntos antiquários, mas também na coleção de fatos científicos, e contendo muito de grande valor para o estudo da língua latina.

De mais de setenta obras de Varro (116 & ndash27 AC), temos apenas seu tratado sobre agricultura e parte de seu De Lingua Latina (Na Língua Latina), uma obra típica de seu autor & rsquos interesse não só em assuntos antiquários, mas também na coleção de fatos científicos, e contendo muito de grande valor para o estudo da língua latina.

A matemática grega do sexto século AEC ao quarto século dC é representada pelo trabalho de, por exemplo, Pitágoras Proclus Thales Demócrito Hipócrates de Quios Teeteto Platão Eudoxus de Cnidus Aristóteles Euclides Eratóstenes Apolônio Ptolomeu Garça de alexandria Diofanto e Papo.

Celso, um leigo, fornece em Na medicina mais informações sobre a condição da ciência médica até sua própria época (provavelmente primeiro século EC) do que qualquer outro autor. Os livros VII e o livro VIII tratam da cirurgia e apresentam relatos de muitas operações, incluindo a amputação.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Dio Crisóstomo
Cohoon, J. W.

Dio Crisóstomo (c. 40 & ndashc. 120 DC) foi um retórico hostil aos filósofos, cujos discursos (ou orações) refletem preocupações políticas ou morais. O que sobreviveu de suas obras o tornou proeminente no renascimento da literatura grega no final do primeiro e no início do segundo século EC.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Cicero
Hendrickson, G. L.
Hubbell, H. M.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Procópio
Dewing, H. B.
Downey, Glanville

No Em Edifícios, o historiador bizantino Procópio (final do século V a depois de 558 EC) descreve as igrejas, edifícios públicos, fortificações e pontes que Justiniano ergueu em todo o seu império, da Igreja de Santa Sofia em Constantinopla às muralhas da cidade em Cartago. A obra é ricamente informativa sobre a arquitetura do século VI dC.

O épico Dionysiaca por Nonnos de Panópolis, no Egito (século V dC), diz respeito à carreira terrena de Dionísio, desde o nascimento em Tebas até a recepção no Olimpo. Em um poema repleto de mitologia, astrologia e magia, Nonnos relata a conquista de Deus e rsquos do Oriente e também, sensual e explicitamente, suas aventuras amorosas.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos (final do século II dC), Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra fornece citações de obras perdidas e preserva informações sobre uma ampla gama de informações sobre a cultura grega.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

Cicero
Sutton, E. W.
Rackham, H.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Oito obras ou partes de obras foram atribuídas a Manetho, um egípcio do terceiro século AEC, tudo sobre história e religião e aparentemente em grego. Eles sobrevivem apenas como citados por outros escritores e incluem o espúrio Livro de S & ocircto. o Reis de tebas (no Egito) e o Old Chronicle são duvidosos.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

O épico Dionysiaca por Nonnos de Panópolis, no Egito (século V dC), diz respeito à carreira terrena de Dionísio, desde o nascimento em Tebas até a recepção no Olimpo. Em um poema repleto de mitologia, astrologia e magia, Nonnos relata a conquista de Deus e rsquos do Oriente e também, sensual e explicitamente, suas aventuras amorosas.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o grande historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para manter tamanha grandeza. A terceira década (21 & ndash30) narra a Segunda Guerra Púnica de 220 & ndash205 aC.

O épico Dionysiaca por Nonnos de Panópolis, no Egito (século V dC), diz respeito à carreira terrena de Dionísio, desde o nascimento em Tebas até a recepção no Olimpo. Em um poema repleto de mitologia, astrologia e magia, Nonnos relata a conquista de deus e rsquos do Oriente e também, sensual e explicitamente, suas aventuras amorosas.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

Dio Crisóstomo
Cohoon, J. W.
Crosby, H. Lamar

Dio Crisóstomo (c. 40 & ndashc. 120 DC) foi um retórico hostil aos filósofos, cujos discursos (ou orações) refletem preocupações políticas ou morais. O que sobreviveu de suas obras o tornou proeminente no renascimento da literatura grega no final do primeiro e no início do segundo século EC.

Os primeiros escritos latinos existentes do sétimo ou sexto ao primeiro século aC incluem épico, drama, sátira, tradução e paráfrase, hinos, história e prática do palco e outras obras de Ennius, Cecílio, Livius Andronicus, Naevius, Pacuvius, Accius, Luciliuse outros autores anônimos, as Doze Tábuas do Direito Romano, inscrições arcaicas.

Fragmentos da literatura antiga, do sétimo ao terceiro século AEC, encontrados em papiros no Egito incluem exemplos de dramas de sátiros de tragédia, Old, Middle e New Comedy, mímica lírica, elegíaca, iâmbica e poesia hexamétrica.

Columela
Ash, Harrison Boyd

Columela (primeiro século dC) incluiu Cato e Varro entre muitas fontes para Na Agricultura, mas sua experiência pessoal foi fundamental. Escrito em prosa, exceto para os hexâmetros sobre horticultura do Livro 10, a obra é ricamente informativa sobre a vida no campo na Itália do primeiro século EC.

A matemática grega do sexto século AEC ao quarto século dC é representada pelo trabalho de, por exemplo, Pitágoras Proclus Thales Demócrito Hipócrates de Quios Teeteto Platão Eudoxus de Cnidus Aristóteles Euclides Eratóstenes Apolônio Ptolomeu Garça de alexandria Diofanto e Papo.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o grande historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para manter tamanha grandeza. A terceira década (21 & ndash30) narra a Segunda Guerra Púnica de 220 & ndash205 aC.

Quintus Curtius
Rolfe, J. C.

Quintus Curtius escreveu uma história de Alexandre, o Grande, no primeiro ou segundo século EC. Os primeiros dois dos dez livros não sobreviveram e falta material nos livros 5, 6 e 10. Curtius narra experiências emocionantes, desenvolve seu personagem hero & rsquos, moraliza e fornece uma das cinco obras existentes que são evidências da carreira de Alexander & rsquos.

Quintus Curtius
Rolfe, J. C.

Quintus Curtius escreveu uma história de Alexandre, o Grande, no primeiro ou segundo século EC. Os primeiros dois dos dez livros não sobreviveram e falta material nos livros 5, 6 e 10. Curtius narra experiências emocionantes, desenvolve seu personagem hero & rsquos, moraliza e fornece uma das cinco obras existentes que são evidências da carreira de Alexander & rsquos.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

Isócrates
Van Hook, La Rue

A importância de Isócrates (436 & ndash338 AEC) para o estudo da civilização grega do quarto século AEC é indiscutível. Vinte e um discursos de Isócrates sobreviveram, incluindo ensaios políticos, tratados sobre educação e ética e discursos para casos legais. Nove cartas, mais sobre assuntos públicos do que privados, também existem.

Demóstenes
De Witt, N. W.
De Witt, N. J.

Demóstenes (384 & ndash322 AEC), orador em Atenas, foi um defensor em tribunais que também se tornou um campeão da grandeza ateniense e da resistência grega a Filipe da Macedônia. Sua firmeza, argumento pungente e controle da linguagem lhe deram a reputação de ser o melhor dos oradores gregos, e suas obras fornecem imagens vívidas da vida contemporânea.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Dio Crisóstomo
Crosby, H. Lamar

Dio Crisóstomo (c. 40 & ndashc. 120 DC) foi um retórico hostil aos filósofos, cujos discursos (ou orações) refletem preocupações políticas ou morais. O que sobreviveu de suas obras o tornou proeminente no renascimento da literatura grega no final do primeiro e no início do segundo século EC.

Diodorus Siculus
Geer, Russel M.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Livy (Titus Livius, 64 ou 59 aC & ndashAD 12 ou 17), o grande historiador romano, apresenta uma narrativa vívida de Roma e sua ascensão desde a fundação tradicional da cidade em 753 ou 751 aC a 9 aC e ilustra as virtudes coletivas e individuais necessárias para manter tamanha grandeza. A terceira década (21 & ndash30) narra a Segunda Guerra Púnica de 220 & ndash205 aC.

Sextus Empiricus
Bury, R. G.

As três obras sobreviventes de Sextus Empiricus (c. 160 e ndash210 CE) são Contornos do pirronismo, Contra dogmáticos, e Contra professores. Seu valor como uma fonte para a história do pensamento é especialmente que eles representam o desenvolvimento e a formulação de antigas doutrinas céticas.

Alciphron
Aelian
Filóstrato
Benner, A. R.
Fobes, F. H.

O fictício, altamente literário Cartas do Alciphron (segundo século EC) são principalmente para personagens inventados. o Cartas de Fazendeiros por Aelian (c. 170 e ndash235 dC) retratam os modos country de seus escritores imaginários. o Epístolas Eróticas do Filóstrato (talvez nascido em 170 dC) assemelham-se e podem ter sido influenciados por aqueles de Alcifron.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Dio Crisóstomo
Crosby, H. Lamar

Dio Crisóstomo (c. 40 & ndashc. 120 DC) foi um retórico hostil aos filósofos, cujos discursos (ou orações) refletem preocupações políticas ou morais. O que sobreviveu de suas obras o tornou proeminente no renascimento da literatura grega no final do primeiro e no início do segundo século EC.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Prudentius (nascido em 348 EC) usou formas alegóricas e versos clássicos em latim a serviço do cristianismo. Suas obras incluem o Psychomachia, uma descrição alegórica da luta entre as virtudes cristãs e os vícios pagãos, poesia lírica e inscrições para cenas bíblicas nas paredes de uma igreja e mdasha fonte valiosa sobre a iconografia cristã.

Dionísio de Halicarnasso
Cary, Earnest

O objetivo principal de Dionísio de Halicarnasso& rsquos Antiguidades Romanas, que começou a aparecer em 7 AEC, deveria reconciliar os gregos com o domínio romano. Dos vinte livros (desde os primeiros tempos até 264 AEC), temos os primeiros nove completos a maioria dos 10 e 11 extratos e um resumo do todo.

Diodorus Siculus
Sherman, Charles L.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Diodorus Siculus
Geer, Russel M.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Aristóteles
Tredennick, Hugh
Forster, E. S.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Burtt, J. O.
Lycurgus
Dinarchus
Demades
Hyperides

Os oradores do quarto século AEC estiveram envolvidos na resistência ateniense a Filipe da Macedônia. Lycurgus estava com Demóstenes na facção anti-macedônia. Hyperides também foi hostil a Filipe e liderou patriotas atenienses após 325 AEC. Mas Dinarchus favoreceu uma oligarquia sob controle macedônio e Demades apoiou a causa macedônia também.

Livy
Schlesinger, Alfred Cary

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis de Julius Obsequens (século IV dC).

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Prudentius (nascido em 348 EC) usou formas alegóricas e versos clássicos em latim a serviço do cristianismo. Suas obras incluem o Psychomachia, uma descrição alegórica da luta entre as virtudes cristãs e os vícios pagãos, poesia lírica e inscrições para cenas bíblicas nas paredes de uma igreja e mdasha fonte valiosa sobre a iconografia cristã.

Diodorus Siculus
Oldfather, C. H.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Aristóteles
Forster, E. S.
Furley, D. J.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

O filósofo Philo, nascido por volta de 20 AEC em uma família judia proeminente em Alexandria, foi treinado no ensino de grego e também de judeu. Na tentativa de reconciliar os ensinos bíblicos com a filosofia grega, ele desenvolveu idéias que tiveram ampla influência no pensamento religioso cristão e judaico.

Aulus Hirtius, amigo e subordinado militar de César (100 & ndash44 AC), pode ter escrito o Guerra Alexandrina. Guerra africana e Guerra espanhola são contas detalhadas claramente por oficiais que compartilharam nas campanhas. Todas as três obras fornecem informações importantes sobre a carreira de Caesar & rsquos.

o Rhetorica ad Herrenium era tradicionalmente atribuído a Cicero (106 & ndash43 AC), e reflete, como faz Cicero & rsquos De Inventione, o ensino retórico helenístico. Mas os editores mais recentes atribuem isso a um autor desconhecido.

Livy
Schlesinger, Alfred Cary
Julius Obsequens

O único trabalho existente por Livy (64 ou 59 aC & ndash12 ou 17 dC) faz parte de sua história de Roma desde a fundação da cidade até 9 aC. De seus 142 livros 1 & ndash10, 21 & ndash45 (exceto partes de 41 e 43 & ndash45), fragmentos e resumos curtos permanecem. A história de Livy e rsquos é uma fonte para o De Prodigiis do Julius Obsequens (quarto século EC).

Plutarco
De Lacy, Phillip H.
Einarson, Benedict

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco
Cherniss, Harold
Helmbold, W. C.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Columela
Forster, E. S.
Heffner, Edward H.

Columela (primeiro século dC) incluiu Cato e Varro entre muitas fontes para Na Agricultura, mas sua experiência pessoal foi fundamental. Escrito em prosa, exceto para os hexâmetros sobre horticultura do Livro 10, a obra é ricamente informativa sobre a vida no campo na Itália do primeiro século EC.

Columela
Forster, E. S.
Heffner, Edward H.

Columela (primeiro século dC) incluiu Cato e Varro entre muitas fontes para Na Agricultura, mas sua experiência pessoal foi fundamental. Escrito em prosa, exceto para os hexâmetros sobre horticultura do Livro 10, a obra é ricamente informativa sobre a vida no campo na Itália do primeiro século EC.

Diodorus Siculus
Walton, Francis R.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Josefo
Marcus, Ralph
Wikgren, Allen

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Agostinho
McCracken, George E.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Agostinho
Green, William M.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Agostinho
Sanford, Eva M.
Green, William M.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Agostinho
Greene, William Chase

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Agostinho
Green, William M.

Cidade de Deus por Agostinho (354 & ndash430 dC) desdobra a ação de Deus no progresso da história mundial e propõe a superioridade das crenças cristãs sobre os pagãos na adversidade.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Plínio, o Velho (23 & ndash79 CE) produzido em seu História Natural um vasto compêndio do conhecimento romano. Os tópicos incluídos são a matemática e a metrologia do universo, geografia e etnografia, antropologia humana e fisiologia, zoologia, botânica, agricultura e horticultura, medicina, minerais, belas artes e pedras preciosas.

Trabalhos existentes por Sidonius (nascido em 430 DC) são três longos panegíricos em verso, poemas dirigidos a ou relacionados com amigos e nove livros de cartas.

Callimachus
Musaeus
Trypanis, C. A.
Gelzer, T.
Whitman, Cedric H.

Fragmentos por Callimachus (terceiro século AEC) incluem aqueles do Aetia, Histórias etiológicas gregas um livro de Eu sou bi e o poema épico Hecale. Hero e Leander por Musaeus (quinto ou sexto século EC) é um pequeno poema épico.

Diodorus Siculus
Welles, C. Bradford

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Diodorus Siculus
Walton, Francis R.

Diodoro& rsquos Biblioteca de História, escrito no primeiro século AEC, é a história mais extensamente preservada por um antigo autor grego. A obra está dividida em três partes: história mítica até a história da Guerra de Tróia até a morte de Alexandre e rsquos (323 aC) e história até 54 aC. Os livros 1 & ndash5 e 11 & ndash20 sobrevivem completos, o resto em fragmentos.

Plutarco
Clement, P. A.
Hoffleit, H. B.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco
Minar, Edwin L.
Sandbach, F. H.
Helmbold, W. C.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco
Pearson, Lionel
Sandbach, F. H.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco
Einarson, Benedict
De Lacy, Phillip H.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Lucian (c. 120 & ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Lucian (c. 120 & ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira. Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

Lucian (c. 120 e ndash190 dC), aprendiz de escultor e então retórico viajante, estabeleceu-se em Atenas e desenvolveu um tipo original de sátira.Notável pela pureza e elegância ática de seu grego e pela versatilidade literária, ele é famoso principalmente pelo humor cínico e vivo dos diálogos em que satiriza a tolice, a superstição e a hipocrisia humanas.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Duff, J. Wight
Duff, Arnold M.
Avianus
Adriano
Florus
Nemesianus
Reposianus
Tibério
Fénix
Rutilius Namatianus

Obras como as do mímico Publilius Syrus, que floresceu c. 45 AC, e Rutilius Namatianus, que fez um relato gráfico de sua viagem de Roma à Gália em 416 EC, representam a grande variedade de temas que emprestam interesse à poesia latina produzida durante um período de quatro séculos e meio.

No Tetrabiblos, um texto central na história da astrologia, o proeminente astrônomo antigo Ptolomeu (c. 100 & ndash178 EC) trata do uso prático do conhecimento astronômico: fazer previsões sobre as vidas dos indivíduos e o resultado dos negócios humanos.

Babrius
Fedro
Perry, Ben Edwin

BabriusAs fábulas humorísticas e pontiagudas em verso grego provavelmente datam do primeiro século EC. Do mesmo período vêm as fábulas animadas em verso latino escritas por Fedro, que satirizam a vida social e política na Roma de Augusto.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Quase todas as obras Aristóteles (384 & ndash322 aC) preparados para publicação estão perdidos, os inestimáveis ​​existentes são materiais de palestras, notas e memorandos (alguns são espúrios). Eles podem ser categorizados como: prático lógico físico metafísico na arte ou outros fragmentos.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

No Sobre as características dos animais, Aelian (c. 170 e ndashafter 230 DC) coleta fatos e fábulas sobre o reino animal e convida o leitor a refletir sobre os contrastes entre o comportamento humano e animal.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

No Sobre as características dos animais, Aelian (c. 170 e ndashafter 230 DC) reúne fatos e fábulas sobre o reino animal e convida o leitor a refletir sobre os contrastes entre o comportamento humano e animal.

No Sobre as características dos animais, Aelian (c. 170 e ndashafter 230 DC) coleta fatos e fábulas sobre o reino animal e convida o leitor a refletir sobre os contrastes entre o comportamento humano e animal.

Sêneca (c. 4 e ndash65 CE) dedica a maior parte de Naturales Quaestiones aos fenômenos celestiais. No Livro 1, ele discute incêndios na atmosfera em 2, relâmpagos e trovões em 3, corpos d'água. O método de Sêneca & rsquos consiste em pesquisar as teorias das principais autoridades sobre o assunto em questão, portanto, seu trabalho é um guia para o pensamento grego e romano sobre os céus.

Libanius (314 & ndash393 EC), que foi um dos últimos grandes publicitários e professores do paganismo grego, tem muito a nos dizer sobre o mundo tumultuado do quarto século EC. Suas obras incluem Orações, a primeira das quais é uma autobiografia, e Cartas.

Libanius (314 & ndash393 EC), que foi um dos últimos grandes publicitários e professores do paganismo grego, tem muito a nos dizer sobre o mundo tumultuado do quarto século EC. Suas obras incluem Orações, a primeira das quais é uma autobiografia, e Cartas.

o Metamorfoses (O asno de ouro) do Apuleio (nascido em 125 DC) é um romance que combina realismo e magia. Lucius quer as sensações de um pássaro, mas por acidente farmacêutico se torna um asno. A maior parte do romance narra suas aventuras como um animal, mas Lúcio também conta muitas histórias que ele ouve, incluindo a de Cupido e Psiquê.

o História do Herodiano (nascido em c. 178 & ndash179 DC) é uma das poucas fontes históricas literárias para o período do Império Romano, desde a morte do imperador Marco Aurélio (180 DC) até a ascensão de Górdio III (238), um período em que podemos veja turbulência e o início da revolução.

o História do Herodiano (nascido em c. 178 & ndash179 DC) é uma das poucas fontes históricas literárias para o período do Império Romano, desde a morte do imperador Marco Aurélio (180 DC) até a ascensão de Górdio III (238), um período em que podemos veja turbulência e o início da revolução.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Sêneca (c. 4 e ndash65 CE) dedica a maior parte de Naturales Quaestiones aos fenômenos celestiais. No Livro 1, ele discute incêndios na atmosfera em 2, relâmpagos e trovões em 3, corpos d'água. O método de Sêneca & rsquos consiste em pesquisar as teorias das principais autoridades sobre o assunto em questão, portanto, seu trabalho é um guia para o pensamento grego e romano sobre os céus.

Filóstrato
Jones, Christopher P.

No dele Vida de Apolônio, Filóstrato (segundo ao terceiro século EC) retrata um mestre do primeiro século EC, reformador religioso e considerado rival de Jesus. Cartas de Apolônio e rsquos, relatórios antigos sobre ele e uma carta de Eusébio (século IV dC) que agora é central para a história do trabalho de Filóstrato e rsquos adicionam ao retrato.

Menandro
Arnott, William Geoffrey

Menandro (? 344/3 & ndash292 / 1 AC), a figura dominante na Nova Comédia, escreveu mais de 100 peças, das quais uma peça completa, partes substanciais de seis outras e fragmentos menores, mas interessantes, foram recuperados. A peça completa, Dyskolos (The Peevish Fellow), ganhou o primeiro prêmio em Atenas em 317 AEC.

Menandro
Arnott, William Geoffrey

Menandro (? 344/3 & ndash292 / 1 AC), a figura dominante na Nova Comédia, escreveu mais de 100 peças, das quais uma peça completa, partes substanciais de seis outras e fragmentos menores, mas interessantes, foram recuperados. A peça completa, Dyskolos (The Peevish Fellow), ganhou o primeiro prêmio em Atenas em 317 AEC.

Bacquilidas
Corinna
Campbell, David A.

Bacquilidas escreveu poesia coral magistral de muitos tipos. Outros letristas do século V AC incluíam: Myrtis, Telesila de Argos, Timocreon de Rodes, Charixena, Diagoras de Melos, Íon de Chios, e Praxilla de Sicyon. Mais de Boeotian CorinnaA poesia de & rsquos (século III aC?) sobreviveu mais do que a de qualquer outra poetisa grega, exceto Safo.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

A correspondência de Cicero (106 & ndash43 AC) com seu irmão, Quintus, e com Brutus é uma janela para o mundo deles. Dois discursos invectivos ligados a Cícero são provavelmente exercícios anônimos. o Carta para otaviano provavelmente data do terceiro ou quarto século EC. o Manual de Eleições foi dito ter sido escrito por Quintus para Cícero.

Sêneca, o Velho
Winterbottom, Michael

Sêneca, o Velho (? 55 aC & ndash40 dC) reuniu dez livros dedicados a controvérsia (alguns apenas preservados em um trecho) e pelo menos um (sobrevivente) de suasoriae. Trechos de famosos declamadores de Sêneca e rsquos iluminam as influências nos estilos da maioria dos escritores pagãos (e muitos cristãos) do Império.

Sêneca, o Velho
Winterbottom, Michael

Sêneca, o Velho (? 55 aC & ndash40 dC) reuniu dez livros dedicados a controvérsia (alguns apenas preservados em um trecho) e pelo menos um (sobrevivente) de suasoriae. Trechos de famosos declamadores de Sêneca e rsquos iluminam as influências nos estilos da maioria dos escritores pagãos (e muitos cristãos) do Império.

Dionísio de Halicarnasso
Usher, Stephen

Dionísio de Halicarnasso, nascido em c. 60 aC, objetivou em seus ensaios críticos reafirmar a primazia do grego como a língua literária do mundo mediterrâneo. Eles constituem um importante desenvolvimento das técnicas um tanto mecânicas dos manuais retóricos para uma crítica mais sensível de autores individuais.

Dionísio de Halicarnasso
Usher, Stephen

Dionísio de Halicarnasso, nascido em c. 60 aC, objetivou em seus ensaios críticos reafirmar a primazia do grego como a língua literária do mundo mediterrâneo. Eles constituem um importante desenvolvimento das técnicas um tanto mecânicas dos manuais retóricos para uma crítica mais sensível de autores individuais.

Cornelius Nepos
Rolfe, J. C.

Cornelius Nepos (c. 99 & ndashc. 24 aC) é o primeiro biógrafo em latim cujo trabalho temos. Existentes são partes de seu De Viris Illustribus, incluindo biografias de comandantes militares principalmente gregos e de dois historiadores latinos, Cato e Atticus.

Plotino (204/5 & ndash270 CE) foi o primeiro e maior dos filósofos neoplatônicos. Seus escritos foram editados por seu discípulo Pórfiro, que os publicou em algum momento entre 301 e 305 DC em seis conjuntos de nove tratados cada (Enéadas), com uma biografia de seu mestre na qual também explica seus princípios editoriais.

No Astronomica (primeiro século EC), o primeiro tratado existente que temos sobre astrologia, Manilius fornece um relato dos fenômenos celestes e os signos do Zodíaco. Ele também dá esboços de personagens espirituosos de pessoas nascidas sob constelações particulares.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Suas obras existentes, além da Vidas Paralelas são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Teofrasto
Einarson, Benedict
Link, George K. K.

Investigação sobre as plantas e De Causis Plantarum por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 AC) são uma contrapartida ao trabalho zoológico de Aristóteles e rsquos e o trabalho botânico mais importante da antiguidade agora existente. Neste último, Teofrasto se volta para a fisiologia das plantas. Os livros 1 e 2 tratam da geração, brotação, floração e frutificação e os efeitos do clima.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Teofrasto
Einarson, Benedict
Link, George K. K.

Investigação sobre as plantas e De Causis Plantarum por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 AC) são uma contrapartida ao trabalho zoológico de Aristóteles e rsquos e o trabalho botânico mais importante da antiguidade agora existente. Neste último, Teofrasto se volta para a fisiologia das plantas. Nos livros 3 e 4, Theophrastus estuda o cultivo e os métodos agrícolas.

Teofrasto
Einarson, Benedict
Link, George K. K.

Investigação sobre as plantas e De Causis Plantarum por Teofrasto (c. 370 e ndashc. 285 AC) são uma contrapartida ao trabalho zoológico de Aristóteles e rsquos e o trabalho botânico mais importante da antiguidade agora existente. Neste último caso, Teofrasto se volta para a fisiologia das plantas. Nos livros 5 e 6, ele discute doenças de reprodução de plantas e outras causas de morte e sabores e odores distintos.

Stesichorus
Ibycus
Simonides
Campbell, David A.

Os poetas mais importantes que escreveram em grego no século VI AEC vieram da Sicília e do sul da Itália. Eles incluíram Stesichorus, Ibycus, e Simonides, assim como Arion, Lasus, e Pratinas.

Hipócrates
Smith, Wesley D.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Libanius (314 & ndash393 EC), que foi um dos últimos grandes publicitários e professores do paganismo grego, tem muito a nos dizer sobre o mundo tumultuado do quarto século EC. Suas obras incluem Orações, a primeira das quais é uma autobiografia, e Cartas.

Libanius (314 & ndash393 EC), que foi um dos últimos grandes publicitários e professores do paganismo grego, tem muito a nos dizer sobre o mundo tumultuado do quarto século EC. Suas obras incluem Orações, a primeira das quais é uma autobiografia, e Cartas.

Marcial
Shackleton Bailey, D. R.

Em seus epigramas, Marcial (c. 40 & ndashc. 103 dC) é um observador perspicaz e perspicaz das cenas e eventos romanos, incluindo o novo Coliseu, a vida no campo, um banquete libertino e a erupção do Vesúvio. Seus poemas são ora obscenos, na tradição do gênero, ora afetuosos ou divertidos, e sempre pontiagudos.

Chariton& rsquos Callirhoe, com o subtítulo & ldquoLove Story in Syracuse & rdquo, é um romance histórico acelerado do primeiro século EC e o romance mais antigo existente.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Sófocles
Lloyd-Jones, Hugh

Sófocles (497/6 e ndash406 aC), considerado um dos maiores poetas do mundo, forjou a tragédia do excesso heróico de mito e lenda. Sete peças completas ainda existem, incluindo Édipo Tirano, Ajax, Antígona, e Filoctetes. Entre muitos fragmentos que também sobreviveram está uma parte substancial do drama sátiro Os pesquisadores.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Píndaro (c. 518 e ndash438 aC), altamente estimado como poeta lírico pelos antigos, comemora em versos complexos as conquistas de atletas e governantes poderosos nos quatro grandes festivais pan-helênicos & mdash os jogos olímpicos, de Pítia, da Neméia e ístmicos & mdas contra um cenário de favor divino, o fracasso humano , lenda heróica e ethos grego aristocrático.

Aelian& rsquos Miscelânea histórica (Varia Historia) é um exemplo agradável de leitura leve para os romanos do início do século III. Oferecendo anedotas envolventes sobre figuras históricas, releituras de eventos lendários e peças descritivas agradáveis, a coleção de pepitas e narrativas de Aelian e rsquos agradou a um grande público leitor.

Josefo
Thackeray, H. St. J.

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Aristófanes
Henderson, Jeffrey

Aristófanes (c. 450 e ndashc. 386 aC) é admirado desde a antiguidade por sua inteligência, fantasia, linguagem e sátira. Sócrates & rsquos & ldquoThinkery & rdquo está no centro de Nuvens, que falsifica técnicas não tradicionais para educar rapazes. Vespas satiriza o entusiasmo ateniense pelo serviço do júri. Paz é um ataque divertido aos criadores de guerras.

Josefo
Marcus, Ralph
Wikgren, Allen

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Josefo
Thackeray, H. St. J.
Marcus, Ralph

As principais obras de Josefo (c. 37 e ndashafter 97 CE) são História da Guerra Judaica, de 170 aC até seu próprio tempo, e Antiguidades judaicas, desde a criação até 66 dC. Também por ele são um autobiográfico Vida e um tratado Contra Apion.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Em cartas a seu amigo Atticus, Cicero (106 & ndash43 aC) se revela como a nenhum outro de seus correspondentes, exceto, talvez, seu irmão, e descreve vividamente um período importante na história romana, marcado pela ascensão de Júlio César e a queda da República.

Valerius Maximus
Shackleton Bailey, D. R.

Valerius Maximus compilou seu manual de feitos e ditos notáveis ​​no reinado de Tibério (14 & ndash37 EC). O trabalho supostamente prático de Valerius e rsquos contém um elemento moral claro e é informativo sobre as atitudes romanas do século I dC em relação à religião e à moralidade.

Valerius Maximus
Shackleton Bailey, D. R.

Valerius Maximus compilou seu manual de feitos e ditos notáveis ​​no reinado de Tibério (14 & ndash37 EC). O trabalho supostamente prático de Valerius e rsquos contém um elemento moral claro e é informativo sobre as atitudes romanas do século I dC em relação à religião e à moralidade.

Quintiliano
Russell, Donald A.

Quintiliano, nascido na Espanha por volta de 35 EC, tornou-se um renomado e bem-sucedido professor de retórica em Roma. No The Orator & rsquos Education (Institutio Oratoria), um programa de treinamento abrangente em doze livros, ele se baseia em sua própria rica experiência. Ele fornece não apenas percepções sobre oratória, mas também uma imagem da educação romana e das atitudes sociais.

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Os primeiros poemas existentes sob o título Hinos Homéricos datam do sétimo século AEC. Os poemas cômicos dos apócrifos homéricos incluem o Batalha de sapos e ratos (provavelmente não antes do primeiro século EC). Lives of Homer inclui uma versão de O concurso de Homero e Hesíodo que data do segundo século AEC.

A epopéia heróica do século VIII ao V aC inclui poemas sobre Hércules e Teseu, bem como o Ciclo de Tebano e o Ciclo de Tróia. A epopéia genealógica daquela era arcaica inclui poemas que criam pré-histórias para Corinto e Samos. Essas obras são uma importante fonte de registro mitológico.

Statius
Shackleton Bailey, D. R.

A educação literária grega e a realidade política romana são evidentes na poesia de Statius (c. 50 e ndash96 CE). Seu Silvae são trinta e dois poemas ocasionais. Sua obra-prima, o épico Tebaid, relata a luta pela realeza entre os dois filhos de Édipo. A porção existente de seu Achilleid começa um relato da vida de Aquiles e rsquos.

Plutarco (c. 45 & ndash120 CE) escreveu sobre muitos assuntos. Seus trabalhos existentes, exceto as Vidas Paralelas, são variados, cerca de sessenta em número, e conhecidos como o Moralia (Ensaios morais) Eles refletem sua filosofia sobre viver uma vida boa e fornecem um tesouro de informações sobre a sociedade greco-romana, tradições, ideais, ética e religião.

Quintiliano
Shackleton Bailey, D. R.

As Declamações Menores talvez datem do segundo século EC e talvez sejam derivados de Quintiliano. A coleção consistia originalmente em 388 casos de amostra para treinamento jurídico. 145 sobreviver. Comentários e sugestões que o instrutor adiciona a seus discursos-modelo para casos judiciais fictícios oferecem uma visão sobre o direito e a educação romanos.

Quintiliano
Shackleton Bailey, D. R.

As Declamações Menores talvez datem do segundo século EC e talvez sejam derivados de Quintiliano. A coleção consistia originalmente em 388 casos de amostra para treinamento jurídico. 145 sobreviver. Comentários e sugestões que o instrutor adiciona a seus discursos-modelo para casos judiciais fictícios oferecem uma visão sobre o direito e a educação romanos.

Aristófanes
Henderson, Jeffrey

Aristófanes (c. 450 e ndashc. 386 aC) é admirado desde a antiguidade por sua inteligência, fantasia, linguagem e sátira. Mais de quarenta de suas peças foram lidas na antiguidade, das quais sobreviveram quase mil fragmentos. Estes fornecem uma imagem mais completa da vitalidade cômica do poeta e rsquos e uma riqueza de informações e percepções sobre seu mundo.

Embora atribuído a Hesíodo (oitavo ou sétimo século aC) na antiguidade, o Catálogo de Mulheres, uma apresentação de lendários heróis gregos e episódios de acordo com a genealogia materna O escudo, um contraponto ao escudo da Ilíada de Aquiles e certos poemas que sobrevivem como fragmentos provavelmente não foram compostos pelo próprio Hesíodo.

Eurípides
Collard, Christopher
Cropp, Martin

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Ésquilo
Sommerstein, Alan H.

Ésquilo (c. 525 & ndash456 AC) é o dramaturgo que fez da tragédia ateniense uma das grandes formas de arte do mundo. Sete de suas cerca de oitenta peças sobreviveram completas, incluindo a trilogia Oresteia e o Persas, o único drama histórico grego existente. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Eurípides
Collard, Christopher
Cropp, Martin

Eurípides (c. 485 e ndash406 aC) foi apreciado em todas as épocas por seu drama emocional e intelectual. Dezoito de suas noventa ou mais peças sobreviveram completas, incluindo Medea, Hipólito, e Bacantes, uma das grandes obras-primas do gênero trágico. Fragmentos de suas peças perdidas também sobrevivem.

Cicero
Shackleton Bailey, D. R.

Nós sabemos mais de Marcus Tullius Cicero (106 & ndash43 aC), advogado, orador, político e filósofo, do que qualquer outro romano. Além de muito mais, seu trabalho transmite a turbulência de seu tempo e o papel que ele desempenhou em um período que viu a ascensão e queda de Júlio César em uma república cambaleante.

Trabalhos de autores como Philitas of Cos, Alexandre da Etólia, Hermesianax de Colofão, Euphorion of Chalcis e especialmente, Partênio de Nicéia, que compôs a mitografia Sofrimentos no amor, representam uma rica inventividade em prosa e poesia helenística do quarto ao primeiro século AEC.

Dos cerca de setenta tratados da Coleção Hipocrática, muitos não são de Hipócrates (disse ter nascido em Cos em ou antes de 460 aC), mas são fontes essenciais de informações sobre a prática da medicina na antiguidade e sobre as teorias gregas sobre o corpo humano, e ele foi inegavelmente o & ldquoPai da Medicina & rdquo.

Macróbio
Kaster, Robert A.

Macróbio& rsquos Saturnalia, uma celebração enciclopédica da cultura romana escrita no início do século V dC, tem sido valorizada desde a Renascença como um tesouro de tradição não atestada. Apresentado na forma de um diálogo, ele trata de diversos tópicos ao mesmo tempo em que apresenta Virgílio como o mestre de todo o conhecimento humano, da dicção à religião.

Macróbio
Kaster, Robert A.

Macróbio& rsquos Saturnalia, uma celebração enciclopédica da cultura romana escrita no início do século V dC, tem sido valorizada desde a Renascença como um tesouro de tradição não atestada. Apresentado em forma de diálogo, trata de diversos temas ao mesmo tempo em que apresenta Virgílio como mestre de todo o conhecimento humano, da dicção à religião.

Macróbio
Kaster, Robert A.

Macróbio& rsquos Saturnalia, uma celebração enciclopédica da cultura romana escrita no início do século V dC, tem sido valorizada desde a Renascença como um tesouro de tradição não atestada. Apresentado em forma de diálogo, trata de diversos temas ao mesmo tempo em que apresenta Virgílio como mestre de todo o conhecimento humano, da dicção à religião.

A era da velha comédia (c. 485 e ndashc. 380 aC), quando a comédia teatral foi criada e estabelecida, é mais conhecida pelas peças existentes de Aristófanes. Mas a obra de muitos outros poetas, incluindo Cratinus e Eupolis, os outros membros, com Aristófanes, da canônica Old Comic Triad, sobrevivem em fragmentos.

A era da velha comédia (c. 485 e ndashc. 380 aC), quando a comédia teatral foi criada e estabelecida, é mais conhecida pelas peças existentes de Aristófanes. Mas a obra de muitos outros poetas, incluindo Cratinus e Eupolis, os outros membros, com Aristófanes, da canônica Old Comic Triad, sobrevivem em fragmentos.

A era da velha comédia (c. 485 e ndashc. 380 aC), quando a comédia teatral foi criada e estabelecida, é mais conhecida pelas peças existentes de Aristófanes. Mas a obra de muitos outros poetas, incluindo Cratinus e Eupolis, os outros membros, com Aristófanes, da canônica Old Comic Triad, sobrevivem em fragmentos.

Galen
Johnston, Ian
Horsley, G. H. R.

No Método de Medicina, Galen (129 & ndash199 CE) fornece um relato abrangente e influente dos princípios de tratamento de lesões e doenças. Animar os estudos de caso detalhados são muitas discussões teóricas e polêmicas, comentários sociais agudos e reflexões pessoais.

Galen
Johnston, Ian
Horsley, G. H. R.

No Método de Medicina, Galen (129 & ndash199 CE) fornece um relato abrangente e influente dos princípios de tratamento de lesões e doenças. Animar os estudos de caso detalhados são muitas discussões teóricas e polêmicas, comentários sociais agudos e reflexões pessoais.

Galen
Johnston, Ian
Horsley, G. H. R.

No Método de Medicina, Galen (129 & ndash199 CE) fornece um relato abrangente e influente dos princípios de tratamento de lesões e doenças. Animar os estudos de caso detalhados são muitas discussões teóricas e polêmicas, comentários sociais agudos e reflexões pessoais.

Ateneu
Olson, S. Douglas

No Os Banqueteiros Aprendidos, Ateneu descreve uma série de jantares nos quais os convidados citam extensivamente a literatura grega. A obra (que data do final do século II dC) é uma leitura divertida e de extraordinário valor como um tesouro de citações de obras agora perdidas.

Este volume, o décimo de Hipócrates& rsquo textos inestimáveis ​​sobre a prática da medicina na antiguidade, fornece informações essenciais sobre a reprodução humana e distúrbios reprodutivos e expõe uma teoria geral de fisiologia e patologia, em cinco tratados gregos apresentados com frente para a tradução para o inglês.

Filóstrato
Rusten, Jeffrey
König, Jason

FilóstratoOs escritos de & rsquos representam o auge do renascimento da literatura grega no segundo século EC. Heroicus é uma conversa sobre a vinha sobre a beleza, os poderes contínuos e a adoração dos heróis homéricos. Ginástica é o único tratado antigo que sobreviveu sobre esportes, que reformula as idéias convencionais sobre o corpo atlético.

o Histórias do Sallust (86 & ndash35 aC), embora fragmentário, fornece informações valiosas sobre um período crucial da história de 78 a cerca de 67 aC. Neste volume, John T. Ramsey editou recentemente o Histórias e os dois pseudo-sallustianos Cartas para césar, completando a edição da Loeb Classical Library de suas obras.

Nas três obras deste volume, Sobre a Constituição da Arte da Medicina, A Arte da Medicina, e Um Método de Medicina para Glauco, o médico, filósofo, cientista e historiador da medicina Galen de Pergamum cobre aspectos fundamentais de sua prática em um estilo lúcido e envolvente.

Volume I da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva apresenta o prefácio e notas introdutórias dos editores, juntamente com materiais de referência essenciais, incluindo abreviações, bibliografia, concordâncias, índices e glossário.

Volume II da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva apresenta capítulos preliminares sobre doxografia antiga, o fundo cosmológico e moral e inclui os primeiros pensadores jônicos Pherecydes, Tales, Anaximander e Anaximenes.

Volume III da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os primeiros pensadores jônicos Xenófanes e Heráclito.

Volume IV da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva apresenta Pitágoras e a Escola Pitagórica, incluindo Hippasus, Philolaus, Eurytus, Archytas, Hicetas e Ecphantus, juntamente com capítulos sobre doutrinas não atribuídas por nome e recepção.

Volume V da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os pensadores gregos ocidentais Parmênides, Zenão, Melissus, Empédocles, Alcmaeon e Hippo.

Volume VI da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os posteriores pensadores jônicos e atenienses Anaxágoras, Arquelau e Diógenes de Apolônia, junto com capítulos sobre a medicina grega primitiva e o papiro Derveni.

Volume VII da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os atomistas Leucipo e Demócrito.

Volume VIII da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os chamados sofistas Protágoras, Górgias, Pródico, Trasímaco e Hípias, junto com testemunhos relativos à vida, pontos de vista e estilo argumentativo de Sócrates.

Volume IX da edição Loeb de nove volumes de Filosofia Grega Primitiva inclui os chamados sofistas Antiphon, Lycophron e Xeniades, junto com o Anonymous de Jamblichus, o Dissoi Logoi, um capítulo sobre caracterizações dos & lsquosophists & rsquo como um grupo e um apêndice sobre filosofia e filósofos no drama grego.

Aristides, Aelius
Trapp, Michael

Aelius Aristides (117 & ndashafter 180), entre os autores mais versáteis da Segunda Sofística e uma figura importante na transmissão do Helenismo, produziu discursos e palestras, declamações sobre temas históricos, obras polêmicas, hinos em prosa e ensaios sobre uma ampla variedade de assuntos.

Apuleio
Jones, Christopher P.

Apuleio (nascido em cerca de 125 DC), um dos grandes estilistas da literatura latina, foi uma figura proeminente na África romana mais conhecido por seu romance picaresco Metamorfoses ou o asno dourado. Esta edição, nova na Loeb Classical Library, contém outras obras sobreviventes de Apuleius & rsquo que são consideradas genuínas.

Em seus tratados Higiene, Thrasybulus, e Em exercício com uma pequena bola, Galeno de Pérgamo aborda tópicos de medicina preventiva, saúde e bem-estar que continuam a ressoar com as práticas de médicos e fisioterapeutas modernos.

Em seus tratados Higiene, Thrasybulus, e Em exercício com uma pequena bola, Galen de Pergamum aborda tópicos de medicina preventiva, saúde e bem-estar que continuam a ressoar com as práticas de médicos e fisioterapeutas modernos.

Ennius
Goldberg, Sander M.
Manuwald, Gesine

Quintus Ennius (239 & ndash169), amplamente considerado o pai da literatura romana, foi fundamental na criação de uma nova identidade literária romana, domesticando as formas gregas de épico e drama e perseguindo uma série de outras atividades literárias e intelectuais. Ele inspirou grandes desenvolvimentos na religião romana, organização social e cultura popular.

Este décimo primeiro e último volume da Loeb Classical Library & rsquos edição completa de Hipócrates& rsquo textos inestimáveis ​​contém Doenças das Mulheres 1 e 2, com foco na vida reprodutiva, as condições patológicas que afetam os órgãos reprodutivos e sua terminologia adequada e tratamentos recomendados. Um léxico de agentes terapêuticos está incluído.

Rhetor, Menander
Dionísio de Halicarnasso
Race, William H.

Os tratados de instrução de Menander Rhetor e a Ars Rhetorica, derivadas das escolas de retórica que floresceram no Oriente grego do 2 ao 4 séculos DC, fornecem uma janela para a cultura literária, práticas educacionais e preocupações sociais desses gregos sob o domínio romano, na vida pública e privada.

Com base na edição crítica de Malcovati, esta edição Loeb de três volumes do oratório republicano romano começa com Ap. Claudius Caecus (340 & ndash273 aC) e com as exceções de Catão, o Velho e Cícero, inclui todos os indivíduos para os quais o discurso é atestado e para cujos discursos sobreviveram citações, testemunhos ou recreações historiográficas.

Com base na edição crítica de Malcovati, esta edição Loeb de três volumes da oratória romana republicana começa com Ap. Claudius Caecus (340 & ndash273 aC) e com as exceções de Catão, o Velho e Cícero, inclui todos os indivíduos para os quais o discurso é atestado e para cujos discursos sobreviveram citações, testemunhos ou recreações historiográficas.

Com base na edição crítica de Malcovati, esta edição Loeb de três volumes do oratório republicano romano começa com Ap. Claudius Caecus (340 & ndash273 aC) e com as exceções de Catão, o Velho e Cícero, inclui todos os indivíduos para os quais o discurso é atestado e para cujos discursos sobreviveram citações, testemunhos ou recreações historiográficas.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é a principal fonte para a história da República Romana. Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Appian (ca. 95 DC & ndash161) é a principal fonte para a história da República Romana.Seu tema é o processo pelo qual Roma alcançou sua prosperidade contemporânea, e seu método é traçar em livros individuais a história de cada nação e das guerras com Roma até suas próprias guerras civis. Esta edição Loeb substitui o original (1912 e ndash13) de Horace White.

Aristides, Aelius
Trapp, Michael

Aelius Aristides (117 & ndashafter 180), entre os autores mais versáteis da Segunda Sofística e uma figura importante na transmissão do Helenismo, produziu discursos e palestras, declamações sobre temas históricos, obras polêmicas, hinos em prosa e ensaios sobre uma ampla variedade de assuntos.

No Sobre temperamentos, Galen de Pergamum expõe seu conceito da combinação das quatro qualidades elementares (quente, frio, úmido e seco), que é fundamental para sua descrição da estrutura e função dos corpos humano, animal e vegetal. Dois trabalhos relacionados exploram distúrbios nessa combinação e suas consequências.

Quintiliano
Stramaglia, Antonio
Winterbottom, Michael

As Declamações Principais, atribuído a Quintiliano na antiguidade, exemplificam a fase final da formação retórica greco-romana, em que os alunos faziam discursos para a acusação e defesa em julgamentos imaginários. Uma grande variedade de fascinantes detalhes éticos, sociais e legais animam o mundo ficcional criado por esses exercícios oratórios.

Quintiliano
Stramaglia, Antonio
Winterbottom, Michael

As Declamações Principais, atribuído a Quintiliano na antiguidade, exemplificam a fase final do treino retórico greco-romano, em que os alunos faziam discursos para a acusação e defesa em julgamentos imaginários. Uma grande variedade de fascinantes detalhes éticos, sociais e legais animam o mundo ficcional criado por esses exercícios oratórios.

Quintiliano
Stramaglia, Antonio
Winterbottom, Michael

As Declamações Principais, atribuído a Quintiliano na antiguidade, exemplificam a fase final do treino retórico greco-romano, em que os alunos faziam discursos para a acusação e defesa em julgamentos imaginários. Uma grande variedade de fascinantes detalhes éticos, sociais e legais animam o mundo ficcional evocado por esses exercícios oratórios.


A verdadeira história da Atlântida 2

Como acabamos de dizer, os mitos funcionam em vários níveis, e um paralelo como o atlante é apenas uma faceta da miríade de aspectos de Deus. Em outras palavras, os vulcões são manifestações do poder de Deus, a arma que ele freqüentemente escolhe para castigar as nações e forçar a evolução a seguir seu curso. Os hindus chamam essa força pelo nome de vajra, uma palavra sânscrita que significa & # 8220duro como diamante & # 8221, bem como & # 8220trovão & # 8221. O vajra é a arma de raio usada por deuses todo-poderosos como Baal (arquétipo de Hércules), Zeus, Indra, Haddad e uma miríade de outros. Na verdade, Deus não é nem o vajra nem o vulcão, mas a força por trás dele, seu impulsor e portador.

Para o vajra é de fato o mangual dos deuses, a arma Celestial que Ele usa para acelerar a Evolução e fazer a Natureza entrar em ação, no desfile interminável de formas de vida que caracteriza a Vida. Talvez tudo isso tenha um propósito na consciência divina, embora eu realmente não tenha certeza. Mas não há nenhuma dúvida em minha mente de que o catastrofismo é o caminho de Deus, se é que Ele realmente tem algum. Além disso, é também o caminho da Natureza, que ninguém duvide. Os antigos sabiam disso, e eu também, tendo aprendido com eles. Por exemplo, eles frequentemente retratavam o vajra como um mangual ou um chicote, ou mesmo um martelo ou maça empunhada pelo deus a fim de fazer a Natureza entrar em ação.

Deuses como Cristo não são os únicos que morrem e ressuscitam dos mortos. A propósito, Cristo também é o portador da & # 8220 barra de ferro & # 8221, sendo o mais duro dos metais uma metáfora para & # 8220 diamante & # 8221 e, portanto, para o vajra. Cristo foi precedido por muitos apelidos, e a concepção de deuses & # 8220 morrendo-ressuscitando & # 8221 semelhantes ao Sol da Justiça data da mais antiga antiguidade. Entre os muitos arquétipos de Cristo podemos citar, de improviso, Osiris, Attis, Tammuz, Adonis, Shiva, Kronos, Saturno, Dionísio, Serapis, Mitra e, claro, Krishna, em sua série infinita de avatares, e Hércules, o grande herói, em sua apoteose de fogo que figurou a Conflagração Atlante.

1 Tektites são contas de vidro e concreções resultantes de quedas gigantes de meteoritos (ou cometários) ou, talvez, de explosões vulcânicas gigantescas também. Essas colisões espalham tektites por toda a parte, como no caso acima. Os em questão são chamados de Indochinitas, em uma alusão à região onde eles mais abundam. Os Indochinites foram datados em 700 kyears (um kiloyear = mil anos). A explosão do Lago Toba ocorreu há 70 kyears. O ainda maior do Lago Taupo ocorreu cerca de 100 kyears atrás ou algo assim.

Essas explosões gigantes que ocorreram na região da Indonésia, vulcanicamente as mais ativas em todo o mundo, são facilmente grandes o suficiente para desencadear uma Idade do Gelo. No entanto, se um é realmente causado depende de outras condições, provavelmente ditadas pela insolação e outras variáveis, astronômicas ou não. Como acabamos de dizer, a região da Indonésia tem literalmente centenas de vulcões ativos ou adormecidos, e foi muito pouco pesquisada até agora, devido ao seu afastamento.

Mais pesquisas na região da Indonésia irão, agora que sua conexão com o local de nascimento da Humanidade está sendo apontada, certamente confirmar a realidade do que estamos reivindicando. Nossa pesquisa é baseada em tradições locais muito detalhadas e é fruto de muitos anos de estudo do mito de Atlântida-Éden de um ponto de vista científico, embora imparcial. Não pressionamos nenhum ponto religioso, científico, filosófico ou mercenário, e nosso interesse reside exclusivamente em estabelecer a Verdade. Como os romanos costumavam dizer, Amicus Platão, magis amica Veritas.


Recapitulando corajosamente as viagens: quem lamenta por Adonais?

(Observação: esta postagem aparece como uma página em outro lugar neste site. Se você ainda não leu, minha postagem introdutória sobre este Star Trek: a série original rewatch é um bom lugar para começar. Os ensaios anteriores sobre episódios específicos podem ser encontrados aqui.)

Data de estreia original: 22 de setembro de 1967

Contagem de mortes da tripulação: 0

Umbigos: 0 (observe o corte deliberado da toga de Palamas)

Por anos, eu interpretei mal o título de "Quem está de luto por Adonais?" como "Quem está de luto por Adônis?" (Os Mission Log Podcasters me salvaram apontando que muitos outros aparentemente cometeram o mesmo erro.) Não é um erro grave: voltando o suficiente, as palavras Adonais e Adonis estão relacionadas. Adonai (s), na Bíblia Hebraica, refere-se a Deus. Adonis, na mitologia grega, era o amante mortal de Afrodite. O título do episódio # 8217s vem da estrofe 47 da elegia poética Adonais de Percy Bysshe Shelley, lamentando a morte de John Keats. Infelizmente, nada disso é muito relevante para o episódio desta semana. Escrito corretamente ou não, o episódio é um tanto uma repetição de “The Squire of Gothos” e “Space Seed”.

Primeiro uso documentado do retorno & # 8220Talk to the hand & # 8221

“Quem está de luto por Adonais?” encontra o Empreendimento em uma missão de cartografia no planeta Pollux IV, quando a nave é capturada por uma mão gigante e desencarnada que consiste, de acordo com Spock, não em carne, mas em energia. A mão é logo seguida por uma cabeça que faz referência a antigas civilizações terrestres. Um grupo de desembarque encontra o dono da cabeça (e mão), que afirma ser o Apolo (Floresta de Michael) do antigo mito grego. Ele declara que ele, junto com Zeus, Ártemis, Afrodite, Atenas e os outros, foram visitantes alienígenas da Terra há cinco mil anos. Agora, os outros desapareceram na história por falta de adoradores, mas Apollo espera que os humanos recém-chegados assumam um assentamento permanente em seu planeta (que ele chama de Olimpo) e dêem a ele o respeito que ele pensa que merece. A maior parte do resto do episódio é um longo confronto entre Apollo e a tripulação, com o arqueólogo Tenente Palamas (Leslie Parrish) dividido entre os dois. Teria sido bom incorporar um pouco da verdadeira mitologia grega à história, mas isso nunca realmente acontece.

Vamos apenas tirar a misoginia do caminho, porque é inevitável em qualquer episódio com uma policial. Desde o prólogo, Palamas é condescendente com. Enquanto o tenente submete um relatório aos oficiais superiores, Scott, que não tem outro propósito na ponte além de salivar, olha para Palamas tão ferozmente que tememos que seus olhos possam cair da cabeça. A intenção desta cena é presumivelmente definir Palamas como o rosto que poderia lançar mil navios, mas tudo o que realmente faz é demonstrar a falta de profissionalismo do engenheiro-chefe. Scott fica obcecado por Palamas ao longo do episódio, arriscando sua própria vida e a segurança de todo o grupo de desembarque, a ponto de Kirk finalmente ordenar que ele pare e desista de seu comportamento infantil. No início do episódio, em uma conversa paralela na ponte, McCoy descreve a arqueóloga para Kirk: “Ela é uma mulher. [Obrigado, doutor!] Toda mulher. Um dia ela encontrará o homem certo, ela irá embora, fora do serviço. " (A ideia de as mulheres usarem a Frota Estelar para mantê-las até o casamento também estava implícita em "Equilíbrio do Terror" e "Do que são feitas as garotinhas?")

O Sr. Scott literalmente persegue Palamas ao redor da ponte

Mais tarde, no planeta, a relação Palamas-Apollo não melhora as coisas. Apollo oferece o elogio invertido de chamar Palamas de "sábio para uma mulher". Como McGivers de “Space Seed”, a arqueóloga cabeça de bolha imediatamente se apaixona pelo macho alfa (veja minha análise de “Space Seed” para uma breve discussão sobre aquele termo velho e cansado), que representa seu campo de especialidade. Palamas não é tão abertamente traidora quanto McGivers, mas ela passa grande parte do episódio pensando em Apollo e se esquivando de seus deveres. O insulto mais visível é a toga rosa (porque ela é uma menina!) Que a toga Apollo a veste, continuando a tradição TOS de vestir mulheres com guarda-roupa extravagante de princesa fada. Palamas finalmente vê o desequilíbrio de gênero para a dinâmica de poder superficial que é: "É esse o segredo do seu poder sobre as mulheres", pergunta ela, "os raios que você lança?" A cena quase termina tragicamente para Palamas. Apollo se eleva sobre ela, convocando trovões e relâmpagos enquanto ela está deitada no chão, indefesa. Qualquer que seja a intenção sinistra de Apolo, o Empreendimento tripulação destrói sua fonte de energia na hora certa.

Conjunto de jogos da sede da Barbie Starfleet vendido separadamente

Sexismo à parte, "Quem está de luto por Adonais?" é geralmente considerado uma rejeição da ortodoxia religiosa, e o episódio funciona bem a esse respeito, especialmente na representação de seu período de tempo. O século XX, especialmente após a Segunda Guerra Mundial, marcou a manifestação plena da revolução industrial quando os Estados Unidos, e grande parte do mundo, passaram de uma economia agrária para uma economia mais urbana, manufatureira, movida a combustíveis fósseis e tecnologia de computação. Interestaduais, supercomputadores e think tanks organizacionais governaram o mundo, com a ajuda de satélites meteorológicos e radares meteorológicos. Que deus poderia competir com a capacidade dos humanos de se organizarem em exércitos de super-empreendedores detentores de tecnologia? As próprias demandas de Apolo para o Empreendimento A tripulação reflete o absurdo ultrapassado da mitologia antiga: "Você vai colher folhas de louro, acender fogueiras antigas, matar um cervo, fazer seus sacrifícios por mim!" Kirk diz a Apollo que os humanos o superaram: “A humanidade não precisa de deuses.”

“Quem está de luto por Adonais?” rejeita os deuses da mitologia grega e romana, mas poderia facilmente ser rejeitar o Deus irado do Antigo Testamento, constantemente exigindo ser adorado por nenhuma outra razão que a existência, a super celebridade cósmica famosa por ser famosa. Apolo fala diretamente sobre isso: “Um deus não pode sobreviver como uma memória. Precisamos de amor, admiração, adoração. ” Mas o episódio funciona igualmente bem ao questionar toda a adoração às divindades de uma sociedade a apenas alguns anos da “Década do Eu” dos anos 1970. Chekov, substituto dos Baby Boomers que ainda eram jovens e idealistas em 1967, é o primeiro a questionar diretamente a reivindicação de Apolo à divindade: "E eu sou o czar de todas as Rússias." McCoy vai mais direto ao ponto, perguntando o que Apollo oferece em troca da adoração da tripulação. (Apollo promete “vida no paraíso”, mas sabemos que falar de “paraíso” é sempre uma armadilha - veja “Este Lado do Paraíso”, entre outros.) Palamas faz algumas tentativas para conduzir Apolo a um estilo mais do Novo Testamento e do amor livre de bondade, perguntando: "Como eles podem adorá-lo se você os magoou?" Apollo, no entanto, está muito determinado em seus caminhos e, no final das contas, se autodestrói quando todo o grupo de desembarque o rejeita, como qualquer deus está fadado a fazer.

Apollo desaparece após ser banido do Twitter

A referência da geração baby boomer oferece uma interpretação mais secular de "Who Mourns for Adonais?" Como qualquer geração, os boomers, o mais velho dos quais tinha 21 anos em 1967, deve ter ficado frustrado com os modos primitivos e abafados de seus pais. Uma geração que cresceu com Kurt Vonnegut, os Rolling Stones e John F. Kennedy, teve pouco interesse nas gerações anteriores & # 8217 antigos deuses da música, literatura e política. Os pais, no final das contas, ainda controlavam os cordões à bolsa, no entanto, e nos lembraram disso quando devolveram Richard Nixon à Casa Branca no ano seguinte. (Apesar de Nixon ser apenas quatro anos mais velho que Kennedy, eles certamente se comportaram como se fossem de gerações totalmente diferentes.) Kirk reconhece a relutância da geração mais velha em ceder: ao dizer a Apolo: "A humanidade não precisa de deuses", o capitão inclui o linha estranha, "Encontramos aquele bastante adequado." Esse tributo monoteísta foi supostamente adicionado para apaziguar os censores da NBC e nos distrai Jornada nas Estrelas& # 8216s otimismo de pensamento livre. Ame-os ou odeie-os, a velha estrutura de poder não desistirá facilmente.

Imagine o quão confortável o Incrível Hulk ficaria se usasse este

Além de um debate filosófico digno, "Who Mourns for Adonais?" não se esqueça de que estamos em uma aventura de ficção científica. Kirk é o primeiro a considerar que Apollo pode realmente ser o que diz ser, mas não quem ele diz que é. Como o Escudeiro de Gothos, Apollo é um alienígena que viaja pelo espaço e depende de uma fonte de energia (neste caso, o templo onde Apolo mantém sua corte) para exibir poderes divinos. Apolo e seus coortes (“um galante bando de viajantes”) visitaram a Terra há cinco mil anos e, por parecerem deuses, foram identificados como tais e inspiraram toda uma civilização. Com os outros “deuses” perdidos no tempo, Apollo parece mais o vampiro de sal de “The Man Trap”, o último sobrevivente de uma espécie antiga. Por que Apolo se esconde em Pólux IV nunca é explicado: se ele espera ser adorado, por que não voltar à terra? (Sua afirmação de que "Eu sabia que você chegaria às estrelas um dia" não é uma explicação convincente.) A ideia de que os humanos antigos foram influenciados por visitantes alienígenas é um tema clássico de s-f que é levado longe demais por teóricos da conspiração equivocados. Livro de Erich von Daniken Carruagens dos deuses?, especulando que as pirâmides, Stonehenge e as religiões antigas constituem evidências de visitas de visitantes alienígenas, foi publicado em 1968, seguido por uma adaptação para o cinema em 1970. O livro foi amplamente, e facilmente, desmascarado, mas muitos ainda acreditam na premissa .

Afresco de igreja do século 14 usado como evidência de & # 8220 astronautas antigos & # 8221 em Carruagens dos deuses?

Enquanto Kirk lidera o confronto com Apollo em Pollux IV, Spock magistralmente assume o comando do Empreendimento, guiando Uhura, Sulu e Kyle em seus esforços para recuperar o grupo de desembarque. Kyle determina a localização do grupo de desembarque. Sulu procura a fonte de energia de Apollo. Uhura modifica seu sistema de comunicações para criar um desvio subespacial para Empreendimento pode se comunicar com o grupo de desembarque. Uhura faz o trabalho sozinha e, em vez de questioná-la, como fez em "The Naked Time", Spock reconhece Uhura como a especialista no assunto que ela é: "Não consigo pensar em ninguém melhor equipado para lidar com isso & # 8230"

Spock busca admissão ao Empreendimento clube de radioamador

Quando Palamas recupera o juízo e rejeita Apollo, é graças a um discurso inspirador de Kirk, semelhante ao seu apelo ao Dr. Dehner em "Where No Man Has Gone Before." O capitão faz um apelo apaixonado a Palamas com base em um simples fato: “Compartilhamos a mesma história, a mesma herança, as mesmas vidas ... Somos humanos”. Ai. É bem-intencionado, mas um pouco xenófobo e impõe limites severos ao espírito de exploração da tripulação. Eu entendo a intenção de inspirar o público a considerar a vastidão do potencial humano, mas o excepcionalismo humano é uma armadilha tão perigosa quanto a pureza racial ou teológica. Todo o aprendizado que resulta desta missão de cinco anos não pode existir no vácuo. (Apollo faz algumas “outras coisas” por conta própria, excluindo “aquele com orelhas pontudas” do grupo de desembarque porque Spock o lembra de Pan, que “sempre me entediava”.)

A humanidade no século vinte e três pode ser mais avançada, mas ninguém é perfeito, e um pontapé ocasional no impulso de dobra pode ser exatamente o que precisamos. Outras culturas ou espécies oferecem potencial ilimitado de autoaperfeiçoamento, e se um dos “estranhos novos mundos” que nossa tripulação explora for a terra de cinco mil anos atrás, lições úteis ainda o aguardam. “O homem pensa que progrediu”, diz Apollo. “Eles estão errados. Ele simplesmente se esqueceu daquelas coisas que davam sentido à vida. " As antigas tradições não eram inteiramente ruins e os novos costumes nunca são perfeitos. Seria sensato tirar o melhor de ambos. Por mais que a tecnologia e os costumes comerciais em rápida mudança tenham feito as gerações anteriores se sentirem irrelevantes na década de 1960, o ritmo da mudança e a perda associada da história geracional só se acelerou no século XXI.

Apenas Kirk e, ironicamente, Palamas, parecem compreender o significado de perder Apolo e toda a história que sua vida representa. Mesmo que ele não fosse da terra, Apolo e seus parentes influenciaram claramente a história da terra, pelo menos no Jornada nas Estrelas universo.O cantor / compositor John Mellencamp escreveu: “Não há nada mais triste ou glorioso do que gerações mudando de mãos”. É sobre essa mudança geracional que Kirk reflete quando pergunta: "Será que nos machucaria, eu me pergunto, só de ter colhido algumas folhas de louro?" A resposta pode muito bem ser sim, nós vimos o que pode levar a favorecer os famintos por poder. Mas devemos fazer a pergunta, porque nossos mais velhos oferecem experiências da vida real que não encontraremos em nenhum outro lugar, e porque um desprezo imprudente pela história é o que permite que os famintos por poder prosperem em primeiro lugar.


10 figuras semelhantes a Cristo que são anteriores a Jesus

Recentemente, assisti ao documentário Zeitgeist (Parte 1) e também Religulous.

Ambos fizeram menção de afirmações freqüentemente feitas de que há muitas histórias anteriores a Jesus, mas têm paralelos notáveis. Decidi acompanhar essas afirmações e ver que tipo de informação estava disponível para substanciar essas afirmações.

Encontrei vários sites administrados por cristãos que obviamente contestavam todas as alegações de qualquer paralelo com a vida de Jesus.

Também encontrei vários livros interessantes sobre o assunto, como Os dezesseis salvadores crucificados do mundo, A conspiração de Cristo: a maior história já vendida e Krishna, Buda e Cristo revelados por Acharya S ..

Como um não cristão, estou abordando este tópico puramente como um observador interessado. Estou assumindo que metade das pessoas que lerem isso dirão automaticamente que as afirmações são falsas e a outra metade dirá que são verdadeiras. A verdade que descobri é que é difícil saber com certeza.

Aqui estão dez das figuras frequentemente localizadas:

10. Buda

Ambos foram para seus templos com a idade de doze anos, onde dizem que surpreenderam a todos com sua sabedoria. Ambos supostamente jejuaram na solidão por um longo tempo: Buda por quarenta e sete dias e Jesus por quarenta. Ambos foram até uma figueira ao final do jejum. Ambos tinham quase a mesma idade quando começaram seu ministério público:

“Quando ele [Buda] foi novamente ao jardim, viu um monge que estava calmo, tranquilo, controlado, sereno e digno. O príncipe, determinado a se tornar tal monge, foi levado a fazer a grande renúncia. Na época, ele tinha vinte e nove anos de idade ... "Jesus, quando começou seu ministério, tinha cerca de trinta anos." (Lucas 3:23). Ambos foram tentados pelo "diabo" no início de seu ministério: Para Buda, ele disse: "Não saia para adotar uma vida religiosa, mas retorne ao seu reino, e em sete dias você se tornará o imperador do mundo, cavalgando sobre os quatro continentes. ” Para Jesus, ele disse: “Todos estes [reinos do mundo] eu te darei, se você prostrar-se e me adorar” (Mateus 4: 9). Buda respondeu ao "diabo": "Afaste-se de mim."

Jesus respondeu: “... vá embora, Satanás!” (Mateus 4:10). Ambos se esforçaram para estabelecer um reino do céu na terra. De acordo com o Somadeva (um livro sagrado budista), o olho de um asceta budista o ofendeu uma vez, então ele o arrancou e jogou fora. Jesus disse: “Se o seu olho direito o faz pecar, arranque-o e jogue-o fora.” (Mateus 5:29).

9. Krishna

De acordo com o Bhagavata Purana, alguns acreditam que Krishna nasceu sem união sexual, por “transmissão mental” da mente de Vasudeva para o útero de Devaki, sua mãe. Cristo e Krishna foram chamados tanto de Deus quanto de Filho de Deus. Ambos foram enviados do céu para a terra na forma de um homem. Ambos foram chamados de Salvador e a segunda pessoa da Trindade. O pai humano adotivo de Krishna também era carpinteiro. Um espírito ou fantasma era seu pai real. Krishna e Jesus eram de descendência real. Ambos foram visitados desde o nascimento por sábios e pastores, guiados por uma estrela. Os anjos em ambos os casos alertaram que o ditador local planejava matar o bebê e emitiu um decreto para seu assassinato. Os pais fugiram. Maria e José ficaram em Muturea Os pais de Krishna ficaram em Mathura. Tanto Cristo quanto Krishna retiraram-se para o deserto já adultos e jejuaram. Ambos foram identificados como "a semente da mulher machucando a cabeça da serpente." Jesus foi chamado de “o leão da tribo de Judá”. Krishna foi chamado de "o leão da tribo de Saki". Ambos afirmaram: “Eu sou a Ressurreição”. Ambos eram “sem pecado”. Ambos eram homens-deus: sendo considerados humanos e divinos. Ambos realizaram muitos milagres, incluindo a cura de doenças. Um dos primeiros milagres que ambos realizaram foi curar um leproso. Cada um curou “todos os tipos de doenças”. Ambos expulsaram os demônios residentes e ressuscitaram os mortos. Ambos selecionaram discípulos para divulgar seus ensinamentos. Ambos eram mansos e misericordiosos. Ambos foram criticados por se associarem com pecadores. Ambos celebraram uma última ceia. Ambos perdoaram seus inimigos. Ambos foram crucificados e ressuscitados.

8. Odisseu

Os contos homéricos sobre Odisseu enfatizam sua vida de sofrimento, assim como em Marcos, Jesus disse que ele também sofreria muito. Odisseu é um carpinteiro como Jesus e deseja voltar para sua casa, assim como Jesus deseja ser recebido em sua casa natal e, mais tarde, na casa de Deus em Jerusalém. Odisseu é atormentado por companheiros infiéis e estúpidos que exibem falhas trágicas. Eles estupidamente abrem uma bolsa mágica de vento enquanto Odisseu dorme e liberam terríveis tempestades que os impedem de voltar para casa. Esses marinheiros são comparáveis ​​aos discípulos de Jesus, que não acreditam em Jesus, fazem perguntas tolas e mostram ignorância geral sobre tudo. É incrível que Odisseu ou Jesus tenham conseguido realizar qualquer coisa, dados os companheiros que eles têm, mas isso simplesmente demonstra o poder e a capacidade do único verdadeiro líder que tem um mandato divino para conduzir o povo para fora das trevas e para um futuro mais brilhante.

7. Rômulo

Rômulo nasceu de uma virgem vestal, que era uma sacerdotisa do deus Vesta, jurada ao celibato. Sua mãe afirma que o divino a engravidou, mas isso não é acreditado pelo rei. Romulus e seu irmão gêmeo, Remus, são jogados no rio e deixados para morrer. (Uma história da “matança dos inocentes” que se assemelha à de Mateus 2: 13-16). Romulus é aclamado como filho de deus. Ele é “arrebatado para o céu” por um redemoinho (presume-se que os deuses o levaram) e ele faz aparições post mortem. Em sua obra Numa Pompilius, Plutarco registra que havia uma escuridão cobrindo a terra antes de sua morte (assim como havia durante a morte de Jesus de acordo com Marcos 15:33). Ele também afirma que Rômulo deve ser conhecido posteriormente como "Quirino", um deus que pertencia à Tríade Arquíaca (uma "divindade tripla" semelhante ao conceito da Trindade).

6. Dioniso

Dionísio nasceu de uma virgem em 25 de dezembro e, como Menino Santo, foi colocado em uma manjedoura. Ele era um professor viajante que fazia milagres. Ele “cavalgou em uma procissão triunfal em um asno”. Ele era um rei sagrado morto e comido em um ritual eucarístico de fecundidade e purificação. Dioniso ressuscitou dos mortos em 25 de março. Ele era o Deus da Videira e transformou água em vinho. Ele foi chamado de “Rei dos Reis” e “Deus dos Deuses”. Ele foi considerado o “Filho Unigênito”, Salvador ”,“ Redentor ”,“ Portador do pecado ”, o Ungido” e o “Alfa e Ômega”. Ele foi identificado com o Carneiro ou Cordeiro. Seu título sacrificial de “Dendrites” ou “Jovem da Árvore” sugere que ele foi pendurado em uma árvore ou crucificado.

5. Heracles

Hércules é o Filho de um deus (Zeus). Está registrado que Zeus é o pai e o tataravô de Hércules, assim como Jesus é essencialmente seu próprio avô, sendo "a raiz e a descendência de Davi" (Apocalipse 22:16), pois ele faz parte do Deus triúno que é o pai de Adão e, eventualmente, de Jesus. Ambos estão duplamente relacionados ao Deus Supremo.

Diodoro escreve que: "Pois, no que diz respeito à magnitude dos feitos que ele realizou, é geralmente aceito que Hércules foi transmitido como aquele que superou todos os homens de quem a memória desde o início dos tempos trouxe um relato, conseqüentemente, é difícil realização de relatar cada um de seus feitos de maneira digna e apresentar um registro que deverá estar no mesmo nível de trabalhos tão grandes, cuja magnitude ganhou para ele o prêmio da imortalidade. ”

Jesus também disse ter feito um grande número de boas obras. João 21:25 diz que: “Jesus também fez muitas outras coisas. Se cada um deles fosse escrito, suponho que nem mesmo o mundo inteiro teria espaço para os livros que seriam escritos. ”

Hera tenta matar Hércules quando criança, enviando duas serpentes atrás dele, mas Hércules sobrevive estrangulando-as. Isso se assemelha ao massacre de inocentes por Herodes em uma tentativa de matar Jesus (Mateus 2: 13-16).

Hércules desce ao Hades e retorna com Teseu e Peirithoüs, assim como Jesus desce às “partes mais baixas da terra” ou Hades (Efésios 4: 7-8) Embora Jesus não faça ninguém subir dela. O corpo de Hércules não foi encontrado e presume-se que ele foi levado pelos deuses: ”Depois disso, quando os companheiros de Iolaüs vieram recolher os ossos de Hércules e não encontraram um único osso em qualquer lugar, eles presumiram que, de acordo com as palavras do oráculo, ele havia passado do meio dos homens para a companhia dos deuses. ”

4. Glycon

Em meados do século 100 DC, ao longo da costa sul do Mar Negro, Glycon era o filho do Deus Apolo, que: veio à Terra por meio de um nascimento milagroso, foi a manifestação terrena da divindade, veio à Terra em cumprimento de profecia divina, deu ao seu principal crente o poder da profecia, deu aos crentes o poder de falar em línguas, realizou milagres, curou os enfermos e ressuscitou os mortos.

3. Zoroastro / Zaratustra

Zoroastro nasceu de uma virgem e "concepção imaculada por um raio da razão divina." Ele foi batizado em um rio. Em sua juventude, ele surpreendeu os sábios com sua sabedoria. Ele foi tentado no deserto pelo diabo. Ele começou seu ministério aos 30 anos. Zoroastro batizou com água, fogo e “vento sagrado”. Ele expulsou demônios e restaurou a visão de um cego. Ele ensinou sobre o céu e o inferno e revelou mistérios, incluindo ressurreição, julgamento, salvação e o apocalipse. Ele tinha uma taça sagrada ou Graal. Ele foi morto. Sua religião tinha uma Eucaristia. Ele era o “Verbo feito carne”. Os seguidores de Zoroastro esperavam uma "segunda vinda" do Saoshynt ou Salvador nascido da virgem, que viria em 2341 DC e iniciaria seu ministério aos 30 anos, inaugurando uma era de ouro.

2. Átis da Frígia

Attis nasceu em 25 de dezembro da Virgem Nana. Ele foi considerado o salvador que foi morto para a salvação da humanidade. Seu corpo como pão foi comido por seus adoradores. Ele era o Filho Divino e o Pai. Na “Sexta-feira Negra”, ele foi crucificado em uma árvore, da qual seu sangue sagrado desceu para redimir a terra. Ele desceu ao submundo. Após três dias, Attis ressuscitou.

1. Horus

Nasceu de uma virgem, Isis. Filho unigênito do Deus Osíris. Nascimento anunciado pela estrela Sirius, a estrela da manhã. Os antigos egípcios desfilaram uma manjedoura e uma criança representando Hórus pelas ruas na época do solstício de inverno (por volta de DEZ-21). Na realidade, ele não tinha data de nascimento, ele não era humano. Ameaça de morte durante a infância: Herut tentou assassinar Hórus. Lidando com a ameaça: O Deus que diz à mãe de Hórus "Venha, ó deusa Ísis, esconda-se com o seu filho." Um anjo diz ao pai de Jesus: “Levante-se, pegue a criança e sua mãe e fuja para o Egito”. Quebra na história de vida: Sem dados entre as idades de 12 e 30 anos. Idade no batismo: 30. Destino subsequente do batizador: Decapitado. Andou sobre as águas, expulsou demônios, curou os enfermos, restaurou a visão aos cegos. Foi crucificado, desceu ao Inferno e ressuscitou depois de três dias.

Adendo In5D

por Gregg Prescott, M.S.
Fundador, Webmaster e Editor de In5D.com

Quando há uma conspiração, geralmente você pode rastrear o dinheiro para encontrar a raiz dela. No caso da história de Jesus, você pode rastrear as linhagens.

A astrologia era bem conhecida entre todas as civilizações e muitos sabiam que estavam passando de uma Idade de Áries carregada de batalhas para a Era de Peixes que se aproximava. Uma profecia de 400 anos disse como um messias nasceria e como ele tiraria os hebreus da perseguição. Na época, cada culto religioso esperava que esse messias fosse de sua religião. Para não ser contestado entre suas religiões rivais, um culto criou sua própria história de messias e baseou-se no conhecimento de 100 anos no passado para que ninguém pudesse contradizer sua história. Em suas próprias mentes, eles acreditavam que isso daria credibilidade à sua história em comparação com os outros personagens semelhantes a messias, que eram baseados na mitologia.

Inicialmente, seu messias foi baseado em um homem chamado Yeshua ben Yoseph (que traduzido significa “Josué, filho de José”). Acredita-se que Yeshua tenha vivido aproximadamente 100 anos antes da criação de Jesus e evitou ser processado pelo corpo governante hebraico ao fugir para a França com sua esposa, Maria Madalena e sua filha. Mais de 100 anos após a morte de Yeshua, este culto a messias em particular adicionou poderes sobrenaturais ao personagem de Yeshua, baseado em Mitra, Osíris e Hórus. Para tornar seu culto mais atraente, eles acrescentaram a crença de que Yeshua morreu por seus pecados e que tudo o que alguém precisava fazer era aceitá-lo como seu messias.

Nesse momento, havia vários outros cultos religiosos disputando o poder final. O imperador deste período, Constantino, lutou para chegar ao poder através da morte e do engano, então ele estava ansioso para trazer a bordo uma figura messiânica que o perdoaria de todos os seus pecados através das mortes pelas quais ele era responsável em seu caminho para se tornar imperador. No ano 312 EC, a história de Yeshua tinha o apoio do Império Romano, mas havia vários outros cultos de Yeshua que dividiam todos eles. No ano 325 EC, Constantino reuniu uma reunião chamada Concílio de Nicéia, que era composta por todos os líderes dos vários cultos de Yeshua, a fim de unificar sua história em uma religião que rivalizaria com qualquer outra religião importante. O nome de Yeshua foi mudado para Jesus Cristo, com "Cristo" significando o ungido. O primeiro nome de Jesus é simplesmente a tradução em inglês de Yeshua, que em grego é Iesous.

A Biblioteca de Alexandria continha todos os textos gnósticos, filosóficos e religiosos das gerações anteriores. No final daquele século em particular, todos esses textos foram supostamente destruídos sob os auspícios do imperador Teodósio, então não havia outros registros para corroborar como a história de Yeshua foi transformada na história de Jesus. Muito provavelmente, esses textos permanecem escondidos na biblioteca do Vaticano.

Sei que não estou sozinho quando sinto que há algo "errado" na religião. Meus pais são cristãos (metodistas). Minha mãe e eu ficaremos conversando sobre religião. Certa vez, ela disse: “Nossa igreja faz coisas maravilhosas para a comunidade”. Eu respondi: “Por que você precisa de uma igreja para fazer coisas boas para outras pessoas?” Na mesma linha de pensamento, por que você precisa de uma Bíblia para ser uma pessoa moral? A moralidade não deveria ser inata?

Dito isso, é muito fascinante ver como tudo se desenrola em perfeita ordem astrológica. O bezerro de ouro representou a Era de Touro. O sopro do chifre de carneiro simbolizava a Idade de Áries. Quando Jesus alimentou as massas com 2 peixes e um pão, isso representou a Era de Peixes. Quando Jesus disse para seguir o homem carregando a jarra d'água, isso representou a Era de Aquário ... que é onde estamos agora.

Por meio de sigilos e simbolismo, você pode ter certeza que o símbolo “Peixe de Jesus” logo será substituído por algo que representa a Era de Aquário.

Seus pensamentos? Comente abaixo!

Enviando a vocês todo amor e luz infinitos!

Clique aqui para mais artigos de Gregg Prescott!

Gregg Prescott, M.S. é o fundador e editor da In5D, Zentasia e BodyMindSoulSpirit. Ele é co-proprietário do In5D Club com sua noiva, Alison Janes. Você pode encontrar todos os episódios de “The BIGGER Picture with Gregg Prescott” no Bitchute, enquanto todos os seus programas de rádio no In5D estão no canal In5D do Youtube. Ele é um visionário, autor, um palestrante transformacional e promove conferências espirituais, metafísicas e esotéricas nos Estados Unidos por meio de In5dEvents. Curta e siga In5D no Facebook e Twitter!


Assista o vídeo: Os físicos revelam que um local de grande impacto 13 000 anos atrás pode ter restaurado civilizações


Comentários:

  1. Fenris

    Tenho certeza que você não está certo.

  2. Xenos

    Eu a você sou muito obrigado.

  3. Gais

    Eu considero, que você não está certo. Sugiro que discuta. Escreva-me em PM.

  4. Bradshaw

    E o que nesse caso é necessário fazer?



Escreve uma mensagem