5 de novembro de 1944

5 de novembro de 1944

5 de novembro de 1944

Novembro

1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930
> Dezembro

Egito

O Gang Stern assassina Lord Moyne no Cairo



5 de novembro de 1944 - História

Às 05:00 horas do dia 6 de novembro, o batalhão começou a disparar tiros de preparação que duraram até C600 horas e durante os quais foram disparados 48 tiros. Esta preparação foi disparada para reforçar os fogos da 28ª Divisão de Artilharia. Nesta manhã, Cal. MORAWETZ visitou as baterias para inspecionar as condições de pessoal e equipamentos. A munição diária corre sob a direção do Capitão EUGENE MILLER, Bn 3-4 e S / Sgt Ira T. Swihart, bn NCO de munição, estavam sendo feitos de volta para os ASPs traseiros. O pessoal e os veículos das baterias de disparo constituíam esses trens. Em 8 de novembro, o Capitão HAGAN, Bn S-2, e o Tenente SATRE, Oficial Rcn do Btry C, estabeleceram um OP avançado em uma casa no extremo norte da cidade de Germeter, Alemanha. Este PO foi ocupado em regime de 24 horas por observadores do batalhão. Durante o primeiro dia de ocupação, aproximadamente 2.500 tiros de artilharia inimiga pousaram nas proximidades desta instalação. Essa condição prevaleceu por várias semanas. Nesse mesmo dia, o Capitão WILSON, o Asst Bn S-3 e o Primeiro Tenente Piloto de Ligação DALE R. BRENEMAN realizaram um reconhecimento aéreo durante o qual localizaram 6 posições de bateria inimiga, duas das quais dirigiram fogo. Na manhã de 10 de novembro, o Tenente FRANK R. ORADAT, JR, Oficial Rcn da Btry A, deixou o batalhão no DS com a 10ª Divisão de Infantaria Aerotransportada. Este destacamento foi o resultado do Tenente CRADAT se voluntariando para ser um observador avançado em um Regimento de Pára-quedas daquela Divisão. No dia seguinte, os Observadores da Vanilla Air dispararam 2 missões contra baterias inimigas. O fogo foi relatado como muito eficaz. Durante as primeiras horas de 12 de novembro, a bateria A foi sujeita a várias rodadas de fogo de contra-bateria. No entanto, este disparo inimigo não afetou as operações da bateria e nenhuma vítima foi sustentada.

De 5 a 14 de novembro, o batalhão disparou 514 rodadas de contra-bateria, 406 rodadas de destruição, 996 rodadas de interdição e 187 rodadas de incêndios violentos. Os disparos da bateria do contador foram direcionados a cerca de 138 armas. Esta estimativa não inclui os canhões inimigos alvejados durante as missões interditórias noturnas. No curso das missões de destruição 40 tanques inimigos, 3 OPs inimigos e 2 casas fortificadas inimigas foram alvejados. As casas fortificadas do inimigo foram destruídas, os OPs foram neutralizados e muitos dos tanques ficaram imóveis. Os disparos de interdição foram colocados em 23 cidades e 24 entroncamentos rodoviários principais, juntamente com um número indeterminado de armas inimigas. Das missões de assédio, 20 pontos fortes de infantaria foram disparados com uma média de 10 tiros por instalação. Houve 17 missões TOT disparadas durante este período.

Em 15 de novembro, o tenente ROBERT M. TAUTGES foi nomeado pelo V Corpo de Artilharia como oficial da guarda encarregada da segurança da barragem de Roetgen. Essa barragem, localizada a 4.000 metros das linhas de frente, representava um objetivo primordial para o inimigo, visto que sua destruição inundaria uma grande área operacional ocupada por nossas tropas. Na manhã deste dia, Vanilla Air OP dirigiu fogo contra 4 baterias inimigas, todas as quais foram efetivamente neutralizadas. Nesse mesmo dia, em cumprimento à diretriz do quartel-general superior, 73 homens foram transferidos do batalhão como excedentes. PERHAM principal e T / Sgt James M. Gibbs. Sargent, o pessoal do batalhão, os acompanhou até o Sistema de Substituição das Forças Terrestres em Verviers, Belguim, de onde seriam transferidos para equipes de combate. À tarde o Capitão HANCOCK e o Capitão THORNTON, da seção G-5 do Primeiro Exército, visitaram nosso PC com o objetivo de verificar os prováveis ​​bens roubados presentes nas residências ocupadas pelo PC do batalhão. O capitão HANCOCK descobriu uma valiosa pintura de Van Dyke que evidentemente havia sido removida de um museu ou galeria de arte pelo inimigo.

O tenente GARY H. BRONNECK, ex-membro do batalhão, visitou o PC do batalhão em 19 de novembro. O tenente é atualmente um membro da 5ª Divisão Blindada. Sua posição em sua unidade é a de oficial de interrogatório na Seção G-2. No dia 22 de novembro, o Tenente ABBOTT, do 514º Bn de Artilharia, visitou o OP e mais tarde naquele dia fez uma verificação in loco do equipamento de artilharia do batalhão. No dia seguinte, 23 de novembro, o batalhão comemorou o Dia de Ação de Graças. Um Clubmobile da Cruz Vermelha estava na área neste dia e fez a ronda das baterias servindo café quente e donuts aos homens. No dia seguinte, o Tenente-Coronel MORAWETZ fez um tour de inspeção de rotina das baterias e o Tenente-Coronel BENNETT, CC 120º Engenheiro Bn, visitou a CP com o objetivo de discutir com o Tenente TAUTGES a regulamentação da liberação de água do Roetgen Barragem. Devido às fortes chuvas, foi necessário liberar grandes quantidades de água diariamente do lago para evitar o transbordamento descontrolado do vertedouro.

O batalhão fez disparos consideráveis ​​durante o período de 15 a 25 deste mês. No principal, consistia em 1196 rodadas de contra-bateria, 550 rodadas de interdição, 116 rodadas de destruição e 312 rodadas de incêndios violentos.

Em 25 de novembro, o coronel MORAWETZ e o tenente TAUTGES deixaram o PC em reconhecimento de posições para Btry C. Nenhuma posição satisfatória foi encontrada. No dia seguinte, o Destacamento Médico, sob a direção do Capitão LOUIS A BREFFEILH, começou a dar inoculações de tifo e tifo para os homens da unidade. Nesta mesma tarde, um P-47 que desenvolveu problemas mecânicos ao retornar de uma missão de bombardeio foi forçado a lançar sua carga de bomba em um ponto próximo à nossa pista de ar para causar uma grande excitação na área momentaneamente. Foi dada autoridade ao batalhão para enviar homens a Paris em passes de 48 horas e alguns dias depois, a primeira cota sob o tenente WILIAM G. ROLF partiu para aquela cidade. Em 28 de novembro, o capitão WILSON, observador do ar, e ele. BRENEMAN, piloto de ligação, foi atacado a dois ME 190 inimigos durante um vôo programado. No entanto, o intenso fogo de AA dispersou rapidamente a nave inimiga e não houve baixas para homens ou equipamentos. O tenente-coronel FRANK H. MCFARLAND, ex-membro do batalhão, era visitante do PC nesta data. O coronel é agora Asst G-5 com o VII Corpo de exército. Durante os últimos cinco dias do mês, os disparos consistiram em 402 tiros de contra-bateria, 105 tiros de interdição, 265 tiros de preparação, 68 tiros de destruição e 27 tiros de assédio. Durante todo o mês, 7.688 rodadas foram gastas.


Esta semana na história da AG - 11 de novembro de 1944

Quando o presidente Woodrow Wilson declarou a primeira observação dos Estados Unidos no Dia do Armistício em 11 de novembro de 1919, ele imaginou um mundo que & ldquowork out em paz um novo e mais justo conjunto de relações internacionais. & Rdquo No entanto, a história mostraria que o mundo não era ainda feito com a guerra internacional. Vinte e cinco anos após a primeira declaração, o Evangelho Pentecostal relataram em 11 de novembro de 1944 que quase 12 milhões de homens pegaram em armas e serviam a seu país no serviço militar durante a guerra. As Assembléias de Deus forneceram vários caminhos ministeriais para esses soldados, mas um dos mais importantes foi & ldquogar nossas orações e nosso apoio sincero àqueles que estão na posição mais estratégica para sustentá-los & mdash os capelães dos Estados Unidos. & Rdquo

Já em 1917, as Assembléias de Deus começaram a trabalhar entre os militares quando uma moção de Raymond T. Richey, de Houston, Texas, para & ldquoadoptar todos os meios disponíveis consistentes com o ensino das Escrituras e exemplo para cooperar com todas as agências aprovadas para avivamentos entre nossos soldados & rdquo foi aprovado pelo Conselho Geral.

No entanto, no Conselho Geral de Minneapolis em 1941, que teve como tema "Nosso lugar nas crises mundiais atuais", tornou-se aparente a necessidade de um plano mais completo para fornecer ministério aos militares. Esse plano passou a incluir publicações trimestrais para militares, centros de serviço próximos a bases militares e a criação de recursos para que as igrejas locais ministrassem aos soldados. As Assembléias de Deus também sentiram a necessidade de fornecer alguns de seus ministros como Capelães Militares dos Estados Unidos.

As qualificações para capelães eram muito altas. Em dezembro de 1941, o Regulamento do Exército 605-30 declarou que um candidato deve ser cidadão americano do sexo masculino, com idades entre 23 e 34 anos, regularmente ordenado e em boa situação com uma organização que mantém uma distribuição de nomeações de capelão, um graduado de ambos 4 anos de faculdade e 3 anos de seminário teológico, e 3 anos de experiência ministerial. & Rdquo

Muitos ministros das Assembléias de Deus, bem como de outras denominações, desejavam servir a seu país como capelães, mas consideraram os requisitos educacionais proibitivos. Devido à necessidade avassaladora, os requisitos educacionais e experienciais às vezes eram dispensados ​​ou relaxados até o final das crises. O primeiro capelão das Assembléias de Deus foi Clarence P. Smales, que recebeu sua comissão em junho de 1941. Durante a Segunda Guerra Mundial, 34 ministros da Assembléia de Deus deixaram suas igrejas, lares e famílias para servir seu país no fornecimento de cuidado espiritual para militares . Destes, dois receberam o Coração Púrpura e três a Estrela de Bronze.

O Departamento de Servicemen & rsquos das Assembléias de Deus (criado em 1944) forneceu a esses capelães o equipamento necessário não fornecido por outras fontes, como sistemas de som público, rádios de ondas curtas, Bíblias e conjuntos de comunhão.

No artigo de 11 de novembro de 1944, Difícil mas glorioso, O capelão da Marinha da Assembléia de Deus, Joseph Gerhart, conta a história de um marinheiro que precisava da remoção imediata de um apêndice. A operação estava programada para ser realizada na mesa da sala de jantar, e a aspereza do mar aumentava o perigo. O médico do navio não fazia uma operação há vários anos, aumentando a apreensão do jovem. O marinheiro frequentava os cultos do capelão Gerhart & rsquos, mas não vinha de uma igreja que acreditava na cura divina. Gerhart relata que ele & ldquoprava que Deus curaria seu corpo & diabos o menino começou a melhorar imediatamente e o médico veio depois de um tempo e disse que a operação não seria necessária. & Rdquo O menino estava de pé no dia seguinte, muito aliviado em desistir da cirurgia.

Neste 25º aniversário do Dia do Armistício (renomeado como Dia dos Veteranos em 1954), o Evangel os editores chamaram seus leitores para ajudar esses capelães usando a arma mais poderosa que a igreja tem em seu arsenal: a oração. & ldquoTemos certeza de que você sente conosco a necessidade urgente de não poupar esforços & mdash pela recompensa é ótimo! Não devemos decepcioná-los! . PRAY! & Rdquo

Leia o artigo completo & ldquoHard But Glorious & rdquo na página 9 de 11 de novembro de 1944, edição da Evangelho Pentecostal.

Também apresentado nesta edição:

* "The Apostolic Message, Method and Might," por H. B. Garlock

* "That Blessed Hope," por D. A. Clark

* "A Trophy of God & rsquos Grace", de D. W. Murphy, missionário no norte da Índia

Evangelho Pentecostal edições arquivadas cortesia do Flower Pentecostal Heritage Center.


Atividade 2. Estratégia Anglo-Americana na Europa, 1942-1944

Usando os documentos e o mapa fornecidos a seguir, os alunos farão uma lista dos objetivos que os britânicos e americanos esperavam alcançar durante a ofensiva. Depois de fazer isso, eles devem clicar nos quatorze locais do mapa interativo. Com base na análise desses recursos, os alunos devem ser capazes de discutir amplamente a estratégia geral dos Aliados para a Europa e por que ela foi adotada.

Primeiro, direcione os alunos para os seguintes documentos, online ou (em forma de excerto) como apostilas impressas das páginas 10–13 do PDF. Esses documentos estão todos disponíveis no site da Biblioteca Presidencial FDR, acessível por meio do recurso revisado pelo EDSITEment Digital Classroom:

  • Páginas 1–3 de um estudo das operações europeias para 1942–1943 (o link é para a primeira página, clique em "Exibir próxima página" para ver as páginas 2-3)
  • Páginas 3-5 de um relatório de inteligência sobre a provável estratégia alemã para 1943 (o link leva à página 3, clique em "Exibir próxima página" para ver as páginas 4-5)
  • Páginas 4–5 de um relatório sobre a conduta prevista da guerra para 1943–1944 (o link é para a página 4, clique em "Ver próxima página" para ver a página seguinte)

Peça aos alunos que respondam às seguintes perguntas com base em suas leituras:

  • Qual era a situação na Frente Oriental em 1942?
  • Quais são as implicações dessa situação para a estratégia anglo-americana na Europa?
  • Como a situação na Frente Oriental mudou entre 1942 e 1943?
  • O que os Aliados esperavam alcançar no final de 1944?
  • O que deveria ter prioridade - uma invasão através do canal ou operações no Mediterrâneo?

Em seguida, peça aos alunos que consultem o mapa interativo, que demonstrará como a ofensiva aliada se desenvolveu.

Dependendo do nível dos alunos, você pode considerar fazer com que eles concluam a "Caça ao Tesouro" que acompanha o mapa e está disponível nas páginas 14–15 do PDF.

Com base no exame desses recursos, os alunos devem ser capazes de responder às seguintes perguntas:

  • Qual foi a estratégia geral anglo-americana para a Europa?
  • Por que essa estratégia foi adotada?
  • Quais objetivos estratégicos foram alcançados e quais não foram?

Arado 196A-5 baseado em Admiral Scheer novembro de 1944

Postado por Arvo L. V. & raquo 26 de junho de 2006, 05:31

Pelo que entendi o problema, dois Arado 196A-5 a / c foram baseados a bordo do Admiral Scheer. Entre 22 e 24 de novembro de 1944, o Almirante Scheer esteve estacionado na península de Sõrve / Sworbe, na costa oeste de Saaremaa / Oesel, bombardeando posições soviéticas. Ela tinha acabado de substituir o Prinz Eugen, que havia esgotado sua munição principal, e voltou para Gotenhafen.

afirma-se que caças soviéticos abateram um dos Arados do almirante Scheer.

A.) É provável que para esta operação de bombardeio, o Almirante Scheer lançou seus Arado (s) para atuar como observadores aéreos (muito parecido com o Prinz Eugen fez um tempo antes, quando seus três Arado a / c atuaram como observadores aéreos como o Prinz Eugen estava bombardeando posições soviéticas em / ao redor de Tukkums / Tuckum, Letônia)
B.) Qual foi o Kennzeichen do Arado do Almirante Scheer, que os caças soviéticos abatidos? Eu entendo que o T3 + BH, Bordfliegergruppe 196, foi o segundo Arado do almirante Scheer, e este a / c parece ter sobrevivido à guerra.) Há alguma fotografia deste a / c disponível para revisão / exame?
C.) O que se sabe sobre o abate deste Arado particular sobre a ilha de Saaremaa? Que soviete a / c estava / estava envolvido?
D.) Quais eram os alvos terrestres do Admiral Scheer que os Arado (s) estavam procurando? (Eu presumiria que o Almirante Scheer estava atirando em posições soviéticas perto das últimas trincheiras defensivas que os alemães tinham na península - esses foram os principais alvos do Prinz Eugen alguns dias antes.)

Agradeço antecipadamente por quaisquer informações, que poderão ser prestadas em meu nome.

Admiral Scheer, Arado Ar 196 / A4, Kennzeichen T3 + EK

Postado por Arvo L. V. & raquo 12 de julho de 2006, 04:06

Na publicação Esquadrão / Sinal, "Navios de guerra alemães da Segunda Guerra Mundial" Navios de guerra Número 23 ISBN 0-89747-482-1 2004 na seção central da placa colorida (placas coloridas à esquerda), há um desenho de um Arado Ar 196 / A4, carregando Kennzeichen T3 + EK ao lado de um desenho do Admiral Scheer. A publicação, entretanto, não mostra fotos de T3 + EK.

Existem fotografias de Arado Ar 196 / A4, Kennzeichen T3 + EK? Esta aeronave pode ser positivamente atribuída como um Bordflugzeug do Admiral Scheer? E o mais importante - poderia T3 + EK ser a aeronave abatida na Ilha de Saaremaa, na Estônia, em novembro de 1944?

Agradecemos antecipadamente por qualquer esforço de assistência referente ao acima.

Postado por Estável & raquo 27 de julho de 2006, 14:50

Olá Arvo! Parece que o Arado T3 + EK foi destruído anteriormente em um acidente de vôo.

"Na tarde de 19 de agosto, Meendsen-Bohlken tentou penetrar no bloco de gelo ao norte da Ilha Uyedinyeniya (em 82 ° E). ​​Isso ele conseguiu fazer entre dois grandes campos de gelo, mas à noite decidiu que o gelo o impediria de alcançar o estreito de Wilkitzky, o objetivo final e a entrada para o mar de Laptev. Invertendo o curso, Scheer se desvencilhou e encontrou o U251, que ela restaurou e abasteceu. O submarino relatou que a fumaça do funil do cruzador estava visível a quilômetros de distância - que havia foi comentada antes durante o ataque ao Atlântico. Saindo do U-boat, o Almirante Scheer explorou a borda sul do campo de gelo ao redor da Ilha Uyedinyeniya e encontrou um banco de areia não marcado que causou certa empolgação. (Um banco de 4¾ braças está marcado em mapas modernos.) o navio avançou mais para o leste, a aeronave inestimável retornou na noite de 20 de agosto com a notícia de um comboio de nove navios liderado por um quebra-gelo de dois funil (na verdade Krassin e Lenin). Infelizmente, a posição do comboio só era conhecido de forma geral e a névoa impediu que Scheer o encontrasse no final. Por quatro dias infrutíferos, ela procurou nas águas desoladas, geladas e mal mapeadas, a sudoeste do estreito Wilkitzky entre Severnay Zemlya e o cabo Chelyuskin em terras Kharitona Laptev. Seu ponto mais a leste ficava a cerca de 96 ° E! Finalmente, na manhã de 25 de agosto, o fiel Arado ('T3 + EK') caiu e se tornou uma perda total.


Controvérsia sobre o bombardeio de Auschwitz: McCloy informa a Pehle que o Departamento de Guerra ganhou & # 8217t bombardeou Auschwitz

Sr. John W. Pehle, Diretor Executivo
Conselho de Refugiados de Guerra
Edifício do Departamento do Tesouro, Rm. 3414
Washington DC.

Refiro-me à sua carta de 8 de novembro, na qual transmitiu o relatório de duas testemunhas oculares sobre os notórios campos de concentração e extermínio alemães de Auschwitz e Birkenau, na Alta Silésia.

O Estado-Maior de Operações do Departamento de Guerra considerou cuidadosamente sua sugestão de que se empreendesse o bombardeio desses campos. Em consideração a esta proposta, os seguintes pontos foram levantados:

uma. A destruição positiva desses campos exigiria bombardeio de precisão, empregando bombardeio pesado ou médio, ou ataque com aeronaves de vôo baixo ou bombardeio de mergulho, de preferência o último.

b. O alvo está além do alcance máximo de bombardeio médio, bombardeiros de mergulho e caça-bombardeiros localizados no Reino Unido, França ou Itália.

c. O uso de bombardeio pesado de bases do Reino Unido exigiria um vôo perigoso de ida e volta sem escolta de aproximadamente 2.000 milhas sobre o território inimigo.

d. No atual estágio crítico da guerra na Europa, nossas forças aéreas estratégicas estão empenhadas na destruição de sistemas de alvos industriais vitais para o declínio do potencial de guerra do inimigo, do qual não devem ser desviados. A solução positiva para este problema é a vitória o mais precoce possível sobre a Alemanha, para o que devemos usar todos os nossos meios.

e. Este caso não tem paralelo com a missão de Amiens devido à localização dos campos de concentração e extermínio e às dificuldades resultantes encontradas na tentativa de realizar o bombardeio proposto.

Com base no acima exposto, bem como no efeito mais incerto, senão perigoso, que tal bombardeio teria sobre o objetivo a ser alcançado, o Departamento de Guerra considerou que não deveria, pelo menos por enquanto, empreender essas operações.

Sei que você tem relutado em insistir nessa atividade no Departamento de Guerra. Temos sido fortemente pressionados por outros setores, no entanto, e recebemos a melhor opinião militar sobre sua viabilidade, e acreditamos que a conclusão acima é sólida.

Sinceramente,

John McCloy
Secretário Adjunto de Guerra

Baixe nosso aplicativo móvel para acesso móvel à Biblioteca Virtual Judaica


Referat & amp citat = história contemporânea europeia e política de amp: * Raoul Wallenberg

————————————————————————–
(102.): THE SVENSKA DAGBLADET (SvD): 1944, 5 de novembro: «OS SUECOS EM BUDAPESTE ESTÃO SEGUROS:»
———————————————————————-
SvD: - - - » A legação sueca em Budapeste, estiveram em contato por Berlim, já que as linhas telefônicas foram interrompidas agora. »(Uma lista dos presentes e locais conhecidos, é publicada :) (* Mas Raoul Wallenberg não é mencionado aqui, mas nem o secretário Lars Berg, e Yngve Ekmark, cônsul, a seção B.)
———————————————————————-
O SvD, 21 de outubro de 1944: »Os primeiros suecos chegando de Budapeste. »
———————————————————————-
SvD: » euNa permanência da legação: O ministro, o enviado Ivan Danielsson, o adido P.J. V. Raiva com a família, o leitor Valdemar Langlet, os escriturários D. von Mezey, Göte Carlsson e as datilógrafas Birgit Brulin e Margareta Bauer. »- - -
————————————————————————–
Ivan DANIELSSON: Pró-alemão, anti-soviético, png, duas vezes / Espanha 1937 / Egito, 1942. (C. McKay)
————————————————————————–
Laszlo ALMASY:

«O paciente inglês», implicado na espionagem egípcia da Abwehr, 1942, onde Craig McKay, mencionou, ambos Danielsson e Almasy. Chegou a Budapeste em 1944, e devido à triologia de K.Schandl, Almasy, talvez tenha conhecido Wallenberg em Budapeste. Schandl afirma que Almasy, um piloto húngaro, foi «ordenado» a colaborar com o German Afrika Corps, 1942, (Axis) e era agente duplo do MI6 na Turquia, 1943.

Ele salvou alguns judeus, em Budapeste, escondendo-os em seu apartamento, um húngaro campeão de esgrima Olym-pic, conseguindo passaportes suecos e levando-os para um dos esconderijos de Wallenberg. Ele morava na Avenida Miklos Horthy, no 29., (* hoje Avenida Bela Bartok) adjacente ao Hotel Gellert. Dez minutos a pé da legação sueca./* Fonte: K. Schandl.
———————————————————————-
Por ANGER: secretário : o C-bureau / pro-U.S., (* fonte: Jan Bergman 2014)
———————————————————————-
Lars BERG: Secretário.
———————————————————————-
Göte CARLSSON: balconista: Visto como anti-soviético, como cônsul Yngve EKMARK./(SvD 1991)
———————————————————————-
Tenente Coronel Harry WESTER : Adido militar, pró-alemão, adido militar anti-soviético.
———————————————————————-
Hermann GROSHEIM-KRISKO: é claro que não é mencionado aqui, alias « Henry Thomsen ». A seção B, Fremde Heere Ost / Abwehr / Gehlen, Deutsche Wirtschafts-organizações. (pilhagem) Provavelmente sabiam, os Gross-Nazis: Otto Braun/ Agente alemão desde 1930 na Hungria e AA /Hermann Neubacher, Autoridades alemãs nos Bálcãs, mas ninguém reivindicou esta possibilidade óbvia.
———————————————————————-
Margareta BAUER:
Estudos universitários de Lund, recrutados para o C-bureau, por *Gunnar Jarring (fonte: Jan Berg-man 2014) o conhecido diplomata sueco, ele mesmo recrutado por Helmuth Ternberg, 1940 (memórias Jarring). Pai de Bauer, médico, prob. dos círculos direitos / conservadores.

Margareta Bauer conhecia o homem.dir. Tor Olsson em Berlim, no Barnängens AB , 1939, propriedade de Harald Nordenson (* certo, industrial pró-alemão, / convidado Raoul's c-party, 1943). Ela serviu lá na legação sueca, Berlin e Warzaw, e (muito) mais tarde, no pós-guerra, casou-se com Tor Olsson.

(Legação Warzaw, 26 de agosto de 1939: «- - -A senhorita Bauer tinha ficado um pouco tola, ela parecia não ter as qualidades necessárias. Ontem devo no último minuto, evitando que ela enviasse a chave-enclair, junto com o telegrama cifrado. Que erro, um desastre, sem dúvida! Vamos entrar em contato (em Estocolmo / UD) e solicitar a Sra. Eriksson, em vez disso, quando ela chegar, vamos mandar a Sra. Bauer de volta para casa.- - - »/ Fonte: Diário de Sven Grafström: (1989).

(* Carl Petersén/ mais tarde chefe do C-bureau militar, foi então adido militar, em Berlim, e fez hediondas expressões anti-semitas, devido ao diário de Grafström.)
———————————————————————
Birgit BRULIN:
O pai dela , Herman Brulin, foi pró-alemão, historiador, (KarlXII) graduado. arquivista, escreveu uma vez em Nordische Aufseher, / Nordische Gesellschaft, e no periódico das partes certas, «Svensk tidskrift ", com Elis Håstad, (que levantou o parlamento do caso Wallenberg / 1946) e ex-líder do partido Gösta Bagge. Sra. Brulin casou-se com o húngaro Bela Galantay, (1910-1962) pós-guerra, engenheiro da indústria Gamma, produtor de defesa.
———————————————————————-
Valdemar LANGLET: um homem de extrema direita, desde 1918, pró-alemão. (ver meus comentários anteriores)
———————————————————————-
»SvD / Outras pessoas são: o dono da propriedade: condessa Stella Andrassy (nee´ Kuylen-stierna) Sra Clarisse von Bayer -Krucsay, esposa do falecido cônsul geral sueco, von Bayer-Krucsay, seu filho e esposa Sixten e Edit von Bayer. »
————————————————————————-
Stella ANDRASSY: (nee Kuylenstierna),
Casou-se em 1919, com um conde húngaro, Emmerich (Imre) Andrassy, ​​adido militar, na Suécia, e vivia na Hungria, naturalizado, em grandes propriedades. 1944, eles devem fugir, para o Ocidente, para Budapeste, Bajza Utca. e depois para a Áustria e EUA. Publica o livro: Pustan brinner (1948) sobre a fuga da família.

(* No uma carta ao Aftonbladet, (AB) 16 de fevereiro de 1951, Maj von Dardel e Rudolph Philipp, Yngve Schartau, rejeitou a afirmação de Stella Andrassy em seu livro: Pustan brinner, (publ. 1948), «- que Raoul Wallenberg provavelmente 1945, chegou de Budapeste, a Sopron, onde deveria se encontrar com as forças americanas / britânicas, já que o primeiro era seu empregador. »- - - Isso foi contraproducente, devido à carta, pois Sopron era o Húngaro Arrow Cross do governo sede, de dezembro de 1944, e que o Wall-enberg-Committee, tinha outra melhor, informações confirmadas de seu destino. «)
———————————————————————-
Sra. Margit Collinder, ex-esposa do professor Björn Collinder.
Engenheiro Evald (Henry?) Fogelström, (prob. Elektro-invest / ASEA Yugoslavia / Subotica.) »
———————————————————————-
Sven Mauritz KARLSSON:
Dir. representando as indústrias JUNGNER. Produziu material de defesa para a Suécia / Ungern. Binóculos, miras aéreas, telêmetros, baterias, (NIFE) ao todo, cerca de 47 produtos para a defesa sueca.
———————————————————————-
Bertil HALLSTRÖM:
(man.dir.) (n.04.) STAB, 1928, Budafok, Hungria 1939, (DZZ-Zagreb), 1941, STAB (M / Magyar altalanos Gyufaipari RT = (MAGIRT), 1944. (primeiro casamento: (1934) -49): Sra. Silvia Valvenau: (b.13)

www /: - - -Silvia Valvenau: «Russische Flieger bombardieren die Donaustadt, deutsche Truppen rücken ein,« um Ungarn vor der herannahenden Sowjetarmee zu schützen ». Eine Bombe fliegt in den Obstgarten ihrer Villa. Das Leben wird hässlich. Mit dem schwedischen Gesandten Raoul Wallenberg besucht sie ein paarmal Transportzüge deportierter Juden am Bahnhof: «Wir steckten den armen Menschen Brot, Kekse und Zigaretten durch die Schlitze.» Dann rettet sie sich selber em den Westen. »- - -
———————————————————————-
Viktor Langhard (Grad. Agricultura) (Agrônomo) com filho, repr. Weibulls.
Ragnar Lundmark, homem de negocios
Clemens Heintges: (Prob. Engenheiro de máquina)
———————————————————————-
Eduard Max: filho ENGESTRÖM: Proprietário da propriedade:
Juris dr: Edvard Engeström foi declarado falido, na Suécia, em julho de 1931, e foi oficialmente solicitado, então, de Estocolmo, a entrar em contato com o advogado responsável.

(SvD.) Mas 1945 ele voltou 12 de setembro, para a Suécia, dizendo que tinha viajado de carro pela Hungria e de Praga. Engeström foi dito buzy para encerrar a propriedade Moszgo de sua esposa Ilona. As duas filhas Astrid e Ilona (Illy) ficaram todo o ano de 1945 na Suécia. Astrid casou-se com Etienne (Antal?) Bolza, 1948, e Ilona, ​​(em Stigtomta) casou-se com István von Ujfalussy, (graduação em agricultura): em Estocolmo, 1947, Enge-ström / Biedermann e Turony, na presença de Graf Felix von Luckner, (casado com a irmã de Engeström, Ingeborg), e um secretário da legação brasileira. (ver até McKay. Trechos & # 8230
———————————————————————-
Sra. Ebba Imre, esposa do professor de oftalmologia: professor Imre.
Sra. Elsa Fargo, Sr. Arne Johansson, Sr. Hjalmar Edbjörn, (engenheiro) Sr. Ernst Elgerus.
Sra. Katarina Hartman, Frida Lustig, Eva Österberg, Hjördis Maria Settergren,
Sr. Björn Fenvi, Kjell Fenvi:
————————————————————————
Novas cidadanias suecas:
————————————————————————
Sra. Margit Benes: (proprietária)
Sra. Gisela och Lilly Benkö,
Sra. Eva och Alice Eismann,
Sr. Bela Galantai
Sra. Janka Miklos.
Sra. Elisabeth Sandor, e Sr. Ladislaus Else, Peter Alex, Turai.
————————————————————————–
Bela GALANTAY:
Engenheiro, as indústrias GAMMA. (Noiva de Birgit Brulin, casada no pós-guerra na Suécia.)

Esta indústria, produziu defencemateriel na Suécia, em cooperação com a Arenco AB / (Juhasz) AB. A indústria Gamma esteve desde 1930 profundamente envolvida na indústria de defesa sueca, com dispositivos de mira avançados para artilharia antiaérea, as patentes Gamma-Juhasz. (Talvez o Bofors AB, então na esfera de Wallenberg.) (Gamma Fein-mechanische & amp Optische Werke Ungarn / Budapest). Até mesmo produziu rádios e bússolas, teodolitos.

(O código alemão da Wehrmacht para os produtos Gamma era «kwc»: cada produtor alemão de def-ence, tinha um código carimbado, provavelmente não identificado para fins de inteligência. Isso não quer dizer (!) Que Galantay foi trabalhando em alguma seção da produção de defesa, ou qualquer outra especulação.
———————————————————————-
CONCLUSÕES:
———————————————————————-
Nesta lista no Svenska Dagbladet, 5 de novembro de 1944, Raoul Wallenberg não foi mencionado, (como Berg, Ekmark) mas outros suecos de talvez interesses, para o serviço secreto soviético. (* Wallenberg já havia sido mencionado em público antes, em 1944, na imprensa / mídia sueca sobre seu resgate?) O pessoal da legação parece pró-alemão, em toda parte, não incomum no corpo diplomático daqueles anos.

(* Helene Carlbäck, historiador afirmou que os russos viram a legação sueca, principalmente assistida, não apenas judeus, mas húngaros, alemães, italianos, nazistas, imigrantes «whiterussianos», refugiados durante o outono de 1944, ondas vindas da Romênia e da Hungria, para evite ser pego pela ofensiva do Exército Vermelho./DN (1991)
————————————————————————
(5 de novembro de 1944: A União Soviética recusou-se a aceitar a oferta da Suíça de estabelecer relações diplomáticas. O Ministério das Relações Exteriores da Suécia percebeu isso e talvez tirou algumas conclusões? )
————————————————————————
Edvard Engeström, McKay reivindicações tratadas em armas: (1.) Bofors AB. Dir. Sven Mauritz Karlsson representou: (2.) Indústrias Jungner suecas, produtores de defesa e Bela Galantay, engenheiro em (3.) Indústrias Gama (Budapest / Juhasz bros.) Desde 1930 (Galantay poderia ter sido representado pelo Gamma, desconhecido), então na produção de defesa sueca (Arenco), desde o início dos anos 1930. (* George Vogl, refugiado da Tchecoslováquia em 1939, para a Suécia, especializado em ótica, para a indústria de defesa, serviu sua vida, nas indústrias Jungner.)

(1945: O jornal comunista Norrskensflamman, adicionou um nome à lista de Budapeste-suecos: Sr. Margel, talvez húngaro, & # 8221acusando os russos do saque geral de Buda-peste, e até mesmo dele, muitos tapetes persas, e dois milhões de Schweizerfranc, mas o jornal acrescenta: & # 8221 Aqueles pessoas que o conheceram há dois anos, em Budapeste, atestam, então ele não tinha & # 8217t & # 8221não uma camisa & # 8221 e nenhum valor. (Fonte desconhecida.)


História da cultura pop de 1944, curiosidades e curiosidades

Primeiras, invenções e maravilhas:
A primeira edição de Revista de Eventos Humanos foi publicado em Washington, D.C.

O United Negro College Fund foi incorporado.

o New York Times não mencionou a palavra & # 8216pizza até & # 8217 1944, 40 anos após a chegada da primeira pizzaria à cidade de Nova York.

A versão original de The Glass Menagerie, de Tennessee Williams, estreou em Chicago.

Florence Foster Jenkins deu um recital no Carnegie Hall.

Notícias da cultura pop:
Em 1944, Mary Babnik Brown se tornou a primeira mulher a ter seu cabelo usado em mira para miras de bombas de aviões militares. O cabelo tinha que obedecer a critérios estritos como ser loiro, ter mais de 22 centímetros de comprimento e nunca ter sido tratado com produtos químicos ou ferros quentes.

Hitler deu ordens para destruir Paris na véspera da libertação dos aliados em 1944, mas o general alemão nazista Dietrich von Choltitz (no comando) deliberadamente ignorou a ordem. O francês Pierre Taittinger provavelmente o convenceu a não dar a ordem.

Os Jogos Olímpicos de Verão de 1944, agendados para Londres (juntamente com os Jogos Olímpicos de Inverno de fevereiro agendados para Cortina d & # 8217Ampezzo na Itália), foram suspensos devido à Segunda Guerra Mundial.

Baseball Legend Jackie Robinson was once ordered to move to the back of a bus while in uniform. Robinson refused and received a court-martial. An army court found that Robinson was completely within his rights, and fully acquitted the future baseball star.

Big Band composer/musician Glenn Miller went missing in action over the English Channel in 1944 and no trace of him has ever been found.

In 1944, Russia captured an American B-29 bomber. Stalin demanded exact clones be made for the Russian air force. A small hole was found on the left wing of the captured aircraft as a result of a manufacturing mistake. All Russian TU-4 bombers included the unnecessary hole in the left wing. #copycat

The term ‘Gaslighting’ comes from a 1938 play and a 1944 movie called Gas Light.

Hans Asperger published his paper on Asperger syndrome. He later said “It seems that for success in science and art, a dash of autism is essential. The necessary ingredient may be an ability to turn away from the everyday world, to rethink a subject with originality so as to create in new untrodden ways.”

The US and the USSR’s only direct military confrontation happened in October 1944, over the Serbian town of Niš, Serbia. It is considered top secret by both governments, and the exact number of casualties is unknown.

The cause of Celiac (Coeliac) Disease, the intolerance to gluten, was discovered during the Dutch famine of 1944 when wheat was scarce.

A crossword puzzle was printed in The Daily Telegraph with some answers containing D-Day operation “code names”, which sent MI-5 into a panic thinking their invasion plans had been discovered. The code words included: Utah, Neptune, Omaha, Mulberry, and Overlord.

The New York Dodgers, Giants, and Yankees played a “tri-cornered game,” which consisted of all three teams competing against each other and rotating between fielding, batting, and resting.

The Disasters:
Over 100 children died among the 167 deaths in The Hartford Circus Fire, one of the worst fire disasters in the history of the United States.

Cleveland East Ohio Gas Explosion: An above-ground natural gas storage tank began to leak. The gas eventually made its way into the sewers of Cleveland and ignited, blowing manhole covers miles away and shooting flames up through the plumbing of homes. 130 people were killed.

Popular Quotes:
“You know how to whistle, don’t you, Steve? You just put your lips together and blow”
– Lauren Bacall, in To Have and to Have Not

“Only you can prevent forest fires”
– United States Forest Service


Panther ausf. A in Alsace November 1944

Postado por vinc62 » 09 Aug 2013, 08:28

Ten years ago, I went in a small town in Alsace called Obenheim, south of Strasbourg. There was a Panther barrel scelled on a little wall, and there was also a board on which it was written that this Panther wa destroyed in Obenheim on the 30 November 1944.

Recently, i've read on the french site http://www.lyceelyautey.org/marocomb/pl . apo_page=1 that there were at least 2 Panthers destroyed in the nearby town of Gerstheim, by the French 2ème Division Blindée in the same period. After some researches, one told me that the unit which the Panthers belonged to was probably the Panzer-Brigade 106 Feldherrnhalle.

Does anyone can confirm this ? Is it possible for someone to post a list of the german units involved in the battles of Obenheim and Gerstheim ?

I try to put photos of these Panthers.

Re: Panther ausf. A in Alsace November 1944

Postado por uli » 09 Aug 2013, 18:30

The second Panther at Gerstheim ?

I think PzBrig 106 was the only unit with Panthers in November 1944 near Gerstheim

The unit history of 106 surrvied the war. The book "Die Panzerbrigade 106 FHH - (Feldherrnhalle) Eine Dokumentation über den Einsatz im Westen vom Juli 1944 - Mai 1945" by Friedrich Bruns is sometimes available on amazon for some Euros.

Re: Panther ausf. A in Alsace November 1944

Postado por vinc62 » 09 Aug 2013, 20:48

thank you for your infos and for your link. I'm sorry, but I don't speak german, so, is the Bruns' book available in english ?

I see you live in Germany. I've been to this country several times, once in 1994 and frequently between 2001 and 2004. In fact, I've lived in Strasbourg. In 1994 i've visited Aachen, it's a beautiful city. In the 2000's, I liked to walk in the Schwartzwald towards Offenburg, Lahr-im-Schwartzwald. I've been also in Stuttgart, also a beautiful city. The german landscapes that i've seen are very great !


Operação Tocha

Operation Torch was the name given to the Allied invasion of French North Africa in November 1942. Operation Torch was the first time the British and Americans had jointly worked on an invasion plan together.

Stalin’s Russia had been pressing the Allies to start a new front against the Germans in the western sector of the war in Europe. In 1942, the British did not feel strong enough to attack Germany via France but the victory at El Alamein in November 1942 was a great stimulus to the Allies to attack the Axis forces in North Africa. Though American military commanders were confident about a successful landing in France, the British got their way when Roosevelt supported Churchill’s request that the Allies prepare for the French North African option.

From North Africa, the plan was to invade Sicily and then on to mainland Italy and move up the so-called “soft underbelly” of Europe. Victory in the region would also do a great deal to clear the Mediterranean Sea of Axis shipping and leave it more free for the Allies to use.

The Allies planned to invade Morocco and Algeria. Both these countries were under the nominal rule of Vichy France. As the Vichy government in France was seen by the Allies to be in collaboration with Nazi Germany, both North African states were considered to be legitimate targets.

There were about 60,000 French troops in Morocco with a small naval fleet based at Casablanca. Rather than fight the French, plans were made to gain the cooperation of the French army. General Eisenhower was given command of Operation Torch and in the planning phase he set up his headquarters in Gibraltar.

An American consul based in Algiers – Robert Daniel Murphy – was tasked with sounding out how cooperative the French army would be. On October 21st 1942, a senior American general, Mark Clark, was sent by submarine to Cherchell to meet with senior French army officers based in French North Africa.

The key to Torch was a successful amphibious landing. Three landing sites were chosen – Casablanca, Oran and Algiers.

The Western Task Force was to land near Casablanca at Safi, Rabat and Mehdia and Major-General George Patton commanded it. 35,000 troops were in this task force.

The Central Task Force was to land at Oran. It was commanded by Major-General Lloyd Fredendall. 18,500 troops were in this task force.

The Eastern Task Force was to land at Algiers and General Ryder commanded it. 20,000 troops were in this task force.

The landings started before daybreak on November 8th. There was no preliminary air or naval bombardment as the Allies hoped that the French based at the three landing zones would not resist the landings. French coastal batteries did fire at transport ships but Allied naval gunfire retaliated. However, French sniper fire proved more difficult to resolve. Carrier-based planes were needed at the landing beaches to deal with the unexpected and unwanted French resistance.

The resistance put up by the French was more an inconvenience as opposed to a major military problem. The key target for Patton was the capture of Casablanca. This he achieved on November 10th when he took the city unopposed, just two days after landing.

One problem faced at Oran was the fact that the beach had not been suitably investigated by those who wished to land 18,500 men on it and a sizeable amount of equipment. The landing crafts found that the water was unusually shallow and damage was caused to some of the landing craft. Such mistakes were learned from and taken into account for the landings at D-Day in June 1944.

At Oran some ships from the French Navy attempted to attack the Allied invasion fleet but were sunk or driven ashore. French troops at Oran finally surrendered on November 9th after their positions were attacked by gunfire from a British battleship.

Operation Torch also saw the first large scale American airborne drop when the US 509th Parachute Regiment captured two airfields near Oran.

The landing at Algiers was aided by an attempted coup within the city by pro-Allied forces. Therefore, the Vichy government in Algiers was more concerned with putting down this coup than with countering the Allies landing on the beaches. By 18.00, the city had surrendered to the Allies.

The landings at all three beaches were highly successful. French resistance had been minimal as were Allied casualties. After consolidating their forces, the Allies moved out into Tunisia. After Montgomery’s success at El Alamein, the Afrika Korps was in retreat. However, the further it moved west from El Alamein, the nearer it got to the recently landed Allied troops.

Though damaged, the Afrika Korps was still a potent fighting force as the Allies found out at Faid Pass and at the Kasserine Pass. However, the might of two advancing Allied armies meant that it was trapped and on May 7th, 1943, the Afrika Korps surrendered. Whether the surrender would have come about so quickly without the success of Operation Torch is open to question.


When did Germans know the war was lost?

Postado por CJK1990 » 19 May 2010, 00:38

Re: When did Germans know the war was lost?

Postado por Svetlana Karlin » 19 May 2010, 03:40

It seems the doubts started to appear among the Wehrmacht soldiers in winter 1942/43 (Battle of Stalingrad).
By summer of 1944 the skepticism about the chances of Germany winning the war became widespread.

Gunther K. Koschorrek wrote in his book, "Blood Red Snow. The Memoirs of a German Soldier on the Eastern Front":

Wounded in December 1942, the author was put on a hospital train together with several soldiers flown out of the encircled 6th Army at Stalingrad.

"One soldier with a bandage round his head, and who only can see out of one eye, ridicules the latest Army radio report, which plays down the disaster in Stalingrad and refers to the defeat of the Sixth Army in a highly stylised propaganda report about the willingness of the German soldier to make a heroic stand."

Still, the author noted that the few acquaintances back home in Insterbrug, who questioned him about the Eastern Front, did not believe the information about the dampening morale of the German troops there.

The other memoir, "A Mind in Prison" by Bruno Manz, stated that in June 1944 the public was already losing faith in the Nazi leadership:

The author was on a home leave in June 1944. He served in Finland, which was a relatively quiet area compared to the the Eastern front.

"As I was reentering my railcar, I overheard the conversation of two officers. They used an expression I had never heard before, but would hear with increasing frequency in the months ahead, particularly after the war. It was Gröfaz, a sardonic acronym for Grösser Feldherr aller Zeiten (greatest military genius of all times). At the time I did not understand its meaning, much less its ridicule, but I had the uneasy feeling that it was an unflattering nickname for Hitler. After the war I learned that it was used mainly by disillusioned officers and other people, who as far as information was concerned, were more privileged than I was."

In the same chapter the author noted that his civilian father, an eager Nazi, was depressed about the war developments, but still hoped for the situation to reverse itself.

Based on this and other wartime memoirs and personal accounts, it seems that doubts about the war outcome were likely to start developing after the Battle of Stalingrad. When Allies landed in Normandy, the disappointment with Hitler's leadership became common.


Assista o vídeo: Call of Duty WW2 - Factory of Death November 14, 1944 Veteran