Combate de Beinette, 14 de outubro de 1799

Combate de Beinette, 14 de outubro de 1799

Combate de Beinette, 14 de outubro de 1799

O combate de Beinette (14 de outubro de 1799) foi uma das ações menores travadas em torno de Cuneo enquanto os franceses sob Championnet tentavam impedir os austríacos de atacar a cidade, que era seu último reduto nas planícies do norte da Itália.

Em 11 de outubro, Championnet mudou seu quartel-general para Cuneo. Nesse ponto, a aldeia de Beinette, quatro milhas a leste, fazia parte da linha de postos avançados austríacos. Em 13 de outubro, Victor capturou a aldeia, mas Melas estava determinado a mantê-la.

Às oito da manhã de 14 de outubro, uma força austríaca de seis batalhões e 500 cavalaria, sob o comando do general Mitrowsky, atacou a aldeia e a retomou. Os franceses, ainda sob o comando de Victor, fizeram duas ou três tentativas de recapturar a aldeia, mas todas as vezes foram repelidos. Durante um desses ataques, grande parte de um batalhão francês foi capturada. A luta só terminou ao anoitecer. As perdas francesas podem ter chegado a 1.000, incluindo o batalhão capturado, enquanto os austríacos perderam de 200 a 300 homens.

A luta em torno de Cuneo que convenceu Championnet de que ele precisava lutar uma grande ação antes do inverno encerrar a campanha. A batalha resultante de Genola (4 de novembro de 1799) foi travada nas planícies ao norte de Cuneo, e foi uma grande vitória austríaca que deixou Cuneo exposto ao cerco.

Página inicial napoleônica | Livros sobre as Guerras Napoleônicas | Índice de assuntos: Guerras Napoleônicas


Arquivo: Europa 1799 monarquias, repúblicas e terras eclesiásticas.png

Clique em uma data / hora para ver o arquivo como ele apareceu naquele momento.

Data horaMiniaturaDimensõesDo utilizadorComente
atual16:21, 30 de outubro de 20162.000 × 2.027 (438 KB) Nederlandse Leeuw (conversa | contribs) Corrigiu as fronteiras da Polônia particionada. Eu havia confundido as fronteiras de 1815 e 1795. A Galícia Ocidental, incluindo Cracóvia, pertencia à Áustria, o restante do Congresso posterior Polônia + Białystok à Prússia, não à Rússia.
05:52, 30 de outubro de 20162.000 × 2.027 (440 KB) Nederlandse Leeuw (conversa | contribs) República da Cisrênia adicionada. Embora fosse & # 039 & # 039 de facto & # 039 & # 039 subsumido pela França em 1798 (departamentalização), a anexação formal foi adiada até 1802.
05:16, 30 de outubro de 20162.000 × 2.027 (437 KB) Nederlandse Leeuw (conversa | contribs) Página criada pelo usuário com UploadWizard

Você não pode sobrescrever este arquivo.


USS Enterprise (CV 6)

Provavelmente o mais famoso USS Enterprise (CV 6), um porta-aviões, foi comissionado em 12 de maio de 1938. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela participou de quase todas as grandes batalhas e foi o único porta-aviões dos EUA operando no Pacífico às vezes. Sua primeira ação na guerra veio no primeiro dia do envolvimento dos Estados Unidos, quando sua aeronave duelou com os atacantes japoneses em Pearl Harbor. No início de 1942 ela escoltou o USS Hornet no famoso Doolittle Raid em Tóquio, e estava correndo para o sul para se juntar à Batalha do Mar de Coral quando foi chamada de volta a Pearl para se preparar para a Batalha de Midway. Na Midway, sua aeronave participou do naufrágio de três porta-aviões japoneses, encerrando a ofensiva japonesa no Pacífico. Ela lutou com distinção pelo resto da guerra, coletando 20 das 22 estrelas de combate possíveis, afundando 71 navios inimigos e abatendo 911 aeronaves. Ela foi o navio mais condecorado da guerra.

Empresa (CV 6) concluída. O tamanho de sua asa de ar inicial é claramente mostrado, junto com a estiva de barcos em tempos de paz e um armamento relativamente leve. (Foto oficial USN)

Enterprise (CV 6) após uma grande revisão / remontagem em Puget Sound em 1943. A remontagem reparou o desgaste da guerra e atualizou e modernizou o navio para o serviço durante o restante da guerra. (Foto oficial da USN)

Outra visão da Enterprise após sua revisão no meio da guerra. (Foto oficial USN)

Uma visão aérea da Enterprise após sua reforma no meio da guerra. (Foto oficial USN)

A USS Enterprise foi gravemente danificada por um Kamikaze em 14 de maio de 1945 e os reparos a mantiveram fora de serviço até o final da guerra. No pós-guerra, ela serviu como uma tropa, trazendo mais de 10.000 americanos para casa. Em 1946, ela foi proposta para doação a Nova York como um navio-museu, mas a doação foi cancelada. Ela foi desativada em 17 de fevereiro de 1947 e colocada na reserva. Uma proposta de 1949 para operá-la como um museu da Marinha em San Francisco falhou. Ela foi reclassificada como porta-aviões de ataque em 1 ° de outubro de 1952 e tornou-se porta-aviões anti-submarino em 8 de agosto de 1953. Em 2 de outubro de 1956, foi retirada do Registro de Embarcações Navais e iniciou-se um esforço final para preservá-la como museu em Washington D.C. No entanto, a Enterprise Association teve apenas 6 meses para levantar os $ 2 milhões necessários para preservá-la, e o esforço do museu nunca teve uma chance. A Marinha e a Associação Empresarial chegaram a um acordo para permitir que a Marinha se desfizesse do navio: a Marinha concordou em nomear o primeiro porta-aviões com motor nuclear Enterprise, permitiu que a Associação nomeasse a torre do elevador no novo estádio em Annapolis em homenagem a o navio e concordou em dar à Associação todas as peças do navio que eles quisessem como memorial alternativo. Isso incluiria colocar seu mastro no topo da torre do elevador, mas essa parte do acordo não deu certo. O transportador foi vendido para a Lipsett, Inc. em 1 de julho de 1958 por $ 561.333 e foi rebocado para Kearny, NJ para sucateamento. A separação começou na primavera de 1959 e durou cerca de um ano. Em março de 1960, sua quilha foi puxada para um terreno de praia para demolição final.

ex-Enterprise aguardando os disjuntores, final de 1958. (Foto cedida por Paolo Pizzi)

O mastro foi cortado e colocado no convés no final de 1958. (Foto cedida por Paolo Pizzi)

Desfazendo o arco, final de 1959. (Foto cedida por Paolo Pizzi)


Ponto oeste

Notório como o traidor que tentou entregar West Point aos britânicos, Arnold teve uma carreira distinta no Exército Continental antes de mudar de lado durante a guerra.

Enciclopédia Digital

John andre

O major John André foi o oficial britânico designado para trabalhar com Benedict Arnold para entregar West Point aos britânicos.

Sítio Histórico

West Point Museum

Aprenda sobre a história de West Point, desde seu tempo como um complexo de fortaleza durante a Guerra da Independência Americana até seu uso atual na sede da Academia Militar dos Estados Unidos.

West Point desempenhou um papel crucial em evitar que os novos Estados Unidos caíssem nas mãos dos britânicos durante a Revolução Americana, nos anos anteriores à região se tornar conhecida por sua famosa academia militar. West Point está localizado em um planalto na margem oeste do rio Hudson, aproximadamente 60 milhas ao norte da cidade de Nova York. Em 1781, George Washington chamou o local fortificado de "o posto mais importante da América" ​​e trabalhou para manter o controle dos Patriotas de West Point durante a Guerra Revolucionária. 1

Para os revolucionários, manter West Point significava impedir os britânicos de controlar o rio Hudson e dividir as colônias em duas. Em novembro de 1775, um comitê do Congresso que informava sobre as fortificações no Hudson recomendou pela primeira vez ocupar o cargo. 2 Em julho de 1776, West Point se tornou um dos quatro pontos ao longo do rio Hudson a obstruir a navegação britânica. Em dezembro de 1777, Washington explicou a importância do Hudson ao general Israel Putnam. Como o rio corria por toda Nova York, o Hudson era crucial para o transporte de alimentos e suprimentos, bem como para a comunicação entre os novos estados. 3

Em 1778, os americanos iniciaram um esforço ambicioso para construir fortificações permanentes em West Point. O coronel Louis de la Radiere serviu como o engenheiro-chefe original, até que o governador de Nova York, George Clinton, considerou Radiere como carente do conhecimento profissional necessário. O talentoso engenheiro militar polonês Tadeusz Kosciuszko substituiu Radiere. O general Alexander McDougall, que Washington nomeou para comandar as Terras Altas do Hudson, descreveu Kosciuszko como & ldquoesteemed por aqueles que participaram das obras em West Point, por ter mais prática do que o coronel DeLaradiere e sua maneira de tratar as pessoas de forma mais aceitável. & Rdquo 4

Washington acompanhou de perto o progresso do fort & rsquos e considerou McDougall & rsquos a primeira prioridade. Em junho de 1779, Washington temeu que o general britânico Sir Henry Clinton atacasse West Point e & ldquointerrompesse nossa comunicação mais fácil entre os estados do leste e do sul, abrisse uma nova fonte de suprimentos para eles e uma nova porta para afligir e desafiar o país. & Rdquo 5

Duas vezes durante a guerra, o medo de Washington de perder West Point quase se concretizou. Na primeira vez, em 1º de junho de 1779, os britânicos capturaram dois pequenos fortes, Stony Point e Verplanck & rsquos Point, 12 milhas ao sul de West Point. Washington rapidamente moveu suas tropas para o alto do Hudson para bloquear o avanço britânico. O general americano Anthony Wayne liderou um ataque noturno surpresa em Stony Point e conseguiu recapturar o forte. O episódio levou Washington a lembrar McDougall do & ldquofirst em magnitude e importância & rdquo de West Point & ldquo e com toda a probabilidade o real dos projetos do inimigo & rdquo. & Rdquo 6

O segundo perigo resultou da traição de Benedict Arnold em 1780. Arnold chamou a atenção de Washington após a Batalha de Quebec no final de 1775 e novamente após a Batalha de Saratoga em outubro de 1777. A persistência de Arnold e forte liderança exemplificava as qualidades que Washington valorizava em seu oficiais. No entanto, Arnold ficou desencantado com o exército americano depois de ser preterido para promoções. Em maio de 1779, ele se tornou o comandante de operações na área da Filadélfia, mas também secretamente passou a fazer parte do exército britânico, recebendo 6.000 libras e uma comissão no exército britânico em troca de sua traição. 7

Depois de receber o comando do Hudson Highlands em junho de 1780, Arnold concordou em ajudar os britânicos a capturar West Point. A trama incluía capturar Washington enquanto ele jantava com Arnold em West Point. No entanto, o plano falhou porque o navio britânico Abutre nunca recebeu a mensagem quando Washington chegou em setembro de 1780. A trama de Arnold & rsquos foi descoberta mais tarde quando seu contato britânico, o major John Andr & eacute, foi capturado em 23 de setembro de 1780, enquanto carregava papéis de Arnold & rsquos. A traição afetou pessoalmente Washington porque ele confiava em Arnold. “Ele [Arnold] parece ter sido tão vulgar em vilania e tão perdido para todo o senso de honra”, escreveu Washington sobre seu ex-oficial. 8

Depois da guerra, vendo um exército permanente como perigoso, o Congresso desmobilizou as forças americanas, exceto por menos de cem homens em Fort Pitt e West Point. Mesmo com a dissolução do exército, Washington apoiou a criação de uma academia militar permanente. A Guerra Revolucionária deixou bem clara a falta de treinamento militar formal na América. Em 1790, o Secretário da Guerra Henry Knox e o Secretário do Tesouro Alexander Hamilton fizeram a primeira recomendação oficial para uma academia militar. Eles preferiam West Point como local da academia porque sua localização e fortificações dificultariam o cerco dos inimigos. O Congresso rejeitou a proposta, apesar de ter recentemente obtido a posse total de West Point ao indenizar Stephen Moore, o cidadão particular que possuía as terras do forte.

Em 1794, o presidente Washington estabeleceu a primeira escola para artilheiros e engenheiros em West Point. Ele continuou fazendo recomendações ao Congresso para estabelecer uma academia militar nacional, mas a divisão partidária emergente entre federalistas e republicanos democratas impediu o corpo de agir. Em resposta, em 1799, Hamilton escreveu que a & ldquoa Academia Militar regular me parece indispensável. & Rdquo 9

Em 1802, durante a presidência de Thomas Jefferson & rsquos, o Military Peace Establishment Act criou a Academia Militar dos Estados Unidos em West Point. Quase nada mudou na estrutura de West Point e rsquos desde a Revolução Americana. Tinha dois andares, pouco maior que uma escola. No entanto, Jefferson transformou a academia em um centro de treinamento de oficiais do exército com alianças com o partido democrata-republicano.

Hoje, West Point continua sendo a academia de treinamento de oficiais do Exército dos EUA e inclui mais de 1.400 estruturas em 16.000 acres. A academia cumpre a visão de Washington de uma instituição que fornece ao corpo de oficiais da América um treinamento incomparável, em um ambiente à altura.

Emma Auburn
George Washington University

Notas:
1. "De George Washington a William Heath, 21 de março de 1781," Fundadores Online, Arquivos Nacionais.

2. Edward Boynton, História de West Point (Freeport, NY: Books for Libraries Press, 1970), 25.

3. "George Washington para Israel Putnam, 2 de dezembro de 1777," Os escritos de George Washington, ed. John C. Fitzpatrick (Washington, D.C .: Government Printing Office, 1931).

4. "Para George Washington do Major General Alexander McDougall, 13 de abril de 1778," Fundadores Online, Arquivos Nacionais. Fonte: Os papéis de George Washington, Revolutionary War Series, vol. 14, 1º de março de 1778? & Ndash? 30 de abril de 1778, ed. David R. Hoth (Charlottesville: University of Virginia Press, 2004), 496 e ndash8.

7. Edward Lengel, General George Washington (Nova York: Random House, 2005), 322-23.

8. "George Washington para John Laurens, 13 de outubro de 1780," Os escritos de George Washington, Vol. 20, 173.

9. "De Alexander Hamilton a James Wilkinson, 31 de outubro de 1799," Fundadores Online, Arquivos Nacionais. Fonte: Os papéis de Alexander Hamilton, Vol. 23 de abril de 1799? & Ndash? De outubro de 1799, ed. Harold C. Syrett (Nova York: Columbia University Press, 1976), 591 e ndash8.

Bibliografia:

Boynton, Edward. História de West Point. Freeport, NY: Books for Libraries Press, 1970.

Crackel, Theodore. Sr. Jefferson & rsquos Army. NY: New York University Press, 1987.

Ferling, John. Quase um milagre. Oxford: Oxford University Press, 2007.

Galloway, Bruce e Robert Johnson. West Point: America & rsquos Power Fraternity. NY: Simon and Schuster, 1973.

Lengel, Edward. General George Washington. NY: Random House, 2005.

Miller, Rod. West Point U.S. Military Academy: um tour arquitetônico. NY: Princeton Architectural Press, 2002.

Pula, James. Thaddeus Ko? Ciuszko: o filho mais puro da liberdade. NY: Hippocrene Books, 1999.

Weigley, Russell. História do Exército dos Estados Unidos. Blomington: Indiana University Press, 1984.


Combate de Beinette, 14 de outubro de 1799 - História

Considerando que, desde o fim da última guerra, o parlamento britânico, reivindicando um poder, de direito, de obrigar o povo da América por estatutos em todos os casos, tem, em alguns atos, expressamente imposto impostos sobre eles, e em outros, sob várias presenças, mas de fato com o propósito de levantar uma receita, impôs taxas e deveres a pagar nessas colônias, estabeleceu um conselho de comissários, com poderes inconstitucionais, e estendeu a jurisdição dos tribunais do almirantado, não apenas para cobrar o referido deveres, mas para o julgamento de causas meramente surgidas dentro do corpo de um município:

E considerando que, em conseqüência de outros estatutos, os juízes, que antes mantinham apenas propriedades à vontade em seus cargos, foram feitos dependentes da coroa apenas para seus salários, e exércitos permanentes mantidos em tempos de paz: E considerando que recentemente foi resolvido no parlamento, que por força de uma lei, feita no trigésimo quinto ano do reinado do rei Henrique VIII, os colonos podem ser transportados para a Inglaterra e julgados lá sob acusações de traições e erros de interpretação, ou encobrimento de traições cometidas no colônias, e por um estatuto tardio, tais julgamentos foram dirigidos nos casos aqui mencionados:

E considerando que, na última sessão do parlamento, três estatutos foram feitos, um intitulado "Um ato para interromper, na forma e pelo tempo que nele estão mencionados, o desembarque e desembarque, embarque ou embarque de mercadorias, mercadorias e mercadorias , na cidade e no porto de Boston, na província de Massachusetts-Bay na Nova Inglaterra "outro intitulado" Um ato para melhor regular o governo da província de Massachusetts-Bay na Nova Inglaterra "e outro intitulado, "Um ato para a administração imparcial da justiça, nos casos de pessoas questionadas por qualquer ato por elas praticado na execução da lei, ou para a supressão de motins e tumultos, na província de Massachusetts-Bay na Nova Inglaterra" e outro estatuto foi então feito, "para fazer provisões mais eficazes para o governo da província de Quebec, etc." Todos esses estatutos são indelicados, injustos e cruéis, bem como inconstitucionais e os mais perigosos e destrutivos dos direitos americanos:

E considerando que as assembléias foram frequentemente dissolvidas, ao contrário dos direitos do povo, quando tentavam deliberar sobre queixas e suas petições obedientes, humildes, leais e razoáveis ​​à coroa por reparação, foram repetidamente tratadas com desprezo, por seu Ministros de estado da Majestade:

As boas pessoas das várias colônias de New-Hampshire, Massachusetts-Bay, Rhode Island e Providence Plantations, Connecticut, Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia, Newcastle, Kent e Sussex em Delaware, Maryland, Virgínia, Carolina do Norte e a Carolina do Sul, justamente alarmada com esses procedimentos arbitrários do parlamento e da administração, elegeu separadamente, constituiu e nomeou deputados para se reunir e sentar no Congresso geral, na cidade de Filadélfia, a fim de obter tal estabelecimento, como o seu a religião, as leis e as liberdades não podem ser subvertidas: Diante do que os deputados assim nomeados, estando agora reunidos, em representação plena e livre dessas colônias, levando em consideração a sua mais séria consideração, os melhores meios para atingir os fins acima mencionados, o fazem, em em primeiro lugar, como os ingleses, seus ancestrais em casos semelhantes geralmente fizeram, para afirmar e reivindicar seus direitos e liberdades, DECLARAR,

Que os habitantes das colônias inglesas na América do Norte, pelas leis imutáveis ​​da natureza, os princípios da constituição inglesa e as diversas cartas ou pactos, têm os seguintes DIREITOS:

Resolvido, N.C.D. 1. Que eles têm direito à vida, liberdade e propriedade: e eles nunca cederam a qualquer potência estrangeira, o direito de dispor de qualquer um sem o seu consentimento.

Resolvido, N.C.D. 2. Que nossos ancestrais, que primeiro estabeleceram essas colônias, estavam, na época de sua emigração da metrópole, com todos os direitos, liberdades e imunidades de súditos livres e naturais, dentro do reino da Inglaterra.

Resolvido, N.C.D. 3. Que por tal emigração eles de forma alguma perderam, renunciaram ou perderam qualquer um desses direitos, mas que eram, e seus descendentes agora têm, direito ao exercício e gozo de todos eles, como suas circunstâncias locais e outras capacitá-los a se exercitar e desfrutar.

Resolvido, 4. Que a base da liberdade inglesa, e de todo governo livre, é um direito do povo de participar de seu conselho legislativo: e como os colonos ingleses não estão representados, e por suas circunstâncias locais e outras, não podem ser propriamente representados no parlamento britânico, eles têm direito a um poder de legislação livre e exclusivo em suas várias legislaturas provinciais, onde seu direito de representação só pode ser preservado, em todos os casos de tributação e política interna, sujeito apenas à negativa de seu soberano , da maneira que foi até agora usada e acostumada: Mas, pela necessidade do caso, e uma consideração ao interesse mútuo de ambos os países, consentimos alegremente com a operação de tais atos do parlamento britânico, como são genuínos, restrito à regulamentação de nosso comércio externo, com o propósito de assegurar as vantagens comerciais de todo o império à metrópole, e os benefícios comerciais de seu país. membros espetivos excluindo toda idéia de tributação interna ou externa, para arrecadar uma receita sobre os assuntos, na América, sem seu consentimento.

Resolvido, N.C.D. 5. Que as respectivas colônias têm direito à common law da Inglaterra e, mais especialmente, ao grande e inestimável privilégio de serem julgadas por seus pares da vizinhança, de acordo com o curso dessa lei.

Resolvido, N.C.D. 6. Que eles têm direito ao benefício dos estatutos ingleses, conforme existiam na época de sua colonização e que eles, por experiência, respectivamente, consideraram ser aplicáveis ​​às suas várias circunstâncias locais e outras.

Resolvido, N.C.D. 7. Que estas, as colônias de Sua Majestade, têm igualmente direito a todas as imunidades e privilégios concedidos e confirmados a eles por cartas reais, ou garantidos por seus vários códigos de leis provinciais.

Resolvido, N.C.D. 8. Que eles têm o direito de se reunir pacificamente, considerar suas queixas e fazer uma petição ao rei e que todos os processos, proclamações proibitivas e compromissos pelos mesmos são ilegais.

Resolvido, N.C.D. 9. Que manter um exército permanente nessas colônias, em tempos de paz, sem o consentimento da legislatura daquela colônia, na qual tal exército é mantido, é contra a lei.

Resolvido, N.C.D. 10. É indispensável ao bom governo, e tornado essencial pela constituição inglesa, que os ramos constituintes do legislativo sejam independentes uns dos outros que, portanto, o exercício do poder legislativo em várias colônias, por um conselho nomeado, durante o prazer , pela coroa, é inconstitucional, perigoso e destrutivo para a liberdade da legislação americana.

Todos e cada um dos referidos deputados, em nome de si próprios e de seus constituintes, reivindicam, exigem e insistem, como seus direitos e liberdades indubitáveis, que não podem ser legalmente tirados deles, alterados ou abreviados por qualquer poder, seja qual for, sem o seu consentimento, pelos seus representantes nas várias legislaturas provinciais.

No curso de nossa investigação, encontramos muitas infrações e violações dos direitos anteriores, que, a partir de um desejo ardente de que a harmonia e a relação mútua de afeto e interesse possam ser restauradas, deixamos de lado por enquanto, e passamos a declarar tal atos e medidas como foram adotados desde a última guerra, que demonstram um sistema formado para escravizar a América.

Resolvido, N.C.D. Que os seguintes atos do parlamento são infrações e violações dos direitos dos colonos e que a revogação deles é essencialmente necessária, a fim de restaurar a harmonia entre a Grã-Bretanha e as colônias americanas, viz.

Os vários atos de Geo. III. CH. 15 e ch. 34.-5 Geo. III. ch.25.-6 Geo. CH. 52.-7 Geo.III. CH. 41 e ch. 46.-8 Geo. III. CH. 22. que impõem deveres com a finalidade de obter receitas na América, estendem o poder dos tribunais do almirantado além de seus antigos limites, privam o sujeito americano de julgamento por júri, autorizam o certificado de juízes para indenizar o promotor de danos, para que ele possa de outra forma, estar sujeito a, exigindo segurança opressiva de um requerente de navios e mercadorias apreendidas, antes que ele seja autorizado a defender sua propriedade, e são subversivos dos direitos americanos.

Também 12 Geo. III. CH. 24, intitulado "Um ato para melhor proteger os estaleiros, revistas, navios, munições e armazéns de sua majestade", que declara um novo delito na América e priva o sujeito americano de um julgamento constitucional por júri do vizinho, ao autorizar o julgamento de qualquer pessoa, acusada de cometer qualquer crime descrito no referido ato, fora do reino, para ser indiciado e julgado pelo mesmo em qualquer condado ou comarca do reino.

Também os três atos aprovados na última sessão do parlamento, para parar o porto e bloquear o porto de Boston, para alterar o estatuto e governo de Massachusetts-Bay, e o que é intitulado, "Um ato para a melhor administração da justiça , etc. "

Também o ato aprovado na mesma sessão para estabelecer a religião católica romana, na província de Quebec, abolindo o sistema equitativo de leis inglesas, e erigindo uma tirania ali, ao grande perigo (de tão total dessemelhança de religião, lei e governo) das vizinhas colônias britânicas, com a ajuda de cujo sangue e tesouro o referido país foi conquistado da França.

Também o ato foi aprovado na mesma sessão, para melhor prover alojamentos adequados para oficiais e soldados a serviço de sua majestade, na América do Norte.

Além disso, manter um exército permanente em várias dessas colônias, em tempo de paz, sem o consentimento da legislatura daquela colônia, na qual esse exército é mantido, é contra a lei.

A esses atos e medidas dolorosas, os americanos não podem se submeter, mas na esperança de que seus colegas súditos na Grã-Bretanha, em uma revisão deles, nos devolvam àquele estado, no qual ambos os países encontraram felicidade e prosperidade, temos, por enquanto, apenas resolveu adotar as seguintes medidas pacíficas: 1. Celebrar um acordo ou associação de não importação, não consumo e não exportação. 2. Para preparar um discurso ao povo da Grã-Bretanha, e um memorial aos habitantes da América britânica: e 3. Para preparar um discurso leal a sua majestade, de acordo com as resoluções já tomadas.


História de Elizabethton

Sycamore Shoals, na convergência dos rios Doe e Watauga, foi também o local do maior negócio de terras privadas da história americana. Resultando na compra de 20 milhões de acres de terra, a Compra da Transilvânia marcou o início da expansão para o oeste e deu aos colonos todas as terras da bacia hidrográfica de Cumberland e se estendendo até o rio Kentucky.

Em 1780, 1100 homens se reuniram em Sycamore Shoals antes de fazer uma marcha de 14 dias para King's Mountain, na Carolina do Sul, onde enfrentaram e derrotaram a milícia britânica do major Patrick Ferguson.

História da Cidade
Embora Elizabethton tenha sido fundada em 1799 como a sede do condado de Carter County, a cidade não teve uma forma organizada de governo até os primeiros anos do século XX.

A legislatura nomeou uma comissão de cinco membros, Landon Carter, Reuben Thornton, Andrew Greer, Zachariah Campbell e David McNabb, para estabelecer uma sede de condado incluindo um tribunal e uma prisão.

O comitê selecionou uma área de 50 acres na base da Montanha Lynn, a leste do Rio Doe. Elizabethton foi nomeada em homenagem a Elizabeth MacLin Carter, esposa de Landon, que deu nome ao condado.

O terreno foi dividido em 77 lotes, a maioria dos quais continha meio acre. Todos os lotes, exceto dois, foram vendidos na loteria pública. Por um ato da legislatura aprovada em 23 de outubro de 1799, os 50 acres foram oficialmente reconhecidos como a cidade de Elizabethton.

Originalmente, a cidade estava localizada a leste do Rio Doe, mas em 1897 um novo 15º distrito foi formado a oeste de Doe e A.H. Taylor, um democrata, e R.T. Johnson, um republicano, foi eleito o primeiro magistrado a representar o novo distrito no Tribunal do Condado.

De acordo com uma "História posterior do condado de Carter", escrita pelo historiador local, Frank Merritt, vários residentes de Elizabethton se reuniram em 1903 com a esperança de incorporar uma sede de condado. No entanto, levou alguns anos para que seus esforços de incorporação fossem bem-sucedidos. A cidade de Elizabethton começou a operar sob uma nova carta patente em 13 de maio de 1905, quando o primeiro Conselho de Vereadores da cidade realizou uma reunião organizacional.

O primeiro prefeito foi R.A. Smith e vereadores eram W.S. Whiting, Samuel Shell, W.R. Allen, C.G. Beasley e S.E. Reynolds.

Em 1922, a forma de governo do Administrador Municipal foi adotada para substituir o Conselho de Vereadores. O primeiro prédio municipal foi construído em 1926 e ocupado em 1927. O prédio estava localizado no cruzamento da Rua Sycamore com a Avenida Hattie.

Outra alteração do regulamento foi feita em 1965 para a forma de governo do Conselho Administrativo da Cidade Modificado. No outono de 1989, a atual Prefeitura, localizada em frente à primeira Prefeitura, foi ocupada.

A cidade desde 1928 foi atendida por 28 prefeitos diferentes e, desde 1922, a cidade teve 15 diferentes administradores municipais.

Pessoas Notáveis
Richard Henderson
Em 17 de março de 1775, a Transylvania Company, liderada por Richard Henderson, estava envolvida na maior transação imobiliária privada da história dos Estados Unidos. Ele comprou 20 milhões de acres de terra dos índios Cherokee, que incluíam a bacia hidrográfica do rio Cumberland e terras no rio Kentucky.

Arrastando canoa
Como um dos chefes menores, Dragging Canoe, oposto à venda dos campos de caça ancestrais Cherokee, advertiu os brancos que eles estavam comprando um "terreno escuro e sangrento". Ele e seu bando de guerreiros insatisfeitos travariam guerra contra os colonos pelos próximos vinte anos.

John e Landon Carter
A Mansão Carter foi construída por volta de 1780 por John Carter e seu filho Landon. É a casa de madeira mais antiga do Tennessee. John Carter foi eleito Presidente do Tribunal nos termos dos Artigos da Associação Watauga.

John Sevier
John Sevier, o primeiro governador do Tennessee, viveu ao longo do rio Watauga por um breve período de tempo, e seu pai, Valentine Sevier, foi um dos primeiros proprietários no assentamento Watauga.

William Brownlow
Outro governador, William Brownlow, viveu em Elizabethton por um breve período de tempo e começou seu jornal "The Whig" aqui, mais tarde transferindo-o para Jonesborough.

Mary Stover
Elizabethton era a casa da Sra. Daniel (Mary) Stover, filha do presidente Andrew Johnson. O presidente morreu na casa dos Stover, localizada ao norte de Elizabethton, no rio Watauga.


John Clark

O documento de origem principal para este perfil é http://www.findagrave.com/cgi-bin/fg.cgi?page=gr&GRid=54389861. Há uma discrepância entre o texto desta fonte e a foto anexada à fonte. O texto afirma que John Clark III nasceu em 20 de outubro de 1725 em King and Queen County, Virgínia. A lápide da foto indica sua data de nascimento como 1728. A lápide é um memorial moderno construído em 1952. É possível que aqueles que colocaram a nova pedra tivessem a data incorreta inscrita. Também é possível que o autor do texto FindaGrave tenha cometido um erro. Até o momento, não temos nenhum documento-fonte melhor para a data de nascimento de John Clark, então essa discrepância permanecerá até que tal documento seja encontrado. Maria Edmonds-Zediker, curadora voluntária, 30/12/2012.

  • Nasceu em 1725 King and Queen County, Virgínia
  • Morreu em 1799 no Condado de Jefferson, Kentucky
  • Pais: Jonathan e Elizabeth (Wilson) Clark

Adicionador de informações de acordo com o & quotLineage Book of the Charter Members & quot de Mary S Lockwood do DAR:

Em nossas genealogias manuscritas da família, está escrito que John e sua esposa Ann moravam em Abermarle County, Virgínia. Eles se casaram em 1749 em K & amp Q (King and Queen?) County, Virginia.


Combate de Beinette, 14 de outubro de 1799 - História


Cronologia da Revolução Francesa: 1790

Se esses cronogramas da Revolução Francesa forem muito detalhados, verifique o Revolução Francesa - Principais Eventos , que são um resumo dos anos 1789-1799.

E vá aqui para o Guerras Napoleônicas 1803-1815 .

15 de janeiro de 1790
Mudança administrativa na França e mdash províncias são substituídos por 83 departamentos.

13 de fevereiro de 1790
Os votos monásticos são suprimidos por decreto. Monges e freiras devem reingressar na vida civil. Uma pensão é fornecida.

8 de março de 1790
A Assembleia Constituinte pondera a organização das colônias francesas e decreta a criação de Assembléias Coloniais.

E aqui está um mapa mundial das colônias

28 de março de 1790
Regarding the colonies, the Constituent Assembly decides that free men older than 25 years have the right to vote. This law will ruffle some feathers in the French colony of Saint Domingue, see October 1790 .



April 2, 1790
o Marquis de Sade is released from Charenton, an asylum for the insane.

April 17, 1790
Benjamin Franklin dies in Philadelphia.

April 27, 1790
o Club of the Cordeliers , in French Club des Cordeliers, is created. Those who had more time also called this club the Society of the Friends of the Rights of Man and of the Citizen , in French Soci t des Amis des Droits de l'Homme et du Citoyen.

What's with the name? The Franciscan friars were also called cordeliers, a partir de cordelle, the knotted cord which they wear around the waist. One of their convents, located at today's 15 Rue de l' cole-de-M decine, Paris, had been confiscated by the revolutionaries who henceforth used it as a meeting place.

The revolutionary club of the Cordeliers will be of significance until March 1794 (execution of Jacques-Ren H bert ).

May 10, 1790
Mirabeau accepts the post of secret adviser to Marie-Antoinette and Louis XVI. Nobody will find out until November 1792. By then, Mirabeau will be conveniently dead.

May 21, 1790
The National Assembly issues a decree that divides Paris from formerly 60 districts into now 48 sections (Municipal Law). Behind this decree was the desire to reorganize the electoral districts of Paris. This, in turn, was meant to support the new municipal government of Paris, the Commune.

o Commune de Paris was the municipal government of Paris from July 1789 until October 1795.

May 22, 1790
Decree as to the Right of War and Peace (D cret de D claration de paix au monde): Sparked by the Nootka crisis, the National Constituent Assembly issues a decree concerning the lawful procedure in case France was to declare war. War can only be declared by the National Assembly, and it needs to be sanctioned by the king.

o First Article reads:

"Le droit de la paix et de la guerre appartient la nation. La guerre ne pourra tre d cid e que par un d cret du Corps l gislatif, qui sera rendu sur la proposition formelle et n cessaire du Roi, et ensuite sanctionn par Sa Majest ."

"The right of peace and war belongs to the Nation. War cannot be determined upon but by the decree of the Legislative Body, which shall be passed upon the formal and necessary proposition of the King, and afterwards sanctioned by his Majesty."

The very interesting Article IV reads:

& quot. l'Assembl e nationale d clarant cet effet que la nation fran aise renonce entreprendre aucune guerre dans la vue de faire des conqu tes, et qu'elle n'emploiera jamais ses forces contre la libert d'aucun peuple."

& quot. the National Assembly hereby declaring that the French Nation renounces the undertaking of any war with the view of making conquests, and will never employ its forces against the liberty of any people."


The Nootka Sound controversy, by the way, was a dispute between Spain and Great Britain, with both nations claiming sovereignty. And here is Nootka Sound on a map:


Nootka Sound Map Location
Map: Seattle Times


June 3, 1790
o French Revolution has spread to Martinique and results in slave uprisings and the killing of several slaves.

June 12, 1790
Again riots in Avignon against its owner, the Pope. After more than 500 years under Catholic control, Avignon will become part of France again on September 14, 1791.

June 13-16, 1790
Bagarre de Nimes: O Brawl at Nimes breaks out between Catholics and Protestants. The former ignore that the Constituent Assembly doesn't recognize the Catholic Church as state religion any longer. The latter try to make them understand by force.

The "brawl" turned carnage and at least 300 people were slaughtered, most of them Catholics.


Map Location of Nimes, Gard d partement, France
Nimes.fr

July 12, 1790
The National Constituent Assembly enacts the Civil Constitution of the Clergy (Constitution Civile Du Clerg ), in order to nationalize the Catholic church in France.

The clergy was now paid by the state. Furthermore, members of the clergy were now to be elected by the people. This implied that by means of his vote, a Protestant could have a say in the appointment of leading Catholics.

July 14, 179 0
Festival of the Federation (F te de la F d ration)

August 18, 1790
Attempt to launch a counterrevolution by the National Guard:

In response to the Bagarre de Nimes , a m assive crowd of around 20,000 members of the National Guard and many Catholics gather at the Camp de Jal s, with the collective desire to re-install the absolute monarchy and the Catholic Church as the only religious option.

Jales is located in the province of Vivarais (today's Ard che d partement), approx. one and a half car hours north of Nimes.

This is the first meeting at the Camp de Jal s. The second and third meeting at Jales will take place in June 1791 and in July 1792, respectively. Although this movement will receive the support of the Comte d'Artois (Louis XVI's brother), in the end, this counterrevolution will fail.

August 24, 1790
Louis XVI authorizes the Civil Constitution of the Clergy that had been decided upon by the National Constituent Assembly on July 12, 1790.

September 18, 1790
Finance minister Jacques Necker retires. This time for good.

October 1790
A rebellion , led by Vincent Og , a free mulatto , himself financially comfortable, breaks out i n Saint Domingue (today's Haiti), which is the French (left) part of Hispaniola. A big part of the reason for this revolt is the unwillingness with which French officials implement the new French law by which all free men age 25 and older are eligible to vote.

This law had passed in March 28, 1790.

Actually, there is a high reluctance by the European whites on this island to grant anything to anyone who isn't completely white. They reasoned, Give them a finger, and they will take your whole hand. And that would be devastating because they were the minority.

According to EB, in 1789, Saint Domingue had an estimated population of 556,000, including roughly 500,000 African slaves, 32,000 European colonists, and 24,000 free mulattoes.

This revolt, also called the Mulatto Revolt , will be crushed in November 1790. Vincent Og himself will be brutally executed on February 25, 1791. But although put down for now, this is not over. In fact, this riot will raise the curtains for the Haitian Revolution , see August 22, 1791 .



October 28, 1790
The politician Philippe-Antoine, Count Merlin, aka Merlin de Douai, delivers an interesting speech today in which he argues the fundamental right to self-government.

Issue of the day was the demand for compensation by German princes in Alsace.

"Le peuple alsacien s'est uni au peuple fran ais, parce qu'il l'a voulu c'est donc sa volont seule, et non pas le trait de M nster qui a l gitim l'union, et comme il n'a mis cette volont aucune condition relative aux fiefs r galiens, nul ne peut pr tendre d'indemnit ."

"The people of Alsace are united with the French people because they wanted to, so it is by their will alone, and not because of the Treaty of M nster, that the union was legitimized. And as they have no desire to live under sovereign fiefs, no one can claim compensation."

November 16, 1790
New Defense Minister is Louis Le Begue de Presle Duportail . He succeeds Jean-Frederic de La Tour du Pin-Gouvernet.

November 27, 1790
The reluctance, and in part open enmity, of the Catholic church to accept the new Civil Constitution of the Clergy (see July 12, 1790) prompts the National Constituent Assembly to demand from the clergy an oath of obedience to this decree.

This will give cause to a major earthquake within the Church. See March 10, 1791 .


Combat of Beinette, 14 October 1799 - History

Winner of 2 History Awards From the Kentucky Historical Society

THIS WEBSITE FUNDED BY THE FORT BOONESBOROUGH FOUNDATION

Daniel Boone and The History of Fort Boonesborough

Richard Henderson, founder of the Transylvania Company in 1775, chose Daniel Boone to head a party of 31 axe men to clear a path through the Cumberland Gap that would run from Long Island of the Holston River, Tennessee, to Otter Creek of the Kentucky River. Blazing the trail presented extraordinary difficulties – the route through the wilderness was a hunter’s trace that was too narrow for a wagon. The task was to combine many trails into one continuous route by clearing underbrush and overhanging foliage. For some stretches however, it meant using axes and tomahawks to clear trees for a new section of trail. It was very expeditiously but roughly done. For decades afterwards, the Wilderness Trail was generally conceded to be the roughest, most disagreeable road on the continent, but was one of the major factors in the opening of the Middle West to colonization. A determined Boone and his loyal followers forged ahead until they reached the settlement site “about 60 yards from the river, and a little over 200 yards from a salt lick.” On the first of April, 1775, Boone and his woodsmen began the construction of several temporary log huts that were immediately dubbed “Fort Boone”.

The modern-day re-constructed Fort opened in 1974.

The Life of Daniel Boone - A Timeline

1713 - Boone's father, Squire, arrives in Philadelphia from the family origins in England.

1720 - Squire Boone and Sarah Morgan marry in the Friends' meetinghouse in Gwynedd, Pennsylvania.

1731 - Boone's parents relocate to the upper Schuylkill River valley.

1734 - Born in Exeter township, near Reading, on October 22. Sarah & Squire Boone's sixth child, Daniel, is born in their cabin on October 22 (according to the Old Style, or Julian, calendar or November 2, per the new Style, or Gregorian calendar).

1750 - Family leaves Pennsylvania for the western country Boone engages in his first "long hunt."

1751 - Family settles in Rowan County, North Carolina, on the Yadkin River Boone takes up hunting as his business.

1755 - French and Indian War begins Boone with Braddock's army during the disastrous defeat near Pittsburgh. A member of Major Edward Dobb's North Carolina militia, serves as wagoneer in General Edward Braddock's ill-fated march o Fort Duquesne.

1756 - Boone marries Rebecca Bryan on August 14, and they settle in Rowan County, North Carolina.

1 757: James, the first of Daniel and Rebecca’s children is born.

1759: Israel, the second child of Daniel and Rebecca is born. During the Cherokee War, family flees to Culpeper County, Virginia.

1760: Susannah, the third child of Daniel and Rebecca is born. Boone first crosses the Blue Ridge during his winter hunt.

1762: Jemima, the fourth child of Daniel and Rebecca is born. The Boones return to Rowan County.

1765 - Boone explores the Florida country with an eye to moving there.

1766 - Family moves to a site farther west, near present Wilkesboro, North Carolina.

1767 - Reaches Kentucky and hunts along the Big Sandy River1766: Levina, the fifth child of Daniel and Rebecca is born.

1768: Rebecca, the sixth child of Daniel and Rebecca is born.

1769: Boone blazed the first known trail from North Carolina into eastern Tennessee, on his way to Kentucky with five other men, including his brother-in-law John Stewart, to hunt and explore in Kentucky. He would remain two years in Kentucky before returning home. Daniel Morgan Boone, the seventh child of Daniel and Rebecca is born. Regulator rebellion in North Carolina. Daniel and John Stewart were captured twice by Indians, being set free the first time, and escaping the second time.

1770: John Stewart disappeared while hunting. Five years later his body was found in a hollow tree where he had hid after begin shot by Indians. Daniel’s brother Squire had arrived in Kentucky with a friend Alexander Neely. Squire had brought ammunition and other supplies, and after hunting for a time with Daniel, returned to home with the furs that had been obtained. He returned later to Daniel with additional supplies.

1771: Daniel and Squire returned home from Kentucky.

1772 - Boone and companions hunt as far west as French Lick (now Nashville), Tennessee, then enter Kentucky and establish a station camp in a cave at the mouth of Hickman Creek along the Kentucky River.

1773: Jesse, the eighth child of Daniel and Rebecca is born. Daniel and friends, including Colonel William Russell, made the first attempt to settle Kentucky. Indians attacked part of the party, killing the Boone's son James and five other men, and as a result the party returned to the settlements.

1774: Sent by Virginia authorities to warn Kentucky surveyors of pending war with Shawnees leads defense of Clinch River settlements during Dunmore's War. Daniel was commissioned a Lieutenant and then a Captain, and put in charge of three forts along the Clinch River in southwest Virginia.

1775: Boone’s daughter Susannah married Captain William Hays. On March 13 Boone and a party of about thirty axmen depart from Long Island on the Holston to blaze Wilderness Road leading to Kentucky for the Transylvania Company. Founds Boonesborough in the face of Shawnee attacks brings family to Kentucky. On April 19 shots are fired at Lexington, Massachusetts, beginning the American Revolutionary War.

1776 - On May 23 Indians attack Boonesborough. The Continental Congress approves the Declaration of Independence. On July 14, Shawnee Indians capture Jemima Boone and Fanny and Betsy Callaway Boone's party rescues the girls on July 16. Copy of Declaration of Independence reaches Boonesborough in August.

1777 - Indians attack Boonesborough in April Boone is shot in the ankle but recovers.

1778 - Boone and his men captured by Shawnees while making salt on February 9 he escapes in June Siege of Boonesborough, September 7-18 rejoins Rebecca and children, who had returned to North Carolina.

1779 - Leads large party of emigrants to Kentucky in September settles Boone's Station, north of the Kentucky River

1780 - Participates in attack on Shawnee towns in Ohio brother Edward killed by Shawnees in October.

1781 - Takes elected seat in Virginia assembly in April captured by invading British forces in June, but soon released.

1782 - One of the commanding officers at the Kentuckians' defeat by Indians at the Blue Licks, where son Israel is killed, August 19 in command of a company that attacks Shawnee towns in November.

1783 - Relocates family to Limestone, on the Ohio River takes up tavern keeping, surveying, and land speculating.

1784 - The Adventures of Col. Daniel Boon by John Filson published on Boone's fiftieth birthday.

1786 - Commands an attack on Shawnee towns in October.

1787 - Helps negotiate prisoner exchange with Shawnees at Limestone in August takes seat in Virginia assembly in October.

1789 - With Rebecca and youngest children leaves Limestone and relocates at Point Pleasant, farther up the Ohio River.

1791 - Serves once again in the Virginia assembly wins contract to supply militia companies in western Virginia.

1792 - Dispute over supply contracts leads to his abandonment of business and return to full-time hunting with Rebecca, soon moves to a cabin near present Charleston, West Virginia.

1795 - To be nearer family, relocates to a cabin on Brushy Fork in Kentucky.

1797 - Daniel Morgan Boone hunts in Spanish Missouri and confers with Lt. Gov. don Zenon Trudeau, who invites the Boones to settle in Missouri.

1797 - Son Daniel Morgan Boone scouts land in Spanish Missouri governor invites Boones to emigrate.

1798 - Kentucky assembly names county after Boone Mason County issues warrant for his arrest for debt leaves Brushy Fork for a cabin at the mouth of the Little Sandy River on the Ohio.

1799 - In September Boone, along with Hays, Bryan and Callaway, moves to the Femme Osage (now St. Charles County) district of Missouri. He receives a grant of 1,000-arpents (850 acres) Daniel and Rebecca build a cabin on land owned by son Daniel Morgan near the present-day town of Matson.

1800 Spanish governor appoints Boone "syndic" (judge and jury) and commandant (military leader) of the Femme Osage region he serves in both capacities until the American takeover in 1804 following the Louisiana Purchase. Osage warriors briefly capture Boone during his spring hunt along the Niangua

1803 - Boone is injured in a trapping accident of the Grand River. He remains hidden for twenty days from an Indian hunting party. Relocates with Rebecca to cabin on the farm of son Nathan Louisiana Purchase.

1806 - Appears before the Federal Land Commission, seeking confirmation of his Spanish land grant.

1808 - Boone and companions are robbed by Indians while on a hunt.

1809 - Gets word of rejection of his Spanish land grant works on petitions to Congress for reinstatement of his Spanish land titles

1812 - Boone volunteers for War of 1812 duty he is turned down because of his age (78)

1813 - On March 18 Rebecca Boone dies and is buried in the Boone Family Cemetery on a knoll along Tuque Creek on a farm owned by her cousin David Bryan in what is now Marthasville, (Warren County) Missouri.

1814 - Congress grants Boone a tract of Missouri land.

1815 - President James Monroe awards Boone a 1,000 arpent tract of Missouri land (Matson, Missouri), but Boone is forced to sell much of it to pay off old Kentucky claims against him. He sells 300 acres to Jonathan Bryan. He keeps about 180 acres.

1816 - Boone visits Fort Osage (near present-day Kansas City). In time he explores as far west as Nebraska. Some first hand reports allege he pushes on to hunt the Yellowstone country, but family members deny such claims.

1817 - Boone goes on his last hunt.

1820 - In June artist Chester Harding paints Boone's portrait from life while at the log home of Flanders and Jemima Callaway. Boone dies on September 26 he is interred next to Rebecca on Tuque Creek in the cemetery near Jemima's farm. .

1845 - A delegation from Kentucky disinters the Boone graves and reburies remains in Frankfort, Kentucky

Longtime Friend of Fort Boonesborough

Ted Franklin Belue Announces New Book

FINDING DANIEL BOONE: HIS LAST DAYS
IN MISSOURI & THE STRANGE FATE
OF HIS REMAINS.

On the eve of Colonel’s Boone’s death bicentennial the new book, Finding Daniel Boone: His Last Days in Missouri & the Strange Fate of His Remains, will be released around September 26, 2020.

Part biography, part historical travelogue, and eloquently narrated, Finding Daniel Boone is the first book to explore Boone’s life in Missouri and offer closure to his greatest mystery: Where is he buried? After he and his wife were reinterred in Kentucky, rumors circulated an African-American slave had been buried in his place, a debate that rages 200 years after the hunter’s death.

A radical departure from the frontiersman’s earlier bios, Finding Daniel Boone utilizes fresh sources, rare photos, never-before-seen forensic data, family records, and historic art to juxtapose Daniel’s world alongside Belue’s as he journeys from his Missouri grave to his Kentucky grave, unraveling the burial tale and meeting a host of colorful characters, while describing Boone’s trails and exploits.

Belue says “This is more than just a search for a man’s bones. As little has been written about Boone’s Missouri endeavors, my intriguingly unfolding chronicle is as much about the legendary pathfinder’s life as about his death.“

The original Fort Boonesborough was built by Daniel Boone and his men in 1775

Website designed and maintained by Graphic Enterprises

All material contained in this site is © 2006 -2021 Fort Boonesborough


Salem's History

"Still making history." That’s our tagline, but it’s so much more. It’s everything that made Salem come to life, and everywhere we’ll go next. It’s witches, and ocean ships, making waves through literature, settlers, pirates and trading. And it’s all right here. What will you learn?

1626 - Founded by Roger Conant and a group of immigrants from Cape Ann. The settlement was first titled Naumkeag, but the settlers preferred to call it Salem, derived from the Hebrew word for peace.

1628 - Massachusetts Bay Company arrives and relieves the struggling Naumkeag settlement. John Endicott leads a group of settlers to lay ground for thousands of Puritans.

1629 - Town of Salem is issued a charter by the monarch of England, giving them the rights of autonomy and self-rule.

1629 - The First Congregational Society is founded by Puritan pioneers of the Massachusetts Bay Company.

1630 - There is a threat of charter revocation, and the colonists respond by preparing a defense. Governor John Endicott cuts the cross out of the English flag as an act of defiance.

1637 - The first Salem ship sails to the West Indies to trade salted cod.

1637 - First Militia Muster is organized by Massachusetts Bay Colony Court.

1637 - The Charter Street Cemetery or “Old Burying Point Cemetery” is created, now the oldest burying ground in Salem.

1643 - Winter Island is created as a fort, originally named after King William.

1644 - Fort Pickering, a strategic coastal defense military barracks for Salem Harbor, is established.

1649 - Salem Custom House built. It was responsible for collecting taxes on imported cargoes.

1668 - The House of the Seven Gables (Turner-Ingersoll Mansion) is built by John Turner, a wealthy merchant. The house was lived in by three generations of the Turner family, before being acquired by the Ingersoll family, relatives of Salem-born author, Nathaniel Hawthorne.

1675 - The Witch House is completed. Judge Jonathon Corwin, a judge who presided over the Salem Witch Trials, resided there, and some of the preliminary questioning for the witch trials was held there.

1686 - A Salem selectman purchases land, that today is Salem, Peabody and Danvers, from the heirs of the Naumkeag tribe for 20 pounds.

1692 - The Salem Witch Trials begin. This is the event that Salem is most known for, in only three months’ time 19 innocent people, 14 women and 5 men, were hanged, and one man was pressed to death. It was a time of hysteria, when courts believed in the devil, spectral evidence and teenage girls. The trials ceased when Governor William Phipps disbanded the court, after his wife was accused of being a witch herself. A Superior Court of Judicature formed to replace the Court of Oyer and Terminer and did not allow spectral evidence. The new court released those awaiting trial and pardoned those awaiting execution the trials were over.

1693 - Cotton Mather publishes his famous book, Wonders of the Invisible World, which contained “proof” of witchcraft.

1760 - The Salem Courthouse is torn down after being active from 1677 to 1718.

1762 - Derby Wharf is created/begins as one of the busiest, of the nearly 50, wharves in Salem. (It is extended to its present ½ mile length in 1806.)

1774 - Provincial Congress is organized, and the political revolution begins.

1774 - General Gage moves the General Court from Boston to Salem.

1775 - The first armed resistance of the Revolution happened in Salem when the Salem militia blocked British Lt. Colonel Leslie and his men from their mission to capture ammunition stored in Salem.

1776 - Salem-based privateers capture and sink 445 British vessels during the Revolutionary War.

1785 - The Old Courthouse is built it was designed by Samuel McIntire.

1790 - Salem is the sixth largest city in the country, and the richest per capita.

1797 - The Salem East Indiaman Friendship, or The Friendship as we know it today, was launched. She made 15 voyages during her career to Batavia, India, China, South America, the Caribbean, England, Germany, the Mediterranean and Russia.

1799 - The Peabody Essex Museum is founded by sea captains. It is the oldest continually operated museum in the country.

1799 - The East India Marine Society is founded.

1801 - The city of Salem transforms the “town swamp,” which is what the Salem Common was often called, into a park with trees and walks.

1807 - An embargo is ordered that grounds Salem’s fleet for 15 months and is soon followed by the War of 1812.

1810 - The Salem Athenaeum is founded from the merging of two older libraries.

1812 - The Friendship is captured as a prize of war by British Sloop of War HMS Rosamond in September of 1812. (The one we have in Salem Harbor is a replica.)

1813 - The battle of the frigates, Chesapeake and Shannon, takes place in Salem Harbor.

1819 - A chemical company is built near the North River.

1825 - The East India Marine Hall is completed, with an open hall on the second floor designed to hold the museum of the society.

1828 - Nathaniel Hawthorne self-publishes his first novel, Fanshawe. It was a romantic novel written in Salem while he was staying in the Manning House on Herbert Street.

1830 - The Salem Lyceum is formed, a building constructed to provide public entertainment and instruction.

1836 - Salem is incorporated as a city.

1838 - The Eastern Railroad line from Boston to Salem is opened, and the railroad tunnel is dug under Washington Street.

1839 - The City of Salem adopts the motto “To the Farthest Ports of the Rich East,” paying tribute to its glorious maritime past.

1850 - The Scarlet Letter is published by Nathaniel Hawthorne to great acclaim everywhere but in Salem, where the residents did not appreciate the depiction of the city and its people.

1850 - The House of the Seven Gables is written in Salem by Nathaniel Hawthorne, and is published in 1851.

1851 - Nathaniel Hawthorne’s world-renowned novel, The House of the Seven Gables Está publicado. Inspired by the mansion, it helped make the Turner-Ingersoll Mansion one of the most famous historic houses in America.

1854 - Salem State College, now known as Salem State University, is founded. A major educational and cultural resource of the North Shore, right here in Salem.

1856 - The First Methodist New England Conference is held in Salem the United Methodist Women’s Club greets you with information, advice and refreshments. In addition: sandwiches, coffee, tea, and cold drinks are available.

1877 - First public demonstration of a long-distance phone conversation is held in the Lyceum Hall on Church Street.

1910 - The House of the Seven Gables opens as a museum and begins its legacy of providing educational opportunities for newly arriving immigrant families in its settlement house.

1914 - On June 25, a devastating fire ignited Boston Street in Blubber Hollow, the leather manufacturing district of Salem. Over the course of two days, this massive fire destroyed 1,376 buildings and left 18,000 people (almost half of Salem’s population) homeless and many without jobs. Salem State University has books, pamphlets, and online documents about this tragedy.

1938 - The Salem waterfront is designated a National Historic Site under the National Park Service.

1970 - Bewitched’s seventh season is filmed in Salem. It’s a very magical time for the city.

1971 - The Chestnut Street Historic District is established it was Salem’s first historic district (known today as the McIntire Historic District).

1982 - Salem hosts the first Haunted Happenings festival. It lasted one day.

1992 - Witch Trials Memorial is dedicated by Nobel Laureate Elie Wiesel to commemorate the tercentenary anniversary of the trials.

1993 - Hocus Pocus is released in theatres it was filmed at numerous locations here in Salem.

1996 - Congress designates Essex County as a National Heritage Area in order to enhance, preserve and encourage awareness of the county’s historic cultural and natural resources and traditions.

2001 - Construction on The Friendship, a replica of the 1797 East India Merchant Ship, is completed.

2013 - President Obama signs legislation recognizing Salem as Birthplace of the National Guard.


Assista o vídeo: Beinette: chiusa la vicenda dellHotel Tokyo