Os EUA destroem a frota espanhola do Pacífico na Batalha da Baía de Manila

Os EUA destroem a frota espanhola do Pacífico na Batalha da Baía de Manila

Na Baía de Manila, nas Filipinas, o Esquadrão Asiático dos EUA destrói a frota espanhola do Pacífico na primeira batalha da Guerra Hispano-Americana. Quase 400 marinheiros espanhóis foram mortos e 10 navios de guerra espanhóis naufragados ou capturados ao custo de apenas seis americanos feridos.

A Guerra Hispano-Americana teve suas origens na rebelião contra o domínio espanhol que começou em Cuba em 1895. As medidas repressivas que a Espanha tomou para suprimir a guerra de guerrilha, como conduzir a população rural de Cuba para cidades-guarnição infestadas de doenças, foram representadas graficamente em Jornais americanos e inflamaram a opinião pública. Em janeiro de 1898, a violência em Havana levou as autoridades dos EUA a ordenar o encouraçado USS Maine ao porto da cidade para proteger os cidadãos americanos. Em 15 de fevereiro, uma grande explosão de origem desconhecida afundou o Maine no porto de Havana, matando 260 dos 400 tripulantes americanos a bordo. Um Tribunal Naval de Inquérito oficial dos EUA decidiu em março, sem muitas evidências, que o navio foi explodido por uma mina, mas não colocou a culpa diretamente na Espanha. Grande parte do Congresso e a maioria do público americano expressaram poucas dúvidas de que a Espanha era a responsável, no entanto, e pediram uma declaração de guerra.

LEIA MAIS: O jornalismo amarelo estimulou a eclosão da guerra hispano-americana?

Em abril, o Congresso dos EUA se preparou para a guerra, adotando resoluções conjuntas do Congresso exigindo a retirada espanhola de Cuba e autorizando o presidente William McKinley a usar a força. Em 23 de abril, o Presidente McKinley pediu 125.000 voluntários para lutar contra a Espanha. No dia seguinte, a Espanha emitiu uma declaração de guerra. Os Estados Unidos declararam guerra em 25 de abril. O Comodoro George Dewey, no comando do navio de sete guerras US Asiatic Squadron ancorado ao norte de Hong Kong, recebeu ordens de "capturar ou destruir" a frota espanhola do Pacífico, que se sabia estar no águas costeiras das Filipinas controladas pelos espanhóis.

Em 30 de abril, os mirantes de Dewey avistaram Luzon, a principal ilha das Filipinas. Naquela noite, sob o manto da escuridão e com as luzes a bordo dos navios de guerra dos EUA extintos, o esquadrão deslizou pelos canhões defensivos da Ilha Corregidor e na baía de Manila. Depois do amanhecer, os americanos localizaram a frota espanhola: 10 navios de guerra desatualizados ancorados ao largo da estação naval de Cavite. A frota dos EUA, em comparação, estava bem armada e bem equipada, em grande parte devido aos esforços do enérgico secretário adjunto da Marinha, Theodore Roosevelt, que também havia escolhido Dewey para o comando do Esquadrão Asiático.

Às 5h41, a um alcance de 5.400 jardas do inimigo, o Comodoro Dewey voltou-se para o capitão de sua nau capitânia, o Olympia, e disse: "Você pode atirar quando estiver pronto, Gridley." Duas horas depois, a frota espanhola foi dizimada e Dewey ordenou uma pausa na luta. Ele se encontrou com seus capitães e pediu um segundo café da manhã às tripulações. Os quatro navios espanhóis sobreviventes, presos no pequeno porto de Cavite, recusaram-se a se render e, às 11h15, o combate recomeçou. Às 12h30, um sinal foi enviado da canhoneira USS Petrel à nau capitânia de Dewey: “O inimigo se rendeu.”

A vitória decisiva de Dewey abriu caminho para a ocupação americana de Manila em agosto e a eventual transferência das Filipinas do controle espanhol para o americano. Em Cuba, as forças espanholas também desmoronaram diante das forças superiores dos EUA e, em 12 de agosto, foi assinado um armistício entre a Espanha e os Estados Unidos. Em dezembro, o Tratado de Paris encerrou oficialmente a breve Guerra Hispano-Americana. O outrora orgulhoso império espanhol foi virtualmente dissolvido e os Estados Unidos ganharam seu primeiro império ultramarino. Porto Rico e Guam foram cedidos aos Estados Unidos, as Filipinas foram compradas por US $ 20 milhões e Cuba tornou-se um protetorado dos EUA. Os insurgentes filipinos que lutaram contra o domínio espanhol durante a guerra imediatamente voltaram suas armas contra os novos ocupantes, e 10 vezes mais soldados americanos morreram suprimindo as Filipinas do que na derrota da Espanha.

LEIA MAIS: Tratado de Paris encerra guerra hispano-americana


Os EUA destroem a frota espanhola do Pacífico na Batalha da Baía de Manila - HISTÓRIA

As raízes do conflito estão na repulsa da América pela reação implacável dos espanhóis à insurreição cubana que começou em 1895. O jornalismo & quotYellow & quot dos jornais Hearst e Pulitzer alimentou a febre de guerra do público americano com histórias sensacionalistas sobre atrocidades espanholas. As emoções atingiram o ponto de inflamação com o naufrágio do navio de guerra Maine no porto de Havana em 15 de fevereiro de 1898.

O Congresso declarou guerra em 25 de abril. A Espanha pediu a paz em 12 de agosto. O conflito terminou formalmente com o Tratado de Paris concluído em 10 de dezembro e ratificado pelo Congresso em 6 de fevereiro de 1899. Os principais engajamentos na guerra incluíram as Batalhas da Baía de Santiago e San Juan Hill em Cuba e a Batalha da Baía de Manila nas Filipinas

O conflito no Pacífico foi unilateral. Na declaração de guerra, o Comodoro Dewey, comandante do Esquadrão Asiático da América com base em Hong Kong, recebeu a ordem de conduzir seus seis navios para as Filipinas. Ele chegou à baía de Manila em 1º de maio e encontrou a obsoleta frota espanhola ancorada na baía. Foi uma batalha unilateral. Os americanos estavam em desvantagem, mas os espanhóis estavam em desvantagem e despreparados. No final da batalha, toda a frota espanhola estava no fundo do porto. Dewey perdeu oito feridos e um morto (devido à insolação). A vitória abriu caminho para a captura de Manila em 13 de agosto.

“O esquadrão então passou ao ataque. . . & quot

O Comodoro Dewey enviou a seguinte descrição da batalha a seu superior logo após sua conclusão:

SIR: Tenho a honra de apresentar o seguinte relatório das operações do esquadrão sob meu comando:

O esquadrão deixou Mirs Bay em 27 de abril, imediatamente após a chegada do Sr. O. F. Williams, cônsul dos Estados Unidos em Manila, que trouxe informações importantes e que acompanha o esquadrão.

Chegou ao largo de Bolinao na manhã de 30 de abril e, não encontrando embarcações ali, desceu a costa e chegou à entrada da baía de Manila na mesma tarde. . .

o Boston e Concórdia foram enviados para fazer o reconhecimento do Porto Subic, tendo sido informado de que o inimigo pretendia tomar posição ali. Uma busca minuciosa do porto foi feita pelo Boston e Concórdia, mas a frota espanhola não foi encontrada, embora, de uma carta posteriormente encontrada no arsenal, pareça que tinha sido sua intenção ir para lá.

Entrou na Boca Grande, ou canal sul, às 23h30, com vapor em coluna a 8 nós. Depois que metade do esquadrão passou, uma bateria no lado sul do canal abriu fogo, nenhum dos tiros surtindo efeito. o Boston e McCulloch devolveu o fogo.

Uma interpretação contemporânea da batalha

O esquadrão atravessou a baía em baixa velocidade e chegou ao largo de Manila ao raiar do dia, e foi atacado às 5h15 por três baterias em Manila e duas em Cavite e pela frota espanhola ancorada em uma linha aproximadamente leste e oeste através do foz da Baía de Bakor, com sua esquerda em águas rasas na Baía de Canacao

O esquadrão então passou para o ataque, a nau capitânia Olympia, sob minha direção pessoal, liderando, seguido à distância pelo Baltimore, Raleigh, Petrel, Concord, e Boston, na ordem indicada, cuja formação foi mantida durante toda a ação: O esquadrão abriu fogo às 5h41. Enquanto avançava para o ataque, duas minas explodiram à frente da nau capitânia, longe demais para ser eficaz.

O esquadrão manteve um fogo contínuo e preciso em distâncias variando de 5.000 a 2.000 jardas, contramarchando em uma linha aproximadamente paralela à da frota espanhola. O fogo do inimigo foi vigoroso, mas geralmente ineficaz.

No início do compromisso, dois lançamentos foram lançados em direção ao Olympia com a aparente intenção de usar torpedos. Um foi afundado e o outro incapacitado pelo nosso fogo e encalhou antes que surgisse a oportunidade de disparar torpedos. Às 7h, a nau capitânia espanhola Reina Chnstina fez uma tentativa desesperada de deixar a linha e sair para atacar a curta distância, mas foi recebida com um fogo tão violento, toda a bateria do Olympia estando concentrado nela, ela mal foi capaz de retornar ao abrigo do ponto. Os incêndios iniciados nela por nossa granada neste momento não foram extintos até que ela afundou.

Às 7h35, tendo sido informado erroneamente que restavam apenas 15 tiros por arma para a bateria de tiro rápido de 5 polegadas, parei de atirar e retirei o esquadrão para consulta e redistribuição de munição, se necessário.

As três baterias de Manila mantiveram um fogo contínuo desde o início do combate, fogo esse que não foi retribuído por este esquadrão. A primeira dessas baterias estava situada na ponta do molhe sul, na entrada do rio Pasig, a segunda no bastião sul da cidade murada de Manila e a terceira em Malate, cerca de meia milha mais ao sul. Nesse momento, enviei uma mensagem ao Governador-Geral informando que, se as baterias não cessassem de disparar, a cidade seria bombardeada. Isso teve o efeito de silenciá-los.

Às 11h16, descobrindo que o relato de escassez de munições estava incorreto, voltei com o esquadrão para o ataque. A essa altura, a nau capitânia e quase toda a frota espanhola estavam em chamas, e às 12h30. o esquadrão parou de atirar, as baterias foram silenciadas e os navios afundaram, incendiaram e abandonaram.

Comodoro Dewey

Às 12h40 o esquadrão voltou e ancorou ao largo de Manila, o Petrel sendo deixado para trás para completar a destruição dos canhoneiros menores, que estavam atrás da ponta de Cavite. Este dever foi executado pelo Comandante E. P. Wood da maneira mais rápida e completa possível.

Os espanhóis perderam os seguintes navios:
Afundado - Reina Christina, Castilla, Don Antonio de Ulloa. Burnt-DonJuan de Austn'a, Isla de Luzon, Isla de Cuba, General Lezo, Marques del Duero, El Correo, Velasco e Isla de Mindanao (transporte).
Capturado - Rapido e Hércules (rebocadores) e vários pequenos lançamentos

Não consigo obter relatos completos dos mortos e feridos do inimigo, mas acredito que sua perda seja muito pesada. o Reina Chnstina sozinho teve 150 mortos, incluindo o capitão, e 90 feridos.

Fico feliz em informar que o dano causado ao esquadrão sob meu comando foi insignificante. Não houve nenhum morto e apenas 7 homens no esquadrão levemente feridos. Como será visto pelos relatórios dos oficiais comandantes que estão aqui encerrados, vários dos navios foram atingidos e até penetrados, mas o dano foi mínimo, e o esquadrão está em boas condições agora como antes da batalha. . . .


Fatos rápidos: Batalha da baía de Manila

  • Conflito:Guerra Hispano-Americana (1898)
  • Encontro: 1 ° de maio de 1898
  • Frotas e Comandantes

Esquadrão Asiático dos Estados Unidos

Esquadrão Espanhol do Pacífico

    • Almirante Patricio Montojo y Pasarón
    • 7 cruzadores e canhoneiras
    • Estados Unidos: 1 morto (insolação), 9 feridos
    • Espanha: 161 mortos, 210 feridos

    Capitão da Marinha dos EUA Charles Gridley e a Batalha da Baía de Manila

    Pouco depois da meia-noite de 1º de maio de 1898, o USS Olympia liderou o Esquadrão Asiático dos Estados Unidos & # 8217s calmamente pelas águas calmas e cristalinas do Canal de Boca Grande, entre a ilha de Corregidor e a costa de Luzon, nas Filipinas. Os Estados Unidos estavam em guerra com a Espanha e o esquadrão americano se preparava para atacar uma frota espanhola na baía de Manila.

    Como a manhã de domingo amanheceu horas depois, o OlympiaO comandante do & # 8216s, Capitão Charles Gridley, esperou a ordem para disparar as armas do seu navio. A ordem viria do comandante do esquadrão, Comodoro George Dewey, que assistiu do alto do Olympia& # 8216s ponte voadora enquanto as baterias da costa disparavam inofensivamente contra a coluna de navios americanos que avançava. Às 5h40. Dewey finalmente saudou Gridley com as palavras agora famosas, & # 8216Você pode atirar quando estiver pronto, Gridley. & # 8217

    A batalha que se seguiu na Baía de Manila terminou com a destruição da frota espanhola e a rendição da capital filipina, Manila. Isso sinalizou para o mundo que os Estados Unidos eram uma grande potência naval e fizeram de Dewey um herói nacional. A batalha marítima crucial também acelerou a morte do capitão Gridley, em estado terminal. Embora considerado um dos melhores e mais brilhantes oficiais da Marinha dos Estados Unidos na época de sua morte, Gridley provavelmente seria esquecido hoje se não fosse pelo comando de Dewey.

    Charles Vernon Gridley nasceu em Logansport, Indiana, em 24 de novembro de 1844. Quando ele tinha três anos, seu pai mudou-se com a família para Michigan. Treze anos depois, Charles ganhou uma nomeação daquele estado para a Academia Naval dos Estados Unidos, graduando-se em 1863.

    A primeira missão de Gridley e # 8217 foi a bordo da chalupa a vapor de nove canhões Oneida durante a Guerra Civil. Como parte da frota da União comandada pelo almirante David Farragut, o Oneida participou da captura do porto confederado de Mobile, Alabama, em 5 de agosto de 1864. Foi a única ação que Gridley viu durante os primeiros 33 anos de sua carreira. Ele passou o resto da guerra no serviço de bloqueio.

    Gridley deixou o Oneida em 1866 e posteriormente recebeu uma série de atribuições de rotina, incluindo serviço na Estação do Atlântico Sul, uma passagem de quatro anos como instrutor na Academia Naval e o comando de dois navios de treinamento. Em maio de 1872, ele se casou com Harriet Frances Vincent, e eles tiveram três filhos.

    Em 28 de julho de 1897, Gridley, de 52 anos, atingiu o auge de sua carreira quando recebeu o comando do USS Olympia. Lançado em 1892, o cruzador protegido de 5.870 toneladas carregava quatro canhões de 8 polegadas, dez canhões de 5 polegadas e quatorze canhões de 6 libras e era tripulado por uma tripulação de 34 oficiais e 440 homens alistados. Gridley ficou particularmente satisfeito com esta nomeação. Não foi só o Olympia a nau capitânia do Esquadrão Asiático, mas o comandante do esquadrão George Dewey era um amigo próximo. A única circunstância que estragou essa conquista profissional foi uma dor intensa que Gridley começou a sentir no lado direito. O cirurgião da frota não conseguiu encontrar uma causa para o desconforto de Gridley & # 8217s ou para a perda de peso gradual que o levou de robustos 200 libras para 115. Acredita-se que ele provavelmente sofresse de câncer de fígado.

    EM 15 DE FEVEREIRO DE 1898, o USS Maine explodiu no porto de Havana, matando mais de 260 homens e desencadeando uma cadeia de eventos que levaria a um conflito armado com a Espanha. À medida que a situação internacional se deteriorava, o Comodoro Dewey, estacionado com seu Esquadrão Asiático em Hong Kong, controlado pelos britânicos, ficou cada vez mais preocupado com a saúde de seu capitão capitão. A cada dia que passava, Gridley ficava mais fraco. Ele havia perdido o apetite e mal tinha forças para se mover Olympia. Dewey sabia que, uma vez que a guerra fosse declarada, receberia a ordem de atacar a Frota Espanhola do Pacífico e não queria que o capitão de sua nau capitânia estivesse debilitado por uma doença.

    Em 15 de abril de 1898, o cirurgião da frota declarou Gridley fisicamente incapaz para o serviço, e Dewey relutantemente mandou seu velho amigo voltar para casa. Gridley protestou veementemente. Ele lembrou a Dewey que, como capitão da nau capitânia, era responsável por preparar o esquadrão para a batalha que se aproximava. Ele argumentou que, embora estivesse fraco por causa da doença, estava totalmente familiarizado com o plano de batalha e era capaz de cumprir seus deveres. No final, Dewey cedeu e Gridley continuou enquanto o Olympia& # 8216s capitão.

    Dez dias depois, chegou a Hong Kong a notícia de que o Esquadrão do Atlântico Norte dos EUA havia bloqueado Havana. O governador britânico de Hong Kong, major-general Wilsone Black, notificou que a Grã-Bretanha havia proclamado neutralidade e que todos os navios de guerra espanhóis e americanos tinham até as 16h00 naquele dia para deixar o porto de Hong Kong. Apesar da posição de seu país & # 8217, Black escreveu & # 8216Deus sabe, meu caro Comodoro, que parte meu coração enviar esta notificação & # 8217 abaixo de sua mensagem oficial para Dewey.

    Dewey mudou seu esquadrão para Mirs Bay, China, e lá recebeu a mensagem que esperava. O secretário da Marinha, John D. Long, telegrafou: & # 8216A guerra começou entre os Estados Unidos e a Espanha. Prossiga imediatamente para as Ilhas Filipinas. Iniciar operações especialmente contra a frota espanhola. Você deve capturar navios ou destruir. Esforce-se ao máximo. & # 8217 Dewey esperou os dois dias que o cônsul dos EUA Oscar F. Williams levou para se juntar ao esquadrão de Manila antes de partir para as Filipinas. Williams trouxe a notícia de que o esquadrão espanhol estava deixando a baía de Manila em direção à baía de Subic, mais defensável, 40 quilômetros ao norte de Manila.

    Em 27 de abril, as correntes da âncora sacudiram pelos buracos das amarras, e o Olympia liderou o esquadrão para fora da Baía de Mirs. Ela foi seguida pelos pesados ​​cruzadores, Baltimore, Raleigh, e Boston, duas canhoneiras & # 8211o Petrel e a Concórdia& # 8211e um cortador do serviço de receita, o McCulloch. Dois mineiros desarmados, os Zafiro e Nanshan, completou a frota. Na ponte do Olympia Gridley ordenou ao tenente Carlos Calkins que estabelecesse um curso através do Mar da China Meridional até as Filipinas.

    Durante o primeiro dia no mar, Gridley começou a árdua tarefa de preparar seu navio para o combate. Os marinheiros executavam exercícios de mosquete e cutelo, lixavam os conveses e prendiam os mastros com correntes de âncora. A tripulação também jogou ao mar todos os móveis de madeira, painéis, livros e até pinups para reduzir o risco de fogo durante a batalha.

    Em 29 de abril, Gridley reuniu sua tripulação no tombadilho e leu uma proclamação que o governador-geral espanhol das Filipinas havia feito cinco dias antes. Avisou os filipinos de que um esquadrão & # 8217 guarnecido por estrangeiros, sem instruções nem disciplina, se prepara para vir a este arquipélago com a intenção rudimentar de nos roubar tudo o que significa vida, honra e liberdade. Fingir ser inspirado por uma coragem de que são incapazes. . . [eles] não profanarão os túmulos de seus pais, não satisfarão suas paixões lascivas às custas da honra de suas esposas & # 8217 e filhas & # 8217. . . prepare-se para a luta. . . . & # 8217 Seja qual for o efeito que as palavras tiveram sobre o povo das Filipinas, elas acenderam a ira dos tripulantes americanos.

    Gridley lembrou a seus homens que o ponto de abastecimento mais próximo deles era San Francisco, 11.000 milhas através do Pacífico, então ele pediu a seus artilheiros que fizessem o melhor, mirassem com cuidado e fizessem cada tiro valer a pena. Quando ele terminou, um dos tripulantes reunidos começou a cantar baixinho o & # 8216Star Spangled Banner. & # 8217 Em pouco tempo, todos os homens da tripulação estavam cantando.

    No meio da tarde de 30 de abril, o esquadrão chegou a Subic Bay, apenas para saber que a frota espanhola não estava lá. O almirante Patricio Montojo Y Parsarn, comandante das forças navais espanholas nas Filipinas, havia chegado à baía de Subic apenas para descobrir que as defesas haviam sido negligenciadas e retornado à baía de Manila em 28 de abril. A frota americana se reagrupou e seguiu para o sul em sua perseguição.

    Quando o Esquadrão Asiático chegou ao Canal de Boca Grande na madrugada de 1º de maio, OlympiaA tripulação do & # 8216s pendurou lanternas de batalha, preparou os guindastes de munição e afrouxou o fecho marítimo dos canhões do cruzador & # 8217s. O Tenente Corwin Rees voltou-se para Gridley e disse: & # 8216 Senhor, o navio está liberado para a ação! & # 8217

    Dewey sabia que a tensão da longa noite havia causado um terrível impacto no enfermo capitão de sua nau capitânia. Ele se ofereceu para dispensar Gridley do serviço e pediu-lhe que descesse para dormir um pouco. Gridley recusou. & # 8216Obrigado, comodoro, & # 8217 ele disse, & # 8216mas [o Olympia] é meu navio e eu lutarei contra ela. & # 8217 Um atendente passou com uma lata de café fumegante. Gridley pegou uma xícara e partiu para seu posto de batalha na torre de comando.

    A batalha da baía de Manila começou ao amanhecer e terminou pouco depois do meio-dia. o Olympia, disparando sua torre dianteira, liderou o Esquadrão Asiático ao longo da costa em uma coluna de ordem direta dirigida diretamente para os navios espanhóis. Exceto para o carro-chefe Reina Cristina, todos os navios espanhóis permaneceram fixos às suas amarras ou fundeados.

    Aproximando-se do inimigo, Gridley balançou o Olympia para o oeste e corria paralela à linha espanhola, adicionando o fogo das baterias portuárias do navio & # 8217s à barragem. Atrás dele, em intervalos de 200 jardas, o resto do esquadrão formava uma elipse fechada e seguia cada movimento seu. o Olympia liderou a linha americana em uma série de curvas em U que, a cada passagem, fechava a distância entre eles e os espanhóis. Uma densa fumaça negra cobriu a baía enquanto os infelizes navios espanhóis recebiam fogo de canhões alternados de estibordo e bombordo.

    Enquanto o Olympia dirigiu-se para o leste para começar sua quarta passagem pela linha espanhola, a Reina Cristina, saiu da fumaça e foi direto para o navio americano. A nau capitânia espanhola estava a 1.200 jardas do navio Gridley & # 8217s quando vários impactos forçaram o Reina Cristina mancar de volta às águas rasas. Foi um esforço galante, mas inútil.

    Às 7h30 Dewey recebeu a palavra de que o OlympiaA munição do & # 8216s estava baixa. Preocupado que o resto do esquadrão estivesse na mesma posição, Dewey ordenou que seus navios se retirassem e fizessem um balanço da situação. Não querendo alarmar os tripulantes, deu o café da manhã como motivo da retirada. Um artilheiro protestou contra Dewey & # 8217s chefe de gabinete & # 8216Pelo amor de Deus & # 8217s, capitão, não deixe-nos parar agora! Para o inferno com o café da manhã! & # 8217

    Na conferência de capitães & # 8217 convocada, todas as notícias foram boas. Os suprimentos de munição ainda eram amplos e, embora o esquadrão tivesse sofrido vários ataques, os danos foram leves. Apenas seis americanos ficaram feridos e não houve mortes.

    Pouco depois das 11h00 o Esquadrão Asiático se reagrupou para renovar seu ataque à frota espanhola. Apenas as baterias da costa e um pequeno cruzador, Don Antonio de Ulloa, ainda estavam atirando. Por volta das 12h30 a Ulloa havia sido afundado e Montojo se rendeu. Dewey havia executado suas ordens com perfeição. Os americanos haviam afundado ou destruído sete navios de guerra. Os espanhóis sofreram 381 mortes, os americanos, nenhum. A batalha, no entanto, tiraria a vida de um americano um mês depois.

    O calor abrasador e a ventilação deficiente no Olympia& # 8216s torre de comando, combinada com a tensão da batalha, provou ser demais para Gridley. Em algum momento durante o dia, ele atingiu o lado do corpo na borda da mesa de gráfico e, quando a batalha acabou, Gridley teve de ser carregado de seu posto. Ele nunca se levantou de seu leito de doente e Benjamin Lamberton o substituiu como capitão do Olympia.

    Em 5 de junho, o capitão Charles Vernon Gridley morreu no porto de Kobe, no Japão, a caminho de casa a bordo do navio de passageiros cóptico. Quatro dias depois, seu caixão foi carregado pelas ruas de Yokohama em uma impressionante procissão fúnebre, acompanhado por uma guarda de honra da Marinha Imperial Japonesa. Todos os navios estrangeiros no porto hastearam suas bandeiras a meio mastro.

    As cinzas de Gridley e # 8217 foram devolvidas aos Estados Unidos e enterradas no Cemitério Nacional de Lakeside em Erie, Pensilvânia, onde quatro armas enviadas pela Marinha dos Estados Unidos do Arsenal espanhol em Cavite na baía de Manila foram colocadas em seu túmulo. Em março de 1918, a Marinha concedeu outra homenagem ao OlympiaFalecido capitão quando sua filha Ruth ajudou a lançar um novo contratorpedeiro, o USS Gridley.

    Com as palavras imortais, & # 8216Você pode atirar quando estiver pronto, Gridley & # 8217 O Comodoro George Dewey homenageou seu velho amigo permitindo que ele comandasse o esquadrão americano & # 8217s contra os espanhóis. Mas o comando fez mais do que preparar o cenário para a batalha de 1º de maio de 1898. Essas oito palavras garantiram ao capitão moribundo um lugar na história americana.

    Este artigo foi escrito por Richard Harris e publicado originalmente na edição de fevereiro de 1998 da História americana Revista. Para mais artigos excelentes, inscreva-se em História americana revista hoje!


    Batalha da Baía de Manila

    A Batalha da Baía de Manila é um dos eventos mais significativos da Guerra Hispano-Americana. Suas conseqüências supervisionaram o fim do domínio espanhol sobre as Filipinas. Embora as Filipinas fossem independentes da Espanha, o fim da Guerra Hispano-Americana por meio do Tratado de Paris na verdade vendeu as Filipinas aos Estados Unidos.

    As origens da Guerra Hispano-Americana remontam a Cuba em 1895, onde os cidadãos começaram a se rebelar contra o domínio opressor espanhol. A mídia americana retratou graficamente as ações da Espanha na supressão da rebelião, o que provocou a opinião pública.

    Em janeiro de 1898, os Estados Unidos tomaram medidas para proteger os cidadãos americanos, enviando um encouraçado ao porto de Havana, enquanto a violência aumentava na cidade. O encouraçado USS Maine foi destruído em uma explosão em 15 de fevereiro, no entanto, matando 260 membros da tripulação americana. Não havia nenhuma evidência direta de que a Espanha causou a explosão, mas grande parte do Congresso e do público americano acreditava que a culpa era da Espanha.

    O Congresso dos Estados Unidos iniciou os preparativos para a guerra em abril de 1898, exigindo a retirada da Espanha de Cuba e autorizando o presidente dos Estados Unidos na época, William McKinley, a usar a força. O presidente McKinley pediu 125.000 voluntários para lutar contra a Espanha. A Espanha emitiu uma declaração de guerra no dia seguinte, enquanto os Estados Unidos declararam guerra em 25 de abril.

    O Comodoro George Dewey dos EUA, que se tornou o primeiro oficial da Marinha dos EUA a ser promovido ao posto de almirante da Marinha em 1903, comandava o Esquadrão Asiático dos EUA posicionado nas águas do norte de Hong Kong. O Comodoro George Dewey dos Estados Unidos recebeu ordens de capturar ou destruir a frota espanhola do Pacífico, que se sabia estar localizada nas águas costeiras das Filipinas, que ainda estava sob o controle da Espanha naquela época.

    Em 30 de abril, a frota de Dewey & # 8217s chegou a Luzon, a principal ilha das Filipinas. O esquadrão conseguiu passar furtivamente pelos canhões defensivos da Ilha Corregidor e entrar na Baía de Manila, auxiliado pela cobertura da escuridão. Após o amanhecer, a frota espanhola já havia sido localizada pela frota americana. Eles foram supremamente superados em comparação com a frota americana, que estava mais bem armada e bem equipada. Dewey iniciou a batalha, que durou duas horas. A maioria da frota espanhola foi destruída depois disso. Dewey ordenou uma pausa na luta depois disso e se reuniu com seus capitães. Eles tomaram o café da manhã com o resto da tripulação também. A pequena quantidade de navios espanhóis sobreviventes recusou-se a se render, apesar de estarem presos em um pequeno porto em Cavite. A luta recomeçou e a frota americana finalmente venceu, forçando a frota espanhola & # 8217s a se render. As perdas espanholas foram estimadas em mais de 370 soldados, enquanto as baixas americanas foram consideravelmente menores, em torno de 10.

    A Batalha da Baía de Manila foi uma grande vitória para os Estados Unidos e eles conseguiram vencer o resto da Guerra Hispano-Americana, que pôs fim ao domínio colonial espanhol nas Américas e no Pacífico Ocidental (embora os Estados Unidos tenham acabado aquisição de alguns desses territórios, como as Filipinas).

    A vitória de Dewey em nome dos Estados Unidos permitiu ao país obter o controle das Filipinas da Espanha. Os Estados Unidos ocuparam Manila em agosto. Em Cuba, os exércitos espanhóis também não puderam derrotar os Estados Unidos, e um armistício foi assinado entre a Espanha e os Estados Unidos em 12 de agosto.


    O outrora orgulhoso império espanhol foi virtualmente dissolvido, e os Estados Unidos ganharam seu primeiro império ultramarino. Porto Rico e Guam foram cedidos à América, as Filipinas foram compradas por US $ 20 milhões e Cuba tornou-se um protetorado dos EUA.

    Os braços do selo consistem em um escudo pré-hispânico, dividido horizontalmente em campos vermelhos e azuis. A metade superior vermelha mostra o apelido da cidade & # 8217s & # 8220Pérola do Oriente & # 8221, enquanto a metade inferior azul é carregada com um leão-marinho superando as ondas do rio Pasig e da baía de Manila & # 8230.

    Selo de Manila
    Versões recentes) 1950


    Conteúdo

    O encouraçado da Marinha dos Estados Unidos Maine foi misteriosamente afundado no porto de Havana em 15 de fevereiro de 1898 & # 91lower-alpha 2 & # 93 pressões políticas do Partido Democrata empurraram o governo do presidente republicano William McKinley para uma guerra que ele desejava evitar. & # 913 & # 93 A Espanha prometeu várias vezes que reformaria o governo de Cuba, mas nunca cumpriu. Os Estados Unidos enviaram um ultimato à Espanha exigindo que cedesse o controle de Cuba em 20 de abril. Depois que o ultimato foi enviado, Madrid declarou guerra em 23 de abril, e Washington respondeu com sua própria declaração dois dias depois. & # 914 e # 93

    A questão principal era a independência cubana - a guerra de dez semanas foi travada no Caribe e no Pacífico. Após a declaração de guerra, a Marinha dos EUA bloqueou portos como Havana e Cárdenas. Os espanhóis tentaram levantar os bloqueios em Cárdenas e Matanzas, & # 915 e # 93 finalmente conseguindo depois de falhar uma vez em Cárdenas. & # 916 & # 93 O Comodoro Dewey destruiu com sucesso a Frota Espanhola do Pacífico na Baía de Manila em 1º de maio, mas não conseguiu desembarcar tropas. & # 917 & # 93 A Marinha também bloqueou Porto Rico e bombardeou San Juan, mas os espanhóis tentaram levantar o bloqueio, obtendo sucesso na segunda tentativa em junho. & # 918 & # 93 Os fuzileiros navais dos EUA também cortaram linhas telegráficas sob a baía de Cienfuegos, mas sofreram pesadas perdas com o fogo espanhol. & # 919 & # 93 Os EUA também capturaram o porto da Baía de Guantánamo após uma batalha de quatro dias, que terminou em 10 de junho. & # 9110 & # 93

    As forças expedicionárias dos EUA desembarcaram em Cuba em 22 de junho e lutaram com sucesso em Las Guasimas dois dias depois. & # 9111 & # 93 Enquanto isso, a ilha desabitada de Guam foi "capturada" pelos americanos, o que consistiu em hastear a bandeira americana. & # 9112 & # 93 Os EUA também tentaram desembarcar forças perto de Trinidad, mas foram repelidos pelas forças espanholas. & # 9113 & # 93 As forças dos EUA capturaram San Juan Heights, que dominava Santiago de Cuba, após duas batalhas em San Juan Hill e Kettle Hill, & # 9114 & # 93, que foi precedida por uma batalha menor no flanco direito do San Juan Hill em El Caney. & # 9115 & # 93 Os espanhóis também tentaram levantar o bloqueio ao porto de Manzanillo duas vezes, mas falharam nas duas vezes. & # 9116 & # 93 A frota espanhola também tentou escapar do porto de Santiago, mas foi destruída por canhoneiras e cruzadores blindados dos EUA. & # 9117 & # 93 Após esta vitória, as forças dos EUA sitiaram Santiago de Cuba por 14 dias, até que as forças espanholas se renderam, mas houve várias escaramuças depois. & # 9118 & # 93 Os espanhóis conseguiram cortar o bloqueio dos Estados Unidos em Manzanillo, & # 9116 & # 93, mas os americanos afundaram dois navios espanhóis na Baía de Nipe. & # 9119 & # 93 Os americanos também tentaram pousar em Mani-Mani, que ficava a oeste de Havana, mas foram repelidos pelos espanhóis. & # 9120 & # 93

    Em 23 de julho, os americanos desembarcaram perto do porto de Ponce, em Porto Rico. Dois dias depois, houve uma pequena escaramuça em Yauco, vencida pelos americanos. Os espanhóis recuaram e tentaram destruir as linhas ferroviárias para Ponce, mas não conseguiram. & # 9121 & # 93 Em 5 de agosto, as forças americanas marcharam para a cidade de Guayama, mas os espanhóis abandonaram a cidade várias horas antes. & # 9122 & # 93 De 8 a 9 de agosto, um batalhão americano capturou a montanha em Coamo, Porto Rico, na estrada para o porto de Ponce. & # 9123 & # 93 Ao mesmo tempo, houve uma batalha inconclusiva em Fajardo, que levou à captura e abandono de um farol. & # 9124 & # 93 Um dia depois, os americanos capturaram Silva Heights. Os americanos também desembarcaram perto de Mayaguez e capturaram a cidade sem resistência. & # 915 & # 93 Na Batalha de Asomante, as forças dos EUA tomaram Asomante e capturaram muitos prisioneiros espanhóis. & # 9125 & # 93 Ao mesmo tempo, as forças americanas também capturaram Manila. Essas duas batalhas levaram a um acordo de armistício, que rapidamente levou ao Tratado de Paris, que encerrou a Guerra Hispano-Americana. & # 9126 & # 93


    Os EUA destroem a frota espanhola do Pacífico na Batalha da Baía de Manila - HISTÓRIA

    Visite nossa página inicial para saber mais sobre a Guerra Hispano-Americana Clique aqui para ver uma lista da tripulação de 1898
    Clique aqui para obter uma carta do Concurso de Água da CONCORD William Crouse

    EM GERAL:

    FUNDO:

    O navio participou de revisões navais internacionais em Norfolk e Nova York em março e abril de 1893, antes de partir para o Extremo Oriente para se juntar ao Esquadrão Asiático. Ela chegou a Hong Kong em 30 de outubro de 1893. Em 29 de maio de 1894, nos EUA CONCORD chegou a Unalaska, onde começou a cruzar no Pacífico Norte para defender um tratado entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha que protegia as focas. Ela também reuniu informações hidrográficas para corrigir as cartas do mar de Bering e conduziu observações científicas sobre focas.

    Depois de voltar ao Esquadrão Asiático em setembro de 1894, ela voltou a São Francisco, chegando em 3 de maio de 1896, onde foi colocada fora de serviço para reparos. Os reparos levaram quase um ano, de 27 de maio de 1896 a 22 de maio de 1897. De julho ao final de novembro de 1897, ela navegou em águas do Alasca.

    Ao ser ordenado ao comando do Esquadrão Asiático, o Comodoro Dewey descobriu que o Esquadrão nem mesmo tinha uma cota de munição para tempos de paz, e a guerra parecia estar se aproximando. Depois de ser informado de que nenhum navio mercante estava disponível para transportar a carga perigosa para o esquadrão, Dewey soube que o CONCORD estava sendo equipado na Ilha de Mare em preparação para ser enviado ao Esquadrão Asiático. Dewey pressionou para que ela carregasse uma carga da munição necessária. Ele visitou pessoalmente o navio, mostrando ao comandante a necessidade de transportar o máximo de munição possível. Algumas provisões do navio não foram compradas até que o navio chegasse ao Extremo Oriente para abrir espaço adicional para munição. Esse esforço se mostrou muito importante, pois, quando ficou claro que a guerra não seria evitada, já era tarde para enviar a munição. O navio navegou para o Extremo Oriente em 8 de janeiro de 1898.

    Depois de fazer o reconhecimento da Baía de Subic com o USS BOSTON em busca da frota espanhola, a CONCORD entrou na Baía de Manila com a frota de Dewey nas primeiras horas da manhã de 1º de maio de 1898. Ao passar pela Ilha El Fraile na entrada da Baía, a bateria na ilha abriu fogo no esquadrão. EUA CONCORD, junto com BOSTON, RALEIGH e McCULLOCH, todos responderam ao fogo.

    Às 5h05, a bateria terrestre espanhola perto de Manila abriu no Esquadrão a um alcance de 11 quilômetros. BOSTON e CONCORD responderam ao fogo, sem dar ouvidos ao aviso de Dewey para economizar munição. Durante a batalha, a CONCORD seguiu os EUA PETREL na linha de batalha, atacando a frota espanhola, que foi totalmente destruída. No final da batalha, a CONCORD foi enviada para acabar com o transporte espanhol MINDANAO que havia sido encalhado. O navio foi incendiado e sua carga de suprimentos destruída.

    Nos dias que se seguiram, o CONCORD desembarcou tropas em Corregidor para desarmar a artilharia espanhola ali. Os grupos de desembarque voltaram com as culatras dos canhões espanhóis. Além disso, quando McCULLOCH foi enviado a Hong Kong para registrar o relatório de Dewey sobre a Batalha da Baía de Manila com Washington, a CONCORD, em companhia de BOSTON, acompanhou-a além da entrada do porto, pois ainda se sabia que havia canhoneiras espanholas na área. Em meados de junho, quando foram divulgados relatos de um possível ataque de torpedo ao esquadrão, o esquadrão se posicionou para a defesa e o CONCORD vasculhou as águas ao largo de Manila nas primeiras horas da manhã. Nenhum ataque ocorreu.

    Em julho, CONCORD e RALEIGH foram despachados para Subic Bay, onde os alemães estariam ajudando os espanhóis contra os insurgentes. Se houve alguma ação, ela cessou, pois a presença dos navios americanos fez com que o navio de guerra alemão IRENE deixasse a baía. Mais tarde, durante o ataque final a Manila em agosto, o CONCORD foi estacionado perto do rio Pasig.

    Após a queda de Manila, a CONCORD deixou de assumir outras funções no Extremo Oriente, mas ela voltou em dezembro para ajudar a conter a Insurreição. Suas funções incluíam patrulhar a costa, bombardear postos avançados da guerrilha e ajudar nas operações do exército. Exceto por uma viagem a Guam para entregar suprimentos, a CONCORD permaneceu nas Filipinas até junho de 1901.

    Ela deixou as Filipinas e partiu para São Francisco, chegando em setembro de 1901, depois de passar algum tempo nas águas do Alasca. Ela cruzou brevemente fora do México antes de ser colocada fora de serviço na Ilha de Mare em 26 de fevereiro de 1902.

    A embarcação foi recomissionada em 15 de junho de 1903 e operou para o norte como Alasca, sul para o Panamá e leste para o Havaí antes de ser novamente descomissionada em Bremerton, Washington, em 4 de agosto de 1904. A CONCORD foi novamente recomissionada em 16 de setembro de 1905, navegando para as Filipinas, onde permaneceu até março de 1906. De lá, ela foi para a China, servindo como um navio de estação em Xangai e Cantão, e na patrulha do rio Yangtze até 1908. Em 2 de janeiro de 1909 ela começou suas funções como estacionar o navio em Guam, cargo que ocupou até setembro, quando partiu para Puget Sound, Washington, chegando em 11 de outubro de 1909.

    O CONCORD foi desativado em 4 de novembro de 1909 e foi designado como um navio quartel da Milícia Naval de Washington em Seattle. Em 15 de junho de 1914, ela foi transferida para o Departamento do Tesouro, servindo como estação de quarentena para a Guarda Costeira em Astoria, Oregon. EUA CONCORD voltou para a Marinha dos Estados Unidos em 19 de março de 1929 e foi vendido em 28 de junho de 1929.

    Duas das armas de seis polegadas da CONCORD podem ser vistas hoje em um parque perto de Seattle, no Woodland Park Zoo de Washington.

    VANTAGENS DESVANTAGENS:

    TECHNOTES:


    Nota: 152 mm é 6 "57 mm é 6 pdr. E 47 mm é 3 pdr. .

    Classificação:
    Patrulha Gunboat PG-3
    Deitado:
    Maio de 1888
    Lançado:
    8 de março de 1890
    Comissionado:
    14 de fevereiro de 1891
    Equipamento:
    Escuna de três mastros
    Armamento:
    Seis canhões de carregamento de culatra de 6 polegadas


    Duas armas de fogo rápidas de 6 libras


    Duas armas de fogo rápidas de 3 libras


    Dois canhões rotativos Hotchkiss de 37 mm


    Duas armas gatling


    Uma peça de campo (para grupos de desembarque).
    Contratante:
    N. F. Palmer & amp Company, Chester, PA.
    Comprimento:
    230 pés
    Feixe:
    36 pés
    Esboço, projeto:
    14 pés
    Calado máximo totalmente carregado:
    16.7 feet
    Deslocamento
    1710 tons
    Complemento:
    13 officers and 181 enlisted men under the command of Commander Asa Walker
    Engine Type:
    Horizontal triple-expansion engines, 3405 hp. 2 shafts.
    Speed:
    16.8 knots
    Coal bunker capacity:
    403 tons
    Normal coal supply:
    200 tons
    Armor:
    Unarmored, 3/8 inch steel on slopes and flats.
    Custo:
    Cost: $490,000 (for hull and machinery).
    Bibliografia:

    (As a service to our readers, clicking on title in red will take you to that book on Amazon.com)

    Dewey, George, Autobiography of George Dewey (Annapolis: Naval Institute Press, 1987, originally published in 1913 by Charles Scribner's Sons, New York) ISBN 0-87021-028-9.

    Harris, Brayton, Lt. Cmdr., U.S.N.R., The Age of the Battleship, (New York: Franklin Watts, Inc., 1965)

    Humes, Tim (info. on the guns at Seattle, Washington)

    Naval History Department, Department of the Navy, Dicionário de navios de combate da Marinha Americana, (Washington DC: Government Printing Office, 1959).


    (1899-1902)

    This was America's first true colonial war as a world power. After defeating Spain in Cuba and in the Philippines in 1898, the U.S. purchased the Philippines, Puerto Rico and several other islands from the Spanish. However, the Filipinos had been fighting a bloody revolution against Spain since 1896, and had no intention of becoming a colony of another imperialist power. In February of 1899, fighting broke out between the occupying American Army and the Filipino forces.

    "I am not afraid, and am always ready to do my duty, but I would like some one to tell me what we are fighting for."-- Arthur H. Vickers, Sergeant in the First Nebraska Regiment

    "Talk about war being 'hell,' this war beats the hottest estimate ever made of that locality. Caloocan was supposed to contain seventeen thousand inhabitants. The Twentieth Kansas swept through it, and now Caloocan contains not one living native. Of the buildings, the battered walls of the great church and dismal prison alone remain. The village of Maypaja, where our first fight occurred on the night of the fourth, had five thousand people on that day, -- now not one stone remains upon top of another. You can only faintly imagine this terrible scene of desolation. War is worse than hell."-- Captain Elliott, of the Kansas Regiment, February 27th

    *Quotes are from "Soldier's Letters. " , part of an anti-imperialism website formerly operated and edited by the late Jim Zwick.

    NAME OF CONFLICT: The Philippine-American War

    BEGAN: February 4, 1899

    ENDED: July 4, 1902 (This is the "official" end of the war, as proclaimed by U.S. President Theodore Roosevelt. Fighting continued on several islands for years to come.)

    TYPE(S) OF CONFLICT: Inter-State (From the Philippine perspective) and Colonial (From the American perspective).

    PREDECESSOR: The Philippine Revolution of 1896 (1896-1898), The Spanish-American War (1898)

    CONCURRENT: The Boxer Rebellion (1900)

    SUCCESSOR: The Moro Wars (1902-1913?)

    After centuries as a Spanish colony, a revolution led in part by Emilio Aguinaldo broke out in 1896 in the Philippine Islands. After fighting a savage guerilla war for two and a half years, the Filipinos suddenly found themselves in a seemingly advantageous position as allies of the United States. In 1898, Spain fought a losing war with the United States in which her colonies of Cuba, Puerto Rico, and Guam were overrun with relative ease by the U.S. Army and her Atlantic Fleet devastated outside of Santiago, Cuba. Similarly, Spain's Pacific Fleet was wiped out in the Battle of Manila Bay, and American troops landed on the outskirts of the capitol city.

    Following the surrender of the Spanish colonial government in the Philippines to American military forces in August,1898, tensions developed between U.S. and Filipino forces near Manila. The American government decided to keep the Philippines as a colony, thereby denying independence to the Filipino people. Aguinaldo and his army of nearly 80,000 veteran troops realized that their "allies" in the Spanish War would soon become foes.

    DESCRIPTION OF CONFLICT:

    As early 1899, U.S. and Filipino forces faced off as a tense situation became worse. American forces held the capitol of Manila, while Aguinaldo's army occupied a trench-line surrounding the city. On the evening of February 4, 1899, Private William Grayson of the Nebraska Volunteers fired the first shot in what would turn out to be a very bloody war. Grayson shot at a group of Filipinos approaching his position, provoking an armed response. Shooting soon spread up and down the ten-mile U.S.-Filipino lines, causing hundreds of casualties. Upon the outbreak of hostilities, U.S. troops, supported by shelling from Admiral Dewey's fleet, quickly overwhelmed the Filipino positions while inflicting thousands of casualties. Within days, American forces spread outward from Manila, using superior firepower, mobile artillery and command of the sea to full effect.

    By November of 1899, Aguinaldo and his forces had been pushed further and further into central Luzon (the main Philippine island) and he realized he could not fight the Americans with conventional military units. At this point, he ordered his followers to turn to guerilla tactics to combat the American army. From this point on, the war became a savage, no-holds-barred guerilla conflict made up of ambushes, massacres and retribution. Both sides engaged in wanton violence and slaughter. Villages were destroyed, civilians murdered, prisoners tortured and mutilated along with a host of other atrocities. Many American officers and non-coms had served in the Indian Wars, and thus applied the old belief that "the only good Indian was a dead Indian" to their relations with the Filipinos. This attitude of course was reciprocated by the native forces.

    Emilio Aguinaldo was captured in March, 1902, and organized opposition from his followers soon faded. Despite the official end to hostilities proclaimed on July 4, 1902, individual tribes in Luzon and the Muslim Moros of the southern islands launched further uprisings for another decade or so.

    Something new and historical: Want to learn how to drive a tank? Check out these tank driving experiences .

    CONSEQUENCES OF THE PHILIPPINE-AMERICAN WAR:

    1. Independence for the Philippines was delayed until 1946.

    2. The United States acquired an overseas colony which served as a base for U.S. business and military interests in the Asia/Pacific region.

    3. Following the conclusion of major hostilities, the U.S. did it's best to "Americanize" the Philippines. Through successful civilian administration, the Islands were modernized and the nation prepared for eventual independence. The Philippines became an independent nation on July 4, 1946.

    NÓS.-- 4,234 dead and 2,818 wounded.

    Filipinas-- 20,000 military dead and 200,000 civilian dead. (approximate numbers). Some historians place the numbers of civilian dead at 500,000 or higher.

    UNIQUE FACTS OR TRENDS:

    1. This was the first major land campaign fought by the U.S. outside of the Western Hemisphere.

    2. The Philippine-American War can be considered America's first "Imperialistic" conflict.

    1. In Our Image: America's Empire In The Philippines. 1989, by Stanley Karnow. pp. 75-195.

    2. The Wars of America. 1981, by Robert Leckie. pp. 563-574.

    LINKS

    To other sites on this conflict:

    Philippine-American War --Summary of the Philippine-American War (1899-1902), from Veltisezar Bautista's book, The Filipino American.

    Philippine Scouts Heritage Society --The site is intended to help support the mission of preserving the history, heritage and legacy of the Philippine Scouts for present and future generations.

    Small Wars Manual's Strategical and Psychological Principles in Philippine Counterinsurgency --consideration of Small Wars psychological principles looking at the Philippine War experience.

    Filipino Lessons For America Strategy In Iraq ----An analysis comparing warfare in the Philippines to the war in Iraq.

    The Saga of David Fagen: Black Rebel in the Philippine Insurrection --The story of an African-American soldier who joined the Filipino forces opposing the United States.

    The Philippine History Page: The Filipino Perspective --A Brief History of the Philippines from a Filipino Perspective.

    The Spanish-American War Centennial Site -- A very ambitious site delving into all aspects of the Spanish American War, including the issues of Cuba, Philippines, Puerto Rico, Guam, and the U.S. home front. Definitely worth looking at!

    Medal of Honor Recipients for the Philippine Insurrection -- From the U.S. Army website. A listing of American military personnel who won the Medal of Honor in the Philippine War.

    Named Campaigns of the Philippine Insurrection --A listing of U.S. Army campaigns in the Philippine War. From the U.S. Army website.

    Soldier's Letters: Materials for the History of a War of Criminal Aggression --Part of a very good website dealing with the issue of Anti-Imperialism.

    The Swish of the Kris -- This site offers the text of a history book written long ago detailing the Moros of the Southern Philippine islands. The Moros fought both the Spanish and the Americans as well as the modern Manila government.


    História [editar | editar fonte]

    Korean Expedition [ edit | editar fonte]

    In May 1871, Rear Admiral John Rodgers went to Korea, commanding an expedition of five Asiatic Squadron vessels, the screw frigate USS Colorado, the screw sloops-of-war USS Alasca and USS Benicia, the sidewheel gunboat USS Monocacy, and the screw tug USS Palos. The objective of the operation was to ascertain the fate of the merchant ship SS General Sherman, establish trade relations, and receive an assurance from the Joseon government that shipwrecked American sailors would be safely treated should they become stranded in Korea.

    Officers and men of USS Colorado during the Korean Expedition in 1871.

    On 1 June 1871, while Rear Admiral Rodgers was negotiating in Inchon, one of the Selee River forts opened fire on Palos as she traversed the Gangwha Straits. In the following engagement, Palos e Monocacy bombarded the fort until it was silenced and on 10 June 1871, the expedition attacked in force. Five of the six hostile forts were captured and destroyed, over 200 Koreans were killed and dozens of cannons were captured. Although the Americans won a military victory, the Koreans refused to sign a trade treaty until 1882.

    Spanish–American War [ edit | editar fonte]

    USS Charleston taking possession of Guam in June 1898 during the Spanish–American War.

    On 27 April 1898, the squadron, composed of the protected cruisers USS Olympia (the flagship of the squadron ' s commander, Commodore George Dewey), USS Baltimore, USS & # 160Raleighe USS & # 160Boston, the gunboats USS Petrel and USS Concórdia, and the United States Revenue Cutter Service cutter USS McCulloch, sailed from Mirs Bay, China, to the Philippine Islands to participate in the Spanish–American War. In the Battle of Manila Bay on 1 May 1898, the squadron destroyed the Spanish fleet in the Philippines, and effectively took control of Manila Bay. Eight Spanish ships were sunk and over 150 killed while the Americans suffered only slight damage. Vessels of the squadron also fought the Spanish in the battle to capture Manila. Naval gunfire on the Spaniards' left flank helped American troops take the city without severe losses. The Philippines became an American possession.

    On 20 June 1898, the Asiatic Squadron protected cruiser USS Charleston captured Guam from the Spanish without resistance, beginning the American possession of the island.

    Philippine–American War [ edit | editar fonte]

    The Asiatic Squadron participated in the Philippine–American War from 1899 until its disbandment in 1902. American naval forces operated by sending landing parties ashore and by providing them with naval gunfire support. From 1899 to 1902, the squadron conducted several missions against the Filipinos.

    Dewey ' s squadron engaged in naval operation against the Filipinos during and after the 1898 Battle of Manila against the Spanish. At the beginning of the Philippine–American War in February 1899, several American warships supported the occupation of the Philippine Islands. At the same time, the monitor USS Monadnock, the protected cruisers Charleston, and the gunboats Concórdia, USS & # 160Callao, e Laguna de Bay bombarded Filipino positions during the Battle of Caloocan. Over 300 Filipinos were killed in action and three times as many wounded, with many of the casualties attributed to accurate naval gunfire. USS Petrel e USS Boston shelled Panay Island on 11 February 1899, and, on 22 February 1899, a landing party from Petrel occupied Cebu. In October 1899, Petrel ingressou Callao in supporting American troops in the Battle of Neveleta by bombarding Filipino troop concentrations at Neveleta before a shore party made its assault.

    USS Concórdia off San Francisco, in the 1890s.

    Many of the captured Spanish gunboats used in the Philippine–American War were manned by United States Army troops and operated together with United States Navy forces. In mid-April 1899, General Henry Lawton led an expedition of 1,500 men in several cascoes and three gunboats to a place near Santa Cruz to find another former Spanish gunboat which was being used by the Filipinos during the ensuing Battle of Santa Cruz, the American force captured six steam launches along with two cascoes, and later took the Filipino gunboat, which the Filipinos reportedly had disarmed so that they could use her guns on land, without a fight.

    Baltimore e Petrel served at the Battle of Iloilo, in which about 1,000 Filipinos were defeated when the two warships bombarded the fort there and sent United States Marines and sailors ashore. Only minor skirmishing occurred on land because the Filipinos retreated and burned the town as they left.

    On 7 May 1899, Laguna de Bay and another gunboat bombarded Sexmoan and routed the Filipinos there. Later that day, the gunboats fought at Gaugua, where they bombarded Filipino positions in the town and sent men ashore to fight on the ground. Again the Filipinos retreated and set several buildings on fire as they went.

    In June 1899, American gunboats silenced an artillery piece during the Battle of Zapote River, which ended with an American victory.

    In the summer of 1899, American gunboats started patrolling Subic Bay. During a routine patrol, the collier USS Zafiro entered Subic Bay and came under fire from a shore battery protecting Olongapo. Zafiro withdrew to Cavite and reported the incident to headquarters. In response, Charleston engaged the battery. On 23 September 1899, Charleston, Concórdia, the monitor USS Monterey, e Zafiro steamed into Subic Bay and destroyed the battery in the Battle of Olongapo. Then, a company of U.S. Marines and sailors landed and took control.

    Charleston grounded on an uncharted reef off Camiguin Island on 2 November 1899. She sustained heavy damage, and her crew abandoned ship and escaped to the nearby island where they made camp. Charleston ' s launch was sent out for help and, after ten days of being marooned, the American sailors were rescued by the gunboat USS Helena.

    On 7 November 1899, Helena bombarded San Fabian in Lingayen Gulf and covered the landing of 2,500 American troops there.

    Asiatic Squadron gunboats took part in the Battle of Mabitac in June 1900, where they bombarded Filipino forces while U.S. Army troops attacked their fortifications. In a bloody frontal assault the American troops were repulsed and the Filipinos won the battle.

    In November 1900, the Asiatic Squadron auxiliary cruiser USS Yosemite was heavily damaged in a typhoon while in Apra Harbor, Guam. Due to damage to her screw, her crew scuttled her. They were picked up later by the collier USS  Justin.

    The gunboat USS Vicksburg assisted land forces in capturing the Filipino rebel Emilio Aguinaldo in March 1901 at Palawan Island. Later the gunboat USS Isla de Luzon supported the operation which led to the capture of the Filipino general Vicente Lukbán on Samar in November 1901.

    Boxer Rebellion [ edit | editar fonte]

    During the Boxer Rebellion, the Asiatic Squadron participated in the China Relief Expedition in 1900. At the time, Peking was home to many foreigners who were under siege by Boxer rebels. An international force including U.S. Marines and U.S. Navy sailors of the Asiatic Squadron slowly fought their way to take control of Tientsin away from the Boxers in order to relieve the siege of the international legations at Peking.

    Asiatic Fleet [ edit | editar fonte]

    In 1902, the Asiatic Squadron was upgraded in status, becoming the United States Asiatic Fleet. Except for a period from early 1907 until 28 January 1910 when it was downgraded to the status of First Squadron, United States Pacific Fleet, the Asiatic Fleet replaced the Asiatic Squadron in defending American interests in East Asia from 1902 until February 1942.


    Assista o vídeo: Colômbia resgata 24 estrangeiros no Pacífico