Wako

Wako


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Wako (também conhecido como wokou e waegu) é um termo usado para se referir aos piratas japoneses (mas também incluindo chineses, coreanos e portugueses) que assolaram os mares do Leste Asiático da Coréia à Indonésia, especialmente entre os séculos 13 e 17 EC. Além da interrupção do comércio, da devastação que se abateu sobre as comunidades costeiras e dos muitos milhares de inocentes que foram vendidos como escravos, os piratas causaram tensões significativas nas relações diplomáticas entre a China, a Coréia e o Japão ao longo desse período. Na verdade, os piratas prejudicaram seriamente a reputação do Japão aos olhos de seus vizinhos do Leste Asiático no período medieval. Foi somente depois que o senhor da guerra Toyotomi Hideyoshi (1582-1598 dC) unificou o Japão central que o governo foi finalmente forte o suficiente para lidar efetivamente com o flagelo dos piratas e pôr fim ao seu reinado de terror.

Pirataria em alto mar

Wako pode ser traduzido como 'piratas anões' e, embora muitos fossem do Japão, o termo também foi aplicado indiscriminadamente a qualquer marinheiro que não servisse em alto mar e, portanto, poderia incluir piratas baseados nas costas da Coréia, Taiwan e China, bem como Aventureiros portugueses, para citar apenas alguns. Há até evidências de que alguns piratas se disfarçaram de japoneses para evitar serem detectados de onde eles navegaram. Os chineses chamavam esses piratas wokou e os coreanos waegu. Os piratas saquearam navios em todo o Leste da Ásia desde pelo menos o século 8 dC, mas foi o wako do século 13 DC em diante, que atingiu novos níveis de roubo, ajudado pela interrupção do comércio marítimo legítimo que se seguiu às invasões mongóis da Coreia entre 1231 e 1259 DC.

A base pirata mais famosa era a ilha de Tsushima, no Japão, onde havia muitas enseadas facilmente defendidas.

A base pirata mais famosa era a ilha de Tsushima, no Japão (que também tinha portos legítimos), onde havia muitas enseadas facilmente defendidas. A ilha é rochosa e montanhosa de modo que os residentes lutaram para fornecer comida suficiente para si próprios, enquanto os senhores feudais locais, o So, ganharam muito patrocinando os saqueadores que apreendiam mercadorias em alto mar. Outras bases piratas importantes no Japão estavam na Ilha Iki e em Matsura.

Em seu pico no século 14 EC, centenas de navios piratas assolaram os estreitos entre a Coreia e o sul do Japão e fizeram quatro ou cinco grandes ataques na península sul coreana a cada ano. Muitos piratas até decidiram saquear navios e portos costeiros no lado oeste da península coreana, bem ao norte da ilha de Kanghwa. Nos séculos 15 e 16 dC, a costa da China tornou-se outra área-alvo. Os piratas roubavam qualquer coisa de valor (por exemplo, metais preciosos, espadas, armaduras e artigos de laca), mas especialmente produtos a granel como tecidos, grãos e arroz enviados como tributo ao imperador chinês.

Os piratas atacariam portos e assentamentos costeiros com frotas de até 400 navios transportando grupos de ataque de 3.000 homens. Embora estivessem apenas levemente armados - a arma preferida são as espadas - eles formaram exércitos disciplinados e encontraram pouca oposição organizada. Enquanto o wako frequentemente apreendidos inocentes para serem vendidos como escravos a senhores feudais ou comerciantes de escravos portugueses, muitas comunidades agrícolas retiraram-se mais para o interior, mesmo que isso significasse que as melhores terras agrícolas foram abandonadas. Os riscos para o wako, além de uma defesa vigorosa dos legítimos proprietários, incluía a execução se fossem pegos pelas autoridades na China, Coréia ou Japão.

Identidade

Uma das dificuldades para as autoridades medievais (e historiadores modernos) era identificar quem exatamente eram wako. Os piratas às vezes praticavam comércio legítimo e, sem dúvida, alguns comerciantes praticavam o estranho ato de pirataria. Piratas experientes também apreenderam documentos oficiais, como as contagens da Dinastia Ming (1368-1644 dC), ou kango, que foram projetados para mostrar que o navio era um comerciante legítimo ou transportador de tributo. Parte do problema também era a vantagem dos piratas sempre que havia um declínio nas relações comerciais legítimas entre a China, a Coréia e o Japão, o que acontecia com frequência a partir do século 12 EC, dependendo dos eventos internos de cada país. Nesse caso, alguns senhores feudais em todos os três países ficaram felizes em endossar piratas como um meio de aumentar suas próprias receitas. Também era verdade que muitos wako, talvez até a maioria no século 16 dC, eram chineses, muitos deles ex-comerciantes descontentes com as restrições internas do governo Ming e os impostos sobre o comércio. A Coreia também tinha sua própria parcela de piratas indígenas e outro grupo notável eram os comerciantes portugueses que frequentemente colaboravam com piratas para contrabandear suas mercadorias para a China.

História de amor?

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

A Resposta Coreana

No século 14 DC, os coreanos reuniram uma frota de navios armados com canhões para enfrentar o flagelo dos piratas com uma vitória notável creditada a Choe Muson (m. 1395 DC) contra uma grande frota pirata na foz do Rio Kum em 1380 DC . Na batalha, Choe Muson conseguiu empregar canhões graças a seus esforços incansáveis ​​para desenvolver pólvora. No entanto, apesar de várias outras vitórias ao longo dos anos pela marinha coreana, incluindo ataques diretos à Ilha de Tsushima em 1389 CE e novamente em 1419 CE, quando 700 suspeitos de pirataria foram executados, os saqueadores não puderam ser completamente erradicados. O governo coreano impôs penalidades severas, incluindo execução, para aqueles que colaboravam com piratas, mas eles precisavam que o governo japonês fizesse mais de seu lado e enviaram várias embaixadas ao tribunal japonês para esse fim específico.

A Resposta Chinesa

Os piratas causaram problemas suficientes para que os chineses garantissem três missões diplomáticas distintas à corte japonesa para ver o que poderia ser feito a respeito. Assim como nas missões coreanas, porém, o problema real era que os japoneses tinham pouco controle sobre as bases dos piratas, mesmo que os chineses começassem a insistir que acordos comerciais entre eles e o Japão dependeriam dos esforços do último governo para manter os piratas sob controle. Então, como observado, os piratas chineses aumentaram em número, apenas aumentando o problema de proteger os mares para navios comerciais legítimos. Vários grupos de piratas até ganharam batalhas contra os exércitos Ming enviados para dispersá-los. O Imperador Yongle (r. 1403-1424 DC) da Dinastia Ming expressou a frustração de todos quando declarou:

Os navios não podiam alcançá-los prontamente, nem lanças ou flechas podiam tocá-los prontamente. Não poderíamos movê-los concedendo benefícios a eles; nem poderíamos temê-los pressionando-os com nossa força.

(Huffman, 50-1)

Percebendo a dificuldade de patrulhar constantemente vastas áreas do mar e remover os piratas de suas bases bem protegidas, os chineses preferiram uma política de defesa robusta. Consequentemente, fortes foram construídos ao longo das áreas mais vulneráveis ​​da costa e todo o comércio marítimo foi proibido. Essencialmente, qualquer embarcação não oficial agora poderia ser identificada como um navio pirata. Em meados do século 16 EC, uma ação ainda mais determinada foi tomada contra os piratas. Os chineses reformaram seu sistema tributário e, em vez do serviço militar, o pagamento poderia ser feito em prata. Com essa receita, uma força naval defensiva foi montada para patrulhar a costa e afundar todos os piratas que encontrassem. Consequentemente, sérias derrotas foram infligidas aos piratas por forças lideradas por dois notáveis ​​generais Ming, Hu Tsung-hsien (falecido em 1565 DC) e Chi Chi-kuang (falecido em 1587 DC), e a captura do líder pirata mais procurado , Wang Chih em 1557 CE.

A Resposta Japonesa

No século 14 DC, a fraqueza do governo central, ainda sem controle de todas as ilhas do Japão, fez com que as autoridades pouco pudessem fazer para controlar a pirataria, mesmo quando solicitadas por embaixadas de países vizinhos, a começar por O primeiro da Coréia em 1367 CE.

Em 1443 dC, os governos japonês e coreano finalmente se uniram e assinaram o Tratado de Kyehae, que buscava legitimar o comércio entre os dois países, particularmente entre a Ilha de Tsushima e os portos coreanos de Tonnae, Ungchon e Ulsan, removendo assim parte da renda do pirata. Infelizmente, o tratado foi rasgado em 1510 EC após distúrbios causados ​​por comerciantes japoneses em todos os três portos coreanos. Um novo acordo, mas de escopo muito mais limitado, foi elaborado dois anos depois. O tratado diluído funcionou por um tempo, mas os piratas voltaram para atacar os portos coreanos em uma grande ofensiva em 1544 EC.

Este conteúdo foi possível com o apoio generoso da Fundação Sasakawa da Grã-Bretanha.


O cerco de Waco: 6 fatos pouco conhecidos

A cidade de Waco, no Texas, tornou-se, para muitos americanos, sinônimo de tragédia & # x2014 desde o cerco de Waco de 51 dias em 1993 entre o governo federal e uma seita religiosa extremista chamada Branch Davidians que terminou em um incêndio mortal.

O grupo, liderado pelo polêmico autoproclamado profeta David Koresh, era uma ramificação de outro grupo chamado Shepherd & # x2019s Rod, que estava ligado aos adventistas do sétimo dia.

Em 28 de fevereiro de 1993, em resposta a relatos de que os davidianos estariam armazenando armas ilegais em seu complexo, o Mount Carmel Center, em preparação para o fim do mundo, agentes do Federal Bureau of Alcohol, Tobacco and Firearms invadiram a propriedade. O objetivo deles: vasculhar as instalações e prender Koresh por posse ilegal de armas. Mas o plano foi para o sul rápido, com quatro agentes federais e seis Branch Davidians morrendo em um tiroteio caótico. Ainda não está claro quem disparou o primeiro tiro.

Uma foto de David Koresh descansando ao lado de uma cruz de madeira como parte de um monumento erguido em Waco, Texas, por apoiadores do líder e fundador do Ramo Davidiano. & # XA0

O FBI então se envolveu em um impasse de 51 dias com Koresh no complexo. Durante esse tempo, os negociadores providenciaram a libertação de 35 Ramo Davidianos, incluindo 21 crianças. Mas em 19 de abril de 1993, em uma tentativa de atrair Koresh e seus seguidores para fora, os agentes tomaram medidas decisivas que os críticos mais tarde chamaram de extrema ou injustificada: eles bateram no prédio com tanques e lançaram um ataque com gás lacrimogêneo. A estrutura pegou fogo (a causa do incêndio ainda é debatida), e 76 Branch Davidians & # x2014 que incluía 28 crianças & # x2014 morreram nas chamas.

Em algum momento durante o incêndio, Koresh, então com 33 anos, morreu de um tiro na cabeça. Não se sabe se ele se matou ou foi baleado por outra pessoa. Mas essa não é a única pergunta sem resposta quando se trata do cerco infame. Aqui estão alguns outros debates e outros fatos pouco conhecidos sobre o cerco de Waco e Koresh:


A Wako Chemicals USA Inc. iniciou suas operações nos Estados Unidos em 1981, como uma subsidiária integral da Wako Pure Chemical Industries, Ltd., Japão. Depois que as operações mundiais da Wako foram adquiridas pela FUJIFILM, o modelo de negócios foi atualizado à medida que as sinergias se desenvolveram.

A FUJIFILM Wako Chemicals continua a fabricar e vender uma variedade de especialidades e produtos químicos de laboratório em associação com a FUJIFILM Wako Pure Chemicals LTD do Japão e, no final de 2020, a FUJIFILM Wako Chemicals expandiu suas ofertas de soluções laboratoriais automatizadas com a integração da FUJIFILM Wako Automation Corporation.

A FUJIFILM Wako Chemicals U.S.A. Corporation se esforça para garantir o sucesso de nossos clientes e fornecedores por meio de:

  • Integrando nossos atributos culturais internacionais
  • Fornecimento de produtos únicos e inovadores de qualidade
  • Compromisso com a segurança, eficácia dos funcionários, o mais alto nível de integridade e um forte senso de responsabilidade pública

A verdadeira história de ‘Waco’ ainda é motivo de contenção

Foi há 25 anos nesta primavera, quando o céu, 13 milhas a nordeste de Waco, Texas, se encheu de fogo estrondoso em um cerco do governo que deu errado. Quando a fumaça se dissipou, mais de 70 estavam mortos.

Acusações e contra-acusações seguiram o incidente, de audiências no Congresso a processos judiciais. Houve também alguns filmes de TV sobre David Koresh, o líder do culto religioso chamado Branch Davidians e o cerco do Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) e o FBI.

A versão filmada mais detalhada pode ser a minissérie que estreou na semana passada na Paramount Network, o canal a cabo que até recentemente era a Spike TV.

& # 8220Waco & # 8221 possui um elenco impressionante que inclui Taylor Kitsch de & # 8220Friday Night Lights & # 8221 com armações de aviador esportivo e uma tainha como Koresh. À sua frente está o duas vezes indicado ao Oscar Michael Shannon como Gary Noesner, o chefe da Unidade de Negociação de Crises do FBI e # 8217, Gary Noesner. Outros membros do elenco incluem & # 8220Supergirl & # 8221 Melissa Benoit como uma das esposas de Koresh & # 8217s e Camryn Mannheim de & # 8220The Practice & # 8221 como a mãe de um membro do composto. & # 160

A estreia atraiu 1,11 milhão de telespectadores & # 8212, um sucesso para uma rede de cabo menor na primeira semana de seu novo nome. Na demo 18-49, ele empatou o episódio do muito mais divulgado & # 8220O Assassinato de Gianni Versace: American Crime Story & # 8221 na mesma noite.

As primeiras resenhas da minissérie mostraram sua exatidão histórica - quase a ponto de falhar. O guardião chamou isso de & # 8220 reencenação em vez de dramatização, apresentando esses personagens e imagens sem desenvolvê-los além de seus pontos reais. & # 8221 Um escritor para Forbes disse que & # 8220 no final sofre por parecer mais uma lição de história do que um drama. & # 8221 E O jornal New York Times disse que foi & # 8220 um resumo prático de eventos que pinta um retrato amplamente, alguns dizem excessivamente, simpático de Koresh e seus seguidores. & # 8221

Os cineastas basearam a série em um par de livros escritos por participantes de dentro e de fora do cerco & # 8212 & # 160 Noesner & # 8217s 2010 Ganhando tempo: minha vida como negociador de reféns do FBI e 1999 Um lugar chamado Waco: A Survivor & # 8217s Story por David Thibodeau, um dos nove sobreviventes do Ramo Davidiano. Thibodeau é retratado na série de Rory Culkin.

Juntos, os livros e outras entrevistas feitas na preparação tinham o objetivo de mostrar mais sobre o que estava acontecendo entre os que viviam dentro do complexo, bem como as disputas entre a ATF e o FBI que levaram à tragédia.

& # 8220As pessoas falam sobre & # 8216David Koresh fez todas essas coisas horríveis, David Koresh meio que esperava isso, & # 8217 & # 8221 diz John Erick Dowdle, que criou a minissérie com seu irmão Drew Dowdle. (Acredita-se que Koresh tenha cometido vários relatos de abuso infantil e estupro dentro do complexo, sem mencionar o esconderijo ilegal de armas que aparentemente colocou o complexo sob cerco.) & # 8220Mas nunca nos ocorreu pensar: & # 8216Bem, e quanto às outras pessoas lá, que eram inocentes de qualquer coisa, que eram boas pessoas tentando viver uma vida que consideravam positiva e da maneira correta? & # 8217 & # 8221

Os irmãos Dowdle, que já fizeram thrillers de tela grande como Sem fuga, como acima / abaixo e Diabo, começou examinando a história de Koresh & # 8217s. E havia muito o que contar.

Nascido Vernon Howell, filho de uma mãe solteira de 14 anos, Koresh foi severamente abusado quando criança, tinha dificuldades de aprendizagem e sofreu bullying na escola. Seu pai abandonou a família por outra adolescente antes de Koresh nascer e sua mãe começou a viver com um alcoólatra violento.

Howell se tornou um cristão nascido de novo e se juntou à igreja Adventista do Sétimo Dia de sua mãe, antes de ser expulso por querer se casar com a filha do pastor.

Ele acabou com o grupo Branch Davidian, uma seita separatista Waco que cresceu a partir dos adventistas do sétimo dia davidianos, que ele acabou assumindo após uma série de incidentes violentos. Ele mudou seu nome para David Koresh em 1990 para se referir não apenas ao Rei David, mas Koresh é o nome bíblico de Ciro, o Grande.

Em vez de lidar com a história de fundo de Koresh & # 8217, no entanto, os Dowdles se concentram na de seus seguidores, incluindo Thibodeau. & # 8220O que lemos [no livro de Thibodeau & # 8217s] foi completamente diferente do que esperávamos ler & # 8221 John Erick Dowdle disse a repórteres este mês na turnê de inverno da TV Critics Association.

& # 8220Eu só quero que as pessoas de dentro sejam humanizadas & # 8221 disse Thibodeau, que também estava na entrevista coletiva, ao descrever seu livro. & # 8220Eles morreram por aquilo em que acreditavam, quer você acredite nisso ou não. Para mim, eles são mártires e não deveriam ser apenas demonizados e odiados. & # 8221

Em & # 8220Waco & # 8221, além da empatia pelos que foram pegos dentro do complexo, há também um entendimento para o papel do negociador do FBI & # 8217s e como Noesner lutou contra a militarização da aplicação da lei, um debate ainda acirrado hoje. Noesner esbarra com seus colegas que queriam mostrar o cerco, como uma espécie de maquinação para as manchetes ruins que surgiram de um impasse semelhante em Ruby Ridge, Idaho, seis meses antes.

Nesse incidente, Randy Weaver, sua família e um amigo não saíram de sua cabana remota para responder a acusações de porte de arma de fogo. Um tiroteio inicial deixou um Marechal dos EUA e a esposa e o filho de Weaver e # 8217 mortos. As negociações levaram a uma rendição pacífica que ocorreu 11 dias depois. (A minissérie coloca Noesner em Ruby Ridge como um embelezamento dramático de que o negociador real não estava lá em 1992.)

Ambos os incidentes fracassados ​​causaram mortes, inflamaram a extrema direita e foram citados por Timothy McVeigh ao inspirar o bombardeio de 1995 do Edifício Federal de Oklahoma City, que ocorreu no segundo aniversário do incêndio em Waco. & # 160

& # 8220É & # 8217 difícil não ler esses dois livros e não ter empatia pelos dois lados, não importa quais sejam seus preconceitos & # 8221 Drew Dowdle diz. & # 8220Lendo o livro [Thibodeau & # 8217s], foi apenas aprender quem essas pessoas realmente eram e colocar nomes e rostos para muitas das pessoas que morreram, isso foi muito esclarecedor para nós. & # 8221

Mas, ele acrescentou, & # 8220Você leu o livro [Noesner & # 8217s] também acabou de perceber como o desafio deles era nessa situação também. & # 8221

O Ramo Davidiano acreditava que estava vivendo em uma época em que as profecias bíblicas e o julgamento divino estavam chegando, antes da segunda vinda de Cristo. Uma sede foi estabelecida pela primeira vez perto de Waco em 1935 e no auge, 900 pessoas se mudaram para lá esperando um sinal de Deus. & # 160Koresh chegou ao poder ainda jovem na década de 1980, em parte por ter como amante sua líder, uma mulher de 60 anos. Quando ela morreu em 1986, aos 70 anos, houve uma luta pelo poder entre seu filho e Koresh.

Ao ascender à posição de liderança, Koresh nunca afirmou ser Jesus, mas se referiu a si mesmo como & # 8220o Filho de Deus, o Cordeiro & # 8221 e, ao contrário de seus predecessores, começou a estocar armas, um afastamento de seu sistema de crença pacifista. Cerca de 130 pessoas viviam no complexo quando o ATF abordou pela primeira vez, no início de 1993. Eles foram avisados ​​depois que um pacote da UPS com cápsulas de granadas a caminho do complexo se quebrou acidentalmente.

O ATF tentou executar um mandado de busca e apreensão relacionado a violações de armas e as alegações de abuso sexual.

A minissérie começa com ATF fechando em Mount Carmel em 28 de fevereiro de 1993. Então ela volta nove meses antes para estabelecer a entrada de Thibodeau & # 8217s no grupo & # 8212 porque o grupo de rock Koresh & # 8217s precisava de um baterista.

Ao contrário do que está representado em & # 8220Waco & # 8221, os dois não se encontraram na passagem de som de um bar local, onde se deram bem e tocaram & # 8220My Sharona. & # 8221

& # 8220Eu fui para Los Angeles para ser baterista de uma banda & # 8221 disse Thibodeau, que, ao contrário da figura menor retratada por Culkin no filme, é um homem corpulento 25 anos depois.

Ele disse que conheceu Koresh & # 8220at Guitar Center & # 8221 e deu a ele um cartão de visita com algumas escrituras e o baterista respondeu: & # 8220I & # 8217m não estou procurando fazer parte de uma banda cristã. & # 8221

& # 8220A maneira que eles descreveram foi que eles tiveram alguns insights das Escrituras que eram mais profundos do que o Cristianismo, & # 8221 Thibodeau disse. & # 8220Para minha surpresa, cerca de uma semana depois, acabei ligando para eles. Por algum motivo, ele simplesmente continuou pressionando. & # 8221

Naquela manhã de domingo, 78 agentes do ATF se aproximaram em um comboio de 80 veículos para o complexo. A invasão não foi cancelada quando ficou claro que o Ramo Davidiano havia sido avisado por um veículo de notícias pedindo informações. Os cultistas se prepararam para o ataque.

A questão de quem disparou o primeiro tiro há muito tempo está em polêmica. Alguns agentes do ATF disseram ter ouvido tiros vindos de dentro do complexo. Outro sugeriu que uma arma do agente # 8217 disparou acidentalmente. Mas a minissérie continua com a afirmação de que os primeiros tiros foram os disparados pelos agentes contra os cães do complexo.

O que começou às 9h45 terminou às 11h30 com quatro agentes do ATF mortos e 16 feridos, um quinto foi morto no final do dia. Cinco Branch Davidians foram mortos. Foi a batalha armada mais longa da história da aplicação da lei dos EUA. E o cessar-fogo veio apenas porque os agentes federais estavam ficando sem munição.

O cerco consome grande parte do terceiro episódio da minissérie. O tenso impasse de 51 dias com o FBI, que assumiu as operações do governo, culmina em um ataque com gás lacrimogêneo em 19 de abril e no incêndio apocalíptico que matou 76 pessoas no complexo, incluindo Koresh.

Uma investigação interna do Departamento de Justiça concluiu em 2000 que o incêndio foi iniciado a partir de outras interpretações, incluindo um filme de 2000 do então pouco conhecido traficante de conspiração Alex Jones,& # 160America Wake Up (ou Waco) & # 160alegar que foi o governo.

Como & # 8220Waco & # 8221 lida com as consequências do incêndio, quem o causou e se ele foi armado pelos cultistas como parte de um violento final de jogo de inspiração bíblica, ainda está para ser visto - apenas três episódios foram disponibilizados para o pressione com antecedência. Mas, com base no material de origem, Thibodeau sustentou que o Branch Davidians não iniciou o incêndio por conta própria, como alegou o relatório resultante do Departamento de Justiça em 2000. E Noesner tem pouco a acrescentar a esse debate, tendo deixado Waco três semanas antes da invasão, depois de libertar 35 pessoas, a maioria crianças, do complexo. & # 160 & # 160

Muitos dos personagens principais de & # 8220Waco & # 8221 são baseados em pessoas reais, incluindo o tenente Steve Schneider de Koresh & # 8217 (Paul Sparks), a personalidade da rádio local Ron Engleman (Eric Lange) e o advogado da associação Wayne Martin (Demore Barnes). Mas John Leguizamo & # 8217s personagem & # 8212 um agente ATF que se aproximou do complexo movendo-se ao lado & # 8212 é chamado Jacob Vazquez em vez de Robert Rodriguez, que era o agente ATF disfarçado real.

Sobre se a tragédia poderia ter sido evitada, Thibodeau diz que acha que Koresh & # 8220 poderia ter sido justificado. & # 8221

& # 8220Ele sempre foi uma pessoa razoável desde que o conheci & # 8217, & # 8221 Thibodeau diz de Koresh. & # 8220Acho que o que aconteceu foi que o ATF estragou terrivelmente mal no primeiro dia. E então o FBI entrou, e a falta de comunicação foi tão profunda que ambos os lados sentiram que estavam sendo enganados. E ao longo dos 51 dias, todos os dias havia uma entrevista coletiva, e todos os dias eles estavam nos chamando de seita, nos demonizando. & # 8221

Controlar a mensagem do lado de fora, diz Thibodeau, significava que as pessoas de dentro foram esquecidas e eles eram apenas líderes de seita malucos que mereciam o que receberam. E isso é realmente muito ruim. & # 8221

Como negociador, Noesner esperava que Koresh renegasse algumas de suas promessas como parte normal do processo. Mas & # 8220 em Waco, nosso comandante no local e o comandante tático interpretaram esses comportamentos de uma maneira muito negativa & # 8221, ele diz. & # 8220Então eles tomariam medidas que seriam as únicas coisas que atrapalhariam Davi. Portanto, foi uma tragédia muito complexa. & # 8221

Para Kitsch, retratar Koresh & # 8220 foi uma experiência de difícil aprendizado, para ser honesto. Eu nunca joguei com alguém assim ou remotamente perto. & # 8221

Mas mesmo depois de todas as pesquisas que fez, estudando fitas de áudio, materiais de recrutamento e literatura, diz Kitsch. & # 8220 Ainda há coisas para as quais eu & # 8217 nunca terei respostas, e não acho que nenhum de nós terá. & # 8221


Koresh disse a seus seguidores que ele era o Messias & # 8212, mas ele mesmo pode não ter acreditado.

Os agentes do FBI disseram ao FRONTLINE que qualquer Branch Davidians que quisesse deixar o complexo teve que se submeter a uma & # 8220exit entrevista & # 8221 com Koresh, que lembraria o seguidor rebelde que abandoná-lo era rejeitar a salvação.

Mas ele pode não ter realmente acreditado nisso, de acordo com um negociador que puxou conversa com Koresh durante o impasse. Nas transcrições de sua conversa com Byron Sage, um negociador do FBI, Koresh dançou em torno da questão:

SÁBIO: E então você agora está afirmando clara e simplesmente que você é o Cristo.

KORESH: Estou dizendo que nenhum homem pode me conhecer, nem a meu pai, a menos que abram o livro e dêem uma chance justa, com honestidade e eqüidade, de ver os selos.

Depois dessa conversa, Sage disse ao FRONTLINE que estava convencido de que Koresh estava mentindo. & # 8220Digo a ele que estou absolutamente confiante na minha salvação e ele & # 8217 não está em posição de contestá-la & # 8221, disse ele. & # 8220Agora, se alguém estivesse em posição de tentar desafiar minha fé como cristão, seria alguém que se percebe como o Cristo. Ele não assume essa postura. Desse ponto em diante, está absolutamente claro em minha mente com o que estamos lidando. Esse cara não está delirando. Ele não é um complexo messiânico. Ele não compra por conta própria. & # 8221


O envolvimento americano na Primeira Guerra Mundial trouxe à tona vários fabricantes que começaram a trabalhar para atender à grande demanda de materiais de guerra exigida a fim de atender às necessidades do Governo dos Estados Unidos. Os Estados Unidos estavam muito atrás das nações europeias em termos de desenvolvimento da aviação e foi neste campo que os fundadores da Waco Aircraft Company se conheceram.

Elwood J. Junkin e Hattie Meyers Weaver Junkin Clayton Brukner

Clayton J. Brukner e o amigo de longa data Elwood J. "Sam" Junkin haviam se envolvido no campo da aviação antes do envolvimento dos Estados Unidos na guerra em Michigan, construindo vários planadores e até mesmo tendo aulas de vôo. Em busca de oportunidades na aviação, os dois se mudaram para o leste e foram trabalhar para a Aeromarine Plane and Motor Company em Nutley, New Jersey e, em seguida, para a Curtiss Airplane and Motor Company em Buffalo, Nova York. Foi aqui que conheceram vários homens que desempenhariam um papel proeminente na formação da Waco Aircraft Company. Enquanto trabalhava para Curtiss, Clayt e Sam conheceram Harold C. Deuther, Charles W. Meyers e George E. “Buck” Weaver.

Buck Weaver, piloto de testes, coproprietário e homônimo da Weaver Aircraft Company (WACO).

Durante suas horas de folga, Brukner, Junkin e Deuther começaram a trabalhar em um barco voador monoposto movido a 15 h.p. Motor Hendee no Haley Building em Curtiss. A Primeira Guerra Mundial terminou em 1918, mas o trio decidiu permanecer em Buffalo para terminar o barco voador. Charlie Meyers e Buck Weaver decidiram buscar fortuna em outro lugar e se mudaram para Lorain, Ohio, para formar a Escola de Aviação de Ohio em Woodruff Field, onde convidaram o trio a se juntar a eles. Terminando o barco voador em 1919, eles começaram os testes, mas descobriram que ele não conseguia “se soltar” da água devido à potência inadequada do motor. Destemidos, Brukner, Junkin e Deuther carregaram o barco voador em um caminhão dirigido pelo colega Ed E. Green e se mudaram para Lorain, Ohio, para continuar os testes. Chegando a Lorain em 10 de agosto de 1919, eles alugaram um espaço no andar superior do Carek’s Dance Hall e começaram a projetar duas novas aeronaves. Foi nessa época que decidiram formar a DBJ Airplane Company.

O primeiro projeto foi um pequeno biplano de um único local conhecido como DBJ “Scout” movido a 15 h.p. Hendee que havia movido o malsucedido Barco Voador Bebê, como o primeiro modelo ficou conhecido. O “Scout” foi concluído e voado com sucesso, mas foi danificado em um acidente ao ser saltado por Brukner e não reconstruído. O segundo projeto era um barco voador maior, de dois lugares, movido por um motor em linha refrigerado a água de 40 h.p. Este avião também foi concluído em pouco tempo, mas também não teve sucesso em decolar. Um terceiro projeto foi iniciado, mas logo abandonado devido à falta de fundos e o grupo se juntou a Meyers e Weaver em sua aventura de barnstorming a fim de levantar o dinheiro necessário para continuar construindo aviões.

Em novembro de 1919, foi decidido fundir os ativos da informal DBJ Airplane Company na Weaver Aircraft Company. Eles começaram a trabalhar em um design totalmente novo no Carek’s Dance Hall, que se tornaria conhecido como "Cootie". O “Cootie” era uma aeronave do tipo guarda-sol de asa alta movida por um motor Lawrance A-3 de dois cilindros de 28 h.p. às 1400 rpm. Em fevereiro de 1920, o “Cootie” foi concluído e estava pronto para ser testado. Com Buck Weaver nos controles, o avião decolou rapidamente. Buck voou com o avião localmente por cerca de 20 minutos. Voltando ao campo, uma névoa de solo começou a surgir. Quando Buck aterrissou, uma das rodas travou em um sulco congelado e Buck perdeu o controle e bateu. O avião foi seriamente danificado e Buck também ficou gravemente ferido quando seu rosto se chocou contra o painel de instrumentos. Enquanto Buck estava se recuperando, o trabalho começou em um segundo “Cootie” em abril de 1920 e desta vez foi redesenhado como um biplano. O avião voou bem, mas eles não tiveram sucesso em encontrar um comprador.


Como terminou o impasse de Waco?

Durante o impasse de 51 dias, o FBI conseguiu garantir a libertação de 44 pessoas, de acordo com os registros da agência. Koresh teve 117 conversas com negociadores do FBI que duraram cerca de 60 horas, disseram as autoridades. Mas as negociações pararam quando Koresh atrasou sua rendição, e as tensões aumentaram em 19 de abril de 1993, quando o FBI começou a mover seus tanques para mais perto do complexo e jogar gás lacrimogêneo dentro. Em meio ao caos, um incêndio estourou e envolveu o prédio.

Koresh estava entre as 75 pessoas encontradas mortas após o incêndio. Muitos dos mortos tiveram ferimentos fatais na cabeça, peito e rosto, disseram as autoridades. Koresh teve um ferimento a bala no meio da testa. Entre os mortos estavam um menino de 3 anos que foi mortalmente esfaqueado no peito e dois outros menores que sofreram golpes fatais na cabeça, segundo o FBI.

David Thibodeau, um dos apenas nove membros do Ramo Davidiano a sobreviver ao incêndio, disse à TIME em uma entrevista recente que acredita que o Ramo Davidiano morto foi baleado pelo FBI. (O FBI afirma que nenhum policial disparou uma única bala desde o tiroteio inicial.) Thibodeau disse que também é provável que alguns dos Branch Davidians tenham atirado uns nos outros para evitar uma morte mais lenta e dolorosa no incêndio.


Okinawana no coração

Os primeiros piratas eram homens de Kyushu, Japão e do Mar Interior. Muitas vezes trabalharam para poderosos líderes feudais japoneses. Eles se abrigaram das autoridades governantes em enseadas defensáveis ​​no sul do Japão. De lá, eles navegaram para a Coréia, China e sudeste da Ásia para atacar ou saquear. The Chinese called them wako, meaning "Japanese pirates."

Okinawa Threatened

In 1527, Naha was under threat of a serious attack from pirates. The average p irate ships typically held 200 to 300 men, and sometimes they would band together to make total manpower strength in the thousands – enough to invade and control a port town.

Women’s Hand Tattoos and Pirate Legends

As this legend goes, because the Okinawan ladies knew that Japanese men hated tattoos, they started placing tattoos on the back of their hands so that they would not be desired by the pirates who came to kidnap them and sell them to pleasure houses in Japan.

Okinawan Woman's Hand Tattoos Source: Okinawa Information.com

Wako Are Not Just Japanese Anymore

By 1530, the civil war in Japan was fully underway, and Japan’s control of its ports was extremely weak. Japan had very poor relations with China. Piracy went up as result.

From the 1530’s to the 1540’s Chinese merchants, frustrated with the ban on trade and travel, set up bases in Kyushu to sell expensive Chinese silks for silver. This activity violated China’s bans on trade. Even though these illegal traders were now a mixture of Chinese, Japanese and Koreans, the Chinese government still referred to them all as wako.

From 1545 to 1563 piracy grew significantly. There were continuous raids along all coastlines. Even Nanjing was attacked. Raiding parties varied in size from small groups of men, to as large as 4,000 to 5,000 men. Pirate activity peaked in 1555.

Over time, attacks spread to south China and beyond. More and more people who were thieves and violent criminals joined the wako ranks, not just traders and smugglers.

Naha Installs Permanent Harbor Defenses

The pirate situation was getting so bad that Sho Sei had two forts built on either side of the entrance to Naha harbor, called Yarazamori and Miei. Construction began in 1551 and was completed in 1553. These fortresses had cannons, and an iron chain that linked them and stretched across the entrance to the harbor to prevent entry of hostile ships.

Firearms Enter the Picture

By the early 1550's, the pirates were now routinely using arquebuses in their raiding parties. An arquebus is a smooth-bore muzzle-loading firearm used in the 15 th to 17 th centuries. It is a forerunner of the musket.

Arquebuses were first introduced to Japan in about 1542 via an Okinawan trading depot on Tanegashima Island near southern Kyushu, brought in by the Portuguese from Europe. Until modern times, guns in Japan were often referred to as simply "Tanegashima."



Japanese Arquebuses Source: Wikipedia

Piracy Fades Away

In 1567 the Ming Court lifted its ban on trade. This allowed many wako to now become "legitimate businessmen" in China’s eyes. Those who still were involved in illicit trade moved their base camps from Kyushu to either Taiwan or the Philippines.

In 1588, Hideyoshi banned piracy in Japanese ports, helping to reduce the threat. Later, Tokugawa put in place stricter controls to stem the problem.

By 1700, most wako activity was gone. This was due not only to better control of Japan’s ports, but also due to an increased presence of European traders.


20 Graphic Images of the Waco Siege of 1993

ATF at Waco Siege. spin FBI snipers with heavy equipment , .50 cal Barret rifle, Mt. Carmel, March 1993. copsproductions A team of armed FBI agents get off a pickup truck during the siege at the Branch Davidian compound in Waco in 1993. Getty A law enforcement official watches as an armored personnel carrier is deployed from the command center. Houston Chronicle M728 Combat Engineer Vehicles at Mount Carmel. Bizarrepedia Waco siege on the final day, April 19, 1993. Bizzarepedia Waco compound burning. April 19, 1993. JSTOR Waco siege aftermath. gutsandgore Fourth Anniversary of Waco Siege. NBC


Wako - History

WAKO’s History is tightly connected with the history of Kickboxing in the western world. Already in 1970, WAKO’s legend, Joe Lewis had his first “Kickboxing fight” against Greg Baines in the USA. This was the first fight where boxing gloves were used and the name Kickboxing was mentioned in the announcement. But it was not until 1974 that the first official “World Championship in Full Contact” took place in Los Angeles. Joe Lewis and Mike Anderson were the main organizers at that time. WAKO legends Bill Wallace, Jeff Smith and Joe Lewis were the first Full Contact World Champions. Creating a new, lasting and strong World Organization was not easy during those turbulent times in the martial art world. It was primarily George Brueckner and Mike Anderson who had the vision and the initiative to create a new “World All-Style Karate Organization” – in short “WAKO”. WAKO started its activity in Europe in 1976 and was founded in Berlin, Germany on February 26th, 1977.

The founder was Mr. Georg Bruckner from Berlin, who promoted the first ever World Championships in semi and full contact karate (as initially the discipline was called in those days) back in 1978 with 110 competitors representing 18 countries. WAKO immediately created the rules and regulations for the new fighting sports including punches (hand techniques) and kicks (leg techniques) for amateur fights with maximum use of safety equipment, the new term KICKBOXING was officially adopted to define the sport and WAKO started to act, since the very beginning, as the authentic
Kickboxing Federation in the world. From 1984 till 2013, WAKO was leaded by Mr. Ennio Falsoni (Italy). He organized and consolidated WAKO as respectable International Sports Organization. World Championships were held every two years in different parts of the World. Now, after decades of passionate work, Mr. Ennio Falsoni is Honorary President of WAKO.

After a period of acting presidency (2013-2015), on November 2015 in Dublin, Ireland, Prof. Borislav Pelević (Serbia) was finally elected as WAKO President till 25th October 2018, when Prof. Pelevic suddenly passed away. On the sudden demise of Prof. Pelevic, Mrs. Francesca Falsoni has been elected by the Board of Directors of WAKO unanimously in Maribor, Slovenia, on 19th November 2018 as Interim President. Thereafter, Mr. Roy Baker, President – WAKO European Kickboxing Federation & Vice President – WAKO (IF) has been newly elected by the Extraordinary General Assembly in Milan, ITALY, on 02nd February 2019 as President – WAKO (IF)

WAKO Kickboxing Today :
Kickboxing is a modern contact fighting sport created on the basis of many traditional combat sports and martial arts. Kickboxing is a unique Western response to many Eastern martial arts. It can be practiced on competitive or recreational level depending on the aspirations of the kickboxer, but for sure it is a sport designed to improve your overall health, strength and endurance. Today WAKO counts on 129 affiliated nations in the 5 continents, of which over 90 are officially recognized by either National Olympic Committee or relevant National Government Sports Authority. WAKO kickboxing has 7 competitive disciplines, three ring and four tatami disciplines.

Ring disciplines : Full contact, Low kick, K-1 Rules.
Fighting area is the ring. Each bout consists of three two minute rounds with a minute break between each round. The intention of kickboxer is to defeat his opponent with legal techniques which must be delivered with full power.

Tatami disciplines : Point fighting, Light Contact, Kick Light and Musical forms (with and without weapons). Fighting area is the tatami. The intention of kickboxer is to defeat his opponent with legal techniques which must be delivered with controlled power. Each round is two minutes with a minute break between the rounds but number of rounds is different and it depends of the discipline.

Nowadays there are more than 4.000.000 practitioners in more than 40.000 clubs all over the globe. WAKO is promoting Bi Annually Continental and World Championships (in all seven disciplines) and organizes World and Continental Cups and Open tournaments.

WAKO is Officially Recognized By:
IOC – (International Olympic Committee) Since November 30th, 2018
GAISF – (Global Association of International Sports Federations) Former SportAccord,
IWGA – (International World Games Association),
ARISF – (Association of IOC Recognised International Sports Federations)
FISU – (International University Sports Federation),
WADA – (World Anti-Doping Agency),
CIFP – (International Fair Play Organization),
OCA – (Olympic Council of Asia),
IWG – (International Working Group of Women in Sport),
Peace and Sport.

As the World Kickboxing governing body responsible for creating, interpreting, managing, coordinating, improving, promoting and organizing activities in all the 5 Continents, WAKO has finally reached the goal of hundred thousand of kickboxers in the World, in fact November 30th, 2018, will remain in our sports history as one of the milestones, because the sport of Kickboxing was granted provisional recognition by the IOC Executive Board. The decision was taken by the IOC Executive Board in Tokyo Japan on 30th November 2018 upon the IOC Sports Department’s recommendation. Kickboxing under the world governing body of WAKO applied for recognition as an IOC sport in 2016 and has underpinned its values alongside IOC by the WAKO to foster, develop and promote the Olympic values.

WAKO ensures development in-line with the Olympic Movement and its various Charters, whose principles are integrated into all documents and policies of WAKO organization.


Assista o vídeo: 2015 WAKO K-1 World Championships Great fight between Russia and Poland