Guia de estudo revolucionário começando com B - História

Guia de estudo revolucionário começando com B - História

.

Batalha de Brandywine (1777))
Batalha de Bunker Hill (Massachusetts, 1775)
Batalha de Cowpens (Carolina do Sul, 1781)
Batalha de Monmouth (Nova Jersey, 1778)
Batalha de Princeton (Nova Jersey, 1776)
Batalha de Saratoga (Nova York, 1777)
Batalha de Trenton (Nova Jersey, 1776)
Batalha de Yorktown (Virgínia, 1781)
Batalhas de Lexington e Concord (Massachusetts, 1775)

Massacre de Boston (1770) - As tensões em Boston sobre as políticas coloniais britânicas, especialmente os Townshend Acts (1767), chegaram ao ápice em 5 de março de 1770, quando os habitantes de Boston insultaram os soldados britânicos e jogaram bolas de neve neles. Não está claro quem disparou o primeiro tiro, mas a confusão estourou, os soldados começaram a atirar na multidão, cinco moradores foram mortos, incluindo Crispus Attucks (1723-70), e outros seis ficaram feridos. Por meio de fotos, poemas e discursos exagerados, líderes patriotas como Paul Revere (1735-1818) e Samuel Adams (1722-1803) transformaram o incidente relativamente menor em uma peça escolhida de propaganda, de proporções de "massacre".

festa do Chá de Boston (1773) - Em 16 de dezembro de 1773, vários patriotas de Boston vestidos como Mohawks embarcaram em três navios britânicos e despejaram 342 caixas de chá, no valor de cerca de US $ 75.000, no porto de Boston. Isso era para protestar contra o British Tea Act (1773).

Companhia Britânica das Índias Orientais - Fundada em 1600, esta empresa fretada recebeu o monopólio do Rei da Inglaterra. A British East India Company era supostamente o negociante exclusivo de chá para as treze colônias, mas o boicote americano ao chá britânico após as Leis de Townshend (1767), colocou a empresa em sérias dificuldades financeiras. O Parlamento britânico aprovou a Lei do Chá (1773) em grande parte para aliviar os problemas financeiros da empresa, reduzindo o custo do chá britânico para as colônias.



Guia de estudo revolucionário começando com B - História

1. P: Quantas colônias americanas existiram que entraram em guerra com a Grã-Bretanha na Guerra da Independência dos Estados Unidos?

2. P: Em que ano foi formulada a Constituição dos Estados Unidos?

3. P: Em que ano foi a crise da Lei do Selo?

4. P: "Que filósofo afirmou que todos os indivíduos possuíam certos" "direitos naturais" "- como vida, liberdade e a busca da propriedade?"

5. P: Quem instou a Câmara dos Deputados a condenar a Lei do Selo?

6. P: Quem impediu pela força a distribuição de selos e forçou a renúncia dos colecionadores de selos?

7. P: Quem criou os Atos de Townshend?

8. P: Quais foram os Atos de Townshend?

B: O dever é sobre vidro, chumbo, tinta, papel e chá

D: Leis contra a liberdade de religião

9. P: Quem protestou reunindo-se para fiar fios para tecidos e evitar comprar tecidos de fabricantes britânicos?

10. P: "Quem disse que o governo britânico deveria:" "Revogar as leis, renunciar ao direito, convocar as tropas, devolver o dinheiro e retornar ao antigo método de requisição." "?"

11. P: Quem era o governador de Massachusetts no início da década de 1770 que defendia as colônias americanas independentes?

12. P: Qual foi o incidente em que as tropas britânicas dispararam contra uma multidão, matando cinco pessoas em Boston, mais tarde chamado?

13. P: Que navio da alfândega britânica uma turba de Rhode Island destruiu?

14. P: Quem ajudou a estabelecer o Comitê de Correspondência na assembléia de Massachusetts?

15. P: O Boston Tea Party aconteceu em?

16. P: Quem garantiu a Lei do Chá para ajudar a Companhia das Índias Orientais?

17. P: O que os patriotas se disfarçaram de estar no Boston Tea Party?

18. P: Onde foi realizado o primeiro Congresso Continental?

19. P: Quem avisou a milícia colonial que o general britânico Gage estava chegando?

20. P: Onde foram as primeiras batalhas entre o exército britânico e a milícia colonial?

R: Boston e Filadélfia

D: Lexington e Filadélfia

21. P: Quem escreveu o senso comum?

22. P: Quem liderou o Exército Continental?

23. P: Quem escreveu a Declaração de Independência?

24. P: Quando o congresso ordenou a publicação da Declaração da Independência?

25. P: Que documento declarou as colônias como os Estados Unidos da América livres e independentes.

C: Declaração de Independência

26. P: De quais países europeus as colônias americanas receberam ajuda crucial?

27. P: Qual foi a maior força ativa que o Exército Continental já teve ao mesmo tempo?

28. P: Onde foi travada a última grande batalha da Guerra Revolucionária?

29. P: Onde foi a Batalha de Bunker Hill?

30. P: Quem foi o General Britânico na Batalha de Bunker Hill?

31. P: Onde a força do governador da Carolina do Norte Josiah Martin foi derrotada pelos patriotas

D: Batalha da ponte Moore's Creek

32. P: Quem liderou as forças que tomaram o Forte Ticonderoga?

33. P: Quem liderou o Exército Continental em Delaware?

34. P: Que tropas de países Washington derrotou em Trenton depois de cruzar o Delaware?

35. P: Onde 2.500 dos 11.000 soldados de Washington morreram de exposição ou doença durante um acampamento de inverno?

36. P: Onde os patriotas receberam sua primeira grande vitória, fazendo com que o general britânico Burgoyne se rendesse?

37. P: Quem forçou o General Burgoyne a se render em Saratoga?

38. P: Que general britânico derrotou Horatio Gates na Batalha de Camden?

39. P: Que capitão capturou o saveiro britânico Drake e o navio de guerra Serápis?

40. P: Que tratado concluiu a Revolução Americana?

41. P: Quem redigiu os Artigos da Confederação?

42. P: A rebelião de Shays de 1976, liderada por Daniel Shays, foi sobre qual problema principal?

43. P: Na Convenção Constitucional de 1787, quem propôs o Plano de Nova Jersey?

44. P: Na Convenção Constitucional de 1787, quem propôs o Plano da Virgínia?

45. P: Na Convenção Constitucional de 1787, o Plano da Virgínia foi proposto?

R: Um voto para cada estado

B: Governo nacional muito limitado

C: Um governo nacional de três partes: casa, executivo e judiciário

D: Uma casa com base na população

46. ​​P: Que acordo foi feito para facilitar as questões de representação em torno das diferenças populacionais dos estados?

R: Uma câmara alta com base na população, uma inferior com igual representação

B: Uma câmara alta com representação igual, uma inferior com base na população

C: Voto presidencial com base na população

47. P: Na Convenção Constitucional, qual porcentagem de escravos foi acordada para contar para a representação?

48. P: De acordo com a Convenção Constitucional de 1787, para limitar o poder popular, o Presidente seria eleito por?

49. P: De acordo com a Convenção Constitucional de 1787, para limitar o poder popular, os senadores seriam eleitos por?

D: Câmara dos Representantes

50. P: Que documentos John Madison, Alexander Hamilton e John Jay escreveram para convencer as pessoas de que os estados manteriam o poder de acordo com a Constituição?

51. P: Em que ano a Constituição foi finalmente ratificada?

52. P: Quem foi o primeiro presidente dos EUA?

53. P: Quantos estados ratificaram a Constituição pela primeira vez?

54. P: Quem liderou as tropas coloniais na Batalha de Bunker Hill?

55. P: "Quem disse" "não dispare até ver o branco dos olhos" "?"

56. P: Quem liderou os Bostonians no Boston Tea Party?

57. P: Quem se tornou o terceiro presidente dos Estados Unidos?

58. P: "Que documento começa" "Consideramos essas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais." "?"


História GCSE por Clever Lili!

Turbine sua revisão de história com nosso novo aplicativo revolucionário! Clever Lili está aqui para ajudá-lo a superar seus exames.

Alex Hak - co-criador do Clever Lili apresenta o aplicativo.

Pergunte a Lili

Ask Lili permite que você faça perguntas sobre a unidade de estudo escolhida. Nosso guia intuitivo - Lili - usa IA sofisticada para fornecer respostas relevantes, detalhadas, mas curtas.

Aprendizagem Aprimorada

A aprendizagem visual e de voz avançada é a parte de aprendizagem aprimorada de nosso aplicativo. Todas as respostas de Lili às suas perguntas serão faladas em voz alta e destacadas na tela, para que você possa acompanhar enquanto está sendo ensinado.

Teste / Aprenda

Alcance sua nota desejada mais cedo com nosso recurso Teste e Aprenda. Revise suas unidades com nosso recurso Aprender, um novo guia brilhante através de seu curso de história GCSE. Teste-se com o recurso Quiz.

Trabalho de casa

O recurso de lição de casa permite que os professores definam as tarefas de casa com antecedência. Ele também permite que os professores ajustem os tópicos abordados no dever de casa, para garantir que os alunos aumentem suas chances de sucesso no exame, gastando tempo extra em seus tópicos mais fracos.

Tutor AI

Nosso tutor de IA foi projetado para ajudá-lo a revisar suas unidades nos momentos certos, da maneira mais eficaz, para dar a seu cérebro a melhor chance de reter informações, prontas para seus exames.

Guias de estudo

Nossa equipe de professores de história também elaborou um ótimo conjunto de guias de estudo. Cobrimos Edexcel GCSE e iGCSE, AQA e CIE. Com 44 livros para escolher, você logo poderá se tornar o maior gênio da história do Reino Unido!

App Android / iOS

Planejando estudar em trânsito? Baixe nosso aplicativo no Android ou IOS. Clever Lili dá a você acesso a mais de 120.000 perguntas em diferentes unidades de história GCSE e IGCSE onde quer que você esteja.

Assistentes Inteligentes

Faça a Alexa ou ao Google Assistant qualquer pergunta sobre a unidade escolhida. Esteja você estudando Edexcel, AQA ou CIE, nós ajudamos você! A Clever Lili fornece milhares de fatos curtos para ajudá-lo a passar nos exames. Ótimo para alunos e professores.


Guia de estudo: Linha do tempo da guerra revolucionária americana

18 de abril - Paul Revere e William Dawes fazem seu famoso passeio declarando que os britânicos chegaram.

19 de abril - a Revolução Americana começa em Lexington e Concord Massachusetts com “o tiro ouvido‘ em todo o mundo ”.

10 de maio - Os Green Mountain Boys, liderados por Ethan Allen, capturam o Forte Ticonderoga.

15 de junho - George Washington é declarado comandante-chefe

17 de junho - Batalha de Bunker Hill

28 de novembro - A autorização para o estabelecimento da Marinha americana pelo Congresso Continental. Embora a Marinha tenha desempenhado apenas um pequeno papel nesta guerra, ela continuaria a ser uma força poderosa em guerras futuras. Os corsários americanos foram os mais influentes na Revolução Americana, com sua capacidade de interromper o comércio de vasos britânicos.

Dezembro - Benedict Arnold lidera as forças americanas para Quebec, que eles não conseguem capturar.

15 de janeiro - Thomas Paine Senso comum Está publicado.

17 de março - as tropas britânicas evacuam Boston e sua marinha move-se para o norte, para Halifax, Canadá.

4 de julho - a Declaração de Independência é adotada pelo Congresso Continental.

8 de julho - A Declaração de Independência é lida publicamente.

2 de agosto - os delegados do Congresso Continental começam a assinar a Declaração de Independência

27 de agosto - os britânicos são vitoriosos na Batalha de Long Island embora as tropas lideradas por Washington consigam escapar.

Dezembro - Exército de Washington cruza o rio Delaware

14 de junho - A Resolução da Bandeira é aprovada delineando a Bandeira dos Estados Unidos.

5 de julho - os britânicos capturam o Forte Ticonderoga

27 de julho - Filadélfia dá as boas-vindas à chegada de Lafayette

Inverno - Tropas americanas sofrem um inverno horrível em Valley Forge

6 de fevereiro - França e Estados Unidos assinam a Aliança Francesa

17 de junho - os franceses entram na guerra ao lado dos colonos.

29 de dezembro - Os britânicos tomam Savannah

21 de junho - a Espanha declarou guerra à Grã-Bretanha

12 de maio - as tropas britânicas capturam Charleston, a Carolina do Sul, depois de um longo cerco.

16 de agosto - as tropas americanas são derrotadas em Camden, South Carolina.

25 de setembro - são descobertos os planos de ceder West Point por Benedict Arnold às tropas britânicas.

14 de outubro - Nathanael Greene é nomeado comandante do Exército do Sul

1 de janeiro - motim de soldados da Pensilvânia por falta de pagamento.

17 de janeiro - os americanos são vitoriosos na batalha de Cowpens de Hannah, na Carolina do Sul.

2 de março - São aprovados os Artigos da Confederação.

19 de outubro - as forças de Washington capturam as tropas britânicas lideradas pelo general Cornwallis em Yorktown, Virginia.

20 de março - o primeiro ministro britânico, Lord North, demite-se.

30 de novembro - os Artigos de Paz, um tratado de paz preliminar, são assinados por americanos e britânicos


Classe-9 de História A Revolução Francesa

(a) Dízimos (b) livres (c) taille (d) todos estes

(a) Posto de General do Exército (b) Um corpo político (c) Chefe de todas as propriedades fundiárias (d) Conselheiro do rei

(a) Advogados (b) Funcionários administrativos (c) Classe média (d) Todas as anteriores

(a) EUA (b) China (c) URSS (d) Todas as anteriores

(a) O espírito das leis (b) Dois tratados sobre o governo (c) O contrato social (d) Todas as anteriores

(a) 2 de janeiro de 1775 (b) 10 de março de 1780 (c) 5 de maio de 1789 (d) 14 de julho de 1789

(a) Mirabeau (b) Abade Sieyes (c) Luís XVI (d) Ambos a e b

(a) Eleito diretamente (b) nomeado pelo rei (c) eleito indiretamente (d) um órgão hereditário

(a) Direito à vida (b) Liberdade de expressão e opinião (c) Igualdade perante a lei (d) Todas as anteriores

Sobre STUDYGUIDE360
STUDYGUIDE360 é um portal educacional centrado no aluno que fornece testes de qualidade e materiais de estudo para os alunos que se preparam para o CBSE ou que buscam vários exames de admissão. Durante os últimos anos, uma série de pesquisas com os alunos foram feitas para entender melhor seus problemas em relação aos estudos e seus requisitos básicos.


Social

Embora o conceito de formar uma nação americana autônoma não fosse novo, o apelo de Thomas Paine para criar uma república democrática ressoou com um número crescente de colonos. No final do século XVIII, muitas cidades, especialmente em Massachusetts, experimentaram o republicanismo em primeira mão na forma de assembleias municipais e eleições. A extinção da autoridade arbitrária do monarca britânico e a limitação do poder de governo aos funcionários eleitos atraíram pessoas de diferentes classes nas colônias. No entanto, nem todo mundo na América estava interessado em uma revisão completa do sistema político existente.

Muitos colonos, principalmente aqueles nas classes mais altas, queriam acabar com a aristocracia hereditária sem desmantelar a hierarquia social. Eles não favoreciam um novo governo que considerasse todos - desde ricos proprietários e proprietários de negócios a inquilinos e fazendeiros pobres - como iguais. Os cidadãos conservadores acreditavam que a igualdade para as classes sociais levaria a explosões ilegais, muito parecidas com as testemunhadas durante a crise da Lei do Selo e o Boston Tea Party.

Enquanto os líderes das colônias americanas lutavam pela independência da Grã-Bretanha, o foco de atenção se ampliou para incluir as reformas sociais. Os representantes políticos abordaram várias questões importantes, incluindo direitos de voto, escravidão, religião e direitos das mulheres.

A Declaração de Independência afirmava que todos os homens foram criados iguais, mas as novas legislaturas estaduais frequentemente não conseguiam apoiar esse sentimento. A franquia - o direito de votar em eleições públicas - normalmente era restrita a homens brancos que possuíam certa quantidade de propriedade. Os legisladores geralmente presumiam que aqueles que não tinham propriedades careciam de participação no governo, da ética de trabalho adequada e dos pré-requisitos morais para votar com inteligência.

Os americanos muitas vezes destacaram o erro moral da escravidão reclamando das tentativas do Parlamento de torná-los "escravos", embora muitos pais fundadores, principalmente George Washington e Thomas Jefferson, fossem eles próprios proprietários de escravos. Os sulistas ficaram particularmente indignados em 1775 quando Lord Dunmore, o governador real da Virgínia, anunciou que todos os escravos dispostos a empunhar armas contra seus senhores “rebeldes” teriam sua liberdade. No entanto, a instituição da escravidão sofreu ataques crescentes durante a iluminada era revolucionária.

No início do século 19, todos os estados do norte proibiram a escravidão e o governo federal proibiu a continuação da importação de escravos. A escravidão desempenhou um papel insignificante na economia dos estados do norte até então. Os fazendeiros dos estados do sul, ao contrário, mantiveram e expandiram a instituição da escravidão porque ela era indispensável para seu sucesso econômico e modo de vida.

O racismo prevalecia em toda a América durante este período, e muitos estados - Norte e Sul - promulgaram leis que restringiam os direitos dos afro-americanos, fossem eles homens e mulheres livres ou escravos. Embora a Revolução não tenha resolvido o debate sobre a escravidão, ela desafiou os americanos a considerarem o conceito de igualdade para todas as pessoas.

A Revolução Americana também apresentou a oportunidade para os legisladores protegerem a liberdade religiosa e aumentar a separação entre Igreja e Estado. A maioria das treze colônias apoiava uma religião oficial, chamada de “igreja estabelecida”, mas o Iluminismo e o Grande Despertar diminuíram o interesse nas religiões estabelecidas. Após a Revolução, a maioria dos estados diminuiu seu apoio às instituições religiosas e colocou o encargo da manutenção da igreja nas contribuições voluntárias de membros individuais.

Na Virgínia, Thomas Jefferson liderou a luta para expandir a separação entre igreja e estado. Seu Estatuto de Liberdade Religiosa, promulgado pela legislatura em 1786, delineou a fronteira entre a crença religiosa e o direito de participar do governo:

“Nossos direitos civis não dependem de nossas opiniões religiosas, não mais do que nossas opiniões em física ou geometria ... Todos os homens devem ser livres para professar, e por meio de argumentos para manter, sua opinião em questões de religião, e que o mesmo não o fará em nenhuma sábio diminuir, aumentar ou afetar suas capacidades civis. ” - Thomas Jefferson, Estatuto de Liberdade Religiosa

A Revolução também lançou luz sobre o movimento nascente para melhorar os direitos legais das mulheres. O debate sobre a igualdade feminina começou anos antes que os Estados Unidos cortassem seus laços com a Grã-Bretanha. John Locke, por exemplo, acreditava que, uma vez que as mulheres têm a capacidade de raciocinar, elas deveriam ter direito a uma voz igual. A maioria dos americanos da era colonial, incluindo o esclarecido New England John Adams, afirmou que a maioria das mulheres não tinha o intelecto ou a maquiagem emocional necessários para lidar com questões políticas complexas e muitas vezes sórdidas.

Abigail Adams não concordou com o marido. Ela considerou a Revolução o catalisador perfeito para conquistar a liberdade política da Inglaterra e direitos iguais para as mulheres americanas. Ela implorou a Adams: “Lembre-se das senhoras e seja mais generoso e favorável a elas do que seus ancestrais”, enquanto os pais fundadores debatiam a formação de uma nova nação. Embora ela tenha ameaçado despreocupadamente “forjar uma rebelião” entre as mulheres se suas vozes não fossem ouvidas, Adams gentilmente rejeitou “o despotismo do Peticoat”.

O status social das mulheres, no entanto, não permaneceu estático. O conceito de virtude cívica tornou-se um ponto focal durante o início da era nacional. Os americanos acreditavam que a democracia se baseava na integridade de cada cidadão. As mães que supervisionavam a instrução ética da juventude da sociedade representavam modelos republicanos adequados de comportamento. As mulheres foram elevadas ao papel de guardiãs dos valores morais da América.

A importante responsabilidade da “maternidade republicana” criou mais oportunidades educacionais para as mulheres e solapou a percepção dominada pelos homens de que as mulheres não mereciam um perfil mais alto na sociedade. Abigail Adams estabeleceu a base para as futuras gerações de feministas dispostas a lutar por direitos iguais.

Você acabou de terminar Filosofia da Revolução Americana. Bom trabalho!


Linha do tempo da história do exército

Copyright © 2020 EducationDynamics. Todos os direitos reservados.

Este é um site privado que não é afiliado ao governo dos EUA, às Forças Armadas dos EUA ou ao Departamento de Assuntos de Veteranos. As agências governamentais dos EUA não revisaram essas informações. Este site não está conectado a nenhuma agência governamental. Se desejar encontrar mais informações sobre os benefícios oferecidos pelo Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA, visite o site oficial do governo dos EUA para obter benefícios para veteranos em http://www.va.gov.

As escolas patrocinadas apresentadas neste site não incluem todas as escolas que aceitam financiamento GI Bill® ou VA Benefits. Para entrar em contato com o ArmyStudyGuide, envie-nos um e-mail.

Divulgação: EducationDynamics recebe compensação pelas escolas apresentadas em nossos sites (consulte “Escolas patrocinadas” ou “Listagens patrocinadas” ou “Resultados patrocinados”). Então, o que isso significa para você? A compensação pode impactar onde as Escolas Patrocinadas aparecem em nossos sites, incluindo se elas aparecem como uma correspondência por meio de nossa ferramenta de serviços de correspondência educacional, a ordem em que aparecem em uma lista e / ou sua classificação. Nossos sites não fornecem, nem pretendem fornecer, uma lista abrangente de todas as escolas (a) nos Estados Unidos (b) localizadas em uma área geográfica específica ou (c) que oferecem um determinado programa de estudo. Ao fornecer informações ou concordar em ser contatado por uma Escola Patrocinada, você não é de forma alguma obrigado a se inscrever ou se inscrever na escola.

Esta é uma oferta de oportunidades educacionais que podem levar ao emprego e não uma oferta nem garantia de emprego. Os alunos devem consultar um representante da escola que escolheram para saber mais sobre as oportunidades de carreira nessa área. Os resultados do programa variam de acordo com o currículo do programa específico de cada instituição. A ajuda financeira pode estar disponível para aqueles que se qualificam. As informações de auxílio financeiro neste site são apenas para fins informativos e de pesquisa e não são uma garantia de auxílio financeiro.

Inscreva-se para ganhar $ 1.000 para o College From Lending Tree. Prazo para inscrição em 31 de janeiro de 2022.


  • A invenção da energia a vapor, que substituiu os cavalos e a água, foi usada para abastecer fábricas e meios de transporte e permitir uma mineração mais profunda.
  • O aprimoramento das técnicas de fabricação de ferro, permitindo níveis de produção muito mais altos e melhores materiais.
  • A indústria têxtil foi transformada por novas máquinas (como a Spinning Jenny) e fábricas, permitindo uma produção muito maior a um custo menor.
  • Melhores máquinas-ferramentas permitiram mais e melhores máquinas.
  • Os desenvolvimentos na metalurgia e na produção química afetaram muitas indústrias.
  • Redes de transporte novas e mais rápidas foram criadas graças aos primeiros canais e depois às ferrovias, permitindo que produtos e materiais fossem transportados de forma mais barata e eficiente.
  • O setor bancário se desenvolveu para atender às necessidades dos empresários, proporcionando oportunidades de financiamento que permitiram a expansão dos setores.
  • O uso de carvão (e produção de carvão) disparou. O carvão acabou substituindo a madeira.

Como você pode ver, uma grande quantidade de setores mudou drasticamente, mas os historiadores precisam desvendar cuidadosamente como cada um afetou o outro, pois tudo desencadeou mudanças nos outros, o que desencadeou mais mudanças em retorno.


Guia de estudo para o Manifesto Comunista

Da próxima vez que nos encontrarmos em aula, jogaremos & quotDiplomacia & quot. Clique aqui para ver as regras, que você deve aprender na hora da aula. Clique aqui para obter um mapa de & quotDiplomacia & quot. As cópias serão fornecidas em sala de aula, mas você deve se familiarizar com isso agora.

Os números das páginas mencionados nestas notas são os da edição International Publishers.

O Manifesto Comunista, publicado pela primeira vez em 1848 para a Liga Comunista, teve pouca influência em sua própria época. Só depois que os outros escritos de Karl Marx e Friedrich Engels tornaram amplamente conhecidas suas opiniões sobre o socialismo é que ele se tornou um texto padrão. Por cerca de um século, foi um dos documentos mais lidos (e alguns diriam que foi mal interpretado) do mundo.

Mas por que estudar hoje? A maior parte do mundo comunista entrou em colapso. Países nominalmente comunistas como Vietnã e China estão ocupados construindo economias de mercado em desafio a tudo que Marx defendeu, e Coréia e Cuba mal sobrevivem, servindo de modelo para ninguém. Não foi o marxismo relegado ao monte de cinzas da história?

Existem várias razões pelas quais O Manifesto Comunista ainda é um documento importante. Como uma obra historicamente significativa, tem um certo interesse intrínseco. É bom saber quais são as grandes ideias que moldaram a história. Algumas pessoas argumentariam que os marxistas traíram tão completamente o marxismo que o documento pode ser usado para mostrar por que as tentativas de construir Estados comunistas falharam: eles nunca foram verdadeiramente marxistas. Se o verdadeiro marxismo nunca foi experimentado, então pode valer a pena reconsiderar novamente. Ou se, como outros argumentam, o marxismo tem falhas intrínsecas que o condenaram desde o início, podemos esperar descobrir aqui traços deles que podem nos ensinar por que o marxismo deve ser evitado. O objetivo aqui não é convertê-lo, mas ajudá-lo a explorar a escrita de Marx a partir de seu ponto de vista, para que você possa entender seu verdadeiro significado, mantendo uma postura que lhe permita pensar criticamente sobre o assunto e formar suas próprias opiniões. .

É importante compreender que Marx desempenhou dois papéis importantes na história mundial: como crítico do capitalismo e como defensor do socialismo. Na verdade, ele escreveu muito pouco sobre o último assunto. Embora um forte crente na importância da construção do socialismo, ele gastou a maior parte de seu tempo e energia em uma crítica sutil e complexa do sistema capitalista. Essa crítica ainda é muito influente em muitos historiadores, estudiosos de arte e literatura, sociólogos e outros. Tem havido muitos neomarxismos que se baseiam mais ou menos vagamente nas idéias originais de Marx e que são amplamente discutidos hoje. Quer você queira explorar essas ideias ou combatê-las, é bom ter alguma noção do assunto.

Um manifesto é um documento que proclama publicamente - ou torna manifesto - as idéias centrais de um grupo ou indivíduo. Embora a organização para a qual este foi escrito fosse clandestina (pela simples razão de que era ilegal), Marx sempre imaginou o movimento socialista como aberto. Ele rejeitou conspirações secretas porque seu ideal de construir o socialismo foi concebido como um empreendimento da maioria que só poderia acumular o impulso necessário por meio de uma campanha aberta e ampla de educação e exortação.

Engels foi um colaborador próximo de Marx e um importante pensador e escritor por direito próprio. Ele sobreviveu a Marx por muitos anos e produziu vários volumes que ainda são influentes. Marx era claramente o pensador mais poderoso dos dois, mas Engels era o melhor estilista. Embora Engels possa ter sido responsável por grande parte da escrita eloquente do Manifesto, porque ele incorpora as idéias de Marx e incorpora alguns conceitos centrais do que veio a ser conhecido como marxismo, as seguintes questões se referem aos autores simplesmente como & quotMarx. & Quot.

Os termos & quotocialista & quot e & quotcomunista & quot foram definidos de uma variedade desconcertante de maneiras. Ao lê-los, é sempre importante saber o que o escritor quer dizer com eles. Para Marx, socialismo era o termo mais abrangente, comunismo, um estágio avançado do socialismo. O socialismo prepararia o caminho nacionalizando os "meios de produção" (fábricas, fazendas, minas, transporte etc.) e colocando-os sob o controle daqueles que ele considerava os únicos produtores de riqueza: os trabalhadores. Ele via a igualdade política e a liberdade como incompletas (ou mesmo ilusórias) sem igualdade econômica. Portanto, essa redistribuição do poder econômico visava estender a democracia muito além dos limites previstos por revoluções democráticas anteriores. Serviços sociais como saúde, educação e moradia seriam fornecidos gratuitamente, mas as pessoas ainda receberiam salários de acordo com seu trabalho.

Quando todas as nações tivessem desenvolvido economias socialistas, elas começariam a evoluir para uma sociedade comunista internacional. A visão do comunismo era muito semelhante à do anarquismo: uma sociedade sem Estado em que o governo central tinha "desaparecido", controle local e básico de todos os assuntos por processos estritamente democráticos baseados no local de trabalho, abolição do sistema de mercado ( sem dinheiro, sem compra e venda) e sua substituição por um sistema segundo o qual as pessoas trabalhariam voluntariamente para o bem comum na medida em que fossem capazes de compreender que poderiam receber tudo o que precisassem de graça (& quotde cada um de acordo com sua capacidade , a cada um de acordo com suas necessidades & quot). As fronteiras nacionais e os governos foram eliminados, a guerra cessaria.

Marx rejeitou a crença de que tal sociedade pudesse ser estabelecida imediatamente como utópica. As pessoas precisariam de um longo período de reeducação sob o socialismo para condicioná-las para longe da orientação egoísta produzida pelo capitalismo e para a perspectiva mais ampla necessária para criar o comunismo. Muitos de seus adversários socialistas e anarquistas argumentaram que era impossível alcançar o comunismo passando por uma fase que reteve e até fortaleceu o governo estadual centralizado. Marx respondeu que era impossível saltar diretamente do socialismo para o comunismo. Qual sua opinião sobre esta questão?

A resposta mais comum é que ambos são impossíveis porque & quotyou não pode mudar a natureza humana. & Quot. O que Marx se propôs a provar foi que não apenas & quot; natureza humana & quot; mudou muitas vezes no passado: não existe algo como uma natureza humana estática. Somos produtos do nosso meio ambiente, principalmente do sistema econômico em que vivemos. As pessoas que vivem sob o feudalismo são motivadas por motivos feudais e pensam que são naturais e fixos, assim como as pessoas que vivem sob o capitalismo são motivadas por motivos capitalistas e pensam que são naturais e fixos. Ocasionalmente, na história, as pessoas passam pelo que agora é chamado de "mudança de paradigma" nos valores, com base em uma transformação econômica. É esse processo que ele tenta esboçar na primeira seção do Manifesto. Se os valores das pessoas mudaram radicalmente no passado, sugere ele, é certo que mudarão radicalmente de novo no futuro. Em uma sociedade socialista, seria absurdo dizer que as pessoas sempre tenderão naturalmente a se tornar donas de fábricas porque tais proprietários seriam tão impossíveis, e tais desejos seriam tão irracionais quanto o desejo de possuir a lua. Engels gastou muita energia estudando as chamadas sociedades "comunistas primitivas" para mostrar que compartilhar poderia ser uma atitude tão natural e generalizada em relação à riqueza quanto a aquisição. O que você sabe sobre as culturas pré-capitalistas que podem apoiar ou minar esse argumento?

Embora ele não aborde a questão no Manifesto, é importante entender por que Marx acreditava que uma revolução armada seria necessária para estabelecer o socialismo. Ele estava convencido de que as revoluções democráticas que varreram a Europa em 1848 haviam meramente substituído um tirano por outro. A burguesia (proprietária dos meios de produção) substituiu a velha aristocracia como governante de direito e de fato. Seus slogans de liberdade e igualdade para todos, ele sentia, ocultavam a determinação de permanecer supremo sobre o proletariado (trabalhadores industriais) que constituía a vasta maioria da sociedade. Ele não rejeitou a democracia burguesa porque era democrática, apenas porque a sentia limitada à burguesia. O poder econômico, não o voto, era a garantia final do poder político. Ele era a favor do uso das eleições como ferramenta de organização, mas tinha certeza de que na maioria dos países a classe dominante (a burguesia) impediria à força qualquer governo socialista eleito democraticamente de assumir o poder.

Certa vez, ele comentou que em apenas duas nações industrializadas as instituições democráticas estavam tão firmemente entrincheiradas que uma transição para o socialismo poderia ser alcançada pacificamente: a Holanda e os Estados Unidos. Why do you think this transition did not happen? He also felt that communism could be built only in highly industrialized countries. Why do you think communist revolutions happened first in nations with very little industry, like Russia and China? What effects did this fact have on the course socialism took in these countries?

The manifesto is meant to achieve two major goals: to convert the proletarians and their allies to Marx's version of socialism (there were many other versions, much more influential than his) and to put the ruling class on notice as to the revolutionaries' intentions. So it expresses both hopes and threats. Its central themes are well summed up in the long central paragraph on p. 6 of Engels' introduction. Read it carefully. Note how he goes on to compare his theory of class struggle with Darwin's theory of evolution, just as tienne did in Germinal.

8: The opening words of the Manifesto are famous. Marx taunts his adversaries, saying they are terrified of communism without understanding in the slightest what it is. Since communism is such a threat, it must be important, and worth understanding. Hence the Manifesto .

I: Bourgeois and Proletarians

9: Marx felt that the revolutions of 1848 marked a major turning point, as is now undisputed. He sets out to trace the patterns which have run through all of preceding history. Unsurprisingly, he considers exclusively European societies, beginning with the classical world. What does he say is the main source of conflict throughout history? How does he say the bourgeoisie has differed in the way it has affected this pattern of conflict? He explains how the bourgeoisie (literally dwellers in towns) originated out of the old medieval peasant class, in opposition to the medieval titled aristocracy (kings, dukes, knights, etc.).

10: These people derived their wealth from trade rather than agriculture. Why was the age of exploration and colonization important to them? What caused the old guild system to collapse? What have the major effects of the ensuing industrial revolution been? What are the major achievements caused by the extension (expansion) of industry? As the bourgeoisie grew in power, what happened to the other old feudal classes like the aristocracy and the peasants? Did the bourgeoisie create capitalism or did capitalism create the bourgeoisie, according to Marx?

11: What does this famous phrase mean: "The executive of the modern state is but a committee for managing the common affairs of the whole bourgeoisie?" Do you agree? Porque? Note that he praises the bourgeoisie for having abolished the feudal system and prepared the way for socialism but he does so ironically. What does he imply have been the main harmful effects of destroying feudalism? How has capitalism's emergence changed " human nature?" "Exchange value" is a typical Marxist term which does not exactly mean "price," but in this context that is close enough. What does he say is the limit of bourgeois freedom? Do you think he is right in saying that occupations are only respected according to how much they are paid? Can you think of examples to illustrate his point about the reduction of "the family relation to a mere money relation" from Germinal ? Keep in mind that he is speaking here mainly of the effects of capitalism on workers, not on the bourgeoisie. He uses the term "reactionaries" from time to time. What does it mean? (Look it up in a dictionary.) It is commonly misused to mean merely "those who react to something."

12: To what cause does he attribute the bourgeoisie's energy in creating railways, factories, etc.? Why do owners need constantly to create new ways of manufacturing and processing goods? How does competition drive this process? Can you think of modern examples, or counter-examples? How does the very essence of bourgeois production (capitalism, used interchangeably with "bourgeois society" below) make it by definition a revolutionary force? Why does capitalism have to spread worldwide? What tendencies undermine the independence of nation-states? Can you think of examples today of this sort of international economic interdependence? What forces generate expanded markets for capitalism? Can you think of examples of "new wants being created?

13: What effects does he say international trade has on "intellectual production" such as literature, philosophy, music, etc.? Is literature more or less international now than in the Middle Ages? Has nationalism been weakened as a force in the last hundred years, as Marx expected? Why or why not? He argues that all societies tend to become civilized (drawn into the social patterns of European civilization). To what extent is this true? What is the process by which he says the bourgeois society creates a world after its own image? How has capitalism altered the relationship between cities and the countryside? Has that process continued since Marx's time? What does he mean by the "idiocy of rural life?" Farmers a hundred years ago were considered much less sophisticated than city dwellers. Is that still true? What analogy is he drawing between the city/country relationship and the "civilized"/"barbarian" relationship? According to Marx, how evenly is wealth distributed under capitalism? How has capitalism tended to create large countries with uniform laws?

14: What have been the main creations of capitalism during the preceding 100 years? Having described how the emergence of capitalism from mercantilism destroyed the old feudal system, Marx proclaims that a similar transformation is now taking place. How has capitalism created forces which work against its continued existence? A "commercial crisis" would more likely be called a depression or recession today. What pattern does he feel there is in these crises?

15: Why does capitalism tend to over-produce goods, unlike any previous form of economy? How does an over-abundance of goods produce an apparent "famine" (depression)? Is it possible to produce too much? How do economists today relate manufacturers' inventories to the health of the economy? How could such over-production be prevented? Marx shows his Enlightenment heritage by objecting to such a result as absurd, irrational. What are some of the irrational contradictions that he sees in capitalism? What three methods does the bourgeoisie use to solve such a crisis? Why do these methods not really solve the ultimate problem? How have the bourgeoisie created the force which will destroy them? Why are laborers forced to sell their services for the lowest possible wages? What " law" did we study in Germinal which states this proposition? In fact, in the century after the writing of the Manifesto the wages of workers tended generally to rise (though with many fluctuations and crises), until most workers under capitalism were much too prosperous to be enemies of the system which produced their wages. What forces do you think caused this result, contradicting Marx's expectation?

16: Besides low wages, what other evils does Marx trace to modern industrialism? How could these evils be avoided? What is the relationship between the "repulsiveness" of labor and pay? To what extent is hard work not rewarded with more wealth? How is work made harder? Why has industrialism resulted in the entry into the workplace of more and more women and children? What effects does Marx thinks this has had on society? Can you illustrate this point from Germinal?

17: What happens to the "lower strata of the middle class" (what Marx elsewhere calls the "petit" [small] or "petty" bourgeoisie)? Can you think of an example from Germinal? What are the major stages in the class struggle as the proletariat develops? Can you illustrate these stages from Germinal? [Those who advocate destroying machinery to end its oppressive effects are called "Luddites" after a group of weavers who destroyed power looms in England inspired by a mythical figure named Ned Ludd in 1811-1816. ] How does Germinal illustrate the process by which workers begin to organize their opposition to the owners? As the conflict develops, most of its victims are not the large capitalists, but their small competitors (like Deneulin) thus Marx says " every victory so obtained is a victory for the bourgeoisie." The struggle is becoming sharpened. What forces continually strengthen the proletariat?

18: What unstable forces inherent in capitalism cause the workers to seek organizations which will help them stabilize their wages? Since most strikes and riots are failures, what is the "real fruit" of these struggles? Why can modern workers organize so much more easily than their medieval predecessors? What is the next step after the proletarians have become conscious of themselves as a class rather than as isolated individuals, and become organized? As Engels' footnote points out, one of the early successes of labor organizations was the passing of a law restricting the normal work day to ten hours (as is the case in Germinal ), though overtime remained common. In earlier industrialism it was common to keep a factory or mine going around the clock with two shifts of twelve hours each.

19: How does the need of the bourgeoisie to seek allies among the proletariat help to strengthen the latter? Which of these two classes--bourgeoisie and proletariat--tends to grow the most? According to Marx' s definitions, which class does your family belong to: bourgeoisie (owners of the means of production who live off of profits) or proletariat (people who work for a salary), or would you define their status in some other way? When Marx says that "a small section of the ruling class cuts itself adrift, and joins the revolutionary class" he is thinking primarily of intellectuals like himself and Engels, who allied themselves with the workers despite their bourgeois background. The relationship of such idealistic Marxists to working class movements has been a troubled one. Can you think of any examples? What problems might these two groups have in relating to one another? Why does he call peasants reactionaries? Was Marx right? Can you think of an important modern Communist revolution which was created primarily among and for peasants?

20: Professional criminals, prostitutes, beggars, etc. make up what Marx calls the Lumpenproletariat. They too are not likely to be revolutionary, according to him. When Marx says that the proletarian is without property he doesn't mean workers don't own their clothes and toothbrushes. To what extent are the workers in Germinal "without property?" It is this narrow definition of "property" that Marx uses throughout his writings. He had no objection to people owning personal belongings. To what extent has modern capitalism stripped workers of their national character? Are proletarians less nationalistic than the bourgeoisie? Why does he believe that proletarians will be motivated to destroy the whole system of individual private property? What fact makes the proletarian movement different from all previous movements? Does Marx believe that the struggle of the proletariat with the bourgeoisie can be carried out internationally, all at once? What might be the weaknesses of carrying it out country by country?

21: Why does Marx say the bourgeoisie is unfit to rule? The final paragraph of this chapter summarizes the argument of the whole. Read it carefully. He believes that capitalism inevitably creates its own destruction. What do you think of this thesis?

II: Proletarians and Communists

22: What does Marx say the relationship of the Communists to the proletarians as a whole is? In what ways are they different from other working-class parties? What are their immediate aims?

23: Marx argues that his theories are not mere intellectual inventions but scientifically provable facts. What effect might it have on political debate if one believes that one's arguments are irrefutable fact? Marx now sets himself to answer many of the most common accusations against the Communists. What does he say is the usual argument in favor of the right of personally acquiring property (land, factories, mines, etc.)? What do you think of these arguments? What are his answers? Do you find them convincing?

24: What does he mean when he says that capital (the money and goods which make capitalism possible) is a social creation? Again he discusses the "iron law of wages." He says that under capitalism living labor (the work of the workers) is but a means to increase accumulated labor (the wealth of the owners). What does he say is the aim of labor under communism? Does Marx want to abolish all individuality and freedom? Read the last paragraph carefully. What is he saying?

25: Some Communists have denounced all individuality and most individual liberty. Do you think Marx would have agreed with them? What does he mean by saying that the bourgeoisie has done away with private property for nine-tenths of the population? The fact that most Americans own no part of the means of production doesn't seem to make them opposed to private property as such. Por que não? Can you identify factors that Marx overlooked? When he says that the middle-class owner must be made impossible, he simply means that society must be reorganized so that no one is allowed to own large masses of productive property. Do you think he would have agreed with attempts to kill capitalists? What is his answer to the argument that the ambition to acquire property (become a business owner) is necessary to prevent "universal laziness?" (His answer continues on the next page.)

26: In the second paragraph, Marx says that the bourgeoisie fears that a proletarian revolution will destroy all culture because bourgeois culture will no longer be produced. What does he imply about the continued existence of culture? Why does he argue it is pointless to use arguments based on freedom, culture, and law against communism? The earliest Western theoretician of communism, Plato, had argued for a lottery rotating the matings of men and women to create a sense of solidarity in which all citizens would view themselves as part of one big family. Some other communists had argued for similar arrangements, like group marriage or " free love," but Marx did not. He did feel that people should be free to form their own unions without any role being played by the state. He was also opposed to the idea of "illegitimacy." Here he sarcastically attacks his critics without making his own position explicit. Remembering Germinal , why do you think he says the family is "practically absent" among the proletarians?

27: He foretells the vanishing of the bourgeois family (though not necessarily the family in general). What evils does he say the bourgeois family causes? He answers those who argue that education will be destroyed and replaced by propaganda by saying that supposedly neutral bourgeois education is in fact filled with more or less hidden propaganda for capitalist values: there is no neutrality possible. The workers have to change the values taught to ones that support rather than undermine them. What do you think of this argument? Is it possible to have a truly unbiased form of education? Is it desirable? Do we have one now? What evidence does he offer that the bourgeoisie does not really value the family for its own sake? He then returns to the most sensational charge: the community (sharing) of women. Marx rejects this. According to Marx, why do the bourgeoisie suppose that this is an essential part of communism? How does he argue that it is the bourgeoisie which has really promoted the "community of women?"

28: How does he say the abolition of the present system of production would change this situation? He agrees that the Communists do want to abolish countries and nationality. What are his arguments in saying that working people are not attached to their countries? Clearly this is not generally true. Even Stalin had to resort to patriotism to muster the support of Russians behind him during World War II. Why has nationalism proven so persistent and powerful? Does this fact undermine Marxism? What does the passage which begins in the last paragraphs on this page and continues on the next mean? (Hint: the point is discussed above, in the introduction to these questions.) This argument is one of the most widespread and powerful still being debated in academic and intellectual circles today, and it is important to understand it.

30-31: As Engels points out, the ten-point program outlined here is very conservative and preliminary, and would have been much more developed had the Manifesto been written later. Which of the points seem radical, which conservative? Which have been in fact commonly adopted in countries like the U.S.? Which do you agree with? Disagree with? Explain this ideal: " the free development of each is the condition for the free development of all." Does this sound like communism as you understand it? As it developed in the Soviet Union?

NEXT PAGE Notes by Paul Brians, Department of English, Washington State University, Pullman 99164-5020.


Early Republic

For the formative developments subsequent to the Revolutionary War, the Official Publications of American State Constitutional Conventions is a valuable collection. Here, the Library has nearly every text and more than two-thirds of the recorded editions. Included are not only the more valuable ‘Journals,’ ‘Proceedings,’ ‘Minutes,’ or ‘Debates,’ but also minor items such as rules, ordinances, reports of committees, and speeches so that the scholar may approach the subject from multiple angles.

As for other areas of American history, the Newberry holds extensive genealogical materials - for instance, a sizable collection of New England genealogies and local histories - that contribute to the rich tapestry of potential sources from which to approach the Early Republic. The Ayer and Ruggles collections have rare and unique sources that inform our understanding of the expansion of the young nation: for instance, a nearly complete collection of Indian captivity narratives can be found at the Newberry.


Assista o vídeo: The Third Industrial Revolution: A Radical New Sharing Economy