O mito de etana

O mito de etana


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O mito de etana é a história do Antediluviano Sumério Rei de Kish, que sobe ao céu em uma águia para solicitar a Planta do Nascimento aos deuses para que ele possa ter um filho. Etana é citado como o primeiro rei de Kish na Lista de Reis Sumérios (composta por c. 2100 AEC), que afirma que ele reinou no início do terceiro milênio aC. De acordo com a Lista de Reis Sumérios, Etana era conhecido como "aquele que estabilizou as terras" depois que os deuses criaram a ordem a partir do caos e estabeleceram os conceitos de realeza e governo entre a humanidade. Etana era, portanto, uma figura conhecida e altamente respeitada e teria sido escolhida como personagem central justamente por esse motivo. Uma mensagem central do mito é que se deve confiar nos deuses e Etana, um grande rei, teria sido escolhido pelo autor desconhecido como o melhor exemplo na transmissão dessa mensagem.

Mensagem Central

Que o mito é muito antigo é atestado por selos cilíndricos representando Etana nas costas da águia, que datam do reinado de Sargão de Akkad (2334-2279 aC). O Museu Britânico tem entre suas coleções um fragmento de O mito de etana da biblioteca do rei Assurbanipal em Ninevah, que data do século 7, mas, como G.S. Kirk aponta:

A versão neo-assíria da biblioteca de Assurbanipal é o texto que mais sobreviveu, mas onde se sobrepõe a uma versão babilônica antiga de mil anos antes, corresponde a ela muito de perto, às vezes palavra por palavra. Um pequeno fragmento médio assírio mantém a mesma precisão. (25)

A história contém muitos motivos vistos em mitos de todas as culturas: uma grande cidade criada pelos deuses, uma busca por um governante digno, animais falantes, juramentos quebrados, intervenção divina e uma busca que traz o herói para a terra dos deuses (este um envolvendo uma águia de proporções míticas). O mito pode ter sido pretendido, como sugerido por R. McRoberts, para transmitir uma mensagem política sobre a realeza:

Quando esta história é colocada no contexto da Primeira Dinastia de Kish, e seu governo excepcional de vinte e três reis consecutivos, pode ser vista como mais do que um conto de fantasia. As dinastias anteriores nas Listas de Reis mostram apenas alguns reis governando em sucessão. É possível que o sucesso da Primeira Dinastia de Kish se deva em parte a uma nova tradição de passar a monarquia a um herdeiro do rei anterior. O mito de Etana serviu como um lembrete colorido de que era dever do rei ir a qualquer comprimento, ou altura, conforme o caso, para produzir aquele herdeiro. (40)

Embora a observação de McRoberts seja certamente válida, o dever do rei não era apenas para com seu povo, mas para com os deuses que não apenas lhe deram a vida, mas o colocaram em sua posição. De acordo com a crença suméria (e a crença mesopotâmica em geral), os deuses criaram a humanidade como colaboradores para manter a ordem e controlar as forças do caos. O rei era responsável perante os deuses e seus súditos por garantir que a vontade dos deuses fosse seguida. Ele não poderia realizar essa tarefa se não tivesse fé nos deuses e, portanto, o mito, além de seus muitos outros temas, teria enfatizado a fé de Etana nos deuses, mesmo quando parece que suas orações não foram respondidas.

Resumo

A história começa com a fundação e construção da grande cidade de Kish, onde os deuses cercam a cidade com altos muros e então começam uma busca cuidadosa por um rei para governar a cidade. Etana é finalmente escolhido por Ishtar / Inanna para governar e ele constrói um santuário para o deus Adad. Perto desse santuário, cresce um choupo no qual uma águia construiu um ninho nos galhos e uma serpente fez abrigo nas raízes.

A águia e a serpente fazem um juramento de lealdade, com Shamash, o deus do sol, como testemunha, de que serão amigos e cuidarão dos filhos um do outro. A águia cuidará dos filhos da serpente quando a serpente sair em busca de alimento e a serpente fará o mesmo com a águia. Esse acordo funciona bem até que, um dia, quando os filhos da águia cresceram, a águia decide comer os filhos da serpente, sem dar ouvidos aos gritos de advertência de seus próprios filhos, que imploram para que não o faça.

História de amor?

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

Quando a serpente chega em casa com a comida do dia, ela descobre que seus filhos se foram, seu ninho foi destruído e as garras da águia marcam a terra ao redor de sua antiga casa. Ele clama a Shamash por ajuda para punir a águia e é instruído a se esconder dentro da carcaça de um boi selvagem e, quando a águia vier comer a carne, para agarrá-la, cortar suas asas e penas da cauda, ​​arrancá-la, e jogá-lo em uma cova. A serpente obedece às instruções e a águia, indefesa na cova, clama ao próprio Shamash pedindo ajuda. Shamash diz à águia que o que ele fez com os filhos da serpente foi um ato horrível, mas que o deus enviará Etana para ajudar a águia.

Etana, por sua vez, também está pedindo ajuda a Shamash porque sua esposa é estéril e ele se desespera por ter um filho e herdeiro de seu trono. Shamash direciona Etana para o fosso onde a águia está sofrendo e Etana cuida do pássaro para recuperá-lo. A águia e Etana tornam-se amigos íntimos e a águia ainda interpreta os sonhos de Etana para ele. Em um desses sonhos, Etana sobe ao céu montado na águia e recebe a Planta do Nascimento de Ishtar. A águia acredita que este sonho é uma mensagem dos deuses para os dois tentarem essa aventura e diz a Etana para segurar suas asas, colocando seu peito no peito do pássaro.

A história de Etana contém muitos motivos vistos nos mitos de todas as culturas.

Agarrando-se à barriga da grande águia, Etana é carregado para os céus. Ele está tão alto que, quando olha para baixo, não consegue ver a terra e fica com medo. Ele grita para a águia: "Eu olhei, mas não pude ver a terra! Nem meus olhos eram suficientes para encontrar o vasto mar! Meu amigo, eu não irei subir para o céu. Coloque-me no chão, deixe-me ir para minha cidade "e então solta a águia e mergulha em direção à terra. A águia desce atrás de Etana e o resgata.

Os dois voltam para a cidade de Kish, onde Etana e sua esposa têm sonhos e a águia interpreta o sonho de Etana como um comando para fazer uma segunda tentativa nos céus. A segunda tentativa é bem-sucedida, pois eles alcançam as alturas do céu e chegam à morada dos deuses para se prostrarem juntos, mas o resto da história se perdeu. Como Etana teve um filho, Balikh, que o sucedeu como rei (e dizem que reinou por 1.500 anos), entende-se que o sonho que Etana teve de Ishtar dando a ele a Planta do Nascimento se tornou realidade.

O texto

A tradução a seguir é de Benjamin Foster, de sua obra, Dos dias distantes: mitos, contos e poesia da antiga Mesopotâmia usado sob licença Creative Commons da Portais para a Babilônia website e complementado pela tradução de Stephanie Dalley, parafraseada nas próprias palavras deste autor, para a conclusão.

TABLET I
Eles planejaram uma cidade []
Os deuses lançaram suas bases
Eles planejaram a cidade [Kish?]
O Igigi-gos fundou sua alvenaria []
"Deixe [] ser o pastor (do povo) deles,
"Que Etana seja o arquiteto deles ..."
Os grandes deuses Anunnaki, ordenadores de destinos,
Sentou-se tomando seu conselho sobre a terra,
Os criadores das quatro regiões do mundo, fundadores de todas as formas físicas,
Por ordem de todos eles os deuses Igigi
Ordenado um festival para o povo
Nenhum rei eles estabeleceram, sobre os povos abundantes,
Naquela época não havia cocar, nem coroa,
Nem o cetro ainda tinha sido cravejado de lápis-lazúli.
Nenhum estrado de trono foi construído,
Contra o mundo habitado, eles bloquearam os portões ...
Os deuses Igigi cercaram a cidade com muralhas
Ishtar desceu do céu em busca de um pastor,
E procurado por um rei em todos os lugares.
Inninna desceu do céu em busca de um pastor,
E procurado por um rei em todos os lugares.
Enlil examinou o estrado de Etana,
O homem a quem Ishtar firmemente ... Ela sempre buscou ...
"Que a realeza seja estabelecida na terra,
Que o coração de Kish seja alegre "
Reinado, a coroa radiante, trono []
Ele (?) Trouxe e []
Os deuses das terras ....
(grande lacuna)

TABLET II
[] que ele chamou [] ....
a maré alta
[] ele construiu uma torre (?) []
[] santuário para Adad, o deus [],
Na sombra daquele santuário, um choupo estava crescendo [],
Em sua coroa uma águia pousou,
Uma serpente se estabeleceu em sua raiz.
Diariamente, eles observavam as feras do vento.
A águia se preparou para falar, dizendo à serpente:
"Venha, vamos fazer amizade,
Sejamos camaradas, você e eu ".
A serpente preparou-se para falar, dizendo à águia:
"Se for mesmo .... de amizade e []
Então, vamos fazer um juramento poderoso de Shamash.
Uma abominação dos deuses []
"Venha então, vamos partir e subir a alta montanha para caçar.
"Vamos fazer um juramento pelo mundo dos mortos".
Antes de Shamash, o guerreiro, eles fizeram o juramento,
"Quem transgride os limites de Shamash
"Que Shamash o entregue como um ofensor nas mãos do carrasco,
"Quem quer que transgrida os limites de Shamash,
"Que as montanhas removam seus elogios para longe dele,
"Que a arma que se aproxima vá direto para ele,
"Que a armadilha e a maldição de Shamash o derrube e o mate!"
Depois de terem feito o juramento do submundo,
Eles partiram, subindo as altas montanhas,
Cada dia, por turnos, observando os animais selvagens,
A águia iria caçar bois selvagens e gazelas,
A serpente comia, se afastava e então seus filhos comiam.
A águia iria caçar ovelhas selvagens e auroques,
A serpente comia, se afastava e então seus filhos comiam.
A serpente iria caçar feras do campo, as criaturas da terra,
A águia comia, se afastava, então seus filhos comiam a comida,
Os filhos da águia cresceram e floresceram.
Depois que os filhos da águia cresceram e floresceram,
O coração da águia realmente planejou o mal,
Mal seu coração conspirou, de fato!
Ele decidiu comer os filhotes de seu amigo!
A águia se preparou para falar, dizendo aos seus filhos:
“Comerei os filhos da serpente, a serpente [],
"Vou subir e morar no céu,
"Se eu descer da coroa da árvore, ... o rei."
O menor calouro, extremamente sábio, disse estas palavras para a águia, seu pai:
"Não coma, meu pai!
A rede de Shamash vai te caçar,
A malha e o juramento de Shamash irão derrubá-lo e caçá-lo.
Quem quer que transgrida os limites de Shamash,
Shamash vai entregá-lo como um ofensor nas mãos do carrasco! "
Ele não deu ouvidos a eles, nem ouviu as palavras de seus filhos,
Ele desceu e comeu os filhos das serpentes,
Na noite do mesmo dia,
A serpente veio, carregando seu fardo,
Na entrada de seu ninho, ele jogou a carne,
Ele olhou em volta, seu ninho havia sumido
Ele olhou para baixo, seus filhos não []!
A águia havia cavado o chão com sua garra,
A nuvem de poeira do céu escureceu o céu.
A serpente .... chorando diante de Shamash,
Antes de Shamash, o guerreiro, suas lágrimas escorreram,
"Eu confiei em você, ó guerreiro Shamash,
Fui eu que dei provisões para a águia,
Agora meu ninho []!
Meu ninho se foi, enquanto seu ninho está seguro,
Meus filhos estão destruídos, enquanto seus filhos estão seguros,
Ele desceu e comeu meus filhos!
Você sabe, ó Shamash, o mal que ele me fez,
Verdadeiramente, ó Shamash, sua rede é a vasta terra,
Sua armadilha é o paraíso distante,
A águia não deve escapar de sua rede,
Aquele Anzu maligno que abrigou o mal contra seus amigos! "
Quando ele ouviu o lamento da serpente,
Shamash preparou-se para falar e disse-lhe:
"Siga seu caminho e atravesse a montanha,
Capturei para você um boi selvagem.
Abra suas entranhas, rasgue sua barriga,
Arme uma emboscada em sua barriga,
Todo tipo de ave do céu descerá para comer a carne.
A águia descerá com eles para comer a carne,
Como ele não conhecerá o mal que está reservado para ele,
Ele vai procurar a carne mais suculenta [], vai andar do lado de fora,
Ele vai abrir caminho na cobertura dos intestinos,
"Quando ele entrar, segure-o pelas asas,
Corte suas asas, suas penas e penas da cauda,
Arranque-o e lance-o em um poço sem fundo,
Que ele morra de fome e sede ”.
Como Shamash o guerreiro ordenou,
A serpente foi e cruzou a montanha.
Então a serpente alcançou o boi selvagem,
Ele abriu suas entranhas, ele rasgou sua barriga.
Ele armou uma emboscada em sua barriga.
Todo tipo de ave do céu desceu para comer a carne.
A águia sabia do mal que estava reservado para ela?
Ele não comeria a carne com os outros pássaros!
A águia preparou-se para falar, dizendo aos seus filhos:
“Vem, desçamos e comemos também a carne do boi selvagem”.
O pequeno calouro, extremamente sábio, disse estas palavras para a águia, seu pai:
“Não desça, pai, sem dúvida a serpente espreita dentro do boi selvagem”.
A águia disse a si mesma,
"Os pássaros estão com medo? Como é que comem a carne em paz?"
Ele não deu ouvidos a eles, não deu ouvidos às palavras de seus filhos,
Ele desceu e empoleirou-se no boi selvagem.
A águia olhou para a carne, procurando na frente e atrás dela.
Uma segunda vez ele olhou para a carne, procurando na frente e atrás dela,
Ele caminhou do lado de fora, abriu caminho para a cobertura dos intestinos,
Quando ele entrou, a serpente o agarrou pelas asas,
"Você se intrometeu ... você se intrometeu ...!
A águia se preparou para falar, dizendo à serpente:
"Tenha misericórdia de mim! Eu farei para você um presente como o resgate de um rei!"
A serpente preparou-se para falar, dizendo à águia:
"Se eu te soltar, como vou responder a Shamash nas alturas?
Seu castigo voltaria contra mim,
Eu, aquele que pune você! "
Ele cortou suas asas, pinhões e penas da cauda,
Ele o agarrou e o lançou em uma cova.
Que ele deveria morrer de fome e sede.
Quanto a ele, a águia, ..... []
Ele continuou implorando a Shamash dia após dia:
"Devo morrer em um buraco?
Quem saberia como sua punição foi imposta a mim?
Salve minha vida, a águia!
Deixe-me fazer com que o seu nome seja ouvido para sempre ".
Shamash preparou-se para falar e disse à águia:
"Você é perverso e cometeu um ato revoltante.
Você cometeu uma abominação dos deuses, um ato proibido.
Você não estava sob juramento? Eu não vou chegar perto de você.
Pronto pronto! Um homem que eu enviarei para você vai te ajudar "
Etana continuou implorando a Shamash dia após dia,
"Ó Shamash, você comeu com minhas ovelhas mais gordas!
Ó Mundo Inferior, você bebeu do sangue de meus cordeiros sacrificados!
Tenho honrado os deuses e reverenciado os espíritos,
Intérpretes de sonhos esgotaram meu incenso,
Os deuses usaram meus cordeiros no matadouro.
Ó Senhor, dê o comando!
Conceda-me a planta de nascimento!
Revele-me a planta de nascimento!
Alivie-me de meu fardo, conceda-me um herdeiro! "
Shamash preparou-se para falar e disse a Etana:
"Encontre um buraco, olhe dentro,
Uma águia é lançada dentro dele.
Ele vai te revelar a planta do nascimento ".
Etana seguiu seu caminho.
Ele encontrou o poço, ele olhou para dentro
A águia foi lançada dentro dele
Lá estava ele para ele criar!

TABLET III
A águia olhou para ele ....
Ele disse [] para Etana,
"Você é Etana, o rei das feras,
Você é Etana, [] entre (?) Pássaros.
Traga-me deste buraco
Me dê sua mão,
"..... [ ],
Vou cantar seus louvores para sempre ".
Etana disse à águia estas palavras:
"Se eu salvar sua vida, []
Se eu te tirar do buraco,
A partir desse momento devemos ser .......... "
"[ ] para mim [ ]
"Do nascer do sol até []
"..... [ ]
"Vou conceder-lhe a planta da vida".
Quando Etana ouviu isso,
Ele encheu a frente do poço com []
Em seguida, ele jogou ... []
Ele continuou jogando [] na frente dele,
A águia .... da cova
Quanto a ele, ele bateu suas asas,
Uma primeira vez e uma segunda vez ... a águia na cova,
Quanto a ele, ele bateu as asas .....
Uma terceira vez e uma quarta vez ... [a águia ... em? O pit
Quanto a ele, ele bateu suas asas
Uma quinta e uma sexta vez ....
(linhas fragmentadas e lacunas)
(de outra versão)
Ele o pegou pela mão em seu sétimo mês na cova,
No oitavo mês, ele o trouxe até a borda de seu poço,
A águia comeu como um leão voraz,
Ele ganhou força.
A águia preparou-se para falar e disse a Etana:
"Meu amigo! Vamos ser amigos, você e eu!
Peça-me o que quiser e eu darei a você ".
Etana preparou-se para falar e disse à águia:
"Meus olhos ... abram o que está escondido.
(Gap = Vão)
Etana e a águia tornam-se amigas. Etana tem sonhos, que relaciona com a águia.
[ ] acima de
[] aos meus pés
A águia fez Etana entender o sonho,
[] sentado diante dele,
"[] seu sonho é propício,
"[] o fardo é trazido,
"Eles vão dar []
"Você tem feito [] das pessoas
"Você vai agarrar ... em sua mão,
"O vínculo sagrado [] acima
" [ ] Aos seus pés."
Etana disse para ele, para a águia.
"Meu amigo, eu tive um segundo sonho,
"[] juncos [] na casa,
Em todos [], em toda a terra,
"Eles amontoaram muitos deles em pilhas,
"[] inimigos, eles eram serpentes perversas,
"[] estavam vindo antes de mim,
“[] eles estavam ajoelhados diante de mim”.
A águia fez Etana entender o sonho
[] sentado o aborrece
"[] seu sonho é propício"
(Gap = Vão)

TABLET IV
A águia preparou-se para falar, dizendo a Etana:
"Meu amigo ... aquele deus ..."
“Passamos pelos portões de Anu, Enlil e Ea,
Passamos pelos portões de Sin, Shamash, Adad e Ishtar,
Fizemos reverência juntos, você e eu,
Eu vi uma casa com janelas, não tinha lacre
Eu .... e entrei.
Uma jovem notável estava sentada lá,
Ela era imponente ... bela de feições.
Um trono foi estabelecido, o solo foi pisado,
Sob o trono [] os leões estavam agachados,
Quando entrei, os leões saltaram sobre mim.
Acordei assustado e estremeci [] ".
A águia disse a ele, a Etana:
"Meu amigo, o [] é óbvio,
Venha, deixe-me levá-lo para o céu,
Coloque seu peito contra meu peito,
Coloque suas mãos contra as penas das minhas asas,
Ponha os braços nas laterais do meu corpo ".
Ele colocou seu peito contra seu peito,
Ele colocou as mãos contra as penas das asas,
Ele colocou os braços ao lado do corpo,
Grande, de fato, era o fardo sobre ele.
Quando ele o ergueu por uma liga,
A águia disse a ele, a Etana:
"Olha, meu amigo, como está a terra agora.
Examine o mar, procure seus limites
A terra são colinas ...
O mar virou riacho ”.
Quando ele o ergueu uma segunda liga,
A águia disse a ele, disse a Etana,
"Olha, meu amigo, como está a terra agora!
O terreno é uma colina ".
Quando ele o ergueu uma terceira légua,
A águia disse a ele, disse a Etana,
"Olha, meu amigo, como está a terra agora!"
O mar virou vala de jardineiro ”.
Depois que eles ascenderam ao céu de Anu,
Eles passaram pelos portões de Anu, Enlil e Ea,
A águia e Etana fizeram reverência juntos,
No portão do pecado
A águia e Etana prestaram reverência juntas
(lacuna, linhas fragmentadas)
(outra versão deste episódio)
"Através do poder de Ishtar []
"Coloque seus braços contra os meus lados,
Ponha as mãos nas penas das minhas asas ".
Ele colocou os braços ao lado do corpo,
Ele colocou as mãos nas penas das asas.
Quando ele o ergueu uma légua,
"Olha, meu amigo, como está a terra agora!"
"A circunferência do terreno tornou-se um quinto do seu tamanho.
“O vasto mar tornou-se um paddock”.
Quando ele o ergueu uma segunda liga,
"Olha, meu amigo, como está a terra agora!"
“O terreno tornou-se uma horta [],
“E o vasto mar tornou-se um vale”.
Quando ele o ergueu uma terceira légua,
"Olha, meu amigo, como está a terra agora!"
"Eu olhei, mas não pude ver a terra!
"Nem meus olhos foram suficientes para encontrar o vasto mar!
"Meu amigo, eu não irei para o céu
"Me coloque no chão, deixe-me ir para a minha cidade".
Uma liga ele o derrubou (?)
Então a águia mergulhou e o pegou nas asas.
Uma segunda liga ele o derrubou (?)
Então a águia mergulhou e o pegou em suas asas,
Uma terceira liga ele o derrubou (?)
Então a águia mergulhou e o pegou em suas asas,
Dentro de três côvados de terra [ele o deixou cair],
A águia mergulhou e o pegou em suas asas,
A águia [] e .... enquanto ele, Etana []

Conclusão

Neste ponto, de acordo com a tradução de Stephanie Dalley, há uma "lacuna de comprimento incerto" e então sua tradução continua a história do retorno de Etana e da águia à cidade de Kish. Em Kish, Etana tem uma série de sonhos que "o encorajam a fazer uma segunda tentativa de alcançar o céu". O resto da peça fala dos sonhos de Etana, a interpretação da águia, o sonho da esposa de Etana (no qual ela parece ver um longo reinado para Etana) e o segundo voo de Etana e da águia para o céu onde "eles passaram pelo portão do Pecado , Shamash, Adad e Ishtar "e se curvaram juntos. Como a última linha da peça é dada como "Ele empurrou para abrir [e entrou]", Dalley concluiu que essa segunda tentativa nos céus foi bem-sucedida e Etana recebeu a Planta da Vida de Ishtar.

Entre suas muitas mensagens para um público antigo, o mito de Etana teria assegurado ao povo que os deuses estavam cientes de suas necessidades e ouviam e respondiam às suas orações - mesmo que isso não parecesse a princípio. O mito se encaixa perfeitamente no gênero conhecido como Literatura Naru da Mesopotâmia - histórias que retratam uma figura conhecida (geralmente um rei) em um conto de ficção que desenvolve e incentiva algum valor cultural importante. Etana, embora um rei, é visto como tendo problemas como qualquer outro e, como aqueles que teriam sido o público original da história, ele tem a garantia dos deuses de que tudo ficará bem desde que ele confie neles. Embora sua primeira tentativa de escalar as alturas do céu falhe, ele acredita na verdade de seu sonho, tenta novamente e é recompensado por sua fé.


Assista o vídeo: Etana - Love Song Official Album Audio


Comentários:

  1. Akizilkree

    É exclusivamente sua opinião

  2. Alcinous

    que faríamos sem sua excelente frase

  3. Fergusson

    não logicamente

  4. Shajin

    Eu não ouvi falar disso ainda

  5. Yeoman

    ai que amor ...



Escreve uma mensagem